AUTOGESTÃO: ESTADO OU PROCESSO? (RE)REFLETINDO AS EXPERIÊNCIAS NO VALE DO SÃO FRANCISCO

Ariadne Scalfoni Rigo, Ana Carolina Araújo de Almeida

Resumo


Este ensaio objetiva estimular a reflexão acerca do conceito e da prática de autogestão por meio da análise de experiências ou tentativas autogestionárias. Dois tipos de experiências ocorridas no Vale do São Francisco foram a base para tal intento. Uma refere-se à implementação de cooperativas agrícolas nos perímetros da região irrigados pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF). Foi uma experiência repleta de aspectos que dificultaram o processo autogestionário. Outra remete à criação do assentamento rural Mandacaru, na qual notam-se elementos fundamentais do processo de autogestão. O que se pode apreender desta reanálise é que a autogestão deve ser vista como meio na procura de alternativas às relações de trabalho decorrentes de um sistema explorador, e não como um fim a ser alcançado. Deve ser vista como processo de grande valor social aos indivíduos envolvidos.


Palavras-chave


Autogestão; Cooperativismo; Associativismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21118/apgs.v1i3.11

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais



Licença Creative Commons Esta obra foi licenciada sob uma Licença Creative Commons | Qualis/Capes - B1 | e-Issn: 2175-5787 | Editora: Universidade Federal de Viçosa

Universidade Federal de Viçosa Av. Peter Henry Rolfs s/n – Campus Universitário Cep: 36570 000 – Viçosa/MG Fone: (31) 3899-2886 | apgs@ufv.br