Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável https://periodicos.ufv.br/rbas <p><strong>AGRADECIMENTO </strong></p> <p>A presente Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável (RBAS) <strong>agradece o apoio financeiro</strong> do Edital - Publicação de Periódicos - Valor R$ 20.160,00 (Vinte mil e cento e sessenta reais), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG) - FAPEMIG APL-00318-17, agência de fomento ao desenvolvimento científico e tecnológico de Minas Gerais. É uma fundação do Governo Estadual, vinculada à Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.</p> <p><strong>SOBRE</strong></p> <p>Os trabalhos podem ser submetidos para publicação nas áreas de Agricultura Familiar, Agroecologia, Educação do Campo, Ciência, Tecnologia e Inovação, Cooperativismo e Associativismo, Economia, Economia Solidária, Entomologia, Extensão Rural, Fitopatologia, Forragicultura, Meio Ambiente, Mudanças Climáticas, Políticas Públicas, Produção Animal, Produção Vegetal, Segurança Alimentar, Ruralidade, Solos e Urbanização, com ênfase na sustentabilidade atual e futura.</p> <p>Os trabalhos podem ser submetidos em língua portuguesa, inglesa e espanhola. Este periódico não faz qualquer restrição à titulação acadêmica mínima para submissão de trabalhos e a avaliação é por dois ou três revisores <em>ad hoc</em> e pelo Corpo editorial. O conteúdo dos artigos publicados é de exclusiva responsabilidade de seus autores e os direitos de publicação são da RBAS, sendo o conteúdo disponibilizado com acesso livre na Internet (www.rbas.ufv.br).</p> <p>Os conceitos, afirmações e pontos de vista apresentados nos artigos são de inteira responsabilidade de seus/suas autores/as e não refletem, necessariamente, a opinião da Revista, de seu Conselho Editorial ou da Universidade Federal de Viçosa.</p> Universidade Federal de Viçosa pt-BR Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável 2317-5818 <h4>1. Proposta de Política para Periódicos de Acesso Livre</h4> <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</p> MUDAS DA PALMEIRA BURITI TEM BAIXA EXIGÊNCIA HÍDRICA EM VASOS COM SOLO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10141 <p>O buriti (<em>Mauritia flexuosa</em> L.f.) é uma palmeira que ocorre nos biomas brasileiros amazônico, pantanal e cerrado e ocupa áreas alagadas como as veredas do cerrado. Por essa associação e seu porte alto, o buriti tem sido usado como indicador de áreas preservadas. Como ainda é explorado extrativamente, pouco tem sido investigado sobre sua propagação. Mudas de 90 dias desenvolvidas de sementes em tubetes cilíndricos (290 cm<sup>3</sup>) com substrato (casca de pinus compostada) foram preparadas. Foi realizado um experimento, em delineamento inteiramente casualizado, com cinco tratamentos, 10 repetições e uma muda por parcela. A capacidade máxima de retenção de água (CMRA) de um latossolo vermelho distrófico, com 20% de argila, foi determinada em vaso de 12 litros. Depois de peneirado, o solo foi incubado com calcário por 30 dias com irrigação para 60% da CMRA e fertilizado com N, P, K, S e B. Os tratamentos foram inundação, 100%, 75%, 50% e 25% da CMRA. Os vasos foram mantidos em estufa com cobertura plástica e irrigados diariamente para reposição da água após pesagem. Variáveis biométricas foram avaliadas após quatro meses: diâmetro do coleto, comprimento da parte aérea, massa fresca e seca, razão parte aérea raiz, índice de qualidade de Dickson (IQD) e teor de água. Plantas de buriti irrigadas com 25% da CMRA apresentaram menores diâmetro do coleto, massa fresca e seca, índice de qualidade de Dickson e teor de água. O fornecimento de água a partir de 50% da CMRA permitiu que plantas jovens desta espécie se desenvolvessem tão bem quanto aquelas que receberam mais água: 75, 100% da CMRA ou inundação. Assim mudas da palmeira buriti (<em>M. flexuosa</em>) se desenvolveram bem com irrigações diárias de 50% da CMRA em vasos de 12 litros com solo.&nbsp;</p> Rafael de Lima Rodrigues Paulo Eduardo Branco Paiva Valdeci Orioli Júnior Mychelle Carvalho Victor Peçanha de Miranda Coelho Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 9 13 10.21206/rbas.v11i1.10141 CICLO ANUAL REPRODUTIVO DE RÃS-TOURO (Lithobates catesbeianus) NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10433 <p>A ranicultura é uma atividade já estabelecida no estado do Rio de Janeiro, mas possui um entrave na sua cadeia produtiva como na maioria dos Estados brasileiros, que é interrupção da reprodução natural das rãs durante o período de baixas temperaturas (outono e inverno). Frente à realidade da falta de estudos na área de reprodutores de rãs-touro, o presente estudo teve objetivo principal estudar o ciclo reprodutivo dos reprodutores em condições de climatização durante um ano em um setor de reprodução de um ranário do estado do Rio de Janeiro. Durante o período de um ano, machos e fêmeas de rã-touro foram amostrados e colocados em uma baia experimental adaptada. As rãs foram alimentadas e avaliadas por meio de biometrias. Na baia, a temperatura da água foi controlada para faixa de 25° a 30°C, fotoperíodo de 14 horas de luz e 10 horas de escuro e umidade de 80%. Cada animal foi considerado uma repetição. Periodicamente, foram <br />realizadas coletas de sêmen e tentativas de fertilização artificial com o hormônio acetato de buserelina como <br />indutor para obtenção dos gametas. No período de agosto a junho foram realizadas fertilizações artificiais. Somente em dois meses as fêmeas estavam aptas à reprodução, em dezembro quatro fêmeas e em março cinco fêmeas, os machos a partir de novembro já estavam aptos. Em junho foi finalizado o experimento com a baia com cinco fêmeas e 10 machos. Somente três desovas eclodiram e resultaram em girinos, sendo 5.850 no total e média de 1.950 por desova. No período avaliado de um ano houve ciclo reprodutivo dos machos e não houve das fêmeas, quanto aos aspectos financeiros a fertilização artificial foi viável nas condições descritas e pode ser empregada para pequenos produtores.</p> Milyana da Silva Leal Marcelo Maia Pereira Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 14 21 10.21206/rbas.v11i1.10433 ACOMPANHAMENTO DA FERMENTAÇÃO NA PRODUÇÃO DE HIDROMEL COM UTILIZAÇÃO DE Saccharomyces cerevisiae E Saccharomyces boulardii https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11476 <p>O hidromel é uma bebida alcoólica fermentada a base de mel e água, considerada uma das bebidas mais antigas do mundo sendo consumida por vikings e romanos tratada como um presente dos deuses, o néctar divino. A espécie de levedura mais utilizada na elaboração de bebidas alcoólica é a <em>Saccharomyces cerevisiae</em>. Porém levedura da espécie <em>Saccharomyces boulardii, </em>apresenta boa ação fermentativa, além de trazer inúmeros benefícios à saúde. O objetivo deste trabalho foi acompanhar parâmetros indicativos de fermentação utilizando <em>S. cerevisiae</em> e <em>S. boullardii</em> na produção de hidromel. O experimento consistiu de 2 tratamentos (<em>S. cerevisiae</em> e <em>S. boulardii</em>) e 3 repetições. Inicialmente o mel foi diluído em água, até 20 °Brix, e posteriormente foi realizada a adição do pé-de-cuba de <em>S. cerevisiae</em> e outro de <em>S. boullardii e </em>submetido ao processo fermentativo. Foram realizadas análises de sólidos solúveis totais (°Brix), pH, acidez total titulável (mEq/L) durante a fermentação e, teor alcoólico no início e ao final do processo fermentativo. Também foi realizada análise microbiológica a fim de determinar a contagem de leveduras no início e ao final do processo. Houve redução do pH e aumento da acidez ao longo do processo para os dois tratamentos. O tratamento B apresentou um menor pH e maior acidez ao final do processo fermentativo. Para o teor de sólidos solúveis totais e teor alcoólico não houve diferença significativa entre os tratamentos ao final da fermentação. Tanto a formulação <em>S. cerevisiae</em> quanto a formulação com <em>S. boulardii</em> apresentaram um excelente desempenho fermentativo, apresentando resultados semelhantes nos parâmetros físico-químicos da produção.</p> Jaqueline Milagres de Almeida Fabíola Cristina de Oliveira Roselir Ribeiro da Silva Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 22 28 10.21206/rbas.v11i1.11476 LEVANTAMENTO POPULACIONAL DE INSETOS PREDADORES EM CULTIVO DE LARANJA (CITRUS SINENSIS L.) NA AMAZÔNIA TOCANTINA https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11934 <p>– Esta pesquisa teve como objetivo estudar e registrar a dinâmica populacional de insetos predadores em um pomar de laranja e correlacionar a flutuação populacional dos principais agentes de controle biológico constatados com os elementos meteorológicos temperatura (°C), umidade relativa média (%) e precipitação pluviométrica (mm). O estudo foi realizado durante os meses de janeiro a dezembro de 2017, em um pomar de laranja localizado no município de Cametá (PA). Para a coleta dos insetos foram utilizadas duas armadilhas do tipo McPhail, nas quais continham como atrativo alimentar proteína hidrolisada a 5%, e 10 armadilhas do tio Pitffal contendo 200 ml de álcool 70º e 3 ml de detergente neutro como atrativo. As coletas foram realizadas quinzenalmente sendo imediatamente substituídos os atrativos por novos. Os espécimes coletados foram conduzidos ao laboratório para realizar as identificações. A análise faunística foi realizada por meio dos índices de frequência, dominância e constância, utilizando-se o índice de diversidade de Shannon-Wiener (H’), e a flutuação populacional foi estimada de acordo com a variância dos insetos coletados para as três <br />espécies que se destacaram na pesquisa. Foram amostrados 3068 espécimes, distribuídos em seis ordens e onze famílias. As famílias Formicidae e Vespidae apresentaram populações eudominantes, e as famílias de predadores Coccinellidae, Syrphidae e Sphecidae caracterizaram-se como populações subdominantes. A precipitação pluviométrica influenciou diretamente na densidade populacional das famílias Formicidae e Vespidae, não sendo observada correlação entre os demais elementos meteorológicos e os predadores amostrados. O estudo evidenciou a diversidade de insetos predadores em um agroecossistema na região amazônica, fornecendo subsídios para o manejo e conservação dessas espécies.</p> Evanildo Gaia Moraes de Moraes Hilton Lucas Gonçalves Durão Jefferson Bruno Carvalho Soares Rafael Coelho Ribeiro Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 29 35 10.21206/rbas.v11i1.11934 MECANISMOS SULCADORES E VELOCIDADE DE SEMEADURA NA PLANTABILIDADE E PRODUTIVIDADE DA SOJA https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12005 <p>O mecanismo sulcador de solo usado para deposição de semente e a velocidade de semeadura estão diretamente relacionados à qualidade de implantação de uma lavoura e, consequentemente, com a sua produtividade. Este trabalho objetivou avaliar sistemas de abertura de sulco para deposição de sementes e velocidades de deslocamento de semeadora-adubadora na qualidade da semeadura e na produtividade da soja (Glycine max L.). O experimento foi conduzido no município de Dourados-MS. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso, em esquema fatorial (4 x 2), com quatro repetições, sendo quatro velocidades de semeadura (4, 6, 8 e 10 km h-1) e dois mecanismos sulcadores de solo para deposição de sementes (haste sulcadora e disco sulcador). Durante a semeadura, avaliou-se a profundidade de deposição de sementes, a distribuição longitudinal de plantas de soja e a produtividade de grãos. Ocorreu aumento da profundidade de semeadura da soja com o incremento da velocidade de deslocamento do trator-semeadora. A semeadura da soja realizada na velocidade intermediária (8 km h-1) proporcionou maior espaçamento normal (59,36%) e menor duplo (6,75%), porém sem influência sobre os espaçamentos falhos. A velocidade de deslocamento não influencia a distribuição longitudinal de plantas em espaçamentos falhos, enquanto os mecanismos sulcadores não influenciam a profundidade de semeadura, nem a uniformidade de distribuição longitudinal de plantas de soja. A produtividade de grãos de soja varia em função do tipo de mecanismo de abertura de sulcos e velocidade de deslocamento do conjunto trator-semeadora.</p> EDUARDO SILVA MATOS Alexandre Mantovani Jackeline Nascimento Sálvio Napoleão Arcorverde Mateus Luiz Secretti Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 36 42 10.21206/rbas.v11i1.12005 SEED CLASSIFICATION: INFLUENCE ON THE VIGOR EXPRESSION IN Triticum aestivum L. https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12056 <p>The objective of evaluating the response of wheat seed size from cultivars and lots, as well as the canonical interrelations of the physical and physiological characteristics of the seeds. The experimental design was a randomized block, organized in a factorial scheme, with three wheat genotypes (Quartzo, Ametista and TBIO Sinuelo) x six seed lots (A, B, C, D, E and F) x five sizes of sieves (I: standard sample used by farmers and seed producers (AO), II: seeds&gt; 3,00 mm, III: seeds 2,5 to 2,99 mm, IV: seeds between 2,0 and 2,49 mm and V: &lt; 2.0 mm), and the treatments were arranged in four replicates. The characters measured were: one thousand seed mass, hectoliter weight, germination, first germination count, germination <br />speed index, field emergence, emergence speed index, seedling shoot length, seedling root length, seedling shoot dry mass, seedling root dry mass and electrical conductivity. There is variability of the physical and physiological attributes due to the dimensions of the wheat seeds, being these specific for the effects of cultivar and seed lots. Larger wheat seeds potentiate seed vigor in general for wheat cultivars. <br /><br /></p> Gustavo Henrique Demari Ivan Ricardo Carvalho Vinícius Jardel Szareski Simone Morgan Dellagostin Murilo Vieira Loro Velci Queiróz de Souza Paulo Dejalma Zimmer Francisco Amaral Villela Tiago Pedó Tiago Zanatta Aumonde Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 43 56 10.21206/rbas.v11i1.12056 STANDARDIZATION OF SEEDS AND IMPLICATIONS ON WHEAT YIELD AND PRODUCTIVITY https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12058 <p>There is influence of size of the wheat seeds in the traits of importance agronomic. Thus, this study aimed to determine the effect of the size of wheat seeds in the yield components and grains productivity. The study was carried out in the 2016 harvest. Apllied is the experimental design was a randomized block, organized in factorial design, with three wheat cultivars x six seed lots x five sizes of sieves, the treatments were arranged in three replicates. Were measured characters as grain yield (kg ha-1), mass of thousand seeds (g), hectoliter mass (kg hct-1) and economic analysis obtained through profitability per hectare (R$ ha-1). The size of wheat seeds influences the number of spikelets of the principal plant, number of primary and secondary seed, number of seeds of the principal plant, primary and secondary tillers, productivity, mass of thousand seeds and hectoliter weight. The standardization of wheat seeds provides benefits to the productive yield of wheat plants. The seeds retained in the sieve V (&lt;2.00 mm) resulted in less productive plants; and <br />plants derived from sieve III (2.5 to 2.99 mm) formed plants with higher productivity being 2.3% higher than <br />the original sample. Also, it was 2% higher than the sieve II (&gt; 3,0 mm), 2.7% compared to sieve IV (2.0 to <br />2.49 mm) and 6% from sieve V (&lt;2.0 mm).</p> Ivan Ricardo Carvalho Gustavo Henrique Demari Vinícius Jardel Szareski Simone Morgan Dellagostin João Roberto Pimentel Cristian Troyjack Murilo Vieira Loro Giordano Gelain Conte Paulo Dejalma Zimmer Tiago Pedó Tiago Zanatta Aumonde Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 57 70 10.21206/rbas.v11i1.12058 EFFECT OF DRYING TEMPERATURE ON YIELD AND PHYTOCHEMICAL QUALITY OF ESSENTIAL OIL EXTRACTED FROM SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/9944 <p>Among the post-harvest stages processing of medicinal and aromatic plants, drying stands out as a critical and essential step for the bioactive compounds conservation. Schinus terebinthifolius is a very important species due to its medicinal properties and food industry uses. This work aimed to evaluate the drying temperature effect on S. terebinthifolius essential oil yield and phytochemical quality. The ripe fruits were harvested and dried in a forced air oven. The essential oils were extracted in Clevenger apparatus. Chemical constituents were identified by gas chromatography coupled to the mass spectrophotometer. There was no significant variation in the essential oils yield and phytochemical quality independent of drying temperature. Considering that the drying temperatures did not influence the yield and the phytochemical quality of the essential oil, these results may contribute to the optimization of the post-harvest drying process of S.terebinthifolius fruits.</p> Maira Fonseca Maria Aparecida N. Sediyama Cláudia Lúcia de O. Pinto Adilson Sartoratto Túlio Iglésias Machado Estermary P. Bitencourt Cleide Maria Ferreira Pinto Maria Regina de Miranda Souza Sérgio Maurício L. Donzelles Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-03-31 2021-03-31 11 1 71 77 10.21206/rbas.v11i1.9944 CARACTERIZAÇÃO DE FRUTOS DE JABUTICABA ‘SABARÁ’ PROVENIENTES DA REGIÃO DE JATAÍ-GO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10087 <p>Nativa do centro sul do Brasil, a jabuticabeira é encontrada desde o estado do Pará até o Rio <br />Grande do Sul, mas a maior produção está concentrada nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo. Pertencente à Família Myrtaceae, a jabuticaba ‘Sabará’ (Myrciaria jaboticaba (Vell) Berg) ocorre com maior frequência, sendo a espécie mais consumida. A fruta possui alto valor nutricional com fonte significativa de água, carboidratos, fibras alimentares e vitamina C. Objetivou-se com este trabalho avaliar as características físicas e químicas de jabuticabas ‘Sabará’ provenientes de três procedências da região de Jataí. Os frutos foram colhidos em novembro de 2018. Para cada procedência foram selecionados e avaliados 100 frutos quanto aos parâmetros: comprimento, diâmetro, formato do fruto através da relação comprimento/diâmetro, massa de frutos, rendimento de polpa, teor de sólidos solúveis, acidez titulável, teor de vitamina C, relação teor de sólidos solúveis/acidez titulável e coloração da epiderme e da polpa quanto as coordenadas: L*, C* e ho. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso, contendo três tratamentos: procedência 1, 2 e 3 de jabuticabeira ‘Sabará’, com 10 repetições e 10 frutos por parcela. As médias foram comparadas pelo teste de Scott-Knott, adotando-se o nível de 1% de probabilidade. A procedência 1 obteve os melhores valores para as variáveis comprimento, diâmetro, massa fresca de frutos e rendimento de polpa.</p> Pedro Henrique Magalhães de Souza Francielly Rodrigues Gomes João Pedro Silva Macêdo Guimarães Angelita Ragagnin Moab Acácio Barbosa Lazara Kamilla Ferreira de Souza Américo Nunes da Silveira-Neto Danielle Fabíola Pereira da Silva Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 78 85 10.21206/rbas.v11i1.10087 BIOMETRIA DE FRUTOS E ARMAZENAMENTO DE SEMENTES DE Cedrela fissilis Vell. https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10299 <p>O cedro-rosa (Cedrela fissilis) é uma espécie pertencente à família Meliaceae. A espécie encontra-se em risco de extinção, dessa forma a propagação sexuada apresenta-se como uma possibilidade na perpetuação dessa espécie. O objetivo com o trabalho foi a caracterização biométrica de frutos e efeito do armazenamento na germinação de sementes de Cedrela fissilis. Foram coletados 200 frutos de 3 árvores matrizes, formando um único lote de sementes. Para a biometria dos frutos, foram realizadas as medidas do comprimento, largura e circunferência com o uso de paquímetro digital. Para o armazenamento, as embalagens utilizadas foram: sacos de papel kraft e garrafa plástica pet de 250 ml, em seguida as sementes foram armazenadas em ambiente natural de laboratório (25 ± 2ºC) e geladeira (10 ± 2ºC). Em intervalos pré-determinados (0, 30, 60, 90, 120 dias) avaliou-se a porcentagem de germinação. O delineamento experimental foi o inteiramente casualizado (DIC), em um sistema fatorial 4x5 [quatro tipos de embalagens no armazenamento das sementes, por cinco meses de armazenamento das sementes] com quatro repetições de 25 sementes. Foi possível observar que a média para massa dos frutos de Cedro foi de 18,6 g. Já o comprimento, largura e circunferência dos frutos foram de respectivamente 5,37, 2,54 e 9,42 cm. O tempo de armazenamento influenciam a germinação das sementes, sendo que a germinação foi melhor para armazenamento de 0 a 30 dias, obtendo valores de 80 a 100%, com armazenamento restrito até 60 dias.</p> Josiane Otalakoski Michel Anderson Masiero Daniele Brandstetter Rodrigues Fabio Antonio Antonelo Gabriela Jaretta Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 86 94 POLIFOSFATO DE AMÔNIO E SUPERFOSFATOSIMPLES EM CULTIVARES DE FEIJÃO COMUM https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10156 <p>O fósforo é o nutriente mais limitante do cultivo do feijoeiro, entretanto este nutriente é pouco absorvido pelo alto poder de retenção deste elemento no solo. Dessa forma estudos com fontes, níveis e cultivares são importantes para melhorar a produtividade desta cultura. Diante do exposto este trabalho teve como objetivo avaliar cinco cultivares de feijão comum submetidos a níveis de fósforo com superfosfato simples e polifosfato de amônio. O delineamento experimental utilizado foi em blocos casualizados no arranjo fatorial 5x2x2 com cinco cultivares (Uirapuru, Tuiuiu, Tangara, Estilo e Esplendor); duas fontes de fósforo (Superfosfato simples e polifosfato de amônio); dois níveis de adubações (alto e médio), sendo a dose média com superfosfato simples a de 50 mg P2 O.kg -1 de solo e a alta com 200 mg P2 O.kg -1. As cultivares apresentaram variabilidade genética para produtividade, massa de 100 grãos e altura da inserção da primeira vagem e a dose de 200 mg P2 O.kg -1 de solo aumentou o diâmetro do caule, o número de vagens, a massa de 100 grãos e a produtividade das cultivares Tangará, Uirapuru e Esplendor.</p> Danilo Nogueira dos Anjos Hellenn Thallyta Alves e Mendes Claudio Lucio Fernandes Amaral Vinicius Castro Araujo Givaldo Dantas Sampaio Neto Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 86 94 10.21206/rbas.v11i1.10156 CARACTERÍSTICAS DE SOLO E DENSIDADE DE SEMEADURA NA CULTURA DA SOJA https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10687 <p>A densidade de semeadura da soja e a boa fertilidade do solo são fatores essenciais à sustentabilidade da produção agrícola. Objetivou-se avaliar a influência de características químicas de solo e densidade de semeadura no crescimento inicial e componentes de produtividade da cultura de soja. O experimento foi conduzido no município de Laguna Caarapã, MS, em um Latossolo vermelho distroférrico utilizando-se o delineamento experimental em blocos ao acaso, em esquema fatorial 2x3, sendo os fatores: dois tipos de solos (maior e menor fertilidade) e quatro densidades de semeadura (10, 12, 14 e 16 sementes por metro) com 4 repetições. Foram analisados o crescimento inicial, as características agronômicas e a produtividade da soja. Os dados das avaliações foram submetidos à análise de variância e de regressão. Houve diferença de características de solo e densidade de semeadura em relação à produtividade de grãos. Com o incremento da densidade de plantas, menores o número de ramificações e vagens por planta. Ocorre maior produtividade de grãos no solo mais fértil, onde houve também maiores número de ramificações por planta e massa de 100 grãos.</p> Cláudia Trevisan Piemontez Aliny de Oliveira Porto Pereira Jackeline Matos do Nascimento Salvio Napoleão Soares Arcorverde Mateus Luiz Secretti Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 102 107 10.21206/rbas.v11i1.10687 EFEITO DE POPULAÇÕES DE PLANTAS DE CAPIM-VETIVER (CHRYSOPOGON ZIZANIOIDES (L.)) SOBRE A BIODIVERSIDADE DE PLANTAS AUTÓCTONES https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10729 <p>A utilização de espécies de plantas supressoras de outras plantas autóctones é estratégia de base ecológica que auxilia no manejo agrícola sustentável. O capim-vetiver tem grande crescimento e tem potencial supressor de outras plantas. O experimento objetivou verificar a fitossociologia de comunidades de plantas autóctones, em área de cultivo de capim-vetiver, plantado com diferentes populações, a fim de avaliar sua ação supressora. O capim-vetiver foi plantado com populações de 0, 1, 2, 3 e 4 plantas m-2com espaçamento de 1,0 m entre linhas. Utilizou-se o delineamento em blocos casualizados com quatro repetições. A população 0 vetiver m-2foi a testemunha, em que havia apenas a vegetação já presente na área (autóctone). A amostragem foi realizada 11 meses após o plantio do capim-vetiver. Na testemunha e em todas as populações de vetiver, foram constatadas três espécies predominantes: Cyperus rotundus L; Parthenium hysterophorus L. e Sorghum halepense (L.) Pers. A população de 2 vetiveres m-2apresentou a menor quantidade de plantas daninhas, com 5 espécies encontradas. O capim-vetiver diminui o número de espécies de plantas da área, entretanto, não apresenta capacidade supressora sobre as três espécies de plantas daninhas mais frequentes e dominantes.</p> Jaídson Gonçalves da Rocha Fábio Cunha Coelho Rosana Teixeira Lelis Gabriela Carvalho de Souza Santos Mario Euclides Pechara da Costa Jaeggi Nayla Leite Motta Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 108 117 10.21206/rbas.v11i1.10729 PRODUÇÃO DE MUDAS DE TOMATEIRO EM INOCULANTE FÚNGICO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11196 <p>O emprego de inoculantes fúngicos na produção de mudas de olerícolas é ainda pouco estudado. O objetivo deste trabalho foi avaliar a produção de mudas do tomateiro ‘Santa Clara i-5300’ em substrato inoculante de Pycnoporus sanguineus produzido em pó de coco suplementado com níveis de farelo de trigo e na mistura solo: inoculante. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado no esquema fatorial de 2 x 6 sendo constituído por dois substratos [inoculante fúngico (I) e mistura de solo: inoculante (S:I)] e seis níveis de farelo de trigo (0% – testemunha, sem colonização fúngica e 0, 5, 10, 20 e 30% com colonização fúngica) e quatro plantas por tratamento. A suplementação do inoculante fúngico com níveis de farelo de trigo reduz o período de colonização e aumenta a densidade micelial do P. sanguineus, o pH, o teor de nitrogênio e de fósforo após a completa colonização. A germinação do tomateiro é inibida pelo inoculante fúngico, mas a mistura do solo: inoculante fúngico favorece a germinação e o desenvolvimento das mudas.</p> David Patrick Almeida Correia Igor Victor de Santana-Santos Idamar da Silva Lima Kairon Rocha Andrade Andréa Verônica Gobbi Barbosa `Pedro Roberto Almeida Viégas Regina Helena Marino Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 118 127 10.21206/rbas.v11i1.11196 ZOOTECHNICAL PERFORMANCE OF NILE TILAPIA WITH DIETS BASED ON CASSAVA RESIDUES https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11287 <p>This research aimed to evaluate the use of residues from the processing of cassava, available in the North and Northwest Fluminense regions, replacing some traditional ingredients in the Nile tilapia diet. The experiment lasted 112 days. 840 tilapia fry were used, distributed in 12 hapas and divided into three treatments composed of different isoproteic and isocaloric diets, one control diet without inclusion of residue and two experimental diets, one with the inclusion of cassava peel flour and the other with inclusion of tapioca sweeping flour. The diet with the inclusion of cassava peel showed a zootechnical result similar to the control diet, and the inclusion of agro-industrial residue from tapioca dusting flour has been shown to provide this performance significantly superior. The evaluations carried out in this study indicate that the residues from the cassava processing are foods with potential for use in feed for Nile tilapia in partial replacement to energetic ingredients such as corn and wheat, without compromising the productive performance and reducing the cost of food, taking into account the use of agro-industrial waste present in the region.</p> Jaomara Nascimento da Silva Niraldo José Ponciano Renan Santos Ribeiro de Mello Manuel Vazquez Vidal Júnior Marize Bastos de Matos Geraldo Pereira Júnior Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 128 134 10.21206/rbas.v11i1.11287 ANÁLISE DO DESEMPENHO DO MODELO DE KOSTIAKOV NA DETERMINAÇÃO DA VELOCIDADE BÁSICA DE INFILTRAÇÃO EM PLINTOSSOLO PÉTRICO CONCRECIONÁRIO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11835 <p>Ainda são poucas as informações sobre as características físico-hídricas dos solos do Tocantins, apesar de ser um dado fundamental para recomendações de manejo. Os testes de infiltração de água foram realizados em um solo Plintossolo Pétrico concrecionário, uma classe de solos amplamente utilizada para fins agrícolas, mas ainda muito pouco conhecida. Este levantamento foi realizado em uma área degradada do Plintossolo Pétrico, em uma fazenda pecuária localizada no município de Brejinho de Nazaré/TO. Os dados foram coletados em solos localizados em um sistema integrado com sorgo e espécies lenhosas nativas. Antigamente, essa área era uma pastagem degradada. Para a medição da condutividade hidráulica, foi utilizado um conjunto de anéis triplos concêntricos acoplados a um sistema de abastecimento de água semiautomático (protótipo desenvolvido pelos pesquisadores da Embrapa Pesca e Aquicultura). Os dados brutos de campo foram ajustados ao modelo de Kostiakov para estimar a taxa de infiltração básica, que variou de 3,0 a 5,8 cm.h-1.</p> Divonzil Gonçalves Cordeiro Michele Ribeiro Ramos Alexandre Ulhmann Daniel Pettersen Custodio Talita Maia Freire Lorena dos Santos Campos Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 135 142 10.21206/rbas.v11i1.11835 INTERRELATIONSHIP OF COMPOUNDS OF SOYBEAN SEEDS PRODUCTION WITH MORPHOLOGIC AND CLIMATOLOGIC ATTRIBUTES https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12052 <p>The study was objective of evidencing the interrelationship between the morphological attributes, productivity, climatological and physiological components of soybean seeds. The experiment was conducted in the crop season of 2013/2014 in Santa Rosa-RS, Tenente Portela – RS, Campos Borges - RS and Sarandi – RS in Rio Grande do Sul, Brazil. The experimental design was a randomized complete blocks, with four cultivation environments x 20 soybean genotypes, arranged in three replicates. The analysis canonicals correlations were based in the establishment of the canonical groups with characters were reunid as physiological (Group I), morphological (Group II), yield components (Group III) and climatological (Group IV). Soybean seed yield is potentiated in plants with larger stature and reproductive units in the main stem. The physiological potential of the seeds is determined by the specific interrelationships of the maximum and minimum air temperature intrinsic to the growing environment. Reduced emphasis on assimilate allocation to the formation of lateral branching of soybeans results in more vigorous seeds.</p> Ivan Ricardo Carvalho Simone M. Dellagostin Vinícius J. Szareski Gustavo H. Demari Michele R. R. Meneguzzo Francine Lautenchleger Alan J. de Pelegrini Janaíne Oliveira Toso Paulo D. Zimmer Francisco A. Villela Walter Boller Tiago Z. Aumonde Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-22 2021-06-22 11 1 10.21206/rbas.v11i1.12052 A CARACTERIZAÇÃO E USO DE GONGOCOMPOSTO PROVENIENTE DE RESÍDUOS DE PODA ARBÓREA NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE RÚCULA https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12072 <p>Os resíduos vegetais oriundos das podas arbóreas dos grandes centros urbanos nem sempre têm uma destinação adequada. Reaproveitar estes resíduos destinando-os à compostagem é uma alternativa viável. Este trabalho objetivou avaliar a eficiência dos substratos orgânicos obtidos pela gongocompostagem mediada pelo diplópode Trigoniulus corallinus, na produção de mudas de rúcula. Os resíduos empregados na gongocompostagem foram os galhos finos e folhas de quatro espécies arbóreas: Terminalia catappa (Amendoeira), Licania tomentosa (Oiti), Senna siamea (Cassia), Albízia lebbeck (Albízia), gongocompostados por 120 dias. Os substratos gerados foram caracterizados quanto às suas propriedades físicas, físico[1]químicas e químicas. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com quatro repetições e cinco tratamentos, constituídos por mudas de rúcula desenvolvidas cinco substratos. Aos 24 dias após a semeadura avaliou-se a massa fresca e seca da parte aérea, massa fresca e seca de raízes, volume de raízes, o vigor da muda e estabilidade do torrão. A condutividade elétrica e as propriedades físicas dos gongocompostos revelou que as características se encontravam dentro de níveis adequados ao emprego como substratos. Quanto às propriedades químicas, os níveis de fósforo nos gongocompostos proporcionaram a obtenção de mudas de rúcula com massas fresca e seca de parte aérea e raízes inferiores ao substrato à base de vermicomposto, tido como controle. As propriedades físicas dos gongocompostos refletiram na produção de mudas com melhor estabilidade do torrão. É possível produzir gongocompostos a partir de resíduos de poda arbórea, no entanto sugere-se inserir outros tipos de poda arbórea de modo a obter substratos mais ricos em teores de fósforo e magnésio ou ainda verificar qual a proporção adequada de farinha de ossos a ser adicionada nos gongocompostos obtidos neste estudo.</p> Nathalia Oliveira Cruz Bugni Luiz Fernando de Sousa Antunes José Guilherme Marinho Guerra Maria Elizabeth Fernandes Correia Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 151 160 10.21206/rbas.v11i1.12072 EFEITO DE USOS E MANEJOS AGRÍCOLAS DO SOLO NO SEMIÁRIDO PIAUIENSE NA MACROFAUNA E CARBONO ORGÂNICO DO SOLO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12324 <p>Atualmente a produção e comercialização de alimentos de caráter familiar tem afetado a qualidade do solo. No semiárido nordestino, esse tipo de exploração agrícola tem sido ainda mais intenso. Nesse contexto é de fundamental importância conhecer o impacto desses tipos de usos e manejos na qualidade do solo. O objetivo do trabalho foi avaliar o efeito dos diferentes usos e manejos agrícolas sobre a macrofauna e carbono orgânico do solo, na região semiárida do Piauí. As áreas estudadas foram: área sob vegetação nativa preservada; área sob cultivo de milho; área sob cultivo de capim mombaça e área sob cultivo de mandioca. Foram amostradas macrofauna epígea e edáfica. Para isso foram instaladas armadilhas do tipo PROVID e retirados monólitos de solo nas camadas nas camadas de 0,00-0,10 e 0,10-0,20 m. Além disso, foram coletas amostras de solo nas camadas de 0,00-0,05 e 0,05-0,10 m para avaliação do teor de carbono orgânico do solo. Os grupos Hymenoptera e Coleoptera ocorrem com maior frequência nas áreas cultivadas com capim mombaça, milho e mandioca, assim como na vegetação nativa preservada. A vegetação nativa preservada possui maiores valores de abundância, riqueza, diversidade e equitabilidade. A área cultivada com capim mombaça possui sistema de uso solo semelhante à vegetação nativa preservada. As áreas com cultivo de milho e mandioca diminuem a Abundância, Riqueza e os índices de diversidade e equidade da fauna, assim como os teores de carbono orgânico do solo. A Abundância, Riqueza, Índice de Shannon, Aranaea, Blattodea, Coleoptera, Diplopoda, Diptera, Himenoptera, Isoptera e Pseudoescorpionida, para a macrofauna epígea, a Abundância, Riqueza, Araneae, Hymenoptera, Blattodea, para a macrofauna edáfica e o COS são sensíveis ao manejo do solo utilizado.</p> Jefrejan Souza Rezende VINÍCIUS DE SOUSA ARAÚJO RAFAEL DE SOUSA NOBRE IAGO HERNAN DE SOUSA FONTES MENDES ANA CLARA CAMINHA DE CARVALHO CÁSSIO DE MOURA SANTOS Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 161 172 10.21206/rbas.v11i1.12324 INTERRELATIONS OF CLIMATOLOGICAL AND PHYSIOLOGICAL ATTRIBUTES AND COMPONENTS OF SOYBEAN SEEDS YIELD https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12053 <p>The objective of this work was to evaluate the interrelations between the climatic attributes, the physiological quality of seeds and the components of soybean yield from different levels of vigor. The experimental design used was the one of blocks at random, where the treatments were composed by DM 5958RSF IPRO®, belonging to the maturation group 5.8 and indeterminate growth habit was used. Before sowing, the seeds were stratified in batches with different levels of vigor. The obtained data were submitted to analysis of variance, later they were submitted to canonical correlation analysis. For the establishment of canonical groups the characters were separated into physiological (group I) and morphological and yield components (Group II). The group of morphological characters: thousand seed mass, germination, accelerated aging, electrical conductivity, viability and vigor, shoot and root length, shoot and root dry mass, field emergence are strongly associated with the yield components of soybean, regardless of the vigor level used. Depending on the level of vigor used, the maximum temperature, minimum temperature, average temperature, relative humidity, soil temperature at five centimeters, soil temperature at ten centimeters, radiation and precipitation influence the soybean yield components differently. From the climatic variables: maximum temperature, minimum temperature, average temperature, relative humidity, soil temperature at five centimeters, soil temperature at ten centimeters, radiation and precipitation, it is possible to predict morphological characters and yield components of soybean.</p> Ivan Ricardo Carvalho Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 173 184 10.21206/rbas.v11i1.12053 TIPIFICAÇÃO DE HORTAS URBANAS COMERCIAIS NO MUNICÍPIO DE PIRACICABA-SP E ENTRAVES PARA SUA CONVERSÃO AO MANEJO ORGÂNICO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11876 <p>Este trabalho visou a realizar uma tipificação dos agricultores urbanos de Piracicaba e levantar os entraves à conversão ao manejo orgânico. Foi realizado um censo com vinte e oito agricultores urbanos da cidade, através de entrevistas não estruturadas, para coletarem-se as informações sobre as variáveis de interesse. Foram feitas análises de agrupamentos para tipificar os agricultores e análise de componentes principais para buscar a correlação entre as variáveis. As hortas apresentaram áreas que variavam entre 370 e 14.000m²; os agricultores usavam tanto fertilizantes minerais como orgânicos e a maioria usava herbicida e outros pesticidas. Encontraram-se três perfis de agricultores: empresarial, empreendedor familiar e artesanal; e correlação positiva entre as variáveis área, culturas comerciais e número de funcionários; e entre uso de herbicidas e outros pesticidas. Entre os principais entraves à conversão para produção orgânica estão as pragas e doenças, plantas invasoras e a insegurança de permanência nos terrenos que desestimula investimentos.</p> Daniel Azevedo Mendes de Oliveira Flávio Bertin Gandara Mendes Carlos Armênio Khatounian Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 185 194 10.21206/rbas.v11i1.11876 RESPOSTA DO FEIJOEIRO E DO TRIGO A LÂMINAS DE IRRIGAÇÃO EM DIFERENTES CONDIÇÕES DE SOLO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10721 <p>As lâminas de água aplicada e as características físicas do solo são propriedades que, isolados ou não, podem influenciar no desenvolvimento morfofisiológico e produtivo das culturas agrícolas. O objetivo do trabalho foi avaliar a resposta da cultura do feijão (cultivar BRS FC 104) e do trigo (cultivar BRS 404), submetido a diferentes lâminas de irrigação e condições do solo. O cultivo de feijão e trigo foi conduzido no município de Rio Verde, Goiás, em vasos, em condições de campo, em delineamento blocos casualizados (DBC) em esquema fatorial 5 x 3, sendo cinco níveis de lâminas de irrigação (50%, 75%, 100%, 125% e 150% da evapotranspiração da cultura (ETc)) e três condições de solo (compactado, não compactado e não compactado com palhada), com três repetições. As avaliações foram realizadas quinzenalmente. Na cultura do feijoeiro foi avaliado a emergência, diâmetro do caule, altura de planta, comprimento e largura foliar, número de vagens, número e massa de grãos. Na cultura do trigo foi avaliado a emergência, número de perfilhos, altura de planta, peso de raiz fresca e seca e massa fresca. Ambas as culturas apresentaram melhor desempenho quando cultivadas em solo descompactado com palhada. O incremento das lâminas de irrigação acima de 100% não promoveu ganhos adicionais para as culturas. Lâminas de irrigação inferiores a 100% (75% e 50% da ETc) prejudicaram o desenvolvimento da cultura do feijão e do trigo.</p> Letícia Andrade Prado Raisa Gomes Diniz Matheus Lemos Matias Guilherme Braga Pereira Braz Camila Jorge Barnabé Ferreira Indiamara Marasca Antônio Jussiê da Silva Solino Gilmar Oliveira Santos Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 195 206 10.21206/rbas.v11i1.10721 QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE FEIJÃO MUNGO SUBMETIDAS AO ESTRESSE SALINO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12709 <p>Objetivou-se neste trabalho determinar a qualidade fisiológica das sementes de feijão-mungo, submetidos a diferentes potenciais osmóticos. O experimento foi realizado no Laboratório de Sementes da Universidade Estadual de Goiás, Campus Ipameri, em julho de 2017. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado, com seis tratamentos e quatro repetições, totalizando 24 unidades experimentais. Os tratamentos consistiram-se dos potenciais osmóticos 0 MPa (0 g L-1 de NaCl); -0,3 MPa (4,2 g L-1); -0,6MPa (8,4 g L-1); -0,9MPa (12,6 g L-1), -1,2MPa (16,8 g L-1) e -1,5MPa (21 g L-1), os quais<br />foram ajustados com cloreto de sódio. As sementes foram submetidas ao teste de germinação, conduzido com quatro repetições de 50 sementes. Para a qual as avaliações foram realizadas no quinto (primeira contagem de germinação) e no sétimo dia (porcentagem de germinação). Foram realizados testes de vigor: sendo avaliados o comprimento do hipocótilo, da radícula e total de plântulas, biomassas secas do hipocótilo,<br />da radícula e total de plântulas. Não houve efeito significativo da redução do potencial osmótico para a primeira contagem de germinação (P&gt;0,05). Para o comprimento do hipocótilo e da radícula houve redução linear significativa (P&lt;0,05) em função do aumento de potencial osmótico. Houve aumento significativo da massa seca do hipocótilo em função do estresse salino, porém o mesmo foi apenas de 15,2%, no potencial de -1,5 MPa. Entretanto, para a massa seca da radícula, notou-se redução em função do aumento de potencial<br />osmótico, com decréscimo de 17,4% a -1,5 MPa. A germinação de sementes e biomassa seca de plântulas de feijão-mungo não são afetadas pelos potenciais osmóticos de -0,3 MPa a -1,5 MPa. O comprimento de plântulas de feijão-mungo sofre redução em função do aumento do estresse salino.</p> Edvan Costa da Silva Luciana Sabini da Silva Carolina dos Santos Galvão Natália Cássia de Faria Ferreira Michel Anderson Masiero Luís Augusto Batista de Oliveira Willian dos Reis Wagner Menechini Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-06-22 2021-06-22 11 1 10.21206/rbas.v11i1.12709 CARACTERÍSTICAS FÍSICAS, QUÍMICAS E BIOLÓGICAS DO SOLO EM RESPOSTA A ADUBOS VERDES NA AMAZÔNIA OCIDENTAL https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12413 <p>O objetivo desta pesquisa foi avaliar os efeitos da adubação verde no solo. O experimento foi conduzido à campo, utilizando o delineamento experimental em blocos casualizados, considerando cinco tratamentos: testemunha, feijão guandú, feijão de porco, crotalária spectabilis e o coquetel de sementes que consistiu na mistura das sementes de todas as espécies de adubos verdes, com cinco repetições. As variáveis analisadas foram: parâmetros químicos, físicos e biológicos do solo. Foi observado maior disponibilização de P no solo por feijão guandú. A respiração basal apresentou menor taxa no cultivo de crotalária. Contudo, os demais atributos químicos, físicos e biológicos não foram influenciados pela adubação verde.</p> Angelita Aparecida Coutinho Picazevicz Leonardo dos Santos França Shockness Bruno Henrique Silva Rodrigues Kenad Anderson Monteiro da Silva Luciano MARQUARTE Marcos Huriel Deschievone Eller João Victor Alves Jasinski Weverton Fernandes de Lima Souza Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-05-30 2021-05-30 11 1 213 217 10.21206/rbas.v11i1.12413 ESTERCO BOVINO COMO SUBSTRATO ALTERNATIVO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE AÇAÍ CULTIVAR BRS-PARÁ https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/9887 <p>Dentre os resíduos oriundos do setor agropecuário, observa-se o uso potencial do esterco bovino na composição de substratos voltados produção de mudas de açaí de melhor qualidade, visto sua importância tanto econômica quanto como fator de subsistência para muitas famílias objetivou-se avaliar a produção de mudas de açaí cultivar BRS-Pará em diferentes proporções de substratos alternativos à base de esterco bovino. O experimento foi desenvolvido de março a junho de 2019, com a cultivar de açaí BRS-Pará em estufa com 70% de interceptação luminosa. Foram plantadas 72 sementes de Açaizeiro, o experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, com 6 tratamentos, 4 repetições e 3 sementes por parcela. Os tratamentos foram consistidos em diferentes formulações de substrato alternativo: I) testemunha (100% solo); II) 20% esterco bovino + 80% mistura de solo e areia (1:1); III) 40% esterco bovino + 60% mistura de solo e areia (1:1); IV) 60% esterco bovino + 40% mistura de solo e areia (1:1); V) 80% esterco bovino + 20% mistura de solo e areia (1:1); VI) 100% esterco bovino. Constatou-se que houve pequena diferença entre os tratamentos analisados com acréscimo de substrato alternativo em comparativo com a testemunha e as demais proporções, porém o esterco bovino pode ser utilizado como um substrato na produção de mudas de açaí variedade BRS-Pará se estiver amplamente disponibilidade na região, pois permite acréscimo no desenvolvimento do sistema radicular e parte aérea, fornecendo nutrientes essenciais, maior aeração e incremento nas características biométricas das mudas. Recomenda-se o uso de substrato alternativo a base de esterco bovino na proporção de 20% de EB + 80% de solo por apresentar os melhores resultados para a maioria das variáveis analisadas.</p> Gênesis Alves de Azevedo Carlos Alberto Araújo Costa Raissa Rachel Salustriano da Silva-Matos James Ribeiro de Azevedo Edmilson Igor Bernardo Almeida Washington da Silva Sousa Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-29 2021-08-29 11 1 10.21206/rbas.v11i1.9887 FORNECIMENTO DE NUTRIENTES PARA TOMATEIRO ADUBADO COM BIOFERTILIZANTES OBTIDOS POR PROCESSO FERMENTATIVO AERÓBIO E ANAERÓBIO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/10510 <p>O objetivo deste trabalho foi avaliar a capacidade de diferentes doses de dois biofertilizantes obtidos por meio de processos distintos de decomposição microbiológica no fornecimento de nutrientes para o tomateiro. O experimento foi conduzido em Assis Chateaubriand, Paraná, no período de abril de 2018 até junho de 2018, em casa de vegetação localizada dentro do Instituto Federal do Paraná (IFPR). O delineamento experimental utilizado foi de blocos ao acaso, com os tratamentos arranjados em esquema fatorial 2 x 5, constituído por dois biofertilizantes (aeróbio e anaeróbio) e cinco doses de cada biofertilizantes aplicadas semanalmente (0, 250, 500, 750 e 1000 mL), com quatro repetições. Avaliou-se à altura de planta, número de frutos por planta, peso unitário de frutos e peso total de frutos. O biofertilizante aeróbio foi superior ao anaeróbio na disponibilização de nutrientes em solução, com destaque para os níveis de cálcio, ferro e manganês. O biofertilizante aeróbio foi superior anaeróbio para altura de planta, número de frutos por planta e peso total de frutos por planta. O biofertilizante aeróbio é um insumo de baixo custo e fácil produção, e que contribuiu de forma positiva na produtividade do tomate.</p> Alfredo Richart Vinicius Fernando CarrascoGomes Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-08-29 2021-08-29 11 1 10.21206/rbas.v11i1.10510 TRADIÇÃO E MEMÓRIA DO ENSINO AGRÍCOLA: UM ESTUDO ETNOGRÁFICO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11125 <p>O estudo teve como objetivo analisar a importância da tradição do ensino agrícola, assim como a preservação de sua memória a partir de documentos, artefatos, tais como: fotografias, objetos e relatos dos autores envolvidos. Almejando esse escopo desenvolveu-se uma pesquisa de cunho etnográfico. Visando resgatar elementos da cultura legal e institucional dos materiais investigados, foram abordadas as técnicas de entrevistas semiestruturadas com a direção, coordenação pedagógica, coordenação do curso de agropecuária e orientador vocacional da Etec Cônego José Bento. Foram aplicados questionários a 84 alunos, 15 egressos e 4 funcionários do referido curso,na cidade de Jacareí, São Paulo, levando-se em consideração a tradição de 80 anos de ensino agrícola local.As entrevistas foram analisadas sob a ótica da análise de conteúdo, os questionários foram tabulados, tendo sido calculadas as frequências e percentagens. Evidenciou-se sob a ótica dos pesquisados que a tradição no ensino agrícola na região é relevante e responde, em parte, pela escolha do ingresso na referida escola. O artigo também revelou a contribuição de diversos órgãos públicos na preservação do patrimônio e memória do ensino agrícola da região.</p> Ivone Barbosa Targa Roberto kanaane Edison Feghali Feghali Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-30 2021-07-30 11 1 234 245 10.21206/rbas.v11i1.11125 FIBRA DE COCO NA COMPOSIÇÃO DE SUBSTRATO PARA PRODUÇÃO DE MUDAS DE MAMOEIRO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/11588 <p>– O processamento do coco gera resíduos com volumes bastante significativos, cujo descarte no ambiente provoca sérios problemas. Uma solução seria utilizá-lo após o desfibramento, na produção de substrato para produção de mudas. Com base nisso, o objetivo desse trabalho foi identificar a proporção de fibra de coco associada a esterco bovino para a formação de mudas de mamão. O experimento foi conduzido em delineamento experimental de blocos ao acaso, com 5 repetições, sendo os substratos produzidos em cinco proporções de fibra de coco para esterco bovino (0:1; 1:3; 1:1; 3:1; 1:0), semeados com mamão formosa. Cinquenta dias após a semeadura foram realizadas avaliações de comprimento da parte aérea e do sistema radicular, diâmetro do caule, número de folhas, massa seca da parte aérea e do sistema radicular, massa seca total e capacidade de retenção de água no substrato. Os dados foram submetidos a análise de variância e regressão polinomial a 5% de probabilidade. Houve significância apenas para os parâmetros da parte aérea <br />das mudas. A associação de fibra de coco e esterco bovino forma um substrato que garante a produção de mudas de mamão, sendo recomendado utilizar a proporção de 44,38% de fibra de coco e 55,62% de esterco bovino nessa cultura.</p> Leomara Vieira de França Cardozo Moisés Vieira Pinhão Neto Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-30 2021-07-30 11 1 246 251 10.21206/rbas.v11i1.11588 CANONICAL CORRELATION AND AGRONOMIC PERFORMANCE OF QUINOA (CHENOPODIUM QUINOA WILLD) https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12051 <p><strong>- </strong>This work was aimed at evidencing the agronomic performance and linear and canonical associations of Quinoa crop grown Rio Grande do Sul state. The trials were carried out in the municipality of Pelotas - Rio Grande do Sul, Brazil. The experimental design was randomized blocks, with three Quinoa genotypes, being them Altiplano, Salcedo and BRS Piabiru, arranged in four replicates. The morphological differentiation of quinoa genotypes occurs through the number of teeth expressed by leaves. Quinoa seed yield is based on the joint action of mass of one thousand seeds, number of seeds per inflorescence and number of seeds per plant, being the Altiplano and Salcedo genotypes considered superior. Seed yield components of quinoa plants are potentialized by plant height, petiole length, leaf teeth number and flower length. The definition of agronomic performance, linear and canonical associations is a pioneer study for this species and may be used in future studies with pseudocereals focused on seed science and technology.</p> Rafael Vergara Ivan Ricardo Carvalho Gizele Ingrid Gadotti Vanessa Nogueira Soares Vinícius Jardel Szareski Tiago Pedó Tiago Zanatta Aumonde Francisco Amaral Villela Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-30 2021-07-30 11 1 252 258 10.21206/rbas.v11i1.12051 MORFOLOGIA DE SEMENTES E PLÂNTULAS DE CULTIVARES DE ARROZ-VERMELHO https://periodicos.ufv.br/rbas/article/view/12361 <p>O objetivo foi caracterizar e descrever morfologicamente sementes e plântulas de seis cultivares de arroz-vermelho. As sementes de seis cultivares de arroz-vermelho (Vermelho, Cáqui, MNA PB 0405, MNA PB 0728, MNA RN 0802 e MNA RN 0803) foram semeadas em rolos de papel toalha quatro repetições de 25 sementes e encaminhadas ao germinador regulado a temperatura alternada 20-30°C e regime de luz contínua. As cultivares apresentam glumelas, glumas e apículo de cor palha, glumas pilosas e cariopse de cor vermelha, com exceção da cultivar Cáqui. A forma meio-alongada do grão foi observada em maior frequência nas cultivares avaliadas. As cultivares MNA PB 0728, MNA RN 0802 e Cáqui pertencem à classe de grãos longos, MNA PB 0405 a de grãos médios, enquanto as cultivares Vermelho e MNA RN 0803 à <br />classe de grãos misturados. As sementes possuem endosperma translúcido e farináceo.</p> Rebeca Rocha Cardoso Helder Henrique Duarte Santos Valderez Pontes Matos Copyright (c) 2021 Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-07-30 2021-07-30 11 1 259 267 10.21206/rbas.v11i1.12361