Hegemonia do Planejamento Urbano Estratégico e o Discurso Contra-Hegemônico do Direito à Cidade

  • Jouberte Maria Leandro Santos IFPE - Instituto Federal de Pernambuco
  • Sérgio Benício Carvalho Benício de Melo Professor associado 4 da Universidade Federal de Pernambuco

Resumo

O presente trabalho teve por objetivo avaliar os argumentos que constituem os diferentes discursos acerca do Planejamento Urbano e o Direito à Cidade tendo como foco a construção de um Grande Projeto Urbano (GPU) denominado “Novo Recife”. Para tal, acessamos três posições discursivas sobre o assunto: das empresas que formam o consórcio responsável pela construção, da Prefeitura do Recife e de um movimento social organizado denominado Direitos Urbanos (DU). O método adotado foi a arqueologia foucaultiana e sua análise de discurso. Nossos achados apontam para cinco formações discursivas antagônicas: duas favoráveis e três contestadoras do modelo de planejamento urbano adotado no Recife.

Palavras-chave: Gestão Pública, GPU, Urbanismo Crítico

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jouberte Maria Leandro Santos, IFPE - Instituto Federal de Pernambuco
Professora do Instituto Federal de Pernambuco. Doutora pela Universidade Federal de Pernambuco (PROPAD-UFPE) e Universidad Carlos III de Madrid (modalidade sanduíche). Integrante do grupo de estudos: Laboratório de Estudos Urbanos e Política da Mobilidade (Mobis/UFPE). Mestre em Administração pela UFPE (2013). Graduada em Administração pela UFAL (2010). 
Sérgio Benício Carvalho Benício de Melo, Professor associado 4 da Universidade Federal de Pernambuco
Tem formação na área de Administração de Empresas e Filosofia, tendo alcançado o título de Doutor pela City, University of London, Reino Unido (1997). É professor associado 4 da Universidade Federal de Pernambuco e bolsista de produtividade em pesquisa nível 1D do CNPq. Tem experiência nas áreas de ensino e pesquisa atuando principalmente com os seguintes temas: Estudos Urbanos; Política da Mobilidade; Tecnologia e Modernidade; Mobilidades e Cidadania; Política e Práticas Discursivas; Pós-Estruturalismo e Teoria do Discurso.

Referências

Castells, M. & Borja, J. (1996). As Cidades como atores Políticos. Novos Estudos CEBRAP, n. 45, julho, pp. 152 a 166.
Costa, F. Z. N., Leão, A. L. M. S. (2011). Desvelamento do limiar discursivo de uma marca global em uma cultura local. (pp. 299–332). Cadernos EBAPE, v. 9, n. 2.
Foucault, M. (2009ª). A Arqueologia do Saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária.
_______, M. (2014). Microfísica do Poder. (28ª Ed). Rio de Janeiro: Paz & Terra.
_______, M. (2008). Segurança território, população. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes. (Coleção Tópicos).
Giddens, A. (1991). As conseqüências da modernidade /Anthony Giddens; tradução de Raul Fiker. - São. Paulo: Editora UNESP.
Harvey, D. (2009). Condição Pós-Moderna. (18ª Ed). São Paulo: Edições Loyola.
______, D. (2007). De la gestión al empresarialismo: la transformación de la gobernanza en el capitalismo tardío. En D. Harvey (Ed.). Espacios del capital. Madrid: Aikal.
_______, D. (2008). The right to the city, New Left Review. (53ª Ed). p. 23–40.
Leal, S. M. R. (2012). Papel dos atores econômicos na governança das cidades brasileiras. Revista Movimentos Sociais e Dinâmicas Espaciais, Recife: UFPE/MSEU, v. 01, n. 1. 62-82.
Lefebvre, H. (1991).The Production of Space. Oxford: Blackwell.
_______, H. (2001). O Direito à Cidade. Tradução: Rubens Eduardo Frias. São Paulo: Centauro.
Maricato, E. (2000). As ideias fora do lugar e o lugar fora das ideias. Arantes, O, Vainer, C e Maricato, E., A cidade do Pensamento Único: desmanchando consensos, 2ª. Ed. Petrópolis: ed. Vozes. Rio de Janeiro, Brasil. Recife (1996) Lei de Uso e Ocupação do Solo.
Mascarenhas, G. (2014). Cidade mercadoria, cidade-vitrine, cidade turística: a espetacularização do urbano nos megaeventos esportivos. Caderno Virtual de Turismo. Edição especial: Hospitalidade e políticas públicas em turismo. Rio de Janeiro, v. 14, supl.1, s.52-s.65, nov.
Merriam, S. (2002). Introduction to qualitative research. In: Sharan Merriam. (Org.) Qualitative Research in Practice – examples for discussion and analysis. San Francisco: Jossey-Bass. cap. 1.
Truffi, R. (Junho, 2014). A batalha pelo Cais José Estelita. Carta Capital. Disponível em:< http://www.cartacapital.com.br/sociedade/a-batalha-pelo-cais-jose-estelita-8652.html>. Acesso: 10/07/2014.
Someck, N., Campos Neto, C. M. (2005). Desenvolvimento local e projetos urbanos. Arquitextos 059, Texto Especial 059. Disponível em: . Acesso em: 17 nov. 2017.
Souza, M. (2006b). Cidades, globalização e determinismo econômico. In: Cidades, v. 3, n. 5. p. 123-142.
Publicado
2020-01-30
Como Citar
Leandro Santos, J. M., & Carvalho Benício de Melo, S. B. (2020). Hegemonia do Planejamento Urbano Estratégico e o Discurso Contra-Hegemônico do Direito à Cidade. Administração Pública E Gestão Social, 12(2). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i2.5803
Seção
Artigos