EMERGÊNCIA E DESENVOLVIMENTO INICIAL DA BACABEIRA EM DIFERENTES SUBSTRATOS E AMBIENTES

Nouglas Veloso Barbosa Mendes, Denise de Castro Lima, Márcio Cleber de Medeiros Corrêa, William Natale

Resumo


A bacabeira (Oenocarpus bacaba Mart.) é uma palmeira nativa da Amazônia e dispersa pelo norte do Brasil. A germinação das sementes de palmeiras é relativamente lenta e desuniforme, sendo de grande importância pesquisas que avaliem o potencial germinativo da espécie. Objetivou-se avaliar o efeito de diferentes substratos e ambientes na emergência e no desenvolvimento inicial da bacabeira. O delineamento experimental utilizado foi inteiramente ao acaso, com os tratamentos distribuídos em esquema fatorial 5 x 2, sendo os fatores, substratos: S1 = fibra de coco, S2 = húmus de minhoca, S3 = fibra de coco + húmus de minhoca (1:1 v/v), S4 = vermiculita e S5 = bagana de carnaúba; os ambientes: A1 = casa de vegetação e A2 = sombreado, com quatro repetições de 50 sementes por parcela. Determinou-se a emergência, o índice de velocidade de emergência, o tempo médio de emergência, o comprimento da parte aérea e da raiz principal e a massa seca da parte aérea e das raízes. Verificou-se que os substratos S2 (húmus de minhoca) e S4 (vermiculita), são os mais indicados para a emergência e o desenvolvimento inicial da bacabeira. E o ambiente A1 (casa de vegetação) é o mais indicado para a propagação e desenvolvimento inicial da bacabeira.

Palavras-chave


Oenocarpus bacaba Mart.; palmeira nativa; frutífera tropical.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21206/rbas.v8i2.503

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN Online 2236-9724, ISSN Impresso 2317-5818, ISSN Cd rom 2178-5317