Capacidades Analíticas no Processo de Produção de Políticas Públicas: Quais Fontes de Evidências Utilizam o Serviço Civil da Administração Pública Federal?

  • Alex Santos Macedo Universidade Federal de Viçosa
  • Rafael Viana Escola Nacional de Administração Pública
  • Maricilene Isaira Baia Nascimento Universidade de Brasília
Palavras-chave: Capacidade Analítica, Fontes de Evidência, Política Pública, Serviço Civil, Administração Federal.

Resumo

O objetivo central deste estudo foi identificar quais fontes de evidências usa o serviço civil da Administração Pública Federal brasileira (APF) no processo de produção da política pública. A partir da análise estatística descritiva e multivariada, recorremos às informações de 2000 servidores da APF sobre o uso de evidências, considerando (1) as características demográficas do serviço civil da APF; (2) tipos de função na política pública; (3) diferentes órgãos da administração federal; (4) tipos de cargos na administração federal e (5) áreas de política pública. Os resultados apontam que, em média, a depender da função exercida na política pública e da natureza da política pública, diferentes fontes de evidência são recorridas. Além disso, os órgãos se diferenciam no grau de recorrência a essas fontes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Santos Macedo, Universidade Federal de Viçosa
Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Viçosa e Bolsistas do Programa Cátedras Brasil da Enap
Rafael Viana, Escola Nacional de Administração Pública
Doutorando em Ciência Política pela Universidade de Brasília. Pesquisador da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP)
Maricilene Isaira Baia Nascimento, Universidade de Brasília
Doutoranda em Ciência Política pela Universidade de Brasília e Bolsistas do Programa Cátedras Brasil da Enap

Referências

Avritzer, L., & Marona, M. C. (2014). Judicialização da política no Brasil: ver além do constitucionalismo liberal para ver melhor. Revista Brasileira de Ciência Política, 15, 69–94.

Colebatch, H. K., Hoppe, R., & Noordegraaf, M. (2010). Understanding Policy Work. In H. K. Colebatch, R. Hoppe, & M. Noordegraaf (Eds.), Working for policy (pp. 11–30). Amsterdam: Amsterdam University Press.

Dargent, E., Lotta, G., Mejía-Guerra, J. A., & Moncada, G. (2018). A quem importa saber: A economia política da capacidade estatística na América Latina. (E. Dargent, G. Lotta, J. A. Mejía-Guerra, & G. Moncada, Eds.). Whashington D.C: Banco Interamericano de Desenvolvimento. Retrieved from https://publications.iadb.org/en/who-wants-know-political-economy-statistical-capacity-latin-america

Dias, R. I., Barreto, J. O. M., & Souza, N. M. (2014). Desenvolvimento atual da Rede de Políticas Informadas por Evidências (EVIPNet Brasil): relato de caso. Revista Panamericana de Salud Pública, 36(1), 50–56.

Enap. (2018). Capacidades estatais para produção de políticas públicas: resultados do survey sobre serviço civil no Brasil. Cadernos Enap, 56, 74.

Fávero, L. P., & Belfiore, P. (2015). Análise de dados: modelos de regressão com Excel, Stata e SPSS (Vol. 1). Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Figueiredo Filho, D. B., & Silva Júnior, J. A. (2010). Visão além do alcance: uma introdução à análise fatorial. Opinião Pública, 16(1), 160–185. http://doi.org/10.1590/S0104-62762010000100007

Gomide, A. de Á., & Pereira, A. K. (2018). Os Desafios da governança da política de infraestrutura no Brasil: aspectos políticos e administrativos da execução do investimento em projetos de grande vulto. In A. Á. Gomide & A. K. Pereira (Eds.), Governança da política de infraestrutura: condicionantes institucionais ao investimento (pp. 13–34). Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Hall, J. L., & Jennings Jr, E. T. (2010). Assessing the use and weight of information and evidence in US state policy decisions. Policy and Society, 29(2), 137–147.

Howlett, M. (2009). Policy analytical capacity and evidence‐based policy‐making: Lessons from Canada. Canadian Public Administration, 52(2), 153–175.

Machado, C. V., & Baptista, T. W. F. (2012). A Agenda Federal da Saúde: dinâmica e prioridades. In C. V. Machado, T. W. F. Baptista, & L. D. Lima (Eds.), Políticas de Saúde no Brasil: continuidades e mudanças (pp. 149–171). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Montuschi, E. (2009). Questions of evidence in evidence-based policy. Axiomathes, 19(4), 425.

Morettin, P. A., & Bussad, W. O. (2010). Estatística básica (6th ed.). São Paulo: Editora Saraiva.

Oliveira, M. R. M., Delduque, M. C., Sousa, M. F., & Mendonça, A. V. M. (2015). Judicialização da saúde: para onde caminham as produções científicas? Saúde Em Debate, 39(105), 525–535.

Saguin, K., Ramesh, M., & Howlett, M. (2018). Policy work and capacities in a developing country: evidence from the Philippines. Asia Pacific Journal of Public Administration, 40(1), 1–22. http://doi.org/10.1080/23276665.2018.1436427

Souza, N. M., Barreto, J. O. M., Alves, M. S. N., & Abdala, C. V. (2013). Evidência na gestão: relato da rede de políticas informadas por evidências Brasil. ANAIS DO CBMFC, (12), 179.

Veselý, A. (2013). Conducting large-N surveys on policy work in bureaucracies: Some methodological challenges and implications from the Czech Republic. Central European Journal of Public Policy, 7(2), 88–113.

Veselý, A. (2017). Policy advice as policy work: A conceptual framework for multi-level analysis. Policy Sciences, 50(1), 139–154.

Veselý, A., Wellstead, A., & Evans, B. (2014). Comparing sub-national policy workers in Canada and the Czech Republic: Who are they, what they do, and why it matters? Policy and Society, 33(2), 103–115.

Viana, A. L. d’Ávila, & Silva, H. P. (2012). Desenvolvimento e Institucionalidade da Política Social no Brasil. In C. V. Macho, T. W. F. Baptista, & L. D. Lima (Eds.), Políticas de Saúde no Brasil: continuidades e mudanças (pp. 31–60). Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ.

Wellstead, A. M., Stedman, R. C., & Howlett, M. (2011). Policy Analytical Capacity in Changing Governance Contexts: A Structural Equation Model (SEM) Study of Contemporary Canadian Policy Work. Public Policy and Administration, 26(3), 353–373. http://doi.org/10.1177/0952076710381933

Wellstead, A., Stedman, R. C., & Lindquist, E. (2009). The nature of regional policy work in Canada’s public service. Canadian Political Science Review, 3(1), 34–56.

Wichmann, R., Carlan, E., & Barreto, J. O. M. (2016). Consolidação da Rede para Políticas Informadas por Evidências – EVIPNet Brasil: relato da experiência nacional de construção de uma plataforma de tradução do conhecimento para o SUS. Boletim do Instituto de Saúde (Vol. 17).

Yelland, P. M. (2010). An introduction to correspondence analysis. The Mathematica Journal, 12(1), 86–109.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
Macedo, A. S., Viana, R., & Nascimento, M. I. B. (2019). Capacidades Analíticas no Processo de Produção de Políticas Públicas: Quais Fontes de Evidências Utilizam o Serviço Civil da Administração Pública Federal?. Administração Pública E Gestão Social, 4(11), 1-22. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/7199
Seção
Dimensões Intraorganizacionais e Funções Gerenciais no Setor Público