n. 2 (2015): Estudos geográficos do clima

O dossiê desta edição, Estudos geográficos do clima, trata das condições atmosféricas, do clima urbano, de como o crescimento das cidades transforma a dinâmica climática. Não trata da mudança climática, do efeito estufa, que vêm sendo motivo crescente de preocupações, de eventos, pesquisas, como foi tratado na Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas-COP21, realizada em Paris em dezembro de 2015, enquanto esta edição da Revista de Ciências Humanas era preparada. O dossiê, no geral, não trata dessas temáticas, como enfocadas em sentido global, mas apresenta estudos concretos – e geralmente realizados em municípios brasileiros, onde realmente as coisas acontecem e as pessoas vivem e vão sentir todas essas implicações das mudanças climáticas – como os tratados aqui, que vão montado o mosaico das mudanças que vêm acontecendo nas cidades e são preocupações, primeiro dos estudiosos e depois dos cidadãos.

Os nove artigos que compõem o presente dossiê mostram os impactos ambientais dos mecanismos e fatores climáticos e como conformam os ambientes climáticos nos centros urbanos e no seu entorno:

Transformações e conformações de uma paisagem em (re)construção: As repercussões na dinâmica climática local decorrente da expansão da mancha urbana de Viçosa-MG.: Avalia o impacto do crescimento vertical na mancha urbana do município de Viçosa, MG, no período de inverno de 2014, através de pontos de monitoramento distribuídos entre o meio urbano e rural.

Influência de sistemas sinóticos na diferença térmica entre campo e cidade, estudo de caso de Viçosa-MG: Observa e discute o comportamento da temperatura entre dois pontos fixos de coleta de dados no município de Viçosa, MG.

Chuvas em Marcelino Ramos (RS): influência do lago da uhe de Itá ou do enos?: Compara precipitações em Marcelino Ramos, RS, buscando evidências de mudanças nas chuvas devido à formação do lago da UHE de Itá.

Estudo do conhecimento climático popular na região semiárida do estado da Bahia: Recompila sinais da natureza considerados como indicadores meteorológicos pelos pequenos produtores rurais do semiárido do Estado da Bahía.

Ambientes urbanos e fatores naturais na conformação das condições climáticas no período de inverno em Viçosa/MG: Analisa condicionantes climáticos em dois pontos distintos no município de Viçosa, MG, com coleta de dados de temperatura e umidade.

Variação termo-higrométrica nos meses de verão ao longo do percurso Ponte Nova-Ubá, na zona da Mata mineira: Trabalha com a variação termohigrométrica nos meses de verão no percurso entre Ponte Nova e Ubá, na zona da Mata mineira, em que se mediram temperatura do ar e umidade relativa do ar.

A água da Amazônia irriga o Sudeste do Brasil? Uma visão climatológica: Levanta as principais fontes de umidade para a precipitação na Amazônia, assim como a circulação atmosférica e o transporte de vapor d’água sobre a América do Sul.

Variações ou tendências climáticas: um estudo com as séries de temperatura do ar para a cidade de Juiz de Fora-MG: Estuda para identificar tendências anuais da temperatura média e mínima do ar para a cidade de Juiz de Fora, MG, entre os anos de 1972 a 2014.

Ilhas de calor em evidência na cidade de Teresina-PI: Estuda ilhas de calor em diversos pontos na cidade de Teresina, PI.

Apresentamos também resenha do que foi a Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas-COP21 e seu Acordo de Paris.

Na seção “Estudos & Debates”, os artigos tratam de brão, canto de trabalho dos mutirões rurais; da telenovela Amor e Revolução e suas histórias de vida; a emancipação política do Brasil e as diferentes posturas da província de Minas Gerais; e a experiência de dez anos do parlamento jovem brasileiro. Folclore, sociologia e comunicação, história e ciência política.

E terminamos com uma resenha sobre um livro de entrevista, A fascinação das palavras, ao grande escritor argentino Julio Cortázar.

Boa leitura.

 

Os editores:

Edson Soares Fialho (UFV)

Publicado: 2018-12-06