VIOLÊNCIA E ESPORTE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES

  • Gerson Vieira de Paula Junior Psicólogo; Mestrando em Psicologia/Universidade Federal de Juiz de Fora.
  • Lelio Moura Lourenço Professor adjunto/UFJF; Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFJF
  • Maria Elisa Caputo Ferreira Professora adjunta/UFJF; Programa de Pós-Graduação em Educação Física e Programa de Pós-Graduação em Psicologia/UFJF.
Palavras-chave: violência, esporte, artes marciais, esportes de combate, artes marciais mistas

Resumo

O presente texto apresenta algumas considerações sobre violência e esporte. Oportunidades oferecidas pela prática esportiva, desde que bem conduzidas, podem reduzir a chance de o praticante se envolver em comportamentos agressivos, podendo ela ser utilizada como mais um instrumento para o enfrentamento da violência urbana. No entanto, por uma complexa interação entre diversos fatores sociais, pessoais, situacionais e estruturais, muitos atletas, torcedores e dirigentes acabam se envolvendo em condutas agressivas. Estudos sugerem que a prática de artes marciais/esportes de combate em si não estaria diretamente relacionada à violência, porém essa questão precisa de mais estudos devido à sua complexidade e à heterogeneidade desse contexto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AWI, F. Filho teu não foge à luta: como os lutadores brasileiros transformaram o MMA em um fenômeno mundial. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2012.

BARREIRA, C.R.A.; MASSIMI, M. A moralidade e a atitude mental no karate-do no pensamento de Gichin Funakoshi. Memorandum, v. 2, p. 39-54, abr. 2002. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

BARREIRA, C.R.A.; MASSIMI, M. As idéias psicopedagógicas e a espiritualidade no karate-do segundo a obra de Gichin Funakoshi. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 16, n. 2, p. 379-388, 2003.
Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

BENTO, J. O. Desporto para crianças e jovens: das causas e dos fins. In: GAYA, A.; MARQUES, A.; TANI G. (Org.), Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: UFRGS, 2004. p. 21-56.

BORGES, O. A. Jiu jitsu: educação ou adestramento? Treinamento Desportivo, v. 4, n. 1, p. 67-71, 1999.

BURNEY, D. M. Adolescent Anger Rating Scale: professional manual. Odessa, Fla, USA: Psychological Assessment Resources, 2001.

BURNEY, D. M.; KROMREY, J. Initial development and score validation of the adolescent anger rating scale. Educational and Psychological Measurement, v. 61, n. 3, p. 446-460, 2001.

CAPITANIO, A. M. Educação através da prática esportiva: missão impossível? Lecturas: Educación Física y Deportes, ano 8, n. 58, mar. 2003. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

DIMIC, M.; MILLER, C. Artes Marciais Mistas: os segredos do MMA. Tradução de M. Albuquerque. São Paulo: Madras, 2011.

DI PIERRO, C.; SILVA, F. S. Primeiro tempo do terceiro setor. Projeto social. In: RUBIO, K. (Org.). Psicologia do esporte: teoria e prática. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003. p. 139-154.

FUNAKOSHI, G. Karatê-dô: o meu modo de vida. Tradução: E. L. Calloni. São Paulo: Cultrix, 1994.

GAYA, A.; TORRES, L. O esporte na infância e adolescência: alguns pontos polêmicos. In: GAYA, A.; MARQUES, A.; TANI G. (Org.). Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. p. 57-74.

HOKINO, M. H.; VALDÉS CASAL, H. M. A aprendizagem do judô e os níveis de raiva e agressividade. Lecturas: Educación Física y Deportes, ano 6, n. 31, fev. 2001. Disponível em:
. Acesso em: 23 mar. 2006.

KORSAKAS, P.; DE ROSE JR., D. Os encontros e desencontros entre esporte e educação: uma discussão filosófico-pedagógica. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, v. 1, n. 1, p. 83-93, 2002.

KRÜGER, H. Introdução à psicologia social. 2. reimp. São Paulo, SP: EPU, 2006.

LOTFIAN, S.; ZIAEE, V.; AMINI, H.; MANSOURNIA, M. A. An analysis of anger in adolescent girls who practice the martial arts. International Journal of Pediatrics, v. 2011, article ID 630604. 2011. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2012.

LOURENÇO, L. M. Violência no esporte: algumas perspectivas importantes nas crenças (e crendices) sobre o assunto. In: BASTOS, R. L. (Org.), Psicologia, microrrupturas e subjetividades. Rio de Janeiro: e-papers, 2003. p. 143-158.

MARQUES, A. Fazer da competição dos mais jovens um modelo de formação e de educação. In: GAYA, A.; MARQUES, A.; TANI, G. (Org.). Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2004. p. 75-96.

MONTEIRO, R. A. Prevenção da violência: o caso de projetos sócio-esportivos nos subúrbios cariocas. 2009. Tese (Doutorado) - Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

NAÇÕES UNIDAS. Esporte para o desenvolvimento e a paz: em direção à realização das metas de desenvolvimento do milênio (Relatório da Força Tarefa entre Agências das Nações Unidas sobre o Esporte para o Desenvolvimento e a Paz). 2003.
Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

PAULA JUNIOR, G. V.; LOURENÇO, L. M.; FERREIRA, M. E. C. Um estudo das crenças no que concerne à relação entre artes marciais / esportes de combate e violência. Revista Mineira de Educação Física, v. 18, n. 1, p. 124-134, 2010.

PIMENTA, C. A. M. Violência entre torcidas organizadas de futebol. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n. 2, p. 122-128, abr./jun. 2000. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

REID, H.; CROUCHER, M. O caminho do guerreiro: o paradoxo das artes marciais. Tradução de M. B. Cipolla. São Paulo: Cultrix, 2004.

REIS, H. H. B. La relación entre fútbol, violencia y sociedad: un análisis histórico a partir de la teoría del proceso civilizador. Trabalho apresentado no X Congreso de Historia del Deporte (Actas), Sevilla, nov. 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

REIS, H. H. B. Futebol e violência. Campinas, SP: Armazém do Ipê (Autores Associados), 2006.

RUBIO, K. Do Olimpo ao pós-olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Revista Paulista de Educação Física, n. 16, v. 2, p. 130-143, jul./dez. 2002.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. 2 ed. revisada e ampliada. Barueri, SP: Manole, 2009.

SILVA, D.; SANTOS, S. G. Princípios filosóficos do judô aplicados à prática e ao cotidiano. Lecturas: Educación Física y Deportes, ano 10, n. 86, jul. 2005. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

SILVA, E. G.; VALDÉS CASAL, H. M. Manifestação de comportamentos agressivos em praticantes de artes marciais. Lecturas: Educación Física y Deportes, ano 5, n. 25, set. 2000. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2006.

SPIELBERGER, C. D. Manual do Inventário de Expressão de Raiva como Estado e traço. Tradução e Adaptação de A. M. B. Biaggio. São Paulo: Vetor Editora Psico-Pedagógica, 1992.
WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. Tradução de C. Monteiro. 4. ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

WOODWARD, T. W. A review of the effects of martial arts practice on health. Wisconsin Medical Journal, v. 108, n. 1, p. 40-43. 2009. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2012.

ZIAEE, V.; LOTFIAN, S.; AMINI, H.; MANSOURNIA, M. A.; MEMARI, A. H. Anger in adolescent boy athletes: a comparison among judo, karate, swimming and non athletes. Iranian Journal of Pediatrics, v. 22, n. 1, p. 9-14, mar. 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 out. 2012.
Publicado
2013-07-30
Como Citar
Paula Junior, G. V. de, Lourenço, L. M., & Ferreira, M. E. C. (2013). VIOLÊNCIA E ESPORTE: ALGUMAS CONSIDERAÇÕES . Revista Mineira De Educação Física, 21(2), 71-90. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/revminef/article/view/10132