Motivações e Estratégias de Inserção no Contexto da Cafeicultura Orgânica: Um Estudo no Sul de Minas Gerais

  • Flávia Luciana Naves Mafra Universidade Federal de Lavras
  • Thálita de Resende Cardoso Universidade Federal de Lavras (UFLA) e Instituto Estadual de Florestas (IEF)
  • Luiz Antonio Staub Mafra Universidade Federal de Alfenas
  • Mônica Carvalho Alves Cappelle Universidade Federal de Lavras
Palavras-chave: Cafeicultura Orgânica, Mercado, Estratégias

Resumo

A produção orgânica se constituiu como uma das formas de contestação ao padrão dominante de agricultura. Ao mesmo tempo, passou a ser considerada como um nicho de mercado atrativo para muitos produtores que converteram suas propriedades para a atividade orgânica. Mas que razões tiveram e que estratégias desenvolveram os tradicionais cafeicultores de médio e grande porte do sul de Minas Gerais para se inserirem no campo da produção orgânica? Os resultados indicam que os produtores dão destaque à importância de um eixo que envolve valores e histórias pessoais e familiares e outro que envolve um conjunto de relações desses atores com outras instâncias da sociedade. As estratégias desenvolvidas por eles envolvem a combinação de áreas de produção de café orgânico com áreas de produção de café convencional e o fortalecimento de redes de confiança com outros atores envolvidos na venda do café.

Palavras-Chave: Cafeicultura Orgânica; Mercado; Estratégias.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Luciana Naves Mafra, Universidade Federal de Lavras

Professora do DAE/ UFLA, pesquisadora do Laboratório

Estudos Transdisciplinares - LETRA

Thálita de Resende Cardoso, Universidade Federal de Lavras (UFLA) e Instituto Estadual de Florestas (IEF)
Mestranda em Ecologia Aplicada da UFLA, analista ambiental do IEF
Luiz Antonio Staub Mafra, Universidade Federal de Alfenas
Professor da Universidade Federal de Alfenas
Mônica Carvalho Alves Cappelle, Universidade Federal de Lavras
Professora do DAE/UFLA

Referências

Allaire, G.; Boyer, R. (édit.). (1995). La grande transformation de l’agriculture: lectures
conventionnalistes et régulationnistes. Paris: INRA/Economica.
Almeida, J. (1999). A construção social de uma nova agricultura: tecnologia agrícola e movimentos
sociais no sul do Brasil. Porto Alegre: Ed.Universidade/ UFRGS.
Almeida, S. de; Petersen, P.; Cordeiro, A. (2001). Crise socioambiental e conversão ecológica da
agricultura brasileira: subsídios à formulação de diretrizes ambientais para o desenvolvimento
agrícola. Rio de Janeiro: AS-PTA, 122 p.
Aragão, G. (2006). Exportações do agronegócio baiano e os produtos orgânicos. Bahia Agrícola, 7(2);
53-58.
Beck, U. (1997). A reinvenção da política: rumo a uma teoria da modernização reflexiva. In Beck, U.;
Giddens, A.; Lash, S. Modernização reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna.
São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, p. 11-72
Brandenburg, A. (2008). Movimento Agroecológico: trajetória, contradições e perspectivas.
Departamento de Ciências Sociais, Mestrado em Sociologia e Programa de Doutorado em Meio
Ambiente e Desenvolvimento, UFPR. Disponível em . Acesso em 07/07/2008.
Brasil (2006). Ministério do Desenvolvimento Agrário. Portal da Secretaria da Agricultura Familiar.
Disponível em: http://www.mda.gov.br/saf . Acesso em 15/09/2006.
Lei nº 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Dispõe sobre a agricultura orgânica e dá outras
providências. Brasília, 2003. Disponível em:
. Acesso em 17/07/2009.
Dias, M. M. (2004). As ONGs e a construção de alternativas para o desenvolvimento rural: um estudo
a partir da Assessoria e Serviços a projetos em Agricultura Alternativa (AS-PTA). Tese de doutorado.
Universidade Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ, p.
Dulley, R. D. (2003). Agricultura orgânica, biodinâmica, natural, agroecológica ou ecológica?
Informações Econômicas, SP, 33(10).
Elias, N. (1994). A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar Ed.
Fair Trade Labelling Organizations International (2009). What is fair trade?. Disponível em:
http://www.fairtrade.net/what_is_fairtrade.html. Acesso em 09/12/ 2009.
Fonseca, S. de M. (2003). Movimento Ambientalista e Desenvolvimento Sustentável, um breve
histórico. Disponível em: http://www.race.nuca.ie.ufrj.br/eco. s.d. Acesso em 02/01/2003.
Gava, R. (2010). O local e o global no contexto do desenvolvimento. Administração Pública e Gestão
Social. Viçosa, n.2, v.3, p. 298-316, jul./set. 2010.
Giddens, A. (1991). As consequências da modernidade. São Paulo: Editora da Universidade Estadual
Paulista.
Godoy, A. S. (2010). Estudo de caso qualitativo. SILVA, A.B.da; GODOI, C.K.; BANDEIRA-DEMELLO, R.(orgs.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e
métodos. São Paulo: Saraiva.
Gonçalves, C. W. P. (2004). O desafio ambiental. Rio de Janeiro: Record, p.99-112.
González Rey, F. (2002). La subjetividad: su significación para la ciencia psicológica. In: Furtado, O.;
González Rey, F. (Org). Por uma epistemologia da subjetividade: um debate entre a teoria sóciohistórica e a teoria das representações sociais. 1.ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, p.19-42.
___________________ (2006). As representações sociais como produção subjetiva: seu impacto na
hipertensão e no câncer. Psicologia: teoria e prática [S.I.], 8(2), 69-85.
Heredia, B.; Palmeira, M; Leite, S. P. (2010). Sociedade e economia do Agronegócio no Brasil. São
Paulo: Revista Brasileira de Ciências Sociais, 25(74).
Leroy, J. P. (2001). Por uma reforma agrária sustentável: primeira página do Gênesis a escrever. In:
Viana, G.; Silva, M.; Diniz, N. (Orgs.). O desafio da sustentabilidade: um debate socioambiental no
Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo (Coleção Pensamento Petista).
Mafra, F. L. N. (2006). Práticas, poder e perspectivas em reconstrução: um olhar sobre a trajetória da
experiência agroecológica de Araponga, Minas Gerais. Tese de doutorado. Universidade Federal
Rural do Rio de Janeiro.CPDA. 2006. 153p.
Moreira, R. J. (2000). Críticas ambientalistas à Revolução Verde. Estudos Sociedade e Agricultura.
(15), 39-52.
Moreira, R. J. (1991). Ecologia e Economia política: meio ambiente e condições de vida. In.: Anais do
XXIX Congresso da SOBER. Campinas, SP.
Pena-Veja, A. (2003). O Despertar ecológico: Edgar Morin e a ecologia complexa. Rio de Janeiro:
Garamond (Idéias Sustentáveis).
Polanyi, K. (2000). A grande transformação: as origens da nossa época. Trad. De Fanny Wrobel, 2
ed. Rio de Janeiro: Campus.
Santos, B. S. (2000). A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo:
Cortez.
Souza, M. C. M.; Saes, M. S. M.; Otani, M. N. (2002). Pequenos Agricultores Familiares e sua
Inserção no Mercado de Cafés Especiais: uma abordagem preliminar. Informações Econômicas, SP,
32(11).
Valceschini E.; Nicolas F. (1995). La dynamique économique de la qualité agroalimentaire,in F.
NICOLAS – E. VALCESCHINI (Eds.): Agro-alimentaire: une économie de la qualité, Paris, INRAEconomica.
Veiga, J. E. da. (2003). A agricultura no mundo moderno: diagnóstico e perspectivas. In: Trigueiro,
André (Coord.). Meio ambiente no século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas suas
áreas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante.
Publicado
2013-03-27
Como Citar
Mafra, F. L. N., Cardoso, T. de R., Mafra, L. A. S., & Cappelle, M. C. A. (2013). Motivações e Estratégias de Inserção no Contexto da Cafeicultura Orgânica: Um Estudo no Sul de Minas Gerais. Administração Pública E Gestão Social, 5(2), 80-87. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4448
Seção
Artigos