Que fazer da burocracia de estado? Do indiferentismo às reciprocidades

  • Elcemir Paço Cunha Universidade Federal de Juiz de Fora
Palavras-chave: Burocracia, tática, marxismo, socialismo libertário, perspectiva do trabalho

Resumo

O trabalho desenvolve a posição de um socialismo libertário expresso por Maurício Tragtenberg que permite compreender o caráter problemático de que qualquer administração pública e que prescreve uma tática por etapas, isto é, a conquista da autogestão na produção, restringindo a atuação dos trabalhadores à esfera econômica. O texto sugere a tática por simultaneidade inspirada em Marx e que compreende a relação entre legalidade e contingência. Tal tática é aquela que autenticamente funde luta econômica e luta política considerando as reciprocidades existentes, para além do “participacionismo”, do formalismo democrático e do mero aperfeiçoamento do aparelho de dominação. O texto conclui que a melhor forma de administração pública é aquela que permite com que os antagonismos estruturais possam se expressar livremente, encontrando o caminho da resolução, ao invés de favorecer, quando muito, os mecanismos meramente conciliatórios.O trabalho desenvolve a posição de um socialismo libertário expresso por Maurício Tragtenberg que permite compreender o caráter problemático de que qualquer administração pública e que prescreve uma tática por etapas, isto é, a conquista da autogestão na produção, restringindo a atuação dos trabalhadores à esfera econômica. O texto sugere a tática por simultaneidade inspirada em Marx e que compreende a relação entre legalidade e contingência. Tal tática é aquela que autenticamente funde luta econômica e luta política considerando as reciprocidades existentes, para além do “participacionismo”, do formalismo democrático e do mero aperfeiçoamento do aparelho de dominação. O texto conclui que a melhor forma de administração pública é aquela que permite com que os antagonismos estruturais possam se expressar livremente, encontrando o caminho da resolução, ao invés de favorecer, quando muito, os mecanismos meramente conciliatórios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elcemir Paço Cunha, Universidade Federal de Juiz de Fora

Departamento de Ciências Administrativas

Programa de Pós-Gradução em Serviço Social

Programa de Pós-Gradução em Direito

Referências

Chasin, J. (2000a). As máquinas param, germina a democracia. In: Tomo III – Política. São Paulo: Estudos e Edições Ad Hominem, p. 79-108.
Chasin, J. (2000b). Democracia política e emancipação humana. In: Tomo III – Política. São Paulo: Estudos e Edições Ad Hominem, p. 91-100.
Marx, K., & Engels, F. (1988). Resolutions of the general congress held at the Hague. Lawrence & Wishart, Collected Works, v. 23.
Marx, K. (1985). Provisional rules of the association. Lawrence & Wishart, Collected Works, v. 20.
Marx, K. (1988a). General rules and administrative regulations of the international working men's association. Lawrence & Wishart, Collected Works, v. 23.
Marx, K. (1988b). On the Hague congress. Lawrence & Wishart, Collected Works, v. 23.
Marx, K. (1988c). Political indifferentism. Lawrence & Wishart, Collected Works, v. 23.
Marx, K. (1976). Moralising criticism and critical morality: a contribution to German cultural history. Contra Karl Heinzen. Collected Works, v. 6.
Marx, K. (1985). Miséria da filosofia. São Paulo: Global.
Marx, K. (2011). Guerra civil na França. São Paulo: Boitempo.
Marx, K. (2010a). Glosas críticas ao artigo "'O rei da Prússia e a reforma social'. De um prussiano". In: Marx, K. & Engels, F. Lutas de classes na Alemanha. São Paulo: Boitempo.
Marx, K. (2010b). A revolução de junho. In: Nova Gazeta Renana. São Paulo: EDUC, p. 126-130.
Marx, K. (2013). O capital. v. 1, São Paulo: Boitempo.
Mészáros, I. (2015). A montanha que devemos conquista. São Paulo: Boitempo.
Mészáros, I. (1995). Beyond capital. London: Merlin Press.
Paço-Cunha, E. (2013). Ante a sombra de Marx: silogismo hegeliano em Burocracia e Ideologia. Revista Espaço Acadêmico, v. 13, n. 150.
Paço Cunha, E., & Rezende, T.D.H. de. (2015). Via colonial e cogestão pública na democracia dos proprietários. Lavras, V Encontro Mineiro de Administração Pública, Economia Solidária e Gestão Social.
Paes de Paula, A. P. (2005). Por uma nova gestão pública. Rio de Janeiro: FGV.
Paes de Paula, A.P. (2008). Maurício Tragtenberg: contribuições de um marxista anarquizante para os estudos organizacionais críticos. Rio de Janeiro: Revista de Administração Pública, 42(5):949-68, SET./OUT.
Souza Filho, R. de. (2011). Gestão Pública e democracia: a burocracia em questão. Rio de Janeiro: Luman Juris.
Tragtenberg, M. (2009a). Trabalhador não ganha ‘boas festas’ nem ‘feliz ano novo’. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 335-337.
Tragtenberg, M. (2009b). Afinal, uma política de empregos. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 415-418.
Tragtenberg, M. (2009c). Quem pode controlar o Estado e a burocracia no Brasil. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 390-397.
Tragtenberg, M. (2009d). Lages, a cidade onde o povo tem o poder. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 24-27.
Tragtenberg, M. (2009e). Administração comunitária ressuscitou Boa Esperença. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 27-31.
Tragtenberg, M. (2009f). Uma revolução na revolução russa. In: A falência da política. São Paulo: Unesp, p. 139-148.
Tragtenberg, M. (2011a). Uma prática de participação: as coletivizações na Espanha (1936-1939). In: Teoria e ação libertárias. São Paulo: UNESP, p. 245-281.
Tragtenberg, M. (2011b). O mais importante é o povo de auto-organizar. In: Autonomia operária. São Paulo: Unesp, p. 24-27.
Tragtenberg, M. (2011c). “A cisão entre intelectual e manual: um grave problema”. In: Autonomia operária. São Paulo: Unesp, p. 27-29.
Tragtenberg, M. (2012). Administração, poder e ideologia. In: Educação e burocracia. São Paulo: Unesp, p. 43-76.
Tragtenberg, M. (1980). Administração, poder e ideologia. São Paulo: Moraes.
Tragtenberg, M. (1986). Reflexões sobre o socialismo. São Paulo: Editora Moderna.
Tragtenberg, M. (1988). A revolução russa. São Paulo: Atual.
Tragtenberg, M. (1991). Rosa Luxemburg e a crítica dos fenômenos burocráticos. In: Loureiro, I.M; Vigevani, T. Rosa Luxembug: a recursa da alienação. São Paulo: UNESP, p. 37-47.
Valverde, Antonio J. R. (2011). Travessia: o pensamento político de Tragtenberg. In: Valverde, Antonio J. R. (Org.). Maurício Tragtenberg: 10 anos de encantamento. São Paulo: EDUC, p. 135-149.
Publicado
2016-01-06
Como Citar
Cunha, E. P. (2016). Que fazer da burocracia de estado? Do indiferentismo às reciprocidades. Administração Pública E Gestão Social, 1(1), 15-26. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4822
Seção
Artigos

Most read articles by the same author(s)