Mandatos Eleitorais e Ciclos Político-Orçamentários: Evidências dos Estados Brasileiros

  • Dimas Barreto de Queiroz Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Livia Maria Freire de Morais Universidade Federal da Paraíba - UFPB
  • Arthur Guilherme Silva Ferreira de Souza Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
  • Vanessa Karla Rebouças da Silva Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA
Palavras-chave: Ciclos político-orçamentários, Mandatos eleitorais, Gastos públicos.

Resumo

A literatura sobre ciclos político-orçamentários aponta que os gestores aptos a concorrer à reeleição possuem maiores incentivos para manipular gastos públicos em períodos eleitorais. Nesse sentido, o objetivo da pesquisa consistiu em averiguar a influência do mandato eleitoral sobre os gastos públicos dos governos estaduais brasileiros. A amostra foi composta pelos 26 estados brasileiros no período de 2003 a 2014, compreendendo três ciclos eleitorais. Utilizou-se como metodologia a técnica de regressão com dados em painel. A pesquisa concluiu que o comportamento oportunista é restrito aos governadores que estão em primeiro mandato e a manipulação é restrita aos investimentos. Percebeu-se uma alteração na composição dos gastos públicos em direção aos investimentos nos períodos eleitorais nos estados cujos governadores estão em primeiro mandato. Essa pesquisa contribuiu com a literatura nacional ao identificar o mandato eleitoral como um fator capaz de influenciar os gastos públicos estaduais nos períodos eleitorais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alt, J. E., & Lassen, D. D. (2006). Transparency, political polarization, and political budget cycles in OECD countries. American Journal of Political Science, 50(3), 530-550.

Arvate, P. R., Mendes, M., & Rocha, A. (2010). Are voters fiscal conservatives? Evidence from Brazilian municipal elections. Estudos Econômicos, 40(1), 67-101.

Brender, A. (2003). The effect of fiscal performance on local government election results in Israel: 1989-1998. Jouunal of Public Economics, 87, 2187-2205.

Brender, A., & Drazen, A. (2005). Political budget cycles in new versus established democracies. Journal of Monetary Economics, 52, 1271-1295.

Brender, A., & Drazen, A. (2008). How do budget deficits and economic growth affect reelection prospects? Evidence from a large panel of countries. The American Economic Review, 98(5), 2203-2220.

Brender, A., & Drazen, A. (2013). Elections, leaders, and the composition of government spending. Journal of Public Economics, 97, 18-31.

Brooks, C. (2014). Introductory Econometrics for Finance (3a ed.) Cambridge: Cambridge University Press.

Carvalho, F. A. A., & Oliveira, K. V. (2009). A contabilidade governamental e a teoria dos ciclos políticos: uma análise empírica fiscal e contábil sobre os municípios do estado do Rio de Janeiro – 1998/2006. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 3(1), 46-64.

Downs, A. (1957). An economic theory of political action in a democracy. Journal of Political Economy, 65(2), 135-150.

Drazen, A. (2001). The political business cycle after 25 years. NBER Macroeconomics Annual, 15, 75-138.

Drazen, A., & Eslava, M. (2010). Marcela. Electoral manipulation via voter-friendly spending: theory and evidence. Jounal of Development Economics, 92, 39-52.

Gonzalez, P., Hindriks, J., & Porteiro, N. (2013). Fiscal decentralization and political budget cycles. Journal of Public Economic Theory, 15(6), 884-911.

Haan, J. (2013). Democracy, elections and government budget deficits. German Economic Review, 15(1), 131-142.

Hibbs, D. A., Jr. (1977). Political parties and macroeconomic policy. American Political Science Review, 71(4), 1467-1487.

Katsimi, M., & Sarantides, V. (2012). Do elections affect the composition of fiscal policy in developed, established democracies? Public Choice, 151, 325-362.

Klein, F. A. (2010). Reelection incentives and political budget cycle: evidence from Brazil. Revista de Administração Pública, 44(2), 283-337.

Klein, F. A., & Sakurai, S. N. (2015). Term limits and political budget cycles at the local level: evidence from a young democracy. European Journal of Political Economy, 37, 21- 36.

Klomp, J., & Haan, J. (2013). Political budget cycles and election outcomes. Public Choice, 157, 245-267.

Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. (1964). Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal.

Macrae, D. (1977). A political model of the business cycle. Journal of Political Economy, 85(2), 239-263.

Nordhaus, W. D. (1975). The political business cycle. Review of Economic Studies, 42(2), 169-190.

Peltzman, S. (1992). Voters as fiscal conservatives. The Quarterly Journal of Economics, 107(2), 327-361.

Portaria Interministerial nº 163, de 4 de maio de 2001. (2001). Dispõe sobre normas gerais de consolidação das Contas Públicas no âmbito da União, Estados, Distrito Federal e Municípios, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Ministério da Fazenda. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Queiroz, D. B. (2015). Composição dos Gastos Públicos e Resultados Eleitorais: Um estudo nos municípios brasileiros. (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Brasília, DF, Brasil.

Rogoff, K. (1990). Equilibrium political budget cycles. The American Economic Review, 80(1), 21-26.

Rogoff, K., & Sibert, A. (1988). Elections and macroeconomic policy cycles. Review of Economic Studies, 55(1), 1-16.

Rose, S. (2006). Do fiscal rules dampen the political business cycle? Public Choice, 128, 407- 431.

Sakurai, S. N. (2005). Testando a hipótese de ciclos eleitorais racionais nas eleições dos municípios paulistas. Estudos Econômicos, 35(2), 297-315.

Sakurai, S. N. (2009). Ciclos políticos nas funções orçamentárias dos municípios brasileiros: uma análise para o período 1990 – 2005 via dados em painel. Estudos Econômicos, 39(1), 39-58.

Sakurai, S. N., & Menezes, N. A., Filho. (2008). Fiscal policy and reelection in Brazilian municipalities. Public Choice, 137, 301-314.

Sakurai, S. N., & Menezes, N. A., Filho. (2011). Opportunistic and partisan election cycles in Brazil: new evidence at the municipal level. Public Choice, 148, 233-247.

Saporiti, A., & Streb, J. M. (2008). Separation of powers and political budget cycles. Public Choice, 137, 329-345.

Schneider, C. J. (2010) Fighting with one hand tied behind the back: political budget cycles in the West German states. Public Choice, 142, 125-150.

Shi, M., & Svensson, J. (2006). Political budget cycles: do they differ across countries and why? Journal of Public Economics, 90, 1367-1389.

Streb, J. M., & Torrens, G. (2013). Making rules credible: divided government and political budget cycles. Public Choice, 156, 703-722.

Veiga, L. G., & Veiga, F. J. (2007a). Does opportunism pay off? Economics Letters, 96, 177-182.

Veiga, L. G., & Veiga, F. J. (2007b). Political business cycles at the municipal level. Public Choice, 131, 45-64.

Vergne, C. (2009). Democracy, elections and allocation of public expenditures in developing countries. European Journal of Political Economy, 25, 63-77.

Vicente, E. F. R., & Nascimento, L. S. (2012). A efetividade dos ciclos políticos nos municípios brasileiros: um enfoque contábil. Revista de Contabilidade e Organizações, 6, 106- 126.
Publicado
2019-04-01
Como Citar
Queiroz, D. B. de, Morais, L. M. F. de, Souza, A. G. S. F. de, & Silva, V. K. R. da. (2019). Mandatos Eleitorais e Ciclos Político-Orçamentários: Evidências dos Estados Brasileiros. Administração Pública E Gestão Social, 11(2), 232-250. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5492
Seção
Artigos