Reforma do Judiciário e sua Representação Social nas Perspectivas de Magistrados do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia

  • Fernanda Filgueiras Sauerbronn Universidade Federal do Rio de Janeiro http://orcid.org/0000-0002-7932-2314
  • Rosenery Loureiro Lourenço PPGCC/UFRJ e UEMS
  • João Felipe Rammelt Sauerbronn PPGA/Unigranrio
Palavras-chave: Poder Judiciário, Reforma, Juízes, Teoria das Representações Sociais.

Resumo

A presente pesquisa investiga como os juízes do Tribunal de Justiça da Bahia constroem a representação da reforma do Judiciário no contexto brasileiro. A abordagem metodológica foi operacionalizada por meio da teoria das representações sociais e da análise de conteúdo. Na pesquisa emergiram quatro dimensões, a partir da análise de palavras evocadas e dos textos explicativos, que estão relacionadas a: reforma gerencial, impactos no judiciário, impactos para cidadão, legislação. Os achados foram comparados com outros estudos com foco nos servidores. O confronto revelou que, a partir do ponto de vista dos servidores, os aspectos gerenciais não obtiveram destaque, mas a partir do ponto de vista dos magistrados de primeira instância esta é uma categoria das mais importantes. Por fim, os pesquisadores apresentam considerações relacionadas à estratégia do CNJ e às políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Filgueiras Sauerbronn, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Administração

Programa de Pós-graduação em Ciências Contábeis

Rosenery Loureiro Lourenço, PPGCC/UFRJ e UEMS
Doutoranda em Ciências Contábeis no PPGCC/UFRJ
João Felipe Rammelt Sauerbronn, PPGA/Unigranrio

Doutor em Administração

Professor do PPGA/Unigranrio

Referências

Akutsu, L.; Guimarães, T. A. (2015). Governança judicial: proposta de modelo teórico-metodológico. Revista de Administração Pública, 49(4), 937-958.
Andion, Carolina. (2012). Por uma nova interpretação das mudanças de paradigma na administração pública. Cadernos Ebape. BR, 10(1), 1-19.
Araújo, Marivânia C. (2008). A teoria das representações sociais e a pesquisa antropológica. Revista Hospitalidade, 5(2), 98-119.
Bardin, Laurence. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.
Bresser-Pereira, Luis Carlos. (1996). Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Setor Público, 47(1), 7-40.
Bueno, Janaína M.; Freitas, Maria E. (2011). Representações sociais e gestão intercultural nas organizações. In: XXXV ENANPAD. Rio de Janeiro: Anpad.
Capaverde, C. B.; Vazquez, A. C. S. (2015). Implantação de Processo Eletrônico no Sistema Judiciário: um Estudo Sobre Aprendizagem Organizacional em uma Secretaria de Gestão de Pessoas. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 21(2), 462-490.
Capobiango, Ronan Pereira et al. (2013). Reformas administrativas no Brasil: Uma abordagem teórica e crítica. REGE Revista de Gestão, 20(1), 2013.
Cavedon, N. R.; Pires, R. P. (2006). “O pão nosso de cada dia”: as representações sociais sobre a vida familiar e profissional dos trabalhadores na indústria da panificação. Revista Economia & Gestão, 6(12), 1-20.
Cavedon, N. R. (2014). As representações sociais circulantes no período de margem do ritual de passagem: o caso dos peritos criminais em estágio probatório. Revista de Administração Mackenzie, 15(2), 66-96.
Cavedon, Neusa R. (2008). Antropologia para administradores. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS.
Conselho Nacional De Justiça. (2014c). Justiça em números 2014: ano-base 2013. Conselho Nacional de Justiça – Brasília: CNJ.
Conselho Nacional De Justiça. (2014b). Resolução nº. 194, de 26 de Maio de 2014. Institui a Política Nacional de atenção prioritária ao Primeiro Grau de Jurisdição e dá outras providências. DJE/CNJ n° 92, de 28/05/2014, p. 2. Disponível em: http://www.cnj.jus.br///images/atos_normativos/resolucao/resolucao_194_26052014_28052014142500.pdf. Acesso em: 02.mai.2016.
Conselho Nacional De Justiça. (2014a). Resolução nº. 198, de 1º de Julho de 2014. Dispõe sobre o planejamento e a gestão estratégica no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. DJE/CNJ n° 114, de 3/07/2014, p.4-7; 16-19. Disponível em: . Acesso em 02.mai.2016.
Costa, F. L.; Costa, E. M. L. (2016). Nova história da administração pública brasileira: pressupostos teóricos e fontes alternativas. Revista de Administração Pública, 50(2), 215-236.
Costa, Frederico Lustosa. (2008). Brasil: 200 anos de Estado; 200 anos de administração pública; 200 anos de reformas. Revista de Administração Pública, 42(5), 829-74.
Costa, Frederico Lustosa. (2010). Contribuição para um projeto de reforma democrática do Estado. Revista de Administração Pública, 44(2), 239-270.
Frühling, Hugo E. (1997). Reforma judiciária e democratização na América Latina. Revista do Serviço Público, 48(1), 90-125.
Gomes, A. O.; Guimarães, T. A. (2013). Desempenho no Judiciário. Conceituação, estado da arte e agenda de pesquisa. Revista de Administração Pública, 47(2)379-401.
Jodelet, Denise. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. In: JODELET, Denise. (Org.). Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj.
Jovchelovitch, Sandra. (1998). Representações sociais: para uma fenomenologia dos saberes sociais. Psicologia e Sociedade, 10(1), 54-68.
Lescura, Carolina et al. (2012). Representações sociais sobre as relações de parentesco: estudo de caso de um grupo empresarial familiar. Revista de Administração Contemporânea, 16(1), 98-117.
Lima, Daniella Munhoz da Costa. (2013). A cultura organizacional do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia: uma abordagem baseada nas contribuições de autores do pensamento social brasileiro. Tese (Doutorado em Administração), Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro.
Matos, F. R. N.; Ipiranga, A. S. R.; Machado, D. Q.; Rolim, G. F.; Alvarenga, R. A. M. (2012). Representações sociais e sustentabilidade: o significado do termo para alunos do curso de administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 13(4), 707-734.
Miranda, G. J.; Leal, E. A.; Medeiros, C. R. O.; Lemes, S. (2015). Social Representations of College Applicants: (Re)Constructing the Stereotype of Accounting Professionals. Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(1), 20-38.
Moscovici, Serge. (2004). Representações sociais: investigações em psicologia social. 2. ed. Petrópolis: Vozes.
Nogueira, José M. M. (2010). A gestão do Poder Judiciário nos estudos de administração pública no Brasil: um levantamento da literatura especializada. In: IV ENAPG, Vitória: Anpad, p. 1-17.
Nogueira, José M. M. et al. (2012). Estudo exploratório da eficiência dos Tribunais de Justiça estaduais brasileiros usando a Análise Envoltória de Dados (DEA). Revista de Administração Pública, 46(5), 1317-1340.
Nogueira, Marco. A. (2003). Sociedade civil, entre político-estatal e o universo gerencial. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(52), 185-202.
Pereira, M. C.; Tavares, T. S. (2006). Reestruturação produtiva, movimento sindical e participação: um estudo sob a ótica das representações sociais. Revista de Ciências da Administração, 8(15), 63-87.
Pontes, D. S.; Oliveira, L. G. L.; Vasconcelos, T. J. M. (2015). Os Condicionantes de Desempenho dos Projetos Estratégicos em um Tribunal de Justiça. Revista de Gestão e Projetos, 6(1), 14-27.
Reis, Sebastiana L. A.; Bellini, Marta. (2011). Representações sociais: teoria, procedimentos metodológicos e educação ambiental. Acta Scientarum, 33(2), 149-159.
Ribeiro, Ludmila. (2008). A Emenda Constitucional 45 e a questão do acesso à Justiça. Revista Direito GV, 4(2), 465-492.
Sadek, Maria T. (2004). Judiciário: mudanças e reformas. Estudos Avançados, 18(51), 79-101.
Sadek, Maria T.; ARANTES, Rogério B. (1994). A crise do Judiciário e a visão dos juízes. Revista USP, 21, 34-45.
Sauerbronn, Fernanda Filgueiras; SAUERBRONN, João Felipe R. (2015). Representações sociais da reforma do Judiciário — um estudo baseado nas perspectivas dos servidores do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia. Revista de Administração Pública, 49(3), 719-737.
Sauerbronn, Fernanda. F.; Sauerbronn, J. F. R. ; Gangemi, P. P. T. ; Fernandes, J. M. (2016). Estratégia e gestão do Poder Judiciário: uma proposta de estudo das práticas sociais relacionadas ao BSC. Revista do Serviço Público, 67(1), 7-29.
Sauerbronn, João Felipe R. (2011). Algumas considerações a respeito da reforma da gestão do Poder Judiciário e a segurança pública. In: Leal, Ana Beatriz; Munteal Filho, Oswaldo; Zampa, Viviane (Org.). Perspectivas da administração em segurança pública no Brasil. Curitiba: CRV, p. 91-106.
Sauerbronn, João Felipe R.; Lodi, Marluce D. F. (2012). Construção da imagem institucional do Poder Judiciário — uma análise baseada nas campanhas publicitárias do Conselho Nacional de Justiça. Cadernos EBAPE.BR, 10(4), 925-945.
Sena, G. A. (2014). Metas do Conselho Nacional de Justiça 2012/2013: uma análise dos contornos gerenciais assumidos pela reforma do Poder Judiciário no Brasil . Revista do Serviço Público, 65(2), 163-184.
Sena, Gabriel A.; Silva, Edson A.; Luquini, Roberto A. A reforma do Poder Judiciário no Brasil: uma análise a partir do modelo gerencial. Revista de Ciências da Administração, v. 14, n. 33, p. 68-78, 2012.
Sousa, M. M.; Guimarães, T. A. (2014). Inovação e desempenho na administração judicial: desvendando lacunas conceituais e metodológicas. Revista de Administração e Inovação, 11(2), 321-344.
Souza, W. J.; Serafim, L. S.; Dias, T. F. (2010). Representações sociais do papel de gestores de organizações não-governamentais. Organizações & Sociedade, 17(53), 363-378.
Spink, Mary J. P. (1993). O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, 9(3), 300-308.
Teodoro, A. N.; Przeybilovicz, E.; Cunha, M. A. (2014). Governança de Tecnologia da Informação: uma investigação sobre a representação do conceito. Revista de Administração, 49(2), 307-321.
Vieira, L. J. M.; Costa, S. G. (2013). Liderança no Judiciário: o reconhecimento de magistrados como líderes. Revista de Administração Pública, 47(4), 927-948.
Publicado
2019-07-01
Como Citar
Sauerbronn, F. F., Lourenço, R. L., & Sauerbronn, J. F. R. (2019). Reforma do Judiciário e sua Representação Social nas Perspectivas de Magistrados do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia. Administração Pública E Gestão Social, 11(3), 1-19. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5537
Seção
Artigos