DIFERENTES SETORES E ACORDOS REGIONAIS: EFEITOS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL

Autores

  • Orlando Monteiro da Silva Depto de Economia/UFV
  • Felipe D. Gomes Moreira

DOI:

https://doi.org/10.25070/rea.v16i3.7891

Resumo

 

RESUMO: Este artigo teve como objetivo analisar os fluxos bilaterais do comércio total, de produtos manufaturados e agrícolas, de 47 parceiros comerciais do Brasil, no período 1995-2015. Foram testados diferentes intervalos nos dados, e estimados os efeitos sobre os fluxos de comércio de diferentes  Acordos Regionais de Comércio, das tarifas e de medidas não tarifárias. Fez-se uso do modelo gravitacional com dados em painel, estimado pelo método Poisson Pseudo Maximum Likelihood, com efeitos fixos. Os resultados mostraram que a utilização de intervalos para os fluxos de comércio não apresentou diferenças nas equações estimadas sem os intervalos.  Todos os ARC mostraram criação de comércio e, desvios de exportação para o comércio de produtos do setor agrícola. Contudo, ficou claro o menor efeito desse desvio no MERCOSUL, assim como a inexistência de desvios de comércio para produtos manufaturados, com exceção do Pacto Andino, o que reflete a competitividade específica desses setores em cada ARC.  Os efeitos protecionistas das medidas não tarifárias mostraram-se maiores do que as tarifárias e com maior intensidade para os produtos agrícolas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Orlando Monteiro da Silva, Depto de Economia/UFV

Eng. Agronomo-UFV. 1976

Mestre Ec. Rural - DER/UFV. 1979

PhD Economics - NCSU/USA. 1990

Prof. Titular DEE/UFV

Referências

ALVES, G.J.; MACIEL, M.F.; ALMEIDA, F.M.; GONÇALVES, L.V. Impacto da regulamentação SPS e TBT nas exportações brasileiras de uva no período de 1995 a 2009. RESR, vol. 52(1):41-60. 2014.
ALMEIDA, F.M.; MACIEL, M.F.; SILVA, O.M. Notificações aos acordos TBT e SPS: diferentes objetivos e resultados sobre o comércio internacional de agroalimentos. RESR, 52(1):157-176. 2014.
ANDERSON, J. E. A Theoretical Foundation for the Gravity Equation. American Economic Review, 69(1): 106-116. 1979.
ANDERSON, J. E.; van WINCOOP, E. Gravity With Gravitas: a Solution to the Border Puzzle. American Economic Review, 93(1), 170-192. 2003:
ANDERSON, J. E.; van WINCOOP, E.. Trade Costs. Journal of Economic Literature, 42(3): 691-751. 2004.
AREVALO, J.L.S. ; ANDRADE, A.M.F, SILVA, G. A. B. Uma nota sobre modelos gravitacionais aplicados à exportação de café de Brasil, Colômbia e Peru. Revista Brasileira de Economia, 70(3):271-280. 2016.

ARMINGTON, P. S.. A Theory of Demand for Products Distinguished by Place of Production, IMF Staff Papers 16(1):159-176. 1969.

AZEVEDO, A.F.Z. O efeito do MERCOSUL sobre o comércio: uma análise com o modelo gravitacional. Pesquisa e Planejamento Econômico, 34(2): 307-340. 2004.

BAIER, S. L. and BERGSTRAND, J. H. Do Free Trade Agreements Actually Increase Members’ International Trade? Journal of International Economics, 71(1): 72-95. 2007.

BALDWIN, R. and TAGLIONI, D. Gravity for Dummies and Dummies for Gravity Equations. Cambridge, MA, National Bureau of Economic Research, NBER Working Paper No. 12516. 2006.

BITTENCOURT, G.M.; CAMPOS, A. C. Efeitos da instabilidade da taxa de câmbio no comércio setorial entre Brasil e seus principais parceiros comerciais. Economia Aplicada,18(4):657-678. 2014

CEPII – French Research Center in International Economics. Distance databases. Disponível em: <http://www.cepii.fr/anglaisgraph/bdd/distances.htm>. Acesso em Março de 2016.

CORDEIRO, B.F.; JUNIOR, M.R.. Os impactos do mercosul sobre o comércio: uma abordagem gravitacional. Dissertação de Mestrado, FEA/USP. 58p. 2016.


ESCAP International Supply Chain Connectivity (ISCC) Database: Explanatory Note for Users. 2013. Disponível em: http://artnet.unescap.org/db/ESCAP-ISCC-usernote.pdf. Acesso em: 15 de maio de 2016.

FRANKEL, J. A. Regional trading blocs in the world economic system. Washington, D.C. Institute for International Economics, 388p. 1997.

FRANKEL, J. A.; STEIN, E.; WEI, S. Trading blocs and the Americas: the natural, the unnatural, and the supernatural. Journal of Development Economics, 47(1):61-97.1995.

FIGUEIREDO, E.; LIMA, L. R.; LOURES, A.; OLIVEIRA, C. Uma Análise para o Efeito-Fronteira no Brasil. Revista Brasileira de Economia, vol 68(4): 481-496. 2014.
LEUSIN JR, S.; AZEVEDO, A.F.Z.; LÉLIS, M.T.C. A vocação exportadora do Rio Grande do Sul: uma avaliação por meio do efeito fronteira Nova Economia, vol. 23(1):101-128. 2013.
McCALLUM, J. National borders matter: Canada–US regional trade patterns, American Economic Review, 85(3): 615–23. 1995.

NOVY, D. Gravitty Redux: Measuring international trade costs with panel data, Economic Inquiry, 51(1):101-121. 2013.
PAULA, J.S.; SILVA, O.M. Fatores internos como determinantes da competitividade no comércio internacional: um enfoque gravitacional. Análise Econômica, vol. 33(64):191-214. 2015.
PIANI, G.; KUME, H. Fluxos bilaterais de comércio e blocos regionais: Uma aplicaçãoo do modelo gravitacional. Pesquisa e Planejamento Econômico, 30(1):1-22. 2000.
POLAK, J. Is APEC a natural trading bloc? A critique of the gravity model of international trade. World Economy, 19(5):533-543.1996.
REIS, M.; AZEVEDO, A.F.Z.: LÉLIS, M.T.C. Os Efeitos do Novo Regionalismo sobre o Comércio. Estudos Econômicos, 44(2):351-381. 2014.

SANTOS SILVA, J. M. C.; TENREYRO, S. The Log of Gravity. The Review of Economics and Statistics, 88(4), 641-658. 2006.

SANTOS SILVA, J. M. C.; TENREYRO, S. Further Simulation Evidence on the Performance of the Poisson Pseudo-Maximum Likelihood Estimator. Economics Letters 112(2): 220-222. 2011.

SHEPHERD, B.; WILSON, J. S.. Trade facilitation in ASEAN member countries: measuring progress and assessing priorities, Journal of Asian Economics, 20 (4): 367–83. 2009.

SHEPHERD, B. The gravity model of international trade: a user guide. UNESCAP. Asia-Pacific Research and Training Network on Trade (ARTNET), 64p.
2013.

SILVA, O.M.; MARTINS, M.M.V.; SANTOS, M.O. Preocupações comerciais específicas nos países da América Latina: Avaliação das medidas sanitárias e fitossanitárias sobre as exportações agrícolas. In, 55o Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Sociologia e Administração Rural. Anais eletrônicos, Santa Maria, RS. 2017.

SMARZYSNKA, B.K. Does relative location matters for bilateral trade flows? World Bank, 1999.

SOLOAGA, I.; WINTERS, L. A Regionalism in the nineties: What effect on trade? The North American Journal of Economics and Finance, v. 12, p. 1-29, 2001.

SOURDIN, P: PONFRET, R..Trade Facilitation: Defining, Measuring, Explaining and Reducing the cost of international trade. Edward Elgar Publishing, 176p. 2012.
SOUZA, M.J.P.; BURNQUIST, H.L. Facilitação de comércio e impactos sobre o comércio bilateral. Estudos Econômicos, 41(1):91-118. 2011.
TINBERGEN, J. Shaping the World Economy: Suggestions for an International Economic Policy, New York: The Twentith Century Fund.1962.
WINTER, L.A.; SOLOAGA, I. Regionalism in nineties: what effect on trade? The World Bank, Policy Research Working Paper, No 2156.1999.
YOTOV, Y.V.; PIERMARTINI, R.; MONTEIRO, J.A.; LARCH, M. An Advanced Guide to Trade Policy Analysis: The Structural Gravity Model. World Trade Organization, 144p. 2016

UNITED NATIONS STATISTICAL DIVISION. International Standard Industrial Classification. ISIC - Rev 3. Disponível em: http://www.un.org/depth/unsd. Acesso em 05 de janeiro de 2016.

Downloads

Publicado

2019-03-06

Como Citar

Monteiro da Silva, O., & Moreira, F. D. G. (2019). DIFERENTES SETORES E ACORDOS REGIONAIS: EFEITOS NO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Revista De Economia E Agronegócio, 16(3), 327-344. https://doi.org/10.25070/rea.v16i3.7891

Edição

Seção

Artigos