Práticas de Governança Pública Adotadas pela Administração Pública Federal Brasileira

  • Márcia Néa Oliveira Pascoal Universidade de Fortaleza (UNIFOR)
  • Oderlene Vieira de Oliveira Universidade de Fortaleza
Palavras-chave: Governança Corporativa, Governança Pública, Administração Pública, Melhores Práticas.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo investigar as práticas de governança pública adotada pelos órgãos da Administração Pública Federal Brasileira (APFB). Para tanto, fez-se uso de uma abordagem quantitativa, do tipo descritiva, viabilizada por meio de aplicação de técnica estatística descritiva sobre o banco de dados resultante da aplicação do questionário, aplicado em 372 órgãos da APFB. Dentre os resultados, cabe destacar a instituição de um conselho de administração em quase todos os órgãos, porém, as variáveis estudadas, que reflete a efetividade da administração destes conselhos, não são adotadas ou não atingiram um nível de maturidade que permita que o órgão realize a gestão, principalmente, de risco, ou ainda não identificaram a necessidade da adoção de melhores práticas de Governança na esfera pública. Portanto, concluiu-se que os órgãos públicos da APFB estão dando os primeiros passos na adoção de melhores práticas de governança corporativa, mas ainda tem muito a avançar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oderlene Vieira de Oliveira, Universidade de Fortaleza
Professora adjunta do programa de pós-graduação em administração da Universidade de Fortaleza

Referências

Aguilera, R. V., &Cuervo-Cazurra, A. (2004). Codes of good governance worldwide: what is the trigger? Organization Studies, 25(3), 415-443.
Andrade, A., &Rossetti, J. P. (2006). Governance corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas.
Barret, P. (2002). Achieving better practice corporate governance in the public sector. Melbourne: AM Auditor General for Australia. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2016.
Brans, M. (2003). Comparative public administration: from general theory to general frameworks. In: Peters, B. G., &Pierre, J. (Ed.). Handbook of public administration. London: Sage, p. 424-439.
Bridger, G. V. (2006). Governança corporativa e os efeitos da adesão aos níveis diferenciados de governança sobre o valor no mercado de capitais brasileiro. 2006. Dissertação (Mestrado em Finanças) – Fundação Getúlio Vargas, FGV/EPGE. Rio de Janeiro.
Bryman, Alan, &Bell, Emma.(2011). Business research methods. 3. ed.). New York: Oxford University Press, 2011.
Carvalho, A. G. de. (2003). Efeitos da migração para os níveis de governança da bovespa. Trabalho preparado para Bovespa. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2016.
Cicogna, M. P. V. (2007). Governança corporativa como sinalização: benefícios para o financiamento das empresas do mercado de capitais. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de São Paulo. Ribeiro Preto.
Clarke, T. (2004). Theories of corporate governance. Routledge: New York.
Corrar, Luiz J., Paulo, Edilson, &Dias Filho, José Maria. (2007). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.
Costa, Frederico Lustosa da. (2008). Brasil: 200 anos de Estado, 200 anos de administração pública, 200 anos de reformas. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 42, n. 5, p. 829- 874, set./out. 2008.

Davis, G. F. (2005). New directions in corporate governance. Annual Review of Sociology, 31, 143-162.
De Benedicto, S. C., RODRIGUES, A. C., &Abbud, Emerson Luiz. (2008). Governança corporativa: uma análise da sua aplicabilidade no setor público. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, v. 28, 2008, Anais...
Enrione, A.,Mazza, C., &Zerboni, F. (2006). Institutionalizing codes of governance. American Behavioral Scientist, 49(7), 961-973.
Figueiredo Filho, D. B., SILVA JUNIOR, J. A. (2010). Desvendando os Mistérios do Coeficiente de Correlação de Pearson (r). Revista Política Hoje, 18(1).
Fiss, P. C. (2008).Institutions and corporate governance. In R. Greenwood, C. Oliver, K. Sahlin-Andersson, & R. Suddaby (Eds.), The sage handbook of organizational institutionalism (pp. 389-410). London: Sage.
Flick, Uwe. (2015). Introducing research methodology: A beginner's guide to doing a research project. Sage.
Grün, R. (2003).Atores e ações na construção da governança corporativa brasileira. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 18(52), 139-161.
Hora, Rejane A. A., Oliveira, Oderlene V. , &Forte, S. H. A. C . (2014). Governança Corporativa no Setor Público e Privado no Contexto Brasileiro: a produção e a evolução acadêmica em dez anos de contribuições. In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia - SEGeT, 2014, Resende. Anais do XI SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia.
IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2006). Uma década de governança corporativa: história do IBGC, marcos e lições da experiência. São Paulo: Saint Paul Institute of Finance/Saraiva.
IBGC. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009). Código de melhores práticas de governança corporativa (4a ed.). São Paulo: Autor
Jensen, M. C., &Meckling, W. (1976).Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.
Kissler, L., &Heidemann, Francisco G. (2006). Governança pública: novo modelo regulatório para as relações entre Estado, mercado e sociedade? Rev. Adm. Pública, 40(3), 479-499, maio/jun.
La Porta, R. et al. (2002). Investor protection and corporate valuation. Journal of Finance, Oxford, 57(3).
Linczuk, Luciane Mialik W., &De Oliveira, Antonio Gonçalves. (2016). A governança como instrumento para a sustentabilidade da (res) pública: da aplicação no mundo corporativo à Administração Pública. Revista Mineira de Contabilidade, 4(48), 25-30
Madhani, P. M. (2014). Corporate Governance and Disclosure: Public Sector vs Private Sector. SCMS Journal of Indian Management, 11(1), 5-20, mar.
Mare, Brasil. (1995). Presidência da República. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Ministério da Administração e Reforma do Estado.
Marques, M. C. C. (2007). Aplicação dos princípios da governança corporativa ao sector público. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, 11(2), 11- 26, abr./jun.
Martins, H. F., &Marini, C. (2014). Governança Pública Contemporânea: uma tentativa de dissecação conceitual. Revista TCU, (130), 42-53, maio/ago.
Martins, I. G. da S., &Nascimento, C. V. do. (2001). Comentários à Lei de Responsabilidade Fiscal. São Paulo: Saraiva.
Matias-Pereira, J. (2003). Reforma do Estado e controle da corrupção no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, 4(1), 39-58.
Matias-Pereira, J. (2008). Administração pública comparada. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, 42(1), 61-82, jan./fev.
Matias-Pereira, J. (2010a). A governança corporativa aplicada no setor público brasileiro. APGS, Viçosa, 2(1), 109-134, jan./ mar.
Matias-Pereira, J (2010b). Governança no setor público. São Paulo: Atlas.
Mello, G. R. Governança corporativa no setor público federal brasileiro. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.
Moretti, S. L. do A., &Campanario, M. de A. (2009). A Produção Intelectual Brasileira em Responsabilidade Social Empresarial Empresarial–RSE sob a Ótica da Bibliometria.
Nardi, P. C. C., &Nakao, S. H. (2006). Impacto da entrada nos níveis diferenciados de governança corporativa sobre a imagem institucional da empresa. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 6., São Paulo. Anais... São Paulo: USP.
Nascimento, A. M., Bianchi, M., &Terra, P. R. S. (2007). A Controladoria como um mecanismo interno de governança corporativa: evidências de uma survey comparativa entre empresas de capital brasileiro e norte-americano. Revista da Associação Brasileira de Custos, 2(2), maio-ago.
Nee, V., &Swedberg, R. (2005).Economic sociology and new institutional economics. In C. Ménard & M. M. Shirley (Eds.), Handbook of new institutional economics (pp. 789-818). Netherlands: Springer.
Neuman, L. W. (1997). Social research methods: qualitative and quantitative approaches. 3. ed. Boston: Allyn & Bacon.
North, D. C. (1990).Institutions, institutional change, and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press.
OECD. Organization for Economic Cooperation and Devolopment. (2004). OECD principles of corporate governance. Paris: Author.
OECD. Organization for Economic Cooperation and Devolopment. Towards a sound integrity framework: instruments, processes, structures and conditions for implementation OECD - Public Governance Committee, 2009.
Oliveira, Oderlene V., Oliveira, Marcelle C., Forte, S.H.A.C., &Ponte, V. M. R. (2012). Obstacles for the compliance with good corporate governance and practices for publicly traded and closed brazilian companies. Corporate Ownership & Control (Print), 9, 132-154.
Oliveira, Antonio G., &Pisa, Beatriz J. (2015). IGovP: índice de avaliação da governança pública—instrumento de planejamento do Estado e de controle social pelo cidadão. Revista de Administração Pública, 49(5), 1263-1290.
Osborne, S. P. (2006). The new public governance. Public Management Review, London, 8 (3), 377-387.
Osborne, S. P. (2010). The New Public Governance? Emerging perspectives on the theory and practice of public governance. Abingdon/Reino Unido: Routledge, 431 p.
Pound, J. (1995).The promise of the governed corporation. Harvard Business Review, 73(2), 89-98.
Quental, G. A. J. (2007). A investigação dos impactos da adesão de empresas brasileiras aos segmentos diferenciados de governança corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo. Rio de Janeiro: Instituto Coppead de Administração da UFRJ, 68p.
Ribeiro Neto, R. M. (2002). A importância da Governança Corporativa na gestão das empresas – O caso do grupo Orsa. São Paulo: Universidade de São Paulo.
Roe, M. J. (2005).The institutions of corporate governance. In C. Ménard & M. M. Shirley (Eds.), Handbook of new institutional economics (pp. 371-399). Netherlands: Springer.
Rogers, P., Ribeiro, K. C. S., &Sousa, A. F. (2005). Determinantes macroeconômicos da governança corporativa no Brasil. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO – ENANPAD, 29., 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD.
Rogers, P. (2006). Governança corporativa, mercado de capitais e crescimento econômico no Brasil. 2006. 147 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Uberlândia – Faculdade de Gestão e Negócios (UFU/FAGEN), Uberlândia.
Rossoni, L., &Machado-Da-Silva, Clóvis L. (2010). Organizational Institutionalism and Corporate Governance (Institucionalismo Organizacional e Práticas de Governança Corporativa)(Portuguese). Revista de Administração Contemporânea, 14, 173-198.
Shleifer, A., &Vishny, R. (1997). A survey of corporate governance. Journal of Finance, 52(2), 737-783.
Slomski, Valmor. (2005). Controladoria e governança pública. São Paulo: Atlas.
Strang, D., &Macy, M. M. (2001).In search of excellence: fads, success stories, and adaptive emulation. American Journal of Sociology, 107(1), 147-182.
Stulz, R. M. (1999). Globalization of equity markets and the cost of capital. In: SBF/NYSE CONFERENCE OF GLOBAL EQUITY MARKETS, p. 1-68, 1999. Acessado em 7 setembro 2016 de .
TCU - Tribunal de Contas da União. (2014). Referencial Básico de Governança do TCU – 2014. Acessado em 11 junho 2016 de .
Tenório, F. G. (2007). Cidadania e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: FGV; Ijuí: UNIJUÍ.
Timmers, H. (2000). Government governance: corporate governance in the public sector, why and how? In: Fee Public Sector Conference, 9., 2000. Proceedings.
Tolbert, P. S., &Zucker, L. (1983). Institutional sources of change in the formal structure of organizations: the diffusion of civil service reform, 1880-1935. Administrative Science Quarterly, 28(1), 22-39.
Villela, L. E., &Pinto, M. C. S. (2009). Governança e gestão social em redes empresariais: análise de três arranjos produtivos locais (APLs) de confecções no estado do Rio de Janeiro. Revista de Administração Pública, [S.l.], 43(5), 1.067-1.089.
Zajdsznajder, L. (2001). Ser ético no Brasil. Rio de Janeiro: Gryphus.
Zattoni, A., &Cuomo, F. (2008).Why adopt codes of good governance? A comparison of institutional and efficiency perspectives. Corporate Governance, 16(1), 1-15
Publicado
2019-04-01
Como Citar
Pascoal, M. N. O., & Oliveira, O. V. de. (2019). Práticas de Governança Pública Adotadas pela Administração Pública Federal Brasileira. Administração Pública E Gestão Social, 11(2), 215-231. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5431
Seção
Artigos