Ação Social Imanente: A Rede de Educação do Semiárido Brasileiro

  • Lalita Kraus GPDES/IPPUR/Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

O objeto apresentado neste trabalho é a ação sociopolítica de uma rede sociogovernamental: a Rede de Educação do Semiárido Brasileiro – RESAB. Para tanto, será abordada a rede como uma forma de organizar a ação social no território semiárido brasileiro. A análise inclui a identificação dos elementos e das principais características, que definem a essência da rede enquanto institucionalidade política imanente, com o objetivo de articular a ação em rede, o conceito de imanência e suas consequências em termos de democracia. Do ponto de vista metodológico, foram realizadas entrevistas, observações não participantes nos encontros da rede e a análise dos documentos produzidos pela RESAB. A pesquisa revelou que a ação da RESAB possibilita inúmeras inovações sociais, embora exista ainda um sistema de comunicação que impede uma plena ação imanente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barabási, A. L., & Bonadeau, E. (2003). Redes sem escala. Revista Scientific American Brasil, 12 (13), 64-72.

Bringel, B., & Echart. (2008). Movimentos sociais e democracia: os dois lados das "fronteiras". Cad. CRH, 21 (54), 457-475. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-49792008000300004

Capra, F. (1999). O ponto de mutação: a ciência, a sociedade e a cultura emergente. 21. ed. São Paulo: Cultrix.

Carvalho, L. D. (2007). As representações políticas e geográficas sobre o Semi-Árido Brasileiro e o planejamento e gestão territorial. In RESAB (Org.), Currículo, contextualização e complexidade: elementos para pensar a escola no Semi-Árido. Juazeiro/BA: selo editorial RESAB.

Castells, M. (2000). O Poder da Identidade. São Paulo: Paz e Terra.

Castells, M. (2013). Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da internet. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar.

Castoriadis, C. (1988). Pouvoir, politique, autonomie. Revue de Métaphysique et de Morale, 93 (1), 81-104.

Deleuze, G., & Guattari, F. (2002). O que é a filosofia?. São Paulo: Editora 34.

Della Porta, A., & Diani, M. (2006). Social movements: an introduction. Oxford: Blackwell publishing.
Diani, M. (2003). Networks and Social Movements: A Research Programme. In Diani, M. & McAdam, D. (Org.) Social Movements and Networks -Relational Approaches to Collective Action. Oxford: Oxford Univ. Press.

Diap - Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. (2011). Bancada ruralista aumenta com o reforço de novos parlamentares”. Reporter Brasil. Recuperado de http://reporterbrasil.org.br/2011/01/bancada-ruralista-aumenta-com-o-reforco-de-novosparlamentares/

Egler, T. T. C. (2007). Ciberpólis: redes no governo da cidade. Rio de Janeiro: 7letras.

Gomes, G. M. (2001). Velhas secas em novos sertões: continuidade e mudanças na economia do semi-árido e dos cerrados nordestinos. Brasília: Ipea.

Gohn, M. da G. (2011). Movimentos sociais na contemporaneidade. Revista Brasileira de Educação, 16 (47), 333 – 361. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v16n47/v16n47a05.pdf

Guattari, F. (2004). Psicanálise e transversalidade: ensaios de análise institucional. Aparecida /SP: Idéias & Letras.

Guimarães, F. de. (2004). Poder constituinte em Espinosa e Maquiavel: a perspectiva da imanência. Lugar Comum - Estudos de Mídia, Cultura e Democracia, 19-20, 41-61. Recuperado de http://uninomade.net/wp-content/files_mf/113003120832O%20poder%20constituinte%20em%20Espinoza%20e%20Maquiavel%20A%20perspectiva%20da%20iman%C3%AAncia%20-%20Francisco%20de%20Guimaraens%20.pdf

Hanneman, R. A. (2002). Propiedades básicas de las redes y de los actores. In Hanneman, R. A. Introducción a los métodos del análisis de redes sociales. Departamento de Sociología de La Universidad de California Riverside (capítulo 5). Recuperado de http://revista-redes.rediris. es/webredes/textos/Cap5.pdf

Hardt, M., & Negri, A. (2000). O império. Rio de Janeiro: Record.

Hardt, M., & Negri, A. (2005). Multidão: guerra e democracia na era do Império. Rio de Janeiro: Record.

Hobbes, T. (1985). Leviathan. London: Penguin.

Lévy, P. (2003). A inteligência coletiva: por uma antropologia do ciberespaço. 4. ed. São Paulo: Loyola.

Lipnack, J., & Stamps, J. (1994). Rede de informações. São Paulo: Makron Books.

Machiavelli, N. (2013). Il principe. Milano: Feltrinelli.

Martinho, C. (2003). Redes - Uma Introdução Às Dinâmicas Da Conectividade E Da Auto-Organização. Brasília: WWF Brasil.

Martins, J. da S. (2005). Tecendo a rede. Notícias críticas do trabalho de descolonização curricular no semi-árido brasileiro e outras excedências (Tese de Doutorado). Universidade Federal da Bahia, Salvador, Brasil.

Melucci, A. (2001). A invenção do presente - Movimentos sociais nas sociedades complexas. Petrópolis: Vozes.

Ministério Do Meio Ambiente. (2008). Atlas das áreas susceptíveis à desertificação do Brasil. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

Moulaert, F., Martinelli, F., Swyngedouw, E., & Gonzalez, S. (2005). Towards Alternative Model(s) of Local Innovation. Urban Studies, 42 (11), 1669-1990.

Moura, S. (1997). A construção de redes públicas na gestão local: algumas tendências recentes. Revista de Administração Contemporânea. ANPAD, 1 (1), 67-85. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65551998000100005

Musso, P. (2013). A filosofia da rede. In Parente, A. (org.), Tramas da rede: novas dimensões filosóficas, estéticas e políticas da comunicação (pp. 17 -38). Porto Alegre: Sulina.

Negri, A. (1981). L´anomalia selvaggia. Saggio su potere e potenza in Baruch Spinoza. Milano: Feltrinelli.

Negri, A. (2002). O poder constituinte: ensaio sobre as alternativas da modernidade. Rio de Janeiro: DP&A.

Negri, A. (2006). Fabrique de porcelaine. Pour une nouvelle grammaire du politique. Paris: Stock.

Negri, A. (2012). Il comune in rivolta. Sul potere costituente delle lotte. Verona: Ombre Corte.

Passy, F. (2003). Social Networks Matter. But How?. In Diani, M., & Mcadam, D. (org.), Social Movements and Networks (pp. 21 - 48). Oxford/New York: Oxford University Press.

Rede de Educação do Semiárido Brasileiro – RESAB. (2006). Educação para a convivência com o Semi-Árido: reflexões teórico-práticas. 2a Edição, Juazeiro/BA: Secretaria executiva da rede de educação do Semi-Árido brasileiro, Selo editorial RESAB.

Rousseau, J. (1973). O Contrato social. In Os pensadores, vol. XXIV. São Paulo: Abril cultural.
Santos, B. de S. (2002). Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências”. Revista Crítica de Ciências Sociais, 63, 237-280.

Santos, B. de S. & Avritzer, L. (2002). Para ampliar o cânone democrático. In Santos, B de S. (org.), Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Scherer-Warren, I. (1999). Metodologia de redes no estudo de ações coletivas e movimentos sociais. In Scherer-Warren, I. (org), Cidadania sem fronteiras: ações coletivas na era da globalização (pp. 21-30). São Paulo: Hucitec.

Scherer-Warren, I. (2011). Redes da sociedade civil: advocacy e incidências possíveis. In Martinho, C., & Felix, C. (org.), Vida em rede: conexões, relacionamentos e caminhos para uma nova sociedade (pp. 65 - 86). Barueri, SP: Instituto C&A.

Singer, P. (1965). A política das classes dominantes. In Ianni, O. (org.). Política e revolução social no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Spinoza, B. (1994). Tratado político. Tradução de Norberto de Paula Lima. São Paulo: Ícone.
Publicado
2020-06-10
Como Citar
Kraus, L. (2020). Ação Social Imanente: A Rede de Educação do Semiárido Brasileiro. Administração Pública E Gestão Social, 12(3). Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/6212
Seção
Artigos