Dimensões estatal, gerencial e individual da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer (de Mama): um modelo avaliativo

  • Daiane Medeiros Roque Ferreira Universidade Federal de Viçosa
  • Afonso Augusto Teixeira de Freitas de Carvalho Lima Universidade Federal de Viçosa
  • Marco Aurélio Marques Ferreira Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Administração Pública, Políticas Públicas, Saúde Pública, Câncer de Mama, Modelo de avaliação de Desempenho

Resumo

O objetivo desse estudo foi evidenciar a existência de três dimensões teóricas condicionantes do desempenho na Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer (PNPCC), a saber: a dimensão estatal, em seu aparato legal e estrutural; a dimensão gerencial, por meio da capacidade gerencial municipal; e a dimensão individual, pelo envolvimento da sociedade com comportamentos difundidos pela política.  Além disso, tem-se como proposta desenvolver um modelo para avaliar a PNPCC, o qual denominou-se de Modelo Sinérgico de Avaliação de Desempenho de Política Pública em Saúde (MoSADPPS). Para cumprir os objetivos propostos, foram adotados procedimentos metodológicos quantitativos como a Regressão Linear Logística e a Análise Fatorial. Os resultados confirmam a influência dessas três dimensões no resultado da PNPCC. Também encontrou-se que o melhor desempenho com a Política não está relacionado com melhores níveis de desenvolvimento econômico e social do município, mas possivelmente pela capacidade de gerenciar as políticas públicas de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane Medeiros Roque Ferreira, Universidade Federal de Viçosa
Doutora em Administração pelo Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa. Ênfase em tópicos relacionados à Administração Pública, Marketing para o Setor Público e Comportamento do Consumidor.
Afonso Augusto Teixeira de Freitas de Carvalho Lima, Universidade Federal de Viçosa
Professor titular do Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa, atuante na área de marketing
Marco Aurélio Marques Ferreira, Universidade Federal de Viçosa
Professor associado do Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa, atuante na área de adminstração pública.

Referências

American Cancer Society. (2014). O Atlas do Câncer. Atlanta: American Cancer Society.

Asevedo, F. M. F. de, & Koch, H. A. (2004). Avaliação dos custos para a implantação de um serviço de mamografia. Radiol Bras, 37(2), 101-105.

Azami-Aghdash, S., Ghojazadeh, M., Sheyklo, S. G., Daemi, A., Kolahdouzan, K., Mohseni, M., & Moosavi, M. (2015). Breast Cancer Screening Barriers from the Womans Perspective: a Meta-synthesis. Asian Pacific Journal of Cancer Prevention, 16(8), 3463-3471.

Azevedo e Silva, G., Souza Jr., P. R. B., Damacena, G. N., & Szwarcwald, C. L. (2017). Detecção precoce do câncer de mama no Brasil: dados da Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Revista de Saúde Pública, 51(supl 1:14s), 1-9.

Brasil. Informações de saúde (tabnet). (2018). Brasília: Datasus. Recuperado de: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/index.php?area=02.

Bonnefoy, J. C, & Armijo, M. (2005). Indicadores de desempeño en el sector público. Chile: Instituto Latino americano y del Caribe de Planificación Económica y Social – ILPES.

Burnett, C. B., Steakley, C. S., & TEFFT, M. C. (1995). Barriers to breast and cervical cancer screening in underserved women of the District of Columbia. Oncol Nurs Forum, 22(10), 1551-1557.

Costa, F. L. da, & Castanhar, J. C. (2003). Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. RAP, 37(5), 969-92.

Cunha, N. R. S., Lima, J. E. de, Gomes, M. F. M., & Braga, M. J. (2008). A Intensidade da exploração agropecuária como indicador da degradação ambiental na região dos cerrados, Brasil. Revista de Economia Rural, 46(2), 291-323.

Dias-da-Costa, J. S., Olinto, M. T. A., Bassani, D., Marchionatti, C. R. E., Bairros, F. S., Oliveira, M. L. P. de, Hartmann, M., Gabardo, R. M., Bennemann, V., & Pattussi, M. P. (2007). Desigualdades na realização do exame clínico de mama em São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 23(7), 1603-1612.

Dolina, J. V., Bellato, R., & Araújo, L. F. S, de. (2014). Diferentes temporalidades no adoecimento por câncer de mama. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(esp2), 77-84.

Ferreira, M. A. S. (2015). Perspectivas do controle social: uma análise da natureza e extensão da participação cidadã na gestão dos municípios mineiros. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Jr, J. A. da. (2010). Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opin. Publica, 16(1), 160-185.

George, S. A. Barriers to breast cancer screening: an integrative review. (2000). Health Care for Women International, 21(1), 53-65.

Gonçalves, L. L. C., Travassos, G. L., Almeida, A. M, Guimarães, A. M. D. N, & Gois, C. F. L. (2014). Barriers in health care to breast cancer: perception of women. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(3), 394-400.

Guerra, M. R., Azevedo e Silva, G., Nogueira, M. C., Leite, I. C. G., Oliveira, R. V. C., Cintra, J. R. D., Bustamante-Teixeira, M. T. (2015). Sobrevida por câncer de mama e iniquidade em saúde. Cad. Saúde Pública, 31(8), 1673-1684.

Hair, J. F., Black, W. C.,‎ Babin, B. J.,‎ Anderson, R. E., &‎ Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6a ed.), Porto Alegre: Bookman.

Hanson, K., Montgomery, P., Bakker, D., & Conlon, M. (2009). Factors influencing mammography participation in Canada: an integrative review of the literature. Current Oncology, 16(5), 65-75.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2016). Produto Interno Bruto dos Municípios. Rio de Janeiro: IBGE. Recuperado de: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/economicas/contas-nacionais/9088-produto-interno-bruto-dos-municipios.html=- &t= downloads.

Instituto Nacional do Câncer. (2002). Fundamentos para uma Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer. editorial, 48(1). Recuperado de: http://www.inca.gov.br/rbc/n_48/v01/editorial.html.

Instituto Nacional do Câncer. (2017). Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA.

Lemos, J. J. S. (2001). Níveis de Degradação no Nordeste Brasileiro. Revista Econômica do Nordeste, 32(3), 406-429.

Lourenço, T. S., Mauad, E. C., & Vieira, R. A. C. (2013). Barreiras no rastreamento do câncer de mama e o papel da enfermagem: revisão integrativa. Revista Brasileira de Enfermagem, 66(4), 585-591.

Marinho, L. A. B., Cecatti, J. G., Osis, M. J. D., & Gurgel, M. S. C. (2008). Knowledge, attitude and practice of mammography among women users of public health services. Revista de Saúde Pública, 42(2), 200-207

Oliveira, E. X. G., Pinheiro, R. S., Melo, E. C. P., & Carvalho, M. S. (2011). Condicionantes socioeconômicos e geográficos do acesso à mamografia no Brasil, 2003-2008. Ciência & Saúde Coletiva, 16(9), 3649-3664.

Portaria de Consolidação nº 2, de 28 de setembro de 2017. (2017). Consolidação das normas sobre as políticas nacionais de saúde do Sistema Único de Saúde. Brasília: Diário Oficial da União.

Pires, R. R. C., & Gomide, A. de A. (2016). Governança e capacidades estatais: uma análise comparativa de programas federais. Revista de Sociologia e Política, 24(58), 121-143.

Ramachandran, A., Freund, K. M., Bak, S. M., Heeren, T. C., Chen, C. A., & Battaglia, T. A. (2015). Multiple barriers delay care among women with abnormal cancer screening despite patient navigation. Journal of Womens Health, 24(1), 30-36.

Roque, D. M., Almeida, F. S., & Moreira, V. S. (2017). Política pública de combate à dengue e os condicionantes socioeconômicos. Anais do Encontro Brasileiro de Administração Pública, João Pessoa, PB, Brasil, 4.

Sadler, G. R. et al. Korean women: breast cancer knowledge, attitudes and behaviors. BMC Public Health, p. 1-7, 2001.

Santos, L. M. dos, Francisco, J. R. de S., & Gonçalves, M. A. (2016). Controle na alocação de recursos na saúde pública: uma análise nas microrregiões do sudeste brasileiro. Administração Pública e Gestão Social, S.l. 119-130.

Schneider, I. J. C. (2008). Estudo de sobrevida em mulheres com câncer de mama em Santa Catarina. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Schoenberg, N. E., Studts, C. R., Hatcher-Keller, J., Buelt, E., & Adams, E. (2013). Patterns and determinants of breast and cervical cancer nonscreening among Appalachian women. Women Health, 53(6), 1-19.

Silva, A. A. P., Ferreira, M. A. M., Braga, M. J., & Abrantes, L. A. Eficiência na Alocação de Recursos Públicos Destinados à Educação, Saúde e Habitação em Municípios Mineiros. (2012). Revista Contabilidade, Gestão e Governança, 15(1), 96-114.

Sousa, T. P. (2017). Fatores envolvidos na adesão ao rastreamento do câncer de mama. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil.

Teixeira, L., Mac Dowell, M. C., & Bugarin, M. (2003). Consórcios intermunicipais de saúde: uma análise à luz da teoria dos jogos. Revista Brasileira de Economia, 57, 253-281.

Ugá, M. A., Piola, S. F., Porto, S. M., & Vianna, S. M. (2003). Descentralização e alocação de recursos no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Ciência & Saúde Coletiva, 8(2), 417-437.

Xavier, D. R., Oliveira, R. A. D., Matos, V. P., Viacava, F., & Carvalho, C. C. (2016). Cobertura de mamografias, alocação e uso de equipamentos nas Regiões de Saúde. Saúde em Debate, 40, 20-35.

Warren, A., Londoño, G. E., Wessel, L. A., & Warren, R. D. (2006). Breaking Down Barriers to Breast and Cervical Cancer Screening: A University-based Prevention Program for Latinas. Journal of Health Care for the Poor and Underserved, 17(3), 512-521.

Wooldridge, J. M. (2015). Introductory econometrics: a modern approach. (6th ed.). Boston: Cengage Learning.

Yankaskas, B. C., Dickens, P., Bowling, J. M., Jarman, M. P., Luken, K., Salisbury, K., Halladay, J., & Lorenz, C. E. (2010). Barriers to adherence to screening mammography among women with disabilities. American journal of public health, 100(5), 947-53.

Yu, M., & Wu, T. (2005). Factors influencing mammography screening in Chinese American women. J. Obstet. Gynecol. Neonatal Nurs, 34(3), 386–94.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
Roque Ferreira, D. M., Lima, A. A. T. de F. de C., & Ferreira, M. A. M. (2019). Dimensões estatal, gerencial e individual da Política Nacional de Prevenção e Controle do Câncer (de Mama): um modelo avaliativo. Administração Pública E Gestão Social, 4(11), 1-19. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/7240
Seção
Dimensões Intraorganizacionais e Funções Gerenciais no Setor Público

Most read articles by the same author(s)

> >>