Administração pública sob a ótica dos estudos críticos: reflexões, interlocuções e tendências

Autores

  • Josiel Valadares Universidade Federal de Lavras (UFLA) Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)
  • Lauisa Barbosa Pinto Universidade Federal de Lavras (UFLA) IFSuldeminas (Campus Poços de Caldas)
  • Ana Vilas Boas Universidade Federal de Lavras (UFLA)
  • Mozar Brito Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Palavras-chave:

Estudos Críticos, Avaliação Sistemática, Administração Pública

Resumo

Neste artigo propõe-se investigar o emprego de abordagens críticas por pesquisadores da área de administração pública no Brasil. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica em três bases de dados (Web of Science, Scopus e Scielo) de reconhecida reputação acadêmica. A análise textual evidenciou que os pesquisadores da referida área de conhecimento tem apropriado de abordagens críticas, apontando possibilidades e tendências de aplicação de categorias conceituais oriundas de diferentes abordagens. Entre elas destacam-se a noção de razão crítica, emancipação e práxis, relações de poder e dominação, dentre outros. Em termos metodológicos os pesquisadores tem procurado: valorizar as experiências locais; promover a interlocução entre teoria e prática; e, construir novas possibilidades de aproximação e integração entre pesquisadores e sujeitos coletivos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Adler, P. S., Forbes, L. C., & Wilmott, H. (2007). Critical Management Studies. Taylor e Francis Group, LLC.
Alcadipani, R., & Tureta, C. (2009). Perspectivas críticas no Brasil: entre a “verdadeira crítica” e o dia a dia. Cadernos EBAPE. BR, v. 7, nº 3, artigo 7.
Andion, C. (2012). Por uma Nova Interpretação das Mudanças de Paradigma na Administração Pública. Cadernos EBAPE.BR, 10 (1), 1-19.
Baars, S. (2014). The retreat of the state and the future of social Science. Management in Education, Vol 28(1) 6–11.
Barros, D. F., Sauerbronn, J. F. R., & Ayrosa, E. A. T. (2012). Representações do eleitor: revendo teorias e propondo novos caminhos. Revista de Administração Pública, 46 (2): 477-91.
Barroso, J., Gollop, C. J., Sandelowski, M., Meynell, J., Pearce, P. F., & COLLINS, L. J. (2003). The Challenges of Searching for and Retrieving Qualitative Studies, West J Nurs Res, 25: 153.
Berwanger, O., Suzumura, E. A., Buehler, A. M., & Oliveira, J. B. (2007). Como Avaliar Criticamente Revisões Sistemáticas e Metanálises? Revista Brasileira de Terapia Intensiva, Vol. 19 Nº 4, Outubro-Dezembro.
Biebricher, T. (2011). Faith-Based Initiatives and the Challenges of Governance. Public Administration Vol. 89, No. 3, (1001–1014).

BoltanskiI, L., & Chiapello, E. (2009). O novo espírito do capitalismo, São Paulo: Martins Fontes.
Boava, D. L. T., & Macedo, F. M. F. (2011). Contribuições da fenomenologia para os estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, v.9, Edição Especial, artigo 2, Rio de Janeiro, jul.
Box, R. C. (2005). Critical Social Theory in Public Administration. Armonk, New York, M. E. Sharpe.
Brown, J., & Dillard, J. (2013). Critical Accounting and communicative action: On the limits of consensual deliberation. Critical Perspectives on Accounting, 24: 176-190.
Castro, C. M. (2013). Public hearings as a tool to improve participation in regulatory policies: case study of the National Agency of Electric Energy. Revista de administração Pública, 47: 1069-87, 2013.
Chwastiak, M. (2013). Profiting from destruction: The Iraq reconstrution, auditing and the management of fraud. Critical Perspectives on Accounting, 24: 32-43.
Conforto, E. C., Amaral, D. C., Silva, S. L. da. (2011). Roteiro para revisão bibliográfica sistemática: aplicação no desenvolvimento de produtos e gerenciamento de projetos. In: Anais do VIII Congresso Brasileiro de Gestão de Desenvolvimento de Produto – CBGDP, Porto Alegre, RS, Brasil, Setembro.
Cook, D.J.,Mulrow, C.D., Haynes, R.B. (1997) Systematic reviews: synthesis of best evidence for clinical decisions. Annals of Internal Medicine, v.126, n.5, pp.376-380.
Costa, A. S. M., & Saraiva, L. A. S. (2011). Memória e formalização social do passado nas organizações. Revista de Administração Pública, 45 (6): 1761-80.
Domingues, J. M. (2011). Vicissitudes e possibilidades da teoria crítica hoje. Sociologia e Antropologia, v.01.01: 71-89.
Duggan, J. R. (2014). Critical friendship and critical orphanship: Embedded research of an English local authority initiative. Management in Education, Vol 28(1) 12–18.
Durant, R. F., & Ali. S. B. (2012). Repositioning American Public Administration? Citizen Estrangement, Administrative Reform, and the Disarticulated State. Public Administration Review, Vol. 73, Iss. 2, pp. 278–289.
Fadul, E. M. C., Silva, M. de A.M. da, & Silva, L. P. da. (2012). Ensaiando interpretações e estratégias para o campo da administração pública no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro , v. 46, n. 6, Dec.
Farazmand, A. (2012). The Future of Public Administration: Challenges and Opportunities—A Critical Perspective. Administration & Society 44(4) 487 –517.
Filho, D. S. R. (2011). Poder simbólico no reajuste tarifário do transporte metropolitano de passageiros de Porto Alegre na crise de 2004. Revista de Administração Pública, 45 (3): 643-68.
Francelin, M. M. (2005). Abordagens em epistemologia: Bacharelard, Morin e a epistemologia da complexidade. Transformação, Campinas 17 (2):101-109, maio./ago.
Ganapati, N. E. (2012). Downsides of Social Capital for Women During Disaster Recovery: Toward a More Critical Approach. Administration & Society 45(1) 72 –96.
Guljarani, N. (2010). New Vistas for Development Management: Examining Radical-Reformist Possibilities and Potential. Public Admin. Dev. 30, 136–148.
Howard, C. (2010). Are we being served? A critical perspective on Canada’s Citizens First satisfaction surveys. International Review of Administrative Sciences, 76: 65.
Imasato, T., Martins, P. E. M., & Pieranti, O. P. (2011). Administrative Reforms and Global Managerialism: A Critical Analysis of Three Brazilian State Reforms. Canadian Journal of Administrative Sciences, 28: 174–187.
Kasdan, D. O. (2012). “Great books” of public administration, 1990-2010: Revisiting Sherwood’s survey in the wake of reinventing government. Administration & Society 44, 625-639.
Keinert, T. M. M. (1994). Os paradigmas da administração da administração pública no Brasil (1900-1992). Revista de Administração de Empresas, v.34, n.3, p. 41-48, maio/jun.
Klein, N. (2008). A doutrina do choque: a ascensão do capitalismo de desastre. trad. Vania Cury. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
Lopes, A. L. M., & Fracolli, L. A. (2008). Revisão sistemática de literatura e metassíntese qualitativa: considerações sobre sua aplicação na pesquisa em enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, Out-Dez; 17(4): 771-8.
Martins, R. D., & FERREIRA, L. C. (2011). Uma revisão crítica sobre cidades e mudança climática: vinho velho em garrafa nova ou um novo paradigma de ação para a governança local?. Revista de Administração Pública, 45 (3): 611-41.
Mcclaren, P. G., & Mills, J. H. (2010). Appropriation, Manipulation and Silence: A critical hermeneutic analysis of the management textbook as a tool of the corporate discourse. Management and Organization History, 5:408.
Mello, M. L. B. C., & FILHO, A. A. (2010). A gestão de recursos humanos em uma instituição pública brasileira de ciência e tecnologia em saúde: o caso Fiocruz. Revista de Administração Pública, 44 (3): 613-36.
Miller, K. J., & Mctavish, D. (2011). Women in UK Public Administration Scholarship. Public Administration, Vol. 89, No. 2, (681–697).
Nobre, M. (2011). A teoria crítica. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar.
Oborne, D., & Gaebler,T. (1994). Reinventando o Governo. Como o Espírito Empreendedor Está Transformando o setor público. Brasília: MH Comunicação.
Prasad, A. (2002). The contexto over Meaning: hermeneutics as na interpretative methodology for understanding texts. Organization Research Methods, 5:12.
Raadschelders, J. C. N. (2011). The Future of the Study of Public Administration: Embedding Research Object and Methodology in Epistemology and Ontology. Public Administration Review, November | December.
Raadschelders, J. C.N. (2012). What Are “Great Books” in the Study of Public Administration? Some Polemic Thoughts About the Surveys of Sherwood and Kasdan. Administration & Society, 44: 894.
Reis, P. M., & Neto, P. A. B. (2013). Tráfico de seres humanos e trabalho forçado: uma abordagem crítica ao fluxo de informações utilizado pela Organização Internacional do Trabalho. Revista de Administração Pública, 47 (4): 975-98.
Sartori, E., & Garcia, C. H. M. (2012). Políticas compensatórias versus emancipatórias: desafios para implementação de programas de geração de renda às famílias em situação de risco. Revista de Administração Pública, 46 (2): 425-52.
Sherwood, F. P. (1990). The half-century’s “great books” in public administration. Public Administration Review, 50, 249-264.
Serva, M., Dias, T., & Alperstedt, G. D. Paradigma da complexidade e Teoria das Organizações: Uma reflexão epistemológica. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 50, n.3, jul/set 2010, 276-287.
Sousa Santos, B. (1999). Porque é tão difícil construir uma teoria crítica? Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n.54, 197-215, jun.
Tummers, L., & Karsten, N. (2011). Reflecting on the Role of Literature in Qualitative Public Administration Research: Learning From Grounded Theory, Administration & Society 44(1) 64–86 2012 SAGE Publications.
Zoltowski, A. P. C., Costa, A. B., Teixeira, M. A. P., & Koller, S. H. (2014). Qualidade Metodológica das Revisões Sistemáticas em Periódicos de Psicologia Brasileiro. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Jan-Mar, Vol. 30 n. 1, pp. 97-104.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

Valadares, J., Pinto, L. B., Vilas Boas, A., & Brito, M. (2017). Administração pública sob a ótica dos estudos críticos: reflexões, interlocuções e tendências. Administração Pública E Gestão Social, 1(1), 31-42. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4913

Edição

Seção

Artigos