DISPONIBILIDADE HÍDRICA E DOSES DE POLÍMERO HIDRORRETENTOR NA PRODUÇÃO DE MUDAS CLONAIS DE EUCALIPTO

Sandro Dan Tatagiba, Aderbal Gomes da Silva, Ricardo Miguel Penchel Filho, Edvaldo Fialho dos Reis, Klédison Alan Ramos

Resumo


A utilização de polímeros hidrorretentores incorporados ao substrato tem se mostrado uma alternativa de manejo para o estabelecimento inicial de mudas em viveiro comercial. Assim, procurou-se investigar neste trabalho o uso de diferentes dosagens do polímero hidrorretentor, incorporado ao substrato, usando diferentes lâminas de irrigação para produção de mudas clonais de eucalipto. O experimento foi montado em esquema fatorial 4 x 3, sendo o fator dose do polímero em quatro níveis (0,0; 0,3; 0,6 e 1,0 kg m-3) e o fator lâmina de irrigação em três níveis (Lo, LR30 e LR50), num delineamento inteiramente casualizado, com cinco repetições. Foram utilizadas três lâminas de irrigação, definidas como: Lo - lâmina operacional; LR30 - lâmina com 30% de redução da Lo; e LR50 - lâmina com 50% de redução da Lo. Avaliaram-se o enraizamento das estacas, a sobrevivência, a altura, o diâmetro de coleto e o potencial hídrico foliar das mudas. De acordo com os resultados obtidos, observou-se que o polímero afetou negativamente o enraizamento das estacas e a sobrevivência das plantas, à medida que diminuía a lâmina de água no substrato. O uso da LR30, sem a utilização do polímero hidrorretentor (dose de 0,0 kg m-3), foi o manejo que favoreceu o estabelecimento das mudas, contribuindo para o crescimento em altura e diâmetro do coleto, além do enraizamento inicial e a sobrevivência das plantas.

Palavras-chave


crescimento, Eucalyptus, hidrogel, lâminas de irrigação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.13083/reveng.v27i4.938

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 REVISTA ENGENHARIA NA AGRICULTURA - REVENG