Microcrédito e Microempreendedor: O Caso do Crediamigo na Região do Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais

Autores

  • Leandro Martins Vieira Universidade Federal de Minas Gerais
  • Francisco Vidal Barbosa Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.21118/apgs.v1i1.4872

Palavras-chave:

Microcrédito, Vale do Jequitinhonha, Microempreendedores, Cluster Analysis

Resumo

O microcrédito tem despertado o interesse de governantes devido a sua suposta capacidade de combater a pobreza e de criar oportunidades de desenvolvimento econômico em áreas tradicionalmente pouco favorecidas economicamente. Todavia pouco se tem estudado a respeito dos microempreendimentos que utilizam este tipo de financiamento. Este trabalho busca esclarecer como o microcrédito influencia a promoção do empreendedorismo no Vale do Jequitinhonha. Para explicitar este fenômeno, foi realizado um survey com microempreendedores que foram atendidos pelo Crediamigo. Os dados coletados foram agrupados por meio da cluster analysis. A análise dos dados permitiu constatar que o microcrédito exerce uma influência positiva na lucratividade e na geração de fluxo de caixa nos negócios, uma vez que permite a formação de capital de giro em condições melhores do que aquelas que possuíam anteriormente. Porém, a influência positiva não foi encontrada na geração de novos empregos, já que grande parcela é composta por trabalhadores individuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Martins Vieira, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Turismo pela Universidade Federal de Minas Gerais (2006). Tem experiência na área de Turismo, com ênfase em Turismo, atuando principalmente nos seguintes temas: turismo, atrativos naturais, desenvolvimento local, interpretação e paisagem. Também possui Pós-Gradução Latu Sensu em Finanças pelo Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais - IBMEC MG (2008), Mestrando em Administração (Finanças) pela Universidade Federal de Minas Gerais (2013 - 2015). Participa do Grupo de Pesquisa EICIS coordenado pelo Prof. Dr. Francisco Vidal da FACE - UFMG

Francisco Vidal Barbosa, Universidade Federal de Minas Gerais

É professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais e professor visitante da University of Applied Sciences Schmalkalden - Alemanha desde 2002. Pós-doutorado em Gestão de empresas de base tecnológica - setor de biotecnologia pela Harvard University em Cambridge - EUA (2001/2002), doutorado em Competitividade Empresarial - Aston University em Birmingham - Reino Unido (1996), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (1984). Possui graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal Fluminense (1977), graduação em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (1983), Tem lecionado, pesquisado e orientado alunos dos cursos de graduação, especialização, mestrado e doutorado na UFMG desde 1985. Ministra disciplinas na área de gestão e finanças na Faculdade de Administração e Ciências Econômicas a respeito de temas como: empreendedorismo social e financeiro, Inovação tecnológica e social, Investimento, Cálculo Financeiro, Gestão de empresas de bionegócios, Microfinanças, Microcrédito, Sustentabilidade. Coordena trabalhos na área de Administração, atuando principalmente nos seguintes temas: Competitividade, Empreendedorismo e venture capital, Performance, Gestão de empresas de biotecnologia, Investimento, Governança corporativa, e Gestão de projetos de responsabilidade e inclusão social. Coordena projetos de Intercâmbio Internacional com universidades de diversos países: Alemanha, Argentina, EUA, Finlândia, México.

Referências

Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisas de survey. Ed. da UFMG.
Banco do Nordeste do Brasil. (2013). Programas de Microfinanças do Banco do Nordeste: Relatório 2013. Fortaleza.
Banco do Nordeste do Brasil (2014). Conheça o Crediamigo. Recuperado em 24 de novembro, 2014, de http://www.bnb.gov.br/content/aplicacao/Produtos_e_Servicos/Crediamigo/gerados/O_que_e_objetivos.asp
Barone, F. M. (2008). Pesquisa sobre as microfinanças no Brasil. Rio de Janeiro.
Bello Filho, W. de B. (2010). Gênese e Reprodução da Crença na Efiácia da Política de Microcrédito no Combate à pobreza. Universidade Federal do Maranhão.
Bester, H. (1985). Screening vs. rationing in credit markets with imperfect information. The American Economic Review, 75(4), 850–855.
Bussab, W. de O., Miazaki, É. S., & Andrade, D. F. de. (1990). Introdução à análise de agrupamentos. In 9o Simpósio Nacional de Probabilidade e Estatística (p. 90). São Paulo: Associação Brasileira de Estatística.
Chen, Y. S., & Cheng, C. H. (2013). Hybrid models based on rough set classifiers for setting credit rating decision rules in the global banking industry. Knowledge-Based Systems, 39, 224–239.
Dias, J., & Psico, J. (2008). O desempenho social das instituições de microfinanças em Moçambique. Economia Global E Gestão, 13(2), 43–59.
Freitas, H., Oliveira, M., Saccol, A., & Moscarola, J. (2000). O método de pesquisa survey. Revista de Administração, v. 35(3), 105–112.
Ghosh, S., & Van Tassel, E. (2013). Funding microfinance under asymmetric information. Journal of Development Economics, 101(1), 8–15.
Gil, A. C. (1999). Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. São Paulo: Atlas (5. ed.). São Paulo: Editora Atlas.
Hair, J., Anderson, R., & Tatham, R. (2005). Análise multivariada de dados (5. ed.). Porto Alegre: Bookman.
Haya, C. C. (2005). Tourism, Microfinance and Poverty Alleviation.
Hermes, N., Lensink, R., & Meesters, A. (2008). Outreach and Efficiency of Microfinance Institutions. SSRN Electronic Journal, 39(6), 1–29.
Hodgman, D. (1960). Credit risk and credit rationing. The Quarterly Journal of Economics, 74(2), 258–278.
Hulme, D., & Mosley, P. (1996). Finance Against Poverty Volumes 2. (Routledge, Ed.), Project … (1a). New York: Routledge.
Hulme, D., & Mosley, P. (2005). Finance Against Poverty:, Volume 1. New York: Routledge.
Instituto Brasileiro de Administração Municipal. (2001). Relatório final do Projeto: perspectivas de expansão das microfinanças no Brasil: marco legal, capitalização e tecnologia. Rio de Janeiro.
Jaffee, D., & Russell, T. (1976). Imperfect information, uncertainty, and credit rationing. The Quarterly Journal of Economics, 90(4), 651–666.
Kraychet, E. S., & de Oliveira Santos, N. (2005). O Banco Mundial e o desenvolvimento das microfinanças em países da periferia capitalista (Tese de doutoramento - Doutorado em Administração) – Escola de Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador).
Ledgerwood, J. (1999). Microfinance Handbook. Sustainable Banking with the Poor, World Bank, … (Segunda Ed). Washington: The World Bank.
Lima, S. (2009). Microcrédito como política de geração de emprego e renda. Revista Do BNDES, 32, 47–75. Recuperado em 10 de oututro, 2013 dehttp://www.bndespar.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/revista/rev3202.pdf
Martins, P. H. (2008). Marco Legal das Microfinanças no Brasil. Brasília.
Martins, P. H., Winograd, A., & Salles, R. C. (2002). Manual de Regulamentação das Microfinanças: Programa de Desenvolvimento Institucional. Rio de Janeiro.
Mia, M. A., & Chandran, V. G. R. (2016). Measuring financial and social outreach productivity of microfinance institutions in Bangladesh. Social Indicators Research, 127(2), 505-527.
Morduch, J. (1999). The microfinance promise. Journal of economic literature, 37(4), 1569-1614.
Neri, M. C. (2008). Microcrédito: o mistério nordestino e o Grameen brasileiro?: perfil e performance dos clientes do CrediAmigo. Rio de Janeiro: FGV Editora.
Neri, M. C. (2012). Microempresários Urbanos Nordestinos, Favelas Cariocas e o Programa CrediAmigo. Rio de Janeiro.
Ribeiro, C. T., & Carvalho, C. E. (2006). Do microcrédito às microfinanças: desempenho financeiro, dependência de subsídios e fontes de financiamento?: uma contribuição à análise da experiência brasileira (1a). SÃO PAULO: FAPESP.
Rodríguez, F. J. G., & Perdomo, Y. D. (2011). Los microcréditos como herramienta de desarrollo: revisión teórica y propuesta piloto para el África Subsahariana. CIRIEC-España, Revista de Economía Pública, Social y Cooperativa, 70, 101-126. Rogaly, B. (1996). Micro-finance evangelism, “destitute women”, and the hard selling of a new anti-poverty formula. Development in Practice, 6(2), 100–112.
Schrickel, W. K. (1995). Análise de Crédito: concessão e gerência de empréstimos (2nd ed.). São Paulo: Atlas.
Serrano-Cinca, C., & Gutiérrez-Nieto, B. (2014). Microfinance, the long tail and mission drift. International Business Review, 23(1), 181–194.
Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. (2011). Taxa de Sobrevivência das Empresas no Brasil. Brasília.
Silva, J. P. da. (2006). Gestão e análise de risco de crédito (5th ed.). São Paulo: Atlas.
Soares, M. M., & Melo Sobrinho, A. D. (2008). Microfinanças – O Papel do Banco Central do Brasil e a Importância do Cooperativismo de Crédito. (2a, Ed.). Brasilia: Banco Central do Brasil.
Van der Sterren, J. (2008). Financial markets, microfinance and tourism in developing countries. ARA (Caribbean) Journal of Tourism Research, 2(4), 35-43.
Stiglitz, J., & Weiss, A. (1981). Credit rationing in markets with imperfect information. The American Economic Review, 71(3), 393–410.
Wright, G. (1999). Examining the impact of microfinance services-increasing income or reducing poverty?. Small Enterprise Development, 10(1), 38-47.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

Vieira, L. M., & Barbosa, F. V. (2017). Microcrédito e Microempreendedor: O Caso do Crediamigo na Região do Vale do Jequitinhonha – Minas Gerais. Administração Pública E Gestão Social, 1(1), 2-14. https://doi.org/10.21118/apgs.v1i1.4872

Edição

Seção

Artigos