MODELOS EPISTEMOLÓGICOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: O DISCURSO SUBSTANTIVO EM HABERMAS ACERCA DA DEMOCRACIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

  • Júlio Cesar Andrade de Abreu UFBA
Palavras-chave: Epistemologia, Administração Pública, Habermas, Administração Política-Social

Resumo

A forte crítica feita ao positivismo é traço comum em trabalhos de Jürgen Habermas. Ao desenvolver e aprofundar sua análise sobre a racionalidade comunicativa, afrontando a razão instrumental positivista, o autor fornece um importante subsídio teórico para a elaboração e aprimoramento de modelos epistemológicos para diversas áreas do saber. Este artigo recorre à racionalidade comunicativa de Habermas para fundamentar um breve esboço epistemológico sobre a Administração Pública, dando forte ênfase à Democracia enquanto regime governamental. Observa-se, entretanto, que tal construção se dá sob o cenário contemporâneo, que considera, assim, a Sociedade da Informação como paradigma predominante na práxis administrativa. Conclui-se que, a partir da dialética habermasiana, a Democracia Participativa emerge, ao mesmo tempo, como regime e método que deve permear os sentidos da Administração Pública refletindo em suas ações enquanto disciplina agregadora de conhecimentos das ciências sociais aplicadas para promoção da emancipação do indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AVRITZER, L. A Moralidade da Democracia: uma Interpretação Habermasiana. Belo
Horizonte:Perspectiva – UFMG, 1996.
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília,
DF: Senado, 1988.
FRANÇA FILHO, G. C. Para um olhar epistemológico da administração: problematizando o
seu objeto. In: SANTOS, R. S. (Org.). A Administração Política como Campo do
Conhecimento. São Paulo-Salvador: Mandacaru, 2004
FREITAG, B. e ROUANET, S. P. (Orgs). Habermas. São Paulo: Ática, 2001.
GENRO, T. Crise da Democracia: Direito, Democracia direta e Neoliberalismo na Ordem
Global. Petrópolis: Vozes, 2002.
GONÇALVES, M. A. S. Teoria da ação comunicativa de Habermas: Possibilidades de uma
ação educativa de cunho interdisciplinar na escola. Revista Educação & Sociedade,
UNICAMP, Campinas – SP, nº 66, Abril/99.
GUERREIRO RAMOS, A., A nova ciência das organizações – uma reconceituação da
riqueza das nações. São Paulo: FGV, 1989.
HABERMAS, J. Racionalidade e Comunicação. São Paulo: Edições 70, 2002.
LOJKINE, J. A revolução informacional. São Paulo: Cortez Editora, 1995.
LOJKINE, J. A Revolução Industrial. São Paulo: Cortex, 1999.
MALISKA, M. A. MAX WEBER E O ESTADO RACIONAL MODERNO. Revista
Eletrônica do CEJUR, UFPR, Curitiba - PR, v. 1, n. 1, ago./dez. 2006. Disponível em:
. Acesso em: Julho de
2008.
MELLO, et al. A violência rompendo interações. As interações superando a violência.
Revista Brasileira Saúde Materna Infantil. Recife, vol.7, n. 1, Jan./Mar. 2007
MIGUEL, L. F. A democracia domesticada: Bases Antidemocráticas do Pensamento
Democrático Contemporâneo. Dados – Revista de ciências sociais, Rio de Janeiro, vol. 45, n.
03, 2002, p. 483-510. In: CARVALHO, G. O discurso axiológico sobre democracia
contemporânea e sua implicação teório-prática. Revista Diálogo Jurídico, n. 6, 2007.
NOGUEIRA, C. R. A teoria discursiva de Jürgen Habermas. Revista eletrônica DireitoNet,
Sorocaba – SP, s/v, s/n.º, 2006. Disponível em:
. Acesso em: julho de 2008.
SANFORF, J. E ROSE, C. Characterizing eParticipation. International Journal of
Information Management. Holanda, Volume 27, Issue 6, p. 406–42, 2007.
SANTOS, Boaventura de Sousa. Democratizar a democracia: os caminhos da democracia
participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002 (Coleção Reinventar a
Emancipação Social: para novos manifestos).
SILVA, S. L. P. Razão Instrumental e Razão Comunicativa: um ensaio sobre duas
sociologias da racionalidade. Cadernos de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas, n.º
18, UFSC, Santa Catarina, 2001.
TENÓRIO, F. G. Cidadania e desenvolvimento local: casos brasileiros. In: CONGRESO
INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA
ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, 9., 2004, Madrid, España. Anais... Madrid, nov. 2004.
Disponível em: Acesso em: Julho de 2008.
______. O Mito da Participação. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.24,
n.3, p.162-164, maio/jul. 1990.
TENÓRIO, Fernando Guilherme & ROZENBERG, Jacob Eduardo. Gestão Pública e
cidadania: metodologias participativas em ação. Revista de Administração Pública, Rio de
Janeiro, v.31, n.4, p.101-125, jul/ago. 1997.
Publicado
2010-07-29
Como Citar
Cesar Andrade de Abreu, J. (2010). MODELOS EPISTEMOLÓGICOS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: O DISCURSO SUBSTANTIVO EM HABERMAS ACERCA DA DEMOCRACIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO. Administração Pública E Gestão Social, 2(1), 01-20. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4019
Seção
Artigos