Avaliação da Eficiência dos Gastos Públicos com Educação dos Municípios de Santa Catarina

  • Rodolfo Rocha Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
  • Marcelo Machado de Freitas Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Leonardo Flach Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Resumo

Esse artigo teve como objetivo verificar os fatores que afetam o nível de eficiência na aplicação dos recursos públicos em educação básica dos municípios de Santa Catarina. Para tanto, utilizou-se o método não paramétrico de análise envoltória de dados. Posteriormente, aplicou-se um modelo de regressão Tobit. Pode-se inferir, ao nível de significância de 10%, que a qualidade de vida de um município afeta positivamente a eficiência na aplicação dos recursos públicos com educação dos municípios catarinenses. O PIB apresentou uma relação negativa com a escala de eficiência, podendo-se afirmar que, ao nível de significância de 5%, municípios que apresentaram maior poder econômico foram menos eficientes. Por fim, a densidade demográfica apresentou uma relação positiva com a eficiência dos municípios catarinenses ao nível de significância de 10%, se entende que municípios mais densamente povoados podem apresentar uma maior demanda com educação sem a necessidade de uma maior aplicação de recursos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodolfo Rocha Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
Professor do Departamento de Ciências Contábeis e Finanças da  Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), mestre em Contabilidade pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Marcelo Machado de Freitas, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Professor substituto do departamento de contabilidade da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Contabildade da UFSC (PPGC/UFSC), mestre em contabildiade pelo PPGC/UFSC.
Leonardo Flach, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
Professor do departamento de contabilidade da UFSC com pós-doutorado em Contabilidade e Finanças pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT/EUA), doutor em administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Referências

Abbott, M., & Doucouliagos, C. (2003). The efficiency of Australian universities: a data envelopment analysis. Economics of Education review, 22(1), 89-97.

Agasisti, T. (2011). Performances and spending efficiency in higher education: a European comparison through non‐parametric approaches. Education Economics, 19(2), 199-224.

Arretche, M. T. (1998). Tendências no estudo sobre avaliação. Avaliação de políticas sociais: uma questão em debate, 3, 29-49.

Banker, R. D., Charnes, A., & Cooper, W. W. (1984). Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management science, 30(9), 1078-1092.

Belloni, J. Â. (2000). Uma metodologia de avaliação da eficiência produtiva de universidades federais brasileiras (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina).

Atlas do desenvolvimento humano no Brasil (2010). Disponível em http://www.atlasbrasil.org.br

Charnes, A., Cooper, W. W., & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European journal of operational research, 2(6), 429-444.

Curi, M. A. (2015). Eficiência de universidades federais no uso de recursos renováveis. (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Lavras, Lavras, MG, Brasil).

Dias, H. L.; Cagnini, W.; Camargo, S. R. (2014, nov). Análise da eficiência dos gastos públicos com educação nos municípios do Sudoeste do Paraná. Artigo apresentado no XXII Congresso Brasileiro de Custos, Natal, RN. Artigo recuperado em http://anaiscbc.emnuvens.com.br/anais/article/view/3770/3771

Faria, F. P., Jannuzzi, P. D., & Silva, S. D. (2008). Eficiência dos gastos municipais em saúde e educação: uma investigação através da análise envoltória no estado do Rio de Janeiro. Revista de administração pública, 42(1), 155-177.

Farrell, M. J. (1957). The measurement of productive efficiency. Journal of the Royal Statistical Society. Series A (General), 120(3), 253-290

Gupta, S., & Verhoeven, M. (2001). The efficiency of government expenditure: experiences from Africa. Journal of policy modeling, 23(4), 433-467

Hauner, D. (2008). Explaining differences in public sector efficiency: evidence from Russia’s regions. World Development, 36(10), 1745-1765.

Hoff, A. (2007). Second stage DEA: Comparison of approaches for modelling the DEA score. European Journal of Operational Research, 181(1), 425-435.

Lins, M. P. E.; & Meza, L. A. (2000). Análise envoltória de dados: e perspectivas de integração no ambiente do Apoio à Decisão. COPPE/UFRJ.

Lins, M. P. E.; & Moreira, M. C. B. (2000). Implementação com Seleção de Variáveis em Modelos DEA. In: Lins, M. P. E.; Meza, L. A. Análise envoltória de dados: e perspectivas de integração no ambiente do Apoio à Decisão (pp. 37-52). COPPE/UFRJ.

Lopes, L. S., & Toyoshima, S. H. (2008). Eficiência técnica municipal na gestão dos gastos com saúde e educação em Minas Gerais: seus impactos e determinantes. Seminário sobre a economia mineira, 13, 1-24.

Macedo, M. A. D. S., Casa Nova, S. P. D. C., & de Almeida, K. (2010). Mapeamento e análise bibliométrica da utilização da Análise Envoltória de Dados (DEA) em estudos em contabilidade e administração. Contabilidade, Gestão e Governança, 12(3)

Macedo, M. A. D. S., Cruz, C., & Ferreira, A. C. S. (2011). Índice de Desenvolvimento Sustentável: uma análise apoiada em DEA para os municípios do Estado do Rio de Janeiro. Gestão & Regionalidade, 27(81), 19-31.

Machado Junior, S. P., Irffi, G. I., & Benegas, M. B. B. (2011). Análise da eficiência técnica dos gastos com educação, saúde e assistência social dos municípios cearenses. Planejamento e Políticas Públicas, (36).

Martins, V., & Luque, C. A. (1999). O papel dos municípios no desenvolvimento econômico. FUNDAÇÃO PREFEITO FARIA LIMA-CEPAM. O município no século XXI: cenários e perspectivas. Ed. especial. São Paulo, 79-85.

Mello, J. C. C. B. S., MEZA, L. A., GOMES, E. G., & Neto, L. B. (2005). Curso de análise de envoltória de dados. Simpósio Brasileiro de Pesquisa Operacional, 37, 2521-2547.

Mello, J. S., Angulo-Meza, L., Gomes, E. G., Fernandes, A. J. S., & Neto, L. B. (2008). Estudo não paramétrico da relação entre consumo de energia, renda e temperatura. IEEE Latin America Transactions, 6, 153-161.

Nuintin, A. A. (2014). Eficiência da aplicação de recursos públicos nas universidades federais (Tese de Doutorado, Universidade Federal de Lavras).

Peña, C. R. (2008). Um Modelo de Avaliaçăo da Eficięncia da Administraçăo Pública através do Método Análise Envoltória de Dados (DEA). Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, Paraná, 12(1), 83-106.

Rezende, F., Cunha, A., & Bevilacqua, R. (2010). Informações de custos e qualidade do gasto público: lições da experiência internacional. Revista de Administração Pública, 44(4), 959-992.

Sibiano, P., & Agasisti, T. (2013). Efficiency and heterogeneity of public spending in education among Italian Regions. Journal of Public Affairs, 13(1), 12-22.

Abreu Pereira Silva, A., Marques Ferreira, M. A., Braga, M. J., & Abrantes, L. A. (2012). Eficiência na alocação de recursos públicos destinados à educação, saúde e habitação em municípios mineiros. Contabilidade, Gestão e Governança, 15(1).

Silva, J. L. M., & Almeida, J. C. L. (2012). Eficiência no gasto público com educação: uma análise dos municípios do Rio Grande do Norte. Planejamento e Políticas Públicas, (39).

Souza Júnior, C. V. N. D., & Gasparini, C. E. (2006). Análise da equidade e da eficiência dos estados no contexto do federalismo fiscal brasileiro. Estudos Econômicos (São Paulo), 36(4), 803-832.

Sueyoshi, T., Goto, M., & Omi, Y. (2010). Corporate governance and firm performance: Evidence from Japanese manufacturing industries after the lost decade. European Journal of Operational Research, 203(3), 724-736.

Tschaffon, P. B., & Angulo Meza, L. (2014). Assessing the efficiency of the electric energy distribution using Data Envelopment Analysis with undesirable outputs. Latin America Transactions, IEEE (Revista IEEE America Latina), 12(6), 1027-1035.

Whiteley, P. F. (2000). Economic growth and social capital. Political Studies, 48(3), 443-466.

Wilbert, M. D., & D’Abreu, E. C. C. F. (2013). Eficiência dos gastos públicos na educação: análise dos municípios do estado de alagoas. Advances in Scientific and Applied Accounting, 6(3), 348-372.

Will, A. R. (2014). Eficiência dos Estados Brasileiros nos Gastos com Educação: Um Estudo Comparativo de Recursos Utilizados e Resultados Alcançados. (Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil).

Zhu, J. (2000). Multi-factor performance measure model with an application to Fortune 500 companies. European journal of operational research, 123(1), 105-124

Zoghbi, A. C. P., Matos, E. H. C. D., Rocha, F. F., & Arvate, P. R. (2009). Mensurando o desempenho e a eficiência dos gastos estaduais em educação fundamental e média. Estudos Econômicos (São Paulo), 39(4), 785-809.
Publicado
2020-01-30
Como Citar
Santos, R. R., de Freitas, M. M., & Flach, L. (2020). Avaliação da Eficiência dos Gastos Públicos com Educação dos Municípios de Santa Catarina. Administração Pública E Gestão Social, 12(2). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i2.5755
Seção
Artigos