“Acrescentar Anos a Vida e Vida aos Anos Vividos”: Um olhar foucaultiano sobre a gestão da velhice no programa Mais Vida, em Minas Gerais

  • Leandro Corrêa Passos Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG)
  • Raquel Oliveira Barreto Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG) Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - Campus Araçuaí
  • Alexandre de Pádua Carrieri Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Governamentalidade, Idoso, Políticas Públicas

Resumo

O envelhecimento é um fenômeno mundial e no Brasil não é diferente, a projeção é de que 1/3 de brasileiros, em 2060, tenham 60 ou mais anos. A partir da perspectiva foucaltiana da governabilidade e da biopolítica, objetivamos analisar como o Programa Mais Vida se propõe a realizar a gestão da velhice em Minas Gerais. Nos inspiramos na arqueologia de Foucault para propiciar um olhar diferente realizando uma análise da legislação brasileira e, de forma específica, sobre as regulamentações e práticas do programa. Foi possível perceber o desejo que temos de vivermos mais como fio condutor que liga o indivíduo à população que será gerida. A família e a sociedade serão chamadas para cuidar dos seus idosos na busca por eficiência. E logo, o idoso será alvo de uma biopolítica, normatizado, subjetivado, disciplinado e examinado, sendo compelido a se autogerir para manter-se ativo, saudável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Corrêa Passos, Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG)
Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais. Possui especialização em Gestão Pública pela Fundação João Pinheiro(2006), graduação em Administração Pública pela Fundação João Pinheiro (2004) e graduação em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Pública atuando há 10 anos no poder executivo do Estado de Minas Gerais.
Raquel Oliveira Barreto, Universidade Federal de Minas Gerais (CEPEAD/UFMG) Instituto Federal do Norte de Minas Gerais - Campus Araçuaí
Doutoranda em Administração pelo Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (CEPEAD) da UFMG. Mestre em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente é pesquisadora do NEOS, Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade. É professora do IFNMG - Instituto Federal do Norte de Minas Gerais, campus Araçuaí. Tem como áreas de interesse os Estudos Organizacionais e a Gestão de Pessoas, especificamente os seguintes temas: Subjetividade e Trabalho, Teoria Crítica, Envelhecimento, Economia Solidária e Gestão Pública.
Alexandre de Pádua Carrieri, Universidade Federal de Minas Gerais
É Professor Titular na UFMG. Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001). Desde 2002 é Professor da Universidade Federal de Minas Gerais/Face/Cad/Cepead. Coordenador do NEOS - Núcleo de Estudos Organizacionais e Sociedade. Atua na linha de pesquisa: Estudos Organizacionais e Sociedade (Cepead). Foi coordenador da divisão acadêmica de EOR da Anpad.

Referências

Bandeira, E. M. F. de S. (2014). Rede Mais Vida: Rede de Atenção à Saúde do Idoso. Secretaria de Estado de Saúde, Diretoria de Redes Assistenciais, Coordenação de Atenção à Saúde do Idoso.
Brasil. (2003). Decreto nº 4.740, de 13 de Junho de 2003. Aprova o Estatuto e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e Funções Gratificadas da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, e dá outras providências. Disponível em . Acesso em: 08 out. 2016.
Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Área Técnica de Saúde do Idoso. Um guia para se viver mais e melhor. 2006. Disponível em:. Acesso em: 20 abr. 2017.
Both, V. (2008). O biopoder e o discurso dos direitos humanos: um estudo a partir de Michel Foucault. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São Leopoldo Recuperado em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/2010/artigos_teses/FILOSOFIA/Dissertacoes/Valdevir_Both.pdf Acesso em: 10 de junho de 2017.
Cavalcanti, P., Carvalho, R. N. & Medeiros, K. T. (2012). Intersetorialidade, Políticas Sociais e Velhice no Brasil: entre a falácia e a efetivação do direito social. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Laboratório de Estudos Contemporâneos. Polêmica, v. 11, n. 4, outubro/dezembro.
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS. (2015a). A atenção primária e as redes de atenção à saúde. Brasília: CONASS (Coleção Progestores - Para entender a gestão do SUS-2015). Disponível em: < http://www.conass.org.br/biblioteca/a-atencao-primaria-e-as-redes-de-atencao-a-saude/>. Acesso em: 20 fev.2017.
Debert, G. G. (1992). Família, Classe Social e Etnicidade: Um Balanço da Bibliografia sobre a Experiência de Envelhecimento. Revista BIB, Rio de Janeiro, n. 33,1.° Semestre, pp. 33-49.
______. (1994). Antropologia e Envelhecimento. 2a.ed. CAMPINAS: IFCH/UNICAMP, v. 700. 118p.
______. (1999). A reinvenção da velhice: socialização e processos de reprivatização do envelhecimento. São Paulo: EDUSP.
Fernandes, A., Castro, C. & Maron, J. (2013). Desafios para a implementação de políticas públicas: intersetorialidade e regionalização. Anais do VI Congresso CONSAD de Gestão Pública, Brasília (DF). Disponível em: . Acesso em 18 mar. 2017.
Foucault, M. (1997). Vigiar e Punir. 20ed. Petrópolis: Vozes.
______. (2008a). Nascimento da Biopolítica. Curso no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes.
______. (2008b). Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
______. (2003). A “governamentabilidade” In: FOUCAULT, M. Ética, Sexualidade e Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 281-305 (Coleção Ditos e Escritos IV).
_____. (2004). A ética do cuidado de si como prática de liberdade. In: FOUCAULT, M. Ética, Sexualidade e Política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, p. 264-287 (Coleção Ditos e Escritos V).
______. (2013). Microfísica do Poder. 10 ed. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal.
IBGE. (2016). Projeções e estimativas da população do Brasil e das Unidades da Federação. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/apps/populacao/projecao. Acessado em 30/10/2016.
¬¬¬¬______. (2013). Síntese de Indicadores Sociais: Uma análise das condições de vida da população Brasileira. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em . Acesso em 15 nov. 2015.
Leme, L. E. G. & Silva, P. S. C. P. da. (1996). O idoso e a família. In: Papaléo Neto, M. (Org). (1996). Gerontologia. São Paulo: Atheneu, p.92-7.
Martins, L. A. M.; Peixoto Junior, C. A. (2009). Genealogia do biopoder. Psicologia & Sociedade, v. 21, n.2, p.157-165.
Minas Gerais. (2010). Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Resolução SES nº 2.603, de 7 de dezembro de 2010. Dispõe sobre o Programa Mais Vida – Rede de Atenção à Saúde do Idoso de Minas Gerais, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.saude.mg.gov.br/images/documentos/resolucao_%202603.pdf>. Acesso em 01 maio. 2016.
Matos, R. K. de S. & V, L. L. F. (2014). Fazer Viver e Deixar Morrer: a Velhice na Era do Biopoder. Psicologia: Ciência e Profissão, v. 34, n.1, p. 196-213.
Mendes, E. V. (2011). As redes de atenção à saúde. 2ª ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.
Oliveira, A. D. et. al. (2014). A intersetorialidade nas políticas públicas para o envelhecimento no Brasil. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo, v. 17, n.2, p.91-103.
OMS. (2015). Relatório Mundial de Envelhecimento e Saúde 2015. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/186468/6/WHO_FWC_ALC_15.01_por.pdf. Acessado em: 21/10/16.
Organização dos Estados Americanos (OEA). (2015). Convenção Interamericana sobre a Proteção dos Direitos Humanos dos Idosos. Washington, D.C, Disponível em . Acesso em 02 abr. 2017.
Prado Filho, K. (2006). Uma história da governamentalidade. Rio de Janeiro: Achiamé.
Santos, R. E. dos. (2010). Genealogia da Governamentalidade em Michel Foucault. 2010. 242f. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Belo Horizonte. Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.
Saraiva, L. L. (2016). A tutela constitucional da pessoa idosa. Conteúdo Jurídico, Brasília – DF. Disponível em: http://www.conteudojuridico.com.br/?artigos&ver=2.55852&seo=1>. Acesso em: 30 jan. 2017.
Schramm, F. R. (2014). Dialética entre liberalismo, paternalismo de Estado e biopolítica. Análise conceitual, implicações bioéticas e democráticas. Revista bioética, Rio de Janeiro, v. 22, n.1, p.10-7, 2014.
Tótora, S. (2006). Ética da vida e o envelhecimento. (2006). In: Côrte, b.; Mercadante, e. f.; Arcuri, i. g. (Org). (2006). Envelhecimento e velhice: um guia para a vida. São Paulo: Vetor. p.26-47.
______, S. (2008a). Apontamentos para uma ética do envelhecimento. Revista Kairós, São Paulo, v. 11, n.1, p. 21-38.
______. S. (2008b). A vida nas dobras... as dobras da velhice. Revista A Terceira Idade, v.19, nº43, p.27-38.
______, S. (2013). Genealogia da velhice. In: XXVII Simpósio Nacional de História. Anais... Natal.
Zimerman, G. I. (2000). Velhice: aspectos biopsicossociais. Porto Alegre: Artmed
Publicado
2019-12-29
Como Citar
Passos, L. C., Barreto, R. O., & Carrieri, A. de P. (2019). “Acrescentar Anos a Vida e Vida aos Anos Vividos”: Um olhar foucaultiano sobre a gestão da velhice no programa Mais Vida, em Minas Gerais. Administração Pública E Gestão Social. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5609
Seção
Artigos