AS EXPORTAÇÕES DE FRUTAS BRASILEIRAS: UMA PERSPECTIVA DA ÁGUA VIRTUAL

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25070/rea.v18i2.8267

Resumo

O Brasil é depositário de 13,22% do volume total de água doce disponível do mundo, caracterizando-se como uma região com abundância relativa do recurso. No comércio de commodities agrícolas no mercado internacional, parte dessa água é transferida para os importadores na forma de água virtual – volume hídrico utilizado no processo produtivo embutida nos produtos exportados. O objetivo desse trabalho é quantificar o volume do recurso transferido por meio do comércio de frutas, utilizando-se a metodologia da pegada hídrica. Parte da produção brasileira de frutas ocorre em regiões cujo déficit hídrico é recorrente, viabilizando políticas que otimizam o uso da água nesses locais. No entanto, na maioria dos casos foi verificado que a produção frutífera no Brasil é adequada para as condições hídricas do país ao comparar à produção em outras economias, o que indica que, ao comercializar frutas para seus principais parceiros importadores, o Brasil tem sido responsável pela promoção de um comércio sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS Conjuntura dos recursos hídricos. Agência Nacional de Águas. 2017. Disponível em: http:// conjuntura.ana.gov.br/. Acesso em março/2019.

ALLAN, J.A.Virtual water: a strategic resource global solutions to regional deficits. Ground Water. 36, 545–546. 1998. Acesso em março/2019.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PRODUTORES EXPORTADORES DE FRUTAS E DERIVADOS (ABRAFRUTAS). Fruticultura – Setor em Expansão. Brasília. 2018. Disponível em: <https://goo.gl/f8t6Q4>. Acesso em março/2019.

BANCO MUNDIAL – Renewable internal fresh water resources, total (billion cubic meters). 2019. Disponível em: <http://www.worldbank.org>. Acesso em março/2019.

CEPEA. Pib do Agronegócio Brasileiro. ESALQ/USP. 2018. Disponível em: <https://www.cepea.esalq.usp.br/br/pib-do-agronegocio-brasileiro.aspx>. Acesso em março/2019.

COMEXSTAT - MDIC. Database. Disponível em: < Http://comexstat.mdic.gov.br/en/geral/> Acesso em março/2019.

DENG G., WANG L., SONG Y. Effect of Variation of Water-Use Efficiency on Structureof Virtual Water Trade - Analysis Based on Input–Output Model. Water Resources Management 29:2947–2965. 2015.

GELAIN, J.G., LICKS, E.B, ALMEIDA, A.N.. Exportação Brasileira de Soja e Carne Bovina em Termos de Água Virtual. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 55, 2017. Anais...Santa Maria: SOBER, 2017.

GIACOMIN, G. S. e OHNUMA, A.A. Análise de Resultados de Pegada Hídrica por Países e Produtos Específicos. Rev. Elet. em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental, p. 1562-1572. 2012.

HOEKSTRA, A.Y. Water Footprint Assessment: Evolvement of a New

Research Field. Water Resour Manage 31:3061–3081. 2017.

HOEKSTRA, A. Y.,CHAPAGAIN, A. K., ALDAYA, M. M.,MEKONNEN, M. M. Water Footprint Manual: State of the Art . Water Footprint Network, Ensched, The Netherlands. 2009.

______.. The Water Footprint Assessment Manual: Setting the Global Standard. Earthscan. 2011.

INSTITUTION OF MECHANICAL ENGINEERS (IMECHE). Global Food: Waste Not, Ant Not. London. 2013. Disponível em: <https://goo.gl/6J8rt1 >. Acesso em março/2019.

MARIANELA, F., DIETER, G., MICHAEL, K., WOLFGANG, L., WOLFGANG, C. Spatial decoupling of agricultural production and consumption: quantifying dependences of countries on food imports due to domestic land and water constraints. Environ. Res. Lett. 8, 014046. 2013.

MEKONNEN, M. M.; HOEKSTRA, A. Y. The Green, Blue and Grey Water Footprint of Crops and Derived Crop Products. Volume 1: Main Report. In. Value of Water Research Report Series, n° 47, IHE, Delft, The Netherlands, 2010.

MERINO, C.A.N.; RODRIGUEZ, O.O.O. VILLAMIZAR, R.A.G. Assessing Green and Blue Water Footprints in the Supply Chain of Cocoa Production: A Case Study in the Northeast of Colombia. Sustainability, v. 10, n. 1, p. 38, 2017.

SHIKLOMANOV, I. A.; RODDA, J. C. World water resources at the beginning of the twenty-first century. Internacional Hydrology Series. Cambridge Universyity Press. 2003. Disponível em: <http://assets.cambridge.org>. Acesso em março/2019.

WORLD BUSINESS COUNCIL FOR SUSTAINABLE DEVELOPMENT (WBCSD), Water Version 2, Facts and Trends. 2005.

WORLD INTEGRATED TRADE SOLUTION (WITS). Database. Disponível em: <https://wits.worldbank.org/> Acesso em março/2019.

Downloads

Publicado

2021-02-26

Como Citar

Martins, M. M. V., Gelain, J. G., & de Almeida, A. N. (2021). AS EXPORTAÇÕES DE FRUTAS BRASILEIRAS: UMA PERSPECTIVA DA ÁGUA VIRTUAL. Revista De Economia E Agronegócio, 18(2), 1-22. https://doi.org/10.25070/rea.v18i2.8267

Edição

Seção

Artigos