Quando o Desastre Bate à Porta: Reflexões sobre a Ética da Gestão Pública de Riscos e de Desastres

Resumo

O aumento na ocorrência de tragédias em todo o mundo exige que governo e sociedade atuem na gestão integrada de riscos e de desastres, reforçando a importância desse tema em diferentes níveis do poder público nos quais questões éticas muitas vezes se manifestam. Considerando esse contexto, o objetivo deste artigo teórico foi realizar uma reflexão sobre a ética da gestão pública de riscos e de desastres. Foi enfatizada a ética dos desastres como elemento indispensável para a gestão de emergências, evidenciando alguns de seus possíveis dilemas morais e a atuação do gestor público. Apesar dos princípios éticos de solução serem uma das alternativas para análise dos dilemas, normalmente eles são difíceis de operacionalizar em situações reais de crise. Assim, torna-se importante a realização de uma redução sociológica como método de assimilação crítica de forma que o tema possa ser pesquisado considerando as especificidades da cultura e gestão pública brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laís Silveira Santos, ESAG/UDESC

Doutoranda em Administração na Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC); Mestre em Administração pela Universidade Federal da Santa Catarina (UFSC); Pesquisadora do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Inovações Sociais na Esfera Pública (NISP/ESAG/UDESC); e Administradora na Universidade do Estado de Santa Catarina, Brasil.

Mauricio C. Serafim, ESAG/UDESC

Professor associado do Departamento de Administração Pública (DAP) e do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade do Estado de Santa Catarina (ESAG/UDESC); Vice-líder do Núcleo de Pesquisa e Extensão em Inovações Sociais na Esfera Pública (NISP/ESAG/UDESC); Doutor em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas de São Paulo (FGV/EAESP), Brasil.

Referências

Ahner, G. (2009). Ética nos Negócios: construir uma vida, não apenas ganhar a vida. São Paulo: Paulinas.
Aung, K. T., Rahman, N., Nurumal, M. S., & Ahayalimudin, N. (2017). Ethical Disaster or Natural Disaster? Importance of Ethical Issue in Disaster Management. Journal of Nursing and Health Science, 6(2), 90-93.
Azevêdo, A., & Albernaz, R. (2006). A “antropologia” do Guerreiro: a história do conceito de homem parentético: em memória a Eliana Guerreiro Ramos (1949-2003). Cadernos EBAPE.BR, 4(3), 1-19.
Bariani, E. (2006). Guerreiro Ramos: Uma Sociologia em Mangas de Camisa. CAOS - Revista Eletrônica de Ciências Sociais, 11, 84-92.
Basolo, V., Laura, I., Burby, R. J., Levine, J., Cruz, A. M., & Huang, C. (2009). The effects of confidence in government and information on perceived and actual preparedness for disasters. Environment and Behavior, Thousand Oaks, 41(3), 338-364.
Beck, U. (1997). A Reinvenção da Política: Rumo a uma Teoria da Modernização Reflexiva. In: Beck, U., Giddens, A., & Lash, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna (pp. 11-71). São Paulo, Editora da Unesp.
Birkland, T. A. (2009). Disasters, Lessons Learned, and Fantasy Documents. Journal of Contingencies and Crisis Management, 17(3), 146-156.
Boin, A., Hart, P., Stern, E., & Sundelius, B. (2005). The Politics of Crisis Management: Public Leadership Under Pressure. New York: Cambridge University Press.
Defesa Civil de Santa Catarina. (2017). Gestão de Riscos e Gestão de Desastres. Material para fins didáticos. Florianópolis.
Drozenová, W. (2016). Challenge of time as a moral imperative. Human Affairs, 26(1), 80-89.
Etkin, D. (2016). Disaster Theory: An Interdisciplinary Approach to Concepts and Causes. Elsevier.
Etkin, D., & Timmerman, P. (2013). Emergency management and Ethics. International Journal of Emergency Management, 9(4), 277-297.
Farazmand, A. (2009). Hurricane Katrina, the Crisis of Leadership, and Chaos Management: Time for Trying the 'Surprise Management Theory in Action'. Public Organization Review, 9(4), 399-412.
Feldhaus, C. (2011a, maio). A Ética dos Desastres. Filosofia (São Paulo), 22-29.
Feldhaus, C. (2011b). É o utilitarismo a melhor concepção normativa para desastres? In: III Encontro de Egressos e Estudantes de Filosofia da UEL, 2011, Londrina. Anais do III Encontro de Egressos e Estudantes de Filosofia da UEL. Londrina: UEL.
Feldmann-Jensen, S., Jensen, S., Smith, S., & Etkin, D. (2016). Toward a substantive dialogue: The case for an ethical framework in emergency management, Part 1. Australasian Journal of Disaster and Trauma Studies, 20(1), 45-47.
Geale, S. K. (2012). The ethics of disaster management. Disaster Prevention and Management, 21(4), 445-462.
Jenson E. (1997). Disaster Management Ethics. UNDP Disaster Management Training Programme. Disponível em: . Acesso em 01 jul. 2018.
Kapucu, N., Berman, E., & Wang, X. (2008). Emergency Information Management and Public Disaster Preparedness: Lessons from the 2004 Florida Hurricane Season. International Journal of Mass Emergencies and Disasters, 26(3), 169-197.
Kapucu, N., & Ustun, Y. (2017). Collaborative Crisis Managementand Leadership in the Public Sector. International Journal of Public Administration, 41(7), 548-561.
Kidder, R. M. (2007). Como tomar decisões difíceis: muitas vezes na vida você precisa escolher entre o certo e o certo. Tradução de Sonia Augusto. São Paulo: Gente.
Koehler, G. A., Kress, G. G., & Miller, R. L. (2001). What disaster response management can learn from chaos theory. In: Farazmand, A. (Ed.) Handbook of crisis and emergency management (pp. 293-308). New York: Marcel Dekker.
Lampen, N. L. (2002). Crisis Communication for Local Government Managers. Washington DC: ICMA.
Lavarias, R. B. (2013). A Comparative Analyses of the Moral Development of Emergency Personnel based on the Defining Issues Test. 2013. 108 f. Doctoral dissertation (Doctoral Degree in Public Administration) – Nova Southeastern University. Retrieved from NSUWorks, H. Wayne Huizenga School of Business and Entrepreneurship.
McEntire, D. A. (2015). Disaster Response and Recovery: Strategies and Tactics for Resilience. Hoboken, NJ: Wiley.
Mulgan, T. Utilitarismo. Petrópolis: Vozes, 2012.
Murray, D. (2011). Book Review: N. Zack, Ethics for Disaster. Journal of Value Inquiry, 45(2), 229-232.
Nuttle, D. (2012). Dealing with Emergency Planning Failures. Disponível em: . Acesso em 28 mai. 2018.
Oldenhof, L., Postma, J., & Putters. (2014). On Justification Work: How Compromising Enables Public Managers to Deal with Conflicting Values. Public Administration Review, 74(1), 52-63.
Oliveira, M. (2010). Livro Texto do Projeto Gerenciamento de Desastres – Sistema de Comando em Operações. Florianópolis: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres.
Ramos, A. G. (1996). A Redução Sociológica (3a ed.). Rio de Janeiro: Editora UFRJ.
Rossy, G. L. (2011). Five questions for addressing ethical dilemmas. Strategy & Leadership, 39(6), 35-42.
Saban, L. I. (2016). International Disaster Management Ethics. Albany: Suny Press.
Saban, L. I., & Berdugo, G. (2017). Ethics Management in the Public Service: A Sensory-based Strategy. London, New York: Routledge.
Tavares, L. M. B., & Barbosa, F. C. (2014). Reflexões sobre a emoção do medo e suas implicações nas ações de Defesa Civil. Ambiente e Sociedade, 17(4), 17-34.
The New York Times Magazine. (2009). The Deadly Choices at Memorial. Disponível em: . Acesso em 28 mai. 2018.
Treviño, L. K., & Nelson, K. A. (2010). Managing Business Ethics: Straight Talk About How To Do It Right (5th ed.). New York: John Wiley.
UFSC/CEPED. (2016). Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Relatório de danos materiais e prejuízos decorrentes de desastres naturais no Brasil: 1995 - 2014/Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres; Banco Mundial [Organização Rafael Schadeck] - Florianópolis: CEPED/UFSC.
Urby, H. Jr., & Mcentire, D. A. (2013). Applying public administration in emergency management: The importance of integrating management into disaster education. Homeland Security & Emergency Management, 11(1), 39-60.
Valencio, N. (2010). Desastres, ordem social e planejamento em Defesa Civil: o contexto brasileiro. Saúde e Sociedade, 19(4), 748-762.
Van Hooft, S. Ética da virtude. Petrópolis: Vozes, 2013.
Van Wart, M. (1998). Changing Public Sector Values. New York: Garland.
Wilson, J., & Oyola-Yemaiel, A. (2001). The evolution of emergency management and the advancement towards a profession in the United States and Florida. Safety Science, 39(1-2), 117-131.
Zack, N. (2009). Ethics for Disaster. Lanham, MD: Rowman & Littlefield.
Publicado
2020-01-30
Como Citar
Santos, L. S., & Serafim, M. C. (2020). Quando o Desastre Bate à Porta: Reflexões sobre a Ética da Gestão Pública de Riscos e de Desastres. Administração Pública E Gestão Social, 12(2). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i2.6011
Seção
Artigos