GESTÃO PÚBLICA, DESARTICULAÇÃO E CONCERTAÇÃO: UM ESTUDO EMPÍRICO SOBRE COORDENAÇÃO E COOPERAÇÃO NO ÂMBITO DAS POLÍTICAS PARA JUVENTUDE EM BELO HORIZONTE

  • José Geraldo Leandro Gontijo Universidade Federal de Minas Gerais/DCP
Palavras-chave: Políticas Públicas, Juventude, Coordenação/cooperação

Resumo

A proposta deste artigo consiste na apresentação de parte dos dados da pesquisa de mestrado do autor que objetivou identificar, descrever e analisar os arranjos institucionais voltados à cooperação e coordenação nos/dos processos de execução das políticas para juventude (oriundas dos três níveis de governo) no âmbito do município de Belo Horizonte. A pesquisa trabalhou com dados coletados no período entre outubro de 2008 e fevereiro de 2010. Tratou-se de um estudo empírico qualitativo, operacionalizado a partir dos procedimentos da pesquisa documental e entrevistas semi-estruturadas. A parte introdutória do texto trará uma contextualização geral sobre o tema e informações sobre os procedimentos metodológicos adotados na pesquisa. Posteriormente, será apresentada a discussão teórica sobre o problema em questão e, em seguida, os dados da pesquisa de campo. Ao final faremos algumas considerações analíticas sobre o conjunto das informações apresentadas. Entre as principais conclusões do estudo está a constatação da existência de atuações concertadas entre instituições estatais, privadas e entidades não-governamentais em meio à desarticulação do conjunto das políticas para juventude no município.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Geraldo Leandro Gontijo, Universidade Federal de Minas Gerais/DCP
Doutorando em Ciência Política pela Universidade Federal de Minas Gerais/DCP, Mestre em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2010), Especilista em Políticas Públicas Pela Universidade Federal de Minas Gerais/DCP (2007), Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (2005).

Referências

LEXANDER, Ernest R. Interorganizational Coordination: Theory and Practice. Journal of
Planning Literature, v. 7, n. 4, p. 328, may. 1993.
BOGASON, Peter & TOONEN, Theo A. J. Introduction: Networks in Public Administration.
Public Administration, v. 76, Summer 1998, p. 205-227.
BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista
do Serviço Público. Ano 47, v. 120, nº 1, jan-abr, 1996.
BRONZO, Carla & VEIGA, Laura da. Intersetorialidade e políticas de superação da pobreza:
desafios para a prática. Revista Trimestral de Serviço Social. Serviço Social & Sociedade,
São Paulo, n. 92, ano XXVIII, nov. 2007.
BURSZTYN, Marcel. Introdução à crítica da razão desestatizante. Revista do Serviço
Público. Ano 49, nº 1, jan-mar, 1998.
FARIA, Carlos Aurélio Pimenta de, FILGUEIRAS, Cristina Almeida Cunha & ROCHA,
Carlos Alberto de Vasconselos. Cooperação Inter-Organizacional e Resiliência das
Instituições: notas sobre a intersetorialidade na gestão das políticas públicas. Pensar BH.
Política Social, Belo Horizonte, n. 15. p. 5, Abr./Jun. 2006.
FLICK, Uwe. Entrevista Episódica. In: GASKELL, George. BAUER, Martin W. (Orgs.).
Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. Petrópolis: Editora
Vozes, 2002. Cap. 5, p. 114-136.
GOMES, Romeu. Análise e Interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO,
Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 26. ed.
Petópolis: Editora Vozes, 2007. Cap. 4, p. 79-108.
GONTIJO, José Geraldo Leandro. Articulação Inter e Intra-institucional na execução das
políticas para juventude em Belo Horizonte (2010). Dissertação de Mestrado. Programa de
Pós-graduação em Ciências Sociais – Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.
GONTIJO, José Geraldo Leandro. Políticas Públicas para a Juventude: a atuação da
Secretaria Nacional de Juventude durante o primeiro mandato do Governo Lula. 2007.
Monografia (Especialização em Políticas Públicas) Universidade Federal de Minas Gerais,
Departamento de Ciência Política.
GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS/Secretaria de Estado de Esportes e
Juventude/Coordenadoria Estadual de Juventude.
WWW.esportes.mg.gov.br/index.php?option=com. Acesso em: 05 set. 2008.
HOLANDA, Aurélio Buarque de. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. 3°
edição eletrônica, 2004.
INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Texto Para Discussão N°
1335. Juventude e Políticas Sociais no Brasil. CASTRO, Jorge Abrahão de. AQUINO,
Luseni. (Orgs.). Brasília, abr. 2008.
JENNINGS JR., Coordination and Welfare Reform: The quest for the Philosopher’s Stone.
Public Administration Review. July/August 1994, v. 54, nº4, p. 341-348.
LAKATOS, E. M. MARCONI, M. A. Metodologia do trabalho científico. 4. ed. São Paulo:
Atlas, 1992.
LOWNDES, Vivien & SKELCHER, Cris. The Dynamics of Multi-organizational
Partnerships: An Analysis of Changing Modes Of Governance. Public Administration,
Malden, v. 76, p. 313. summer 1998.
MAY, Tim. Pesquisa documental: escavações e evidências. In: MAY, Tim. Pesquisa Social:
questões, métodos e processos. Trad. Carlos Alberto Silveira. 3. ed. Porto Alegre: Artimed
Editora, 2004. Cap. 8, p. 205-230.
MÉNDEZ, José Luis. Estudio Introductorio. In: PETERS, B. Guy. La Política De La
Burocracia. Colegio Nacional de Ciencias Políticas y Administración Pública, A. C. Fondo
de Cultura Econômica, México, 1999.
PBH - Prefeitura Municipal de Belo Horizonte/Secretaria de Governo. Portal Internet.
http://portal3.pbh.gov.br/index.html?id. Acesso em: 05 set. 2008.
PETERS, B. Guy. Managing Horizontal Government. The Politics of coordination. Public
Administration. Canadá, n. 21, p. 1, jan. 1998.
PETERS, B. Guy. Concepts and theories of horizontal policy management. X Congreso
Internacional Del Clad Sobre La Reforma Del Estado y De La Administración Pública.
Chile: Santiago, p.18, out. 2005.
PETERS, B. Guy. La Política De La Burocrácia. Colegio Nacional de Ciencias Políticas y
Adminstración Pública, A. C. Fundo de Cultura Económica. México, 1999.
REPETTO, Fabián. La Dimensión Política De La Coordinación De Programas y Políticas
Sociales: uma aproximación teórica y algunas referencias práticas en América Latina. In:
REPETTO, Fabián. (Org.). La Gerencia Social Ante Los Nuevos Retos Del Desarrollo
Social En América Latina. Ciudad de Guatemala: Magna Terra Editores, S. A., 2005. Cap.
1, p. 39-93.
RODRIGUES, Hila Bernadete. Costa, Bruno Lazzarotti Diniz. Texto para Discussão Nº 20.
Pressupostos, Contextos Institucionais e as Políticas Públicas Para a Juventude. Belo
Horizonte: Fundação João Pinheiro, 2005.
SOUZA, Celina. Condições Institucionais de Cooperação na Região Metropolitana de
Salvador. In: Carvalho, Inaiá M. M. PEREIRA, Gilberto C. (Orgs.). Como Anda Salvador e
Sua Região Metropolitana. Salvador, EDUFBA, 2006.
SPOSITO, Marília Pontes. CARRANO, Paulo César Rodrigues. Juventude e Políticas
Públicas no Brasil. Revista Brasileira de Educação, nº 24, set/out/nov/dez, p. 16, 2003.
SPOSITO, Marília Pontes. CORROCHANO, Maria Carla. A face oculta da transferência de
renda para jovens no Brasil. Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17,
n. 32, p. 238, 2005.
SPOSITO, Marília Pontes. CARVALHO E SILVA, Hamilton Harley de. SOUZA, Nilson
Alves de. Juventude e poder local: um balanço de iniciativas públicas voltadas para jovens em
municípios de regiões metropolitanas. Ver. Brás. Educ., São Paulo, v. 11, n. 32, p. 238, ago.
2006.
SULBRANDT, José. LIRA, Ricardo & IBARRA, Américo. Redes interorganizacionales en la
administración pública. Revista del CLAD. Reforma e Democracia, n. 21, Oct. 2001, p. 01-
14.
TEIXEIRA, Sônia Maria Fleury. O desafio da gestão das redes de políticas. VII Congresso
Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública.
Portugal, Lisboa, n. 8-11, Oct. 2002, p. 01-24.
Publicado
2011-07-25
Como Citar
Leandro Gontijo, J. G. (2011). GESTÃO PÚBLICA, DESARTICULAÇÃO E CONCERTAÇÃO: UM ESTUDO EMPÍRICO SOBRE COORDENAÇÃO E COOPERAÇÃO NO ÂMBITO DAS POLÍTICAS PARA JUVENTUDE EM BELO HORIZONTE. Administração Pública E Gestão Social, 2(4), 377-402. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4033
Seção
Artigos