A Política das Políticas Macroeconômicas: Abordagens sobre a Tomada de Decisões

  • Guilherme de Queiroz Stein Mestrando no PPG Ciência Política/UFRGS
Palavras-chave: Estado, Decisões Macroeconômicas, Burocracia, Democracia,

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir abordagens analíticas que as Ciências Sociais podem aplicar ao estudo do processo de tomada de decisões macroeconômicas. Para fundamentar a proposta de como as Ciências Sociais podem analisar as decisões macroeconômicas recorre-se a revisão bibliográfica de literatura nacional e internacional sobre o tema. A título de exemplificação empírica, discute-se trabalhos de pesquisa realizados sobre o caso brasileiro. Assim, propõe-se duas abordagens distintas, mas não excludentes entre si. A primeira foca nos agentes, enfatizando o papel das ideias, trajetórias e redes sociais. A segunda analisa as relações entre instituições políticas e burocracia pública. Após apresentar a duas abordagens, discute-se as possibilidades de interação entre as Ciências Sociais e as Ciências Econômicas. A distância entre essas disciplinas ainda é significativa, entretanto é necessário estabelecer uma interlocução a fim de propor soluções originais aos problemas da gestão macroeconômica nas democracias do século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abranches, S. (1988) Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados. Rio de Janeiro: V. 31, n.1.
Ames, B. (2003) Os Entraves da Democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Backhouse, R. E. (2007). História da Economia Mundial. São Paulo: Estação Liberdade.
Blanchard, O. (2007). Macroeconomia. São Paulo: Pearson Prentice Hall.
Chang, H. J. & Evans, P. (2000). The role of institutions in economic change. In: Meeting of the “Other Canon” group. Veneza, Italy.
Chang, H. J. (2002). Rompendo o modelo. Uma economia política institucionalista alternativa à teoria neoliberal do mercado e do Estado. In: Arbix, G.; Comin, A.; Zilbovicius, M. & Abramovay, R. (Orgs.). Brasil, México, África do Sul, Índia e China: diálogo entre os que chegaram depois. São Paulo: Ed. UNESP, EDUSP.
Chasquetti, D. (2008). Democracia, Presidencialismo y Partidos Políticos em América Latina: Evaluando la ‘Difícil Combinación’. Montevidéu: Universidad de la República.
Cruz, R. P. (2008). Carreiras de estado e cargos em comissão no Brasil Pós-64 pela perspectiva teórica de Silberman: a consolidação de uma burocracia do tipo profissional. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.
Davidson, P. (2003). Resgatando a revolução keynesiana. In: Lima, G.. T. & Sicsú, J. (Orgs.). Macroeconomia do emprego e da renda: Keynes e o Keynesianismo. Barueri: Manoele.
De Toni, J. (2013). Novos arranjos institucionais na política industrial do governo Lula: a força das novas ideias e dos empreendedores políticos. Tese de Doutorado. Brasília: Universidade de Brasília.
Dezalay, Y. & Garth, B. (2000) A dolarização do conhecimento técnico profissional e do Estado: processos transnacionais e questões de legitimação na transformação do Estado, 1960-2000. Rev. bras. Ci. Soc. São Paulo: v.15, n.43, junho.
Diniz, E. (2001) Globalização, Reforma do Estado e Teoria Democrática Contemporânea. São Paulo Perspec. São Paulo: v.15, n.4, dezembro.
Dornbusch, R. & Fischer, S. (1982) Macroeconomia. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.
Evans, P. (1985). Embedded autonomy: states and industrial transformation. Princeton: Princeton University Press.
Ferrari Filho, F. (1996). “Keynesianos”, monetaristas, novos-clássicos e novos-keynesianos: uma crítica pós-keynesiana. Porto Alegre: Ensaios FEE, v.17.
Figueiredo, A. & Limongi, F. (1999). Executivo e Legislativo na Nova Ordem Constitucional. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Figueiredo, A. & Limongi, F. (2007) Instituições Políticas e Governabilidade: Desempenho do Governo e Apoio Legislativo na Democracia Brasileira. In: Melo, C. & Sáez, M. (Orgs.). A Democracia Brasileira: Balanço e Perspectivas para o Século XXI. Belo Horizonte: Editora UFMG.
Hall, P. & Taylor, R. (2003). As Três Versões do Neo-institucionalismo. Rio de Janeiro: Lua Nova, n.58.
Hass, P. (1992). “Introduction: epistemic communities and international policy coordination”. International Organization. Cambridge: v.46, n.1, winter.
Hiroi, T. (2013). Governability and Accountability in Brazil: Dilemma of Coalitional Presidentialism. The Journal of Social Science, 75.
Hugon, P. (1984). História das doutrinas econômicas. São Paulo: Atlas.
Johnson, C. (1982). MITI and the Japanese Miracle: the growth of industrial policy, 1925-1975. Stanford: Stanford University Press.
Keynes, John Maynard. (2010) Teoria geral do emprego, do juro e da moeda. Lisboa: Relógio D'Água.
Limongi, F. & Figueiredo, A. (2005). Processo Orçamentário e Comportamento Legislativo: Emendas Individuais, Apoio ao Executivo e Programas de Governo. DADOS – Revista de Ciências Sociais. Rio de Janeiro: v.48, n.4.
Linz, J. (1990) The Perils of Presidentialism. Journal of Democracy. Baltimore: v.01, n.01, winter.
Loureiro, M. R. (1997). Os Economistas no Governo. Rio de Janeiro: Editora FGV.
Loureiro, M. R. & Abrucio, F. (1999). Política e burocracia no presidencialismo brasileiro: o papel do Ministério da Fazenda no primeiro governo Fernando Henrique Cardoso. Rev. bras. Ci. Soc. São Paulo: v.14, n.41, Outubro.
Loureiro, M. R. & Abrucio, F. (2012). Democracia e eficiência: a difícil relação entre política e economia no debate contemporâneo. Rev. Econ. Polit. São Paulo: v. 32, n. 4, dezembro.
Loureiro, M. R.; Abrucio, F. & Rosa, C. A. (1998). Radiografia da Alta Burocracia Federal Brasileira: o caso do Ministério da Fazenda. Revista do Serviço Público. Brasília: ano 49, n.4.
Loureiro, M. R.; Santos, F. P. & Gomide, A. (2011). Democracia, arenas decisórias e política econômica no governo Lula. Rev. bras. Ci. Soc. São Paulo: v.26, n.76, junho.
Mainwaring, S. (1990). Presidentialism, multiparty system and democracy: the difficult equation. Working Paper #144, Kellogg Institute at the University of Notre Dame.
Milonakis, D. & Fine, B. (2009). From political economy to economics: method, the social and the historical in the evolution of economic theory. New York: Routledge.
Melo, M. A. (2004). Escolha institucional e a difusão dos paradigmas de política: o Brasil e a segunda onda de reformas previdenciárias. Dados. Rio de Janeiro: v. 47, n.1.
Moisés, J. Á. (2011). O Desempenho do Congresso Nacional no Presidencialismo de Coalizão (1995‐2006). In: Moisés, J. Á. (Org.). O Papel do Congresso Nacional no Presidencialismo de Coalizão. Rio de Janeiro: KAS.
Myrdal, G. (1959). Teoría económica y regions subdesarrolladas. Cidade do México: Fondo de Cultura Económica.
North, D. C. (1994). Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal.
Olivieri, C. (2007). Política, Burocracia e Redes Sociais: as nomeações para os altos escalões do Banco Central do Brasil. Rev. Sociol. Polit. Curitiba: n. 29, novembro.
Pacheco, R. (2002). Mudança no perfil dos dirigentes públicos no Brasil e desenvolvimento de competências de direção. In: VII Congresso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública. Lisboa.
Palermo, V. (2000). Como se Governa o Brasil? O Debate sobre Instituições Políticas e Gestão de Governo. Dados. Rio de Janeiro: v.43, n.3.
Peres, P. S. (2008). Comportamento ou Instituições? A evolução histórica do neo-institucionalismo da ciência política. Rev. bras. Ci. Soc. São Paulo: v.23, n.68, outubro.
Pinho, D. B. & Vasconcellos, M. A. S. (2003). Manual de Economia. São Paulo: Saraiva.
Praça, S.; Freitas, A. & Hoepers, B. (2012). A rotatividade dos servidores de confiança no Governo Federal brasileiro, 2010-2011. Novos Estud. – CEBRAP. São Paulo: n. 94, novembro..
Praça, S.; Freitas, A. & Hoepers, B. (2011). Research note political appointments and coalition management in Brazil, 2007-2010. Journal of Politics in Latin America. Hamburg: v.3, n.2.
Reis, F. W. (1995). Governabilidade, Instituições e Partidos. Novos Estud. – CEBRAP. São Paulo: v.41.
Sachs, J,. D. & Larrain, F. (2000). Macroeconomia em uma economia global. São Paulo: Pearson Makron Books.
Stiglitz, J. (2003). Os exuberantes anos 90: uma nova interpretação da década mais próspera da história. São Paulo: Companhia das Letras.
Santos, P. R. (2012). A Institucionalização da Participação no Governo Lula: um estudo de caso sobre o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social. Dissertação de Mestrado. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Tsebelis, G. (1995). Decision making in political systems: veto players in presidentialism, parliamentarism, multicameralism and multipartism. British Journal of Political Science, 25 (03), pp.289-325.
Wade, Robert. (1999). El mercado dirigido: la teoría económica e la function del gobierno en la industrialización del Este de Asia. México: Fondo de Cultura Económica.
Weber, Max. (2004). Ciência e Política: Duas Vocações. São Paulo: Martin Claret.
Publicado
2016-01-06
Como Citar
de Queiroz Stein, G. (2016). A Política das Políticas Macroeconômicas: Abordagens sobre a Tomada de Decisões. Administração Pública E Gestão Social, 1(1), 57-65. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4825
Seção
Artigos