Revista ELO – Diálogos em Extensão https://periodicos.ufv.br/elo <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Revista Elo – Diálogos em Extensão – </span><strong style="font-size: medium;">ISSN 2317 5451</strong></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">A Revista ELO – Diálogos em Extensão é uma publicação mantida pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal de Viçosa. Lançada em novembro de 2010, a revista é voltada principalmente para a divulgação de artigos científicos relativos à extensão universitária desenvolvidos no Brasil e em outros países. A revista prevê as seções de artigos, relatos de experiência, resenha e a divulgação de uma instituição ou programa de extensão.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">A Revista ELO – Diálogos em Extensão recebe trabalhos relacionados às seguintes áreas temáticas da extensão universitária: Agroecologia, Associativismo, Cooperativismo, Comunicação, Cultura, Direitos Humanos, Educação, Gênero, Meio Ambiente, Políticas Públicas, Ruralidade, Saúde, Segurança Alimentar, Tecnologia, Teorias e Metodologias em Extensão, Trabalho, Territoriedade.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">O periódico atualmente adota o formato online, primando pela regularidade, qualidade e agilidade no processo de avaliação dos trabalhos submetidos, buscando, assim, alcançar os melhores resultados junto aos órgãos indexadores, mas a Revista ELO – Diálogos em Extensão já está indexada ao: DOAJ, Latindex,&nbsp;</span><span style="font-size: medium;">Google Acadêmico, Sumários, LivRe, .periodicos., Miar, EuroPub.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">A Revista ELO – Diálogos em Extensão é uma publicação eletrônica de periodicidade semestral e utiliza o Sistema de Editoração Eletrônica de Revistas (OJS/SEER), recebendo trabalhos em fluxo contínuo.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Os interessados devem submeter trabalhos e o acompanhar o trâmite para publicação pelo site www.elo.ufv.br.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Todos os trabalhos enviados para apreciação deverão enquadrar-se na formatação exigida no espaço “SUBMISSÕES ONLINE”, sob pena de não serem analisados quanto ao mérito e conteúdo.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Os artigos devem ser submetidos em português, espanhol ou inglês.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Os Editores reservam o direito de garantir um intervalo de duas edições entre duas publicações de um mesmo autor e/ou de um mesmo grupo de trabalho, projeto ou programa de extensão.</span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-size: medium;">Este periódico não faz nenhuma restrição à titulação acadêmica mínima para submissão de trabalhos e a avaliação é feita com base no sistema de análise “cega” por pares.</span></p> pt-BR <p id="docs-internal-guid-b0ca84c2-7fff-464f-70ac-60a4bab21a18" style="line-height: 1.656; text-align: justify; margin-top: 0pt; margin-bottom: 12pt;" dir="ltr"><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: bold; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</span></p><p style="line-height: 1.656; text-align: justify; margin-top: 12pt; margin-bottom: 12pt;" dir="ltr"><span style="font-size: 11pt; font-family: Arial; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;"> </span><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">A. Autores concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a </span><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: italic; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">Creative Commons Attribution License </span><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</span></p><p style="line-height: 1.656; text-align: justify; margin-top: 12pt; margin-bottom: 12pt;" dir="ltr"><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">B. Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</span></p><p style="line-height: 1.656; text-align: justify; margin-top: 12pt; margin-bottom: 12pt;" dir="ltr"><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">C. À Revista cabe o direito de efetuar nos originais alterações de ordem normativa, ortográfica e gramatical, com vistas a manter o padrão culto da língua, respeitando, porém, o estilo dos autores.</span></p><p style="line-height: 1.656; text-align: justify; margin-top: 12pt; margin-bottom: 12pt;" dir="ltr"><span style="font-size: 11pt; font-family: Verdana; color: #000000; background-color: transparent; font-weight: 400; font-style: normal; font-variant: normal; text-decoration: none; vertical-align: baseline; white-space: pre-wrap;">D. As opiniões emitidas pelos autores são de sua exclusiva responsabilidade.</span></p><br /><br /> elo@ufv.br (Elo) elo@ufv.br (Revista Elo Diálogos em Extensão) Ter, 17 Dez 2019 00:00:00 -0200 OJS 3.1.2.4 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Editorial https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/9432 Admin Revista ELO Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/9432 Ter, 17 Dez 2019 00:00:00 -0200 O impacto de ações de divulgação da neurociência junto a uma comunidade escolar de Uruguaiana/RS https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8661 Já é reconhecida a importância dos conhecimentos da neurociência para a sociedade. Estes conhecimentos, por ficarem restritos ao meio científico, muitas vezes não chegam à população em geral, e tampouco à escola, onde o entendimento do cérebro poderia contribuir para os processos de ensino-aprendizagem. Esta pouca divulgação científica acaba propiciando a disseminação de neuromitos, entendimentos equivocados acerca do funcionamento do cérebro, os quais podem ser prejudiciais. O pprograma POPNEURO busca promover ações de divulgação e popularização da neurociência. Neste estudo relatamos o impacto de um conjunto de ações, denominadas Neuroblitzes. As Neuroblitzes são visitas semanais a uma turma de escolares da Educação Básica nas quais temas de neurociência são abordados em atividades teórico-práticas. Participaram das ações aqui relatadas 28 escolares do 5º ano do Ensino Fundamental da Escola Municipal Cabo Luiz Quevedo do município de Uruguaiana/RS. As ações foram realizadas em 2018. Para avaliar o impacto das intervenções um questionário sobre os temas abordados foi aplicado antes e outro após as atividades. Os resultados demonstram que ações propostas aumentaram o conhecimento de estudantes da Educação Básica sobre o cérebro e o sistema nervoso, como no questionamento sobre os constituintes de um neurônio onde, após as intervenções, mais de 40% acertou todos os constituintes de um neurônio. Também em relação à Universidade onde antes das ações 68,18% afirmaram conhecer a UNIPAMPA, e, após as intervenções, este percentual subiu para 87,5%. Adicionalmente, os alunos gostaram das atividades, considerando-as divertidas e conseguindo estabelecer relação com o que foi destacado nas aulas, com o seu cotidiano. Mayúme Fantti de Freitas Fantti, Liane da Silva de Vargas, Ben-Hur Souto Neves, Pâmela Billig Mello-Carpes Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8661 Ter, 17 Dez 2019 10:54:46 -0200 Estratégias de combate ao Aedes aegypti: conscientização no ambiente escolar. https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1318 <p align="center">Atividades de educação não formal trazem novas perspectivas relacionadas à temática da dengue e demais doenças transmitidas pelo <em>Aedes aegypti</em>. A mobilização de diversas camadas sociais torna-se indispensável para minimizar o impacto causado pelo vetor em áreas de maior concentração de casos, portanto a escola se firma como a porta de entrada da conscientização, envolvendo alunos, funcionários, pais e toda a comunidade. O objetivo das atividades desenvolvidas foi abordar de maneira não formal toda a comunidade escolar, promovendo a conscientização acerca de medidas individuais de combate ao vetor. As escolas contempladas se localizam nos bairros de maior incidência de dengue no município de Passos – MG. Cerca de 600 crianças do 1º ao 5º ano do ensino fundamental e mais de 70 professores e funcionários participaram das atividades propostas, possibilitando a formação de uma rede de proteção baseada no conhecimento sobre as doenças e formas de prevenção.</p><p> </p> Maria Carolina de Souza Moreira, Bruna Ciuffa Maria, Adriely Paula Pereira, Eduarda Camargo Sansão, José Eduardo Zaia Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1318 Ter, 17 Dez 2019 00:00:00 -0200 Extensão universitária e formação acadêmica: alguns apontamentos sobre os 5 anos de vigência do Programa de Bolsas de Apoio à Cultura e à Arte da UFVJM https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/7317 Qual é o sentido da cultura e da arte na formação acadêmica dos estudantes? Essa indagação é o ponto de partida das discussões apresentadas neste artigo e elaboradas com base na análise de dados levantados sobre os cinco anos de vigência do Procarte (2012-2017), um programa específico de apoio destinado aos projetos de extensão vinculados às áreas da cultura e da arte e desenvolvido pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM). O cruzamento de todo material pesquisado (documentos oficiais, resoluções, regulamentos e editais de programas, planilha de projetos aprovados, quadros de resultados finais) possibilitou a organização de um conjunto de apontamentos sobre esse programa que poderá contribuir não apenas na avaliação diagnóstica do mesmo, como também com os debates sobre o papel da extensão universitária nos processos de formação cultural e acadêmica dos estudantes. José Rafael Madureira Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/7317 Ter, 17 Dez 2019 10:54:47 -0200 Química além da visão: Uma proposta de material didático para ensinar química para deficientes visuais https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8216 A química é o ramo da ciência que estuda a matéria e suas propriedades. Os parâmetros curriculares ressaltam que o ensino de química não pode se resumir apenas à transmissão de conhecimento, mas também fazer referência com o cotidiano do aluno de modo a facilitar a assimilação dos conteúdos. Para isso, faz-se uso de representações como materiais macroscópicos, gráficos e experimentos para que fenômenos sejam percebidos por meio de alteração de cores, precipitações, etc. Estes procedimentos geralmente são baseados na percepção visual. Mas e no caso de alunos portadores de deficiência visual? Estes ficariam privados de um ensino de química mais dinâmico e lúdico? Neste trabalho nós apresentamos uma proposta de elaboração de materiais alternativos para levar conteúdos da química de uma forma mais envolvente para estes alunos. A partir da adaptação de imagens, gráficos e ilustrações do capítulo de um livro didático de química nós mostramos que é possível os alunos assimilar conceitos científicos diversos, que a princípio só poderiam ser ensinados a partir da percepção visual. Nós também apresentamos uma sugestão de sequência didática para uso do material desenvolvido baseada em nosso relato de experiência com uma turma de 7 alunos portadores de deficiência visual. Cássia Cristina Campos Duarte, Laís Cristina Suemi Oshiro, Ludmila Pereira de Carvalho, Edemar Benedetti Filho, James Alves de Souza Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8216 Ter, 17 Dez 2019 10:54:47 -0200 Relato de experiência do projeto de extensão: Primeiros Socorros: educando a comunidade e os profissionais de saúde do município de Viçosa-MG e região https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1317 <p><strong>Objetivo:</strong> relatar a experiência dos membros do projeto “Primeiros Socorros: educando a comunidade e os profissionais de saúde do município de Viçosa-MG e região” na realização de intervenções educativas. <strong>Metodologia/procedimentos:</strong> relato de experiência dos participantes do projeto de extensão que atualmente conta com uma equipe com 17 membros. Os temas abordados nas intervenções educativas foram pequenas urgências, parada cardiorrespiratória e atendimento pré-hospitalar. Para avaliar a qualidade das capacitações foram aplicados pré e pós testes. <strong>Resultados e Discussão:</strong> no período de março a outubro de 2018 foram realizadas 04 reuniões organizacionais, 02 oficinas educativas e 10 capacitações totalizando 226 participantes de públicos diversos. <strong>Conclusões: </strong>realizar capacitações é imprescindível pois os participantes relataram maior compreensão e segurança para atuar nos primeiros socorros de situações emergenciais.</p> Flávia Batista Barbosa de Sá Diaz, Sarah de Moraes Alves, Aline Aparecida de Souza Godinho, Gabriella Machado de Sousa Oliveira, Marina Talma Torres Santos Ferreira, Nicoli Souza Carneiro Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1317 Ter, 17 Dez 2019 10:54:48 -0200 Os tesouros escondidos da terra revelados a partir da metodologia das instalações artístico pedagógicas https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1322 <p align="justify">A Troca de Saberes é um evento realizado na Universidade Federal de Viçosa, que busca o diálogo entre saberes científico e popular. Durante o evento foi realizada a Instalação Artístico-Pedagógica denominada "Os tesouros escondidos da roça". Diversos elementos foram organizados no espaço de forma harmônica com a intencionalidade pedagógica de favorecer o diálogo entre os participantes. A instalação foi planejada a partir de um "círculo de cultura", e contou com a participação de dois professores e 16 estudantes da graduação e pós-graduação da UFV. O objetivo foi gerar visibilidade aos processos, organismos e pessoas que vivem na roça e que têm sido historicamente invisibilizados. Durante a Troca de Saberes, 25 pessoas participaram, entre elas duas crianças e uma jovem surda. A participação efetiva de todos, a troca de conhecimentos e saberes e o reconhecimento dos tesouros da roça foram os principais resultados deste trabalho, importantes para o entendimento dos sistemas de produção.</p> Nancy Cardona, Bruna Goulart, Vanessa Schiavon, Fernanda Bazilia, André Miranda, Laércio dos Anjos Benjamin, Irene Cardoso Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/1322 Ter, 17 Dez 2019 10:54:48 -0200 "Cine de Quinta": Cinema para além do entretenimento https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/3526 <p><strong>Resumo:</strong> O “Cine de Quinta” foi desenvolvido na UFV, <em>campus</em> de Rio Paranaíba-MG com o objetivo principal de construir conhecimento junto a estudantes e moradoras/es de Rio Paranaíba por meio de ciclos fílmicos escolhidos semestralmente. O projeto teve início em 2017 e desde então tem colocado em pauta diversos assuntos inerentes à sociedade contemporânea, porém, muitas vezes negligenciados. Dessa forma, o “Cine de Quinta” usa o cinema como ferramenta principal na formação sociocultural das/os participantes, promovendo debates e instigando o público a desenvolver seu senso crítico através da “sétima arte”.</p> <p><strong>Palavras-chave</strong>: Cinema, Entretenimento, Conhecimento.</p> <p><strong>Área temática</strong>: Cultura e Educação</p> Lays Matias Mazoti Corrêa, Cássio Caetano Braga Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/3526 Sex, 17 Jan 2020 10:56:00 -0200 Oficinas para construção de brinquedos pedagógicos: Uma experiência com grupos sociais vulneráveis https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8188 Trata-se de um relato de experiência que descreve as atividades desenvolvidas no Projeto de extensão “É brincando que se aprende”, concebido por um grupo de mulheres com o objetivo de oferecer recursos teóricos e práticos para a atuação dos participantes junto a crianças até seis anos de idade. Cada brinquedo confeccionado teve, obrigatoriamente, um propósito pedagógico para servir como estímulo sensorial às crianças, além do caráter lúdico. Os participantes da oficina foram motivados a utilizar embalagens de alimentos e materiais escolares, como papel, tesoura, lápis e cola. Para a construção dos brinquedos, foram fornecidas orientações para o emprego dos brinquedos, de acordo com a faixa etária apropriada, e sugestões para construção de outros objetos indicados em sítios web. Além da qualificação profissional, a oficina contribuiu com o fortalecimento dos laços familiares, na medida em que o aprendizado pode e deve ser reproduzido no âmbito doméstico Sylvana Karla da Silva de Lemos Santos, Êrika Barretto Fernandes Cruvinel, Rafaela Maria de Medeiros Fernandes Rocha, Magali Melo dos Santos, Karla Danielle Lima Pereira, Débora Augusta da Silva Copyright (c) 2019 Revista ELO – Diálogos em Extensão https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://periodicos.ufv.br/elo/article/view/8188 Ter, 17 Dez 2019 10:54:49 -0200