O Processo Orçamentário de uma Instituição Pública Federal de Ensino sob a Ótica do Isomorfismo

  • Lidiane Zambenedetti Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul,Câmpus Erechim Universidade de Passo Fundo
  • Rodrigo Angonese Universidade de Passo Fundo

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo compreender como o isomorfismo explica o processo orçamentário de uma instituição pública federal de ensino, conforme o modelo de Dimaggio e Powell (1983). A pesquisa, de caráter qualitativo e exploratória, adota a perspectiva da Teoria Institucional. A coleta dos dados ocorreu por meio de  entrevistas, análise documental e observação não participante. Os resultados mostram que o processo orçamentário da instituição é influenciado pelos três tipos de isomorfismo (coercivo; mimético; normativo), em conformidade com a nova sociologia institucional. Observou-se que os três tipos de isomorfismo atuam simultaneamente, influenciando o processo orçamentário, com destaque para o isomorfismo coercivo. O isomorfismo normativo é o menos explorado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lidiane Zambenedetti, Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul,Câmpus Erechim Universidade de Passo Fundo

Mestre em Administração pela Universidade de Passo Fundo.

Professora no Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, Câmpus Erechim.

Rodrigo Angonese, Universidade de Passo Fundo
Professor do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade de Passo Fundo PPGAdm.

Referências

Abdel-Kader, M.; Luther, R. (2006). IFAC’s conception of the evolution of management accounting. Advances in management accounting, 15, 229-247.
Baêta, O. V., Sousa, J. S., Antonialli, L. M. & Cappelle, M. C. A. (2014). Plano de Gestão nas Universidades Federais Brasileiras: sob a ótica do Institucionalismo Sociológico. Business Management Review, 4, 245-256.
Bardin, L. (2009). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
Betaressi, V., & Parisi, C. (2016). Evidências do isomorfismo nas práticas de planejamento estratégico e custos na controladoria de concessionárias privadas de serviços públicos de água e esgoto. Anais do Congresso Brasileiro de Custos, Porto de Galinhas, PE, Brasil, 23.
Burns, J., & Scapens, R. W. (2000). Conceptualizing management accounting change: an institutional framework. Management Accounting Research, 11, 3-25.
Collins, R. (1979). The credential society. New York: Academic Press.
Coser, C. & Machado-da-Silva, C. (2004). Organização Focal e Relações de Poder em um Campo Organizacional. Anais do Enanpad, Curitiba, Paraná, Brasil, 28.
Covaleski, M. A., Evans, III, J. H., Luft, J. L. & Shields, M. D. (2003). Budgeting research: three theoretical perspectives and criteria for selective integration. Journal of Management Accounting Research, 15(1), 3-49.
Covaleski, M. A., Dirsmith, M. W., Samuel, S. (1996). Managerial accounting research: the contributions of organizational and sociological theories. Journal of Management Accounting Research, 8, 1-35.
Cruz, F. (2001). Comentários à Lei 4.320. (2 ed.). São Paulo: Atlas.
Cyert, R. & March, J. (1963). A Behavioral Theory of the Firm. Englewood ClifB, NJ: Prentice Hall.
Dimaggio, P. J. & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.
Diniz, J. M. A., Mesquita, N., Tassigny, M. & Assis, F. (2015). Encontros de Iniciação Científica em Administração e o processo de Institucionalização de uma Instituição de Ensino Superior. Revista UNIABEU, 8, 109-124.
Flick, U. (2009). Desenho da pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman Artmed.
Fonseca, V. S. & Machado-da-Silva, C. L. (2002). Conversações entre abordagens da estratégia em organizações: escolha estratégica, cognição e instituição. Organizações & Sociedade, 9(25), 93-109.
Freitas, C. A. S. (2005). Aprendizagem, isomorfismo e institucionalização: o caso da atividade de auditoria operacional no Tribunal de Contas da União. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Administração da UnB, Brasília, DF, Brasil.
Giacomoni, J. (2005). Orçamento público (13. ed.). São Paulo: Atlas.
Gibbs, G. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed.
Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.
Guerreiro, R., Pereira, C. A. & Frezatti, F. (2006). Evaluating management accounting change according to the institutional theory approach: a case study of a Brazilian bank. Journal of Accounting & Organizational Change, 2(3), 196-228.
Hawley, A. (1968). Human ecology. In D. L. SILLS (ed.). International Encyclopedia of the Social Sciences (pp. 328-337). NewYork: Macmillan.
Larson, M. S. (1977). The rise of professionalism: a sociological analysis. Berkeley: University of California Press.
Libby, T. & Lindsay, R. M. (2010). Beyond Budgeting or Budgeting Reconsidered? A Survey of North-American Budgeting Practice. Management Accounting Review, 2(1), 56-75.
Loundsbury, M. (2008). Institutional rationality and practice variation: New directions in the institutional analysis of practice. Accounting, Organizations and Society, 33, 349–361.
Lüdke, M.; André, M. (1986). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.
Luft, J. & Shields, M. D. (2003). Mapping management accounting: graphics and guidelines for theory-consistent empirical research. Accounting, Organization and Society. 28(2-3), 169-249.
Machado-da-Silva, C. L. & Fonseca, V. S. (1993). Estruturação da Estrutura Organizacional: O Caso de Uma Empresa Familiar. Organizações & Sociedade, 1(1), 42-71.
Machado-da-Silva, C. L. & Vizeu, F. (2007). Análise Institucional de Práticas Formais de Estratégia. RAE – Revista de Administração de Empresas, 47(4), 89-100.
Machado-da-Silva, C. & Barbosa, S. L. (2002). Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência das organizações: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 7-32.
Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2007). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.
Meyer, J. W. & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. The American Journal of Sociology, 83(2), 340-363.
Moreira, S. V. (2005). Análise documental como método e como técnica. In J. Duarte & A. Barros (Org.). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação (pp.269-279). São Paulo: Atlas.
Mozzato, A. R. & Grzybovski, D. (2011). Análise de conteúdo como técnica de análise de dados qualitativos no campo da administração: potencial e desafios. Revista de Administração Contemporânea, 15, 731-747.
Ostergren, K. & Stensaker, I. (2011). Management control without budgets: A field study of “Beyond Budgeting” in practice. European Accounting Review, 20(1), 149-181.
Oyadomari, J. C., Mendonça, O. R. Neto, Cardoso, R. L. & Lima, M. P. (2008). Fatores que influenciam a adoção de artefatos de controle gerencial nas empresas brasileiras: um estudo exploratório sob a ótica da Teoria Institucional. Revista de Contabilidade e Organizações, 2(2), 55-70.
Pacheco, F. L. (2002). O Isomorfismo Institucional nos Teatros da Região Metropolitana de Recife. Anais do Encontro Nacional de Estudos Organizacionais, Recife, Pernambuco, Brasil, 2.
Pereira, C. A. & Guerreiro, R. (2005). Avaliação do Processo de Mudança da Contabilidade Gerencial sob o Enfoque da Teoria Institucional: O Caso do Banco do Brasil. Anais do Encontro Enanpad, 2005. Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil, 29.
Queiroz, T. L. A. & Cavalcante, P. (2011). As contribuições do software Atlas Ti para análise qualitativa de relatos de experiência escritos. Anais do Congresso Nacional de Educação e Seminário Internacional de representações sociais, subjetividade e educação, Curitiba, Paraná, Brasil, 10.
Quirino, S. R. (2011). Orçamento público como fonte de estudos educacionais. Revista de Financiamento da Educação – Fineduca, 1(9), 1-18.
Rezende, A. J. & Guerreiro, R. (2010). Uma análise do isomorfismo reverso das práticas contábeis de correção monetária. Anais do Congresso ANPCONT, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, 4.
Ribeiro, J. A. & Scapens, R. W. (2006). Institutional theories in management accounting change: contributions, issues and paths for development. Qualitative Research in Accounting & Management, 3(2), 94-111.
Ryan, B.; Scapens, R. W.; Theobald, M. (2002). Research method methodology in finance e accounting. London: Cengage Learning.
Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, P. B. (1991). Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill.
Saviani, D. (2015). História, educação e transformação: tendências e perspectivas para a educação pública no Brasil. In J. C. Lombardi & D. Saviani (Orgs.). História, educação e transformação. Campinas: Autores Associados.
Scapens, R. W. (1990). Researching management accounting practice: the role of case study methods. British Accounting Review, 22, 259-281.
Scott, W. R. (1995). Institutions and Organizations. London: Sage.
Silva, H. S. & Teixeira, M. G. (2016). A influência dos atores na institucionalização do meio ambiente e do desenvolvimento regional em uma instituição federal de educação profissional e tecnológica. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 12(3), 346-370.
Simionovski, C. S., Buchele, C. M., Herling, G. M., Herling, L. H. D., Lima, M. V. A. ,De, Moreira, R. T. E. (2013). Disposição dos recursos nos institutos federais de ensino: um estudo de caso nas instituições do rio grande do sul. Anais do Colóquio Internacional sobre Gestão Universitária nas Américas, Buenos Ayres, Argentina, 13.
Sivabalan, P., Booth, P., Malmi, T & Brown, D. A. (2009). An exploratory study of operational reasons to budget. Accounting and Finance, 49(4), 849-871.
Souza, W., Claro, J. A. C. & Tinoco, J. E. (2012). Processo de Institucionalização: o Caso da Universidade Federal do Tocantins. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, 4(2), 78-88.
Teixeira, I. T., Romano, A. L., Sacomano, M., Neto & Alves, A. G. Filho. (2016). Um estudo de caso do isomorfismo nas operadoras de plano de saúde. Espacios, 37(8), 20.
Uyar, A & Bilgin, N. (2011). Budgeting practices in the Turkish hospitality industry: an exploratory survey in the Antalya region. International Journal of Hospitality Management, 30(2), 398-408.
Vicente, S. C. & Portugal, M. (2014). Isomorfismo coercitivo: as implicações das pressões institucionais no processo de aquisições de empresas brasileiras. Anais do Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, São Paulo, São Paulo, Brasil,3.
Xerez, S. (2013). A evolução do orçamento público e seus instrumentos de planejamento. Revista Científica Semana Acadêmica, 1(43), 1-19.
Yin, R.K. (2016). Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso.
Zucker, L. (1977). The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, 41(5), 726-743.
Publicado
2020-01-30
Como Citar
Zambenedetti, L., & Angonese, R. (2020). O Processo Orçamentário de uma Instituição Pública Federal de Ensino sob a Ótica do Isomorfismo. Administração Pública E Gestão Social, 12(2). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i2.5568
Seção
Artigos