INTENSIDADE DE ESFORÇO EM FUTSAL FEMININO: TREINAMENTO COLETIVO, TREINAMENTO EM FORMA DE JOGO E O JOGO

Autores

  • Helton Oliveira Campos Laboratório de Biologia do Exercício linha de pesquisa em Atividade física: saúde e performance e Fisiologia do Exercício e da Inflamação - Educação Física - UFV.
  • Cleidimar Martins de Souza Laboratório de Biologia do Exercício, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil
  • João Carlos Bouzas Marins Laboratório de Biologia do Exercício, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil
  • Antônio José Natali Laboratório de Biologia do Exercício, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil
  • Thales Nicolau Prímola-Gomes Laboratório de Biologia do Exercício, Departamento de Educação Física, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil

Palavras-chave:

ntensidade de jogo, treinamento, esportes coletivos

Resumo

O futsal é uma modalidade esportiva coletiva que demanda altas exigências físicas, técnicas e táticas aos praticantes. O objetivo do presente estudo foi comparar as intensidades entre o TFJ e o TC, tendo o JO como referência, em mulheres praticantes de futsal. A amostra foi composta por oito atletas, jogadoras de linha, do gênero feminino, da categoria adulta. A frequência cardíaca (FC) das atletas foi registrada durante um TFJ, um TC e um JO por meio de um monitor cardíaco. A massa corporal, a estatura, a composição corporal e a capacidade aeróbica das atletas foram mensuradas. Para análise dos dados, aplicou-se uma Análise de Variância de um fator, seguida por um teste post-hoc de Tukey, quando apropriado. O nível de significância adotado foi de 5%. A FCmedia do JO (152 ± 17 bpm) e a do TFJ (153 ± 8 bpm) não diferiram entre si, mas foram significativamente maiores quando comparadas às do TC (140 ± 11 bpm). O %FCmax do JO (79,41 ± 16,2%) e o do TFJ (82,22 ± 4,5%) não diferiram entre si, porém foram significativamente maiores quando comparados aos do TC (75,10 ± 6,2%). Os valores de FCmax durante o JO (192 ± 9 bpm), o TFJ (184 ± 10 bpm) e o TC (179 ± 18 bpm) não diferiram entre si. O principal achado deste estudo foi que a intensidade de esforço do TFJ, quando comparada à do TC, é a que mais se aproxima daquela empregada no JO de mulheres praticantes de futsal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARINS, F.B.; SILVA, R.C.R. Intensidade de trabalho durante os treinamentos coletivos de futsal profissional: um estudo de caso. Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum., v. 9, n. 3, p. 291-296, 2007.

BARBANTI, V.J.; TRICOLI, V.; UGRINOWITSCH, C. Relevância do conhecimento científico na prática do treinamento físico. Rev. paul. Educ. Fís., v. 18, p. 101-09, 2004.

BARBERO-ALVAREZ, J.C.; SOTO, V.M.; BARBERO-ALVAREZ, V.; GRANDA-VERA, J. Match analysis and heart rate of futsal players during competition. J. Sports Sci., v. 26, n. 1, p. 63-73, 2008.

CASTAGNA, C.; D'OTTAVIO, S.; GRANDA VERA, J.; BARBERO ALVAREZ, J.C. Match demands of professional Futsal: a case study. J. Sci. Med. Sport., v. 12, n. 4, p. 490-4, 2009.

CASTAGNA, C.; BELARDINELLI, R.; IMPELLIZZERI, F.M.; ABT, G.A.; COUTTS, A.J.; D'OTTAVIO, S. Cardiovascular responses during recreational 5-a-side indoor-soccer. J. Sci. Med. Sport., v. 10, n. 2, p. 89-95, 2007.

CBFS. Livro nacional de regras de futsal. 2007. Disponível em: <http://www.cbfs.com.br>. Acesso em: 29 out. 2011.

COELHO, D.B.; RODRIGUES, V.M.; CONDESSA, L.A.; MORTIMER, L.A.C.F.; SOARES, D.D.; SILAMI-GARCIA, E. Intensidade de sessões de treinamento e jogos oficiais de futebol. Rev. bras. Educ. Fís. Esp., v. 22, n. 3, p. 211-18, 2008.

COOPER, K.N. The aerobics program for total well-being. London: Bantam Books, 1982.

JACKSON, A.S.; POLLOCK, M.L. Generalized equations for predicting body density of men. Br. J. Nutr., v. 40, p. 497-504, 1978.

MARTIN-SILVA, L.; COELHO, D.B.; CONDESSA, L.A.; MORTIMER, L.A.C.F.; ARAÚJO-FERREIRA, A.P.; SILAMI-GARCIA, E. Intensidade de jogos oficiais de futsal feminino. Revista Mineira de Educação Física, v. 2, p. 519-527, 2005.

MEDINA, J.A.; SALILLAS, G.; MARQUETA, P.M.; VIRÓN, P.C. Necesidades cardiovasculares y metabólicas del fútbol sala: análisis de la competición. Apunts: Educación Física y Deportes, v. 67, p. 45-53, 2002.

MORENO, J.H. Análisis de los parâmetros espacio y tiempo en el fútbol sala. La distancia recorrida, el ritmo y dirección del desplazamiento del jugador durante un encuentro de competición: los casos de Gay (defensa), C. Marrero (cierre), J. Beto (pivote), J. Limones (ala) y J. Claveria (portero). Apunts: Educacion Física y Deportes, v. 65, p. 32-44, 2001.

REILLY, T.; BANGSBO, J.; FRANKS, A. Anthropometric and physiological predispositions for elite soccer. J. Sports Sci., v. 18, n. 9, p. 669-83, 2000.

Downloads

Publicado

2014-07-30

Como Citar

Campos, H. O. ., Souza, . C. M. de ., Marins, J. C. B. ., Natali, A. J. ., & Prímola-Gomes, T. N. . (2014). INTENSIDADE DE ESFORÇO EM FUTSAL FEMININO: TREINAMENTO COLETIVO, TREINAMENTO EM FORMA DE JOGO E O JOGO. Revista Mineira De Educação Física, 22(2), 21-30. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/revminef/article/view/10062

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)