Sistema de cotas e desempenho: uma comparação entre estudantes cotistas e não cotistas

  • Bruna Caroline Moreira Silva Universidade Federal de Viçosa
  • Wescley Silva Xavier Universidade Federal de Viçosa
  • Thiago de Melo Teixeira da Costa Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: educação pública, ensino superior, lei de cotas, ação afirmativa.

Resumo

Passados seis anos da publicação da Lei nº 12.711 (Lei de Cotas), ainda são muitos os questionamentos acerca da legitimidade da mesma, principalmente questionamentos embasados em aspectos meritocráticos e na perda de qualidade das universidades. Diante desse cenário, esse artigo tem como objetivo analisar o desempenho de alunos cotistas e não cotistas, bem como as taxas de evasão. O caso analisado foi o da Universidade Federal de Viçosa, com uma amostra de 4906 estudantes. Os resultados nos permitem afirmar que estatisticamente não há diferença de desempenho entre cotistas e não cotistas na grande maioria dos cursos. Além disso, identificamos que o desempenho dos estudantes não se correlaciona às notas de entrada na universidade (ENEM). Por fim, verificamos que a taxa de evasão de estudantes cotistas é menor do que de estudantes não cotistas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wescley Silva Xavier, Universidade Federal de Viçosa

Graduado em Administração (UFV)

Mestre e Doutorando em Administração (CEPEAD/UFMG)

Referências

BRASIL. (2012). Decreto nº 7.284, de 11 de Outubro de 2012. Regulamenta a Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012, que dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 11 de outubro de 2012. Disponível em URL: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Acesso em 20/04/2015.
DEMO, P. (2007). Educação e Qualidade. São Paulo: Papirus.
DOURADO, L. F., OLIVEIRA, J. F. (2009). A qualidade da educação: perspectivas e desafios. Cad. Cedes, v. 29, n. 78, p. 201-215.
DUBET, F. (2004). O que é uma escola justa? Cadernos de pesquisa, v. 34, n. 123, p. 539-555.
FERES JUNIOR, J., DAFLON, V. T., & CAMPOS, L. A. (2012). Ação afirmativa, raça e racismo: uma análise das ações de inclusão racial nos mandatos de Lula e Dilma. Revista de C. Humanas, v. 12, n. 2, p. 399-414.
FERNANDES, F. (2008). Sociedade de classes e subdesenvolvimento. São Paulo: Global Editora.
HAIR, J. F. (2009). Análise Multivariada de Dados. Porto Alegre. Bookman.
IBGE. (2017). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Socias: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, n. 37.
LIMA, M. E. O., NEVES, P. S. C., & SILVA, P. B. (2014). A implantação de cotas na universidade: paternalismo e ameaça à posição dos grupos dominantes. Revista Brasileira de Educação. v. 19. n. 56, p. 141-163.
MARSDEN, R., & TOWNLEY, B. (2001). Introdução: A coruja de Minerva: reflexões sobre a teoria na prática. In: CLEGG, Stewart; HARDY, C., NORD, W. (Orgs.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, v. 2, p. 31-56.
MENIN, M. S. S., SHIMIZU, A. M., SILVA, D. J., CIOLDI, F. L., & BUSCHINI, F. (2008). Representações de estudantes universitários sobre alunos cotistas: confronto de valores. Educação e Pesquisa, v.34, n.2, p. 255-272.
MOEHLECKE, S. (2004). Ação afirmativa no ensino superior: entre a excelência e a justiça social. Educ. Soc., vol. 25, n. 88, p. 757-776.
NEVES, P. S. C., & LIMA, M. E. O. (2007). Percepção de justiça social e atitudes de estudantes pré-vestibulandos e universitários sobre as cotas para negros e pardos nas universidades públicas. Revista Brasileira de Educação, v. 12 n. 34.
PERRONI, J., & BRANDÃO, A. (2009). Seleção ou Exclusão: difícil acesso a instituições públicas de ensino. Educação & Realidade, v. 34, n. 1, p. 65-81.
PESTANA, M. H., & GAGEIRO, J. N. (2008). Análise de dados para ciências sociais: A complementariedade do SPSS. Lisboa: Sílabo.
PINHEIRO, J. S. S. P. (2014). Desempenho acadêmico e sistema de cotas: um estudo sobre o rendimento dos alunos cotistas e não cotistas da Universidade Federal do Espirito Santo. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória.
QUEIROZ, Z. C. L. S., MIRANDA, G. J., TAVARES, M., & FREITAS, S. C. (2015). A lei de cotas na perspectiva do desempenho acadêmico na Universidade Federal de Uberlândia. Rev. bras. Estud. pedagog. (online), v. 96, n. 243, p. 299-320.
RIGO, J. S. (2016). Percursos de Formação de Estudantes de Licenciatura Noturna na UFV: ENEM, SiSU e Evasão. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa.
SANTOS, J. T. (2012). Ações afirmativas e educação superior no Brasil: um balanço crítico da produção. Revista bras. Est. pedag., v. 93, n. 234, p. 401-422.
SILVEIRA, Z. S. (2009). A universidade brasileira e o papel do intelectual em Florestan Fernandes. Colóquio Internacional Marx e Engels, 6., 2009, Campinas. Anais... Campinas: Unicamp, p. 1-11.
SOUZA, A. C., & BRANDALISE, M. A. T. (2017). Política de cotas e democratização do acesso ao ensino superior: a visão dos implementadores. Revista Internacional de Educação Superior, v. 3, n. 3, p. 515-538.
SOUZA, J. (2012). Os batalhadores brasileiros. Nova classe média ou nova classe trabalhadora? Belo Horizonte: Editora UFMG.
WEDDERBURN, C. M. (2005). Do marco histórico das políticas públicas de ações afirmativas - perspectivas e considerações. In: SANTOS, Sales A. (org.). Ações afirmativas e combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, p. 307-334.
Publicado
2020-06-10
Como Citar
Silva, B. C. M., Xavier, W. S., & da Costa, T. de M. T. (2020). Sistema de cotas e desempenho: uma comparação entre estudantes cotistas e não cotistas. Administração Pública E Gestão Social, 12(3). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i3.6125
Seção
Artigos