Desigualdades nas Necessidades em Saúde entre os Municípios de Minas Gerais: uma Abordagem Empírica no Auxílio às Políticas Públicas

  • Sílvio Ferreira Júnior Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
  • Murilo Cássio Xavier Fahel Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
  • Cláudia Júlia Guimarães Horta Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
  • Juliana Souki Diniz Fundação Ezequiel Dias
Palavras-chave: Necessidades e Demandas de Serviços de Daúde, Desigualdades em Saúde, Saúde Pública, Políticas Públicas de Saúde

Resumo

No intuito de contribuir no auxílio à elaboração de políticas públicas pró-equitativas no estado de Minas Gerais, a presente pesquisa objetivou identificar as desigualdades nas necessidades em saúde entre os seus municípios. Como modelo analítico, utilizou-se da análise estatística multivariada, especificamente a análise fatorial, que permitiu obter os índices municipais de necessidades em saúde. A análise permitiu constatar que as variáveis socioeconômicas e epidemiológicas consideradas no estudo não são independentes e se interagem de forma imbricada na determinação do quadro geral de necessidades em saúde dos municípios, corroborando a literatura sobre os determinantes sociais da saúde, referenciada nesta pesquisa. Os índices de necessidades evidenciam existência de expressivas desigualdades entre os municípios mineiros, mesmo entre aqueles pertencentes à mesma região de saúde. No entanto, as desigualdades são mais expressivas em desfavor das regiões Norte, Nordeste e Jequitinhonha, sendo estas as únicas regiões que apresentam necessidades acima da média do estado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sílvio Ferreira Júnior, Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
Possui graduação em Economia (2001), Mestrado (2003) e Doutorado (2006) em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Foi pesquisador visitante na Escola Nacional de Saúde pública da FIOCRUZ (2006-2008), onde lecionou e desenvolveu projeto de pesquisa na área da Economia da Saúde. É pesquisador efetivo em ciência e tecnologia na Fundação João Pinheiro (FJP), professor dos cursos de graduação e de mestrado em Administração Pública na FJP. É Líder do grupo de pesquisa 'Saúde e Políticas Públicas' e membro do grupo 'Políticas Públicas, Programas Sociais e Gestão Local', ambos sediados na FJP. É membro do grupo de pesquisa 'Economia da Saúde', na FIOCRUZ, e membro de pesquisa do 'Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável'-IPPDS, na UFV. Foi Coordenador do Programa de Mestrado em Administração Pública, entre janeiro de 2010 e janeiro de 2014. Desenvolve trabalhos científicos publicações nas áreas da 'Economia da Saúde', 'Economia e Finanças do Setor Público' e 'Economia do Agronegócio'.
Murilo Cássio Xavier Fahel, Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1984), mestrado em Saúde Pública pela Universidad Autónoma Metropolitana (1997) do México-DF e o Doutorado em Ciências Humanas: Sociologia e Política pela Universidade Federal de Minas Gerais- UFMG (2008). Concluiu em 2012 o pós-doutorado na University of Oxford como pesquisador associado ao Oxford Poverty & Human Development Initiative -OPHI (2012). Professor e Pesquisador da Fundação João Pinheiro do Estado de Minas Gerais atuando na área de Políticas Públicas com foco na gestão e avaliação de Políticas Sociais.
Cláudia Júlia Guimarães Horta, Fundação João Pinheiro, Escola de Governo Prof. Paulo Neves de Carvalho
Possui graduação em Estatística pela Universidade Federal de Minas Gerais (1988), mestrado em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (1995) e doutorado em Demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais (2005). Realizou estágio Pós-doutoral no na Universidade de Oxford no departamento de Polícias Sociais e Intervenções (2011-2012), Inglaterra. É pesquisador pleno da Fundação João Pinheiro e professora na Escola de Governo Professor Paulo Neves de Carvalho. Tem experiência nas áreas de demografia e estatística, atuando principalmente nos seguintes temas: Minas Gerais, indicadores sociais, fecundidade, mortalidade, migração, condições de vida e desenvolvimento humano
Juliana Souki Diniz, Fundação Ezequiel Dias
Farmacêutica industrial pela UFMG, mestre em administração pública em 2014, com dissertação na área de economia da saúde, especialista em Gestão da Qualidade e em Qualidade e Vigilância Sanitária na Produção de Medicamentos, MBA em Gestão Institucional concluído em 2010. O cargo de analista de saúde e tecnologia da Fundação Ezequiel Dias.

Referências

Andrade, M. V.; Noronha, K. V. M. S.; Moro, S.; Machado, E. N. M, & Fortes, F. B. C. T. P. (2004). Metodologia de alocação equitativa de recursos: uma proposta para Minas Gerais. Belo Horizonte, MG: Secretaria de Estado de Saúde.
Araújo, J. D. de (1975). Saúde e desenvolvimento econômico: atualização de um tema. Revista Saúde Pública. 9(4), 515-528.
Bambas, A., Casas, J. A (2001). Assessing equity in health: conceptual criteria. In: Pan American Health Organization. Equity and health: views from Pan American Sanitary Bureau. Occasional Publications, n. 8. (pp. 12-21). Washington (DC): Pan American Health Organization.
Banco Mundial (1993). World development report 1993: Investing in Health. Oxford, Inglaterra: Universidade de Oxford.
Buss, P. M., & Pellegrini, A. Filho (2007). A saúde e seus determinantes. Revista de Saúde Coletiva, 17(1), 77-93.
Carr-Hill R. A., Hardman, G, Martin S., Peacock, S, Sheldon, T, & Smith, P. (1994). A Formula for Distributing NHS Revenues based on Small Area Use of Hospital Beds. (Occasional Paper). New York: Centre for Health Economics, University of York.
Conselho Nacional de Secretários de Saúde (2011). Atenção Primária e Promoção da Saúde. (Coleção Para Entender a Gestão do Sistema Único de Saúde, Nº 3). Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde.
Corrar, L. J., Paulo, E., & Dias, J. M., Filho (2011). Análise multivariada: para cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.
Ferreira, S., Jr. Porto, S. M, & Ugá, M. A. D. (2010a). A distribuição das necessidades de saúde e da oferta na atenção primária no Estado do Rio de Janeiro: uma contribuição para a identificação de prioridades de investimento. In: M. A. D. Ugá, M. C. Sá, M. Martins, & F. B. Neto (Orgs.), A gestão do SUS no âmbito estadual: o caso do Rio de Janeiro. (pp. 352-377). Rio de Janeiro: Editora Fiorcuz.
Ferreira, S., Jr. Porto, S. M, & Ugá, M. A. D. (2010b). Administração Pública e Gestão Social, 2(3), 1-12.
Fávero, L. P., Belfiori, P., Silva, F. L., & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.
Gadelha, C.A.G., & COSTA, L. S. (2012). Saúde e desenvolvimento no Brasil: avanços e desafios. Revista Saúde Pública, 46(Supl.), 13-20.
Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman.
Hino, P., Ciosak, S. I., Fonseca, R. M. G. S., & Egry, E.Y. (2009). Necessidades em saúde e atenção básica: validação de instrumentos de captação. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, 43(Esp. 2), 1156-1167.
Mendes, E. V. (2010). As redes de atenção à saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 15(5), 2297-2305.
Mendes, A.; Leite, M. G; Marques, R. M. (2011). Discutindo uma Metodologia para a Alocação Equitativa de Recursos Federais para o Sistema Único de Saúde. Saúde e Sociedade, 20(3), 673-690.
Mendes, E. V. (2011). As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.
Mendonça, M. H. M., Vasconcellos, M. M., & Vianna, A. L. D. (2008). Atenção primária à saúde no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 24, 4-5.
Ministério da Saúde (1997). Portaria Gabinete Ministerial/Ministério da Saúde n. 2.203, de 6 de novembro de 1996. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde. Gestão plena com responsabilidade pela saúde do cidadão. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2001). Organização e Programação da Assistência: subsídios para a programação da assistência ambulatorial e hospitalar. Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência, Secretaria de Assistência à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2002). Regionalização da assistência à saúde: aprofundando a descentralização com equidade no acesso. Norma Operacional de Assistência à Saúde. 2. ed. (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Departamento de Descentralização da Gestão da Assistência, Secretaria de Assistência à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2003). Documento Final da Comissão de Avaliação da Atenção Básica. Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde, Coordenação de Acompanhamento e Avaliação da Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2006a). Pactos pela vida, em defesa do Sistema único de Saúde e de gestão: diretrizes operacionais. (Série Pactos pela Saúde 2006, 1). Departamento de Apoio à Descentralização, Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2006b). Regionalização solidária e cooperativa: orientações para sua implementação no Sistema Único de Saúde. (Série Pactos pela Saúde 2006, 3). Departamento de Apoio à Descentralização/Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2006c). Política Nacional de Atenção Básica. (Série Pactos pela Saúde 2006, 4). Departamento de Atenção Básica, Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2006d). Diretrizes para a programação pactuada e integrada da assistência à saúde. (Série Pactos pela Saúde 2006, 5). Departamento de Apoio à Descentralização, Secretaria Executiva. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2010). Portaria Gabinete Ministerial/Ministério da Saúde Nº 4.279, de 30 de dezembro de 2010. Estabelece diretrizes para a organização da Rede de Atenção à Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Ministério da Saúde (2011). Portaria Gabinete Ministerial/Ministério da Saúde Nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde.
Nunes, A., Santos, J.R.S., Barata, R.B., & Vianna, S.M. (2001). Medindo as desigualdades em saúde no Brasil: uma proposta de monitoramento. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.
Organização Mundial de Saúde (2005). Towards a conceptual framework for analysis and action on the social determinants of health. [Texto para discussão, Nº 5]. Geneva, Suiça: Organização Mundial de Saúde.
Organização Pan-Americana da Saúde (1998). Inequidades en la situación de salud, acceso y gasto en atención de salud. [Proyeto de Investigación]. División de Salud y Desarro-llo Humano. Washington (CD): Organização Pan-Americana de Saúde.
Organização Pan-Americana da Saúde [OPAS] (2011). A atenção à saúde coordenada pela APS: construindo as redes de atenção no SUS / contribuições para o debate. (Série técnica para os gestores do Sistema Único de Saúde sobre redes integradas de atenção à saúde baseadas na Atenção Primária à Saúde, Nº 2). Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde.
Paim, J. S. (1997). Abordagens teórico-conceituais em estudos de condições de vida e saúde: notas para reflexão e ação. In R. B. Barata (Org). Condições de Vida e Situação de Saúde: saúde e movimento. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Saúde Coletiva.
Paim, J. S. (2006). Desafios para a saúde coletiva no Século XXI. Salvador: Editora Universidade Federal da Bahia.
Pampalon, R, Saucier, A., Berthiaume, N., Ferland, E., Couture, R., Caris, R., Fortin, L. Lacroix, D., & Kirouac, R. (1996). The selection of needs indicators for regional resource allocation in the fields of health and social services in Québec. Social Science & Medicine, 42(6), 909-922.
Porto, S. M., Vianna, S. M., Ugá, M. A., Vianna, C. M., Martins, M., Luc-Chesi, P. T. R., Szwarcwald, C. L., Travassos, C., & Viavaca, F. (2001). Metodologia de alocação de recursos Financeiros Federais do SUS. (Relatório final de Projeto Reforço à Reorganização do Sistema Único de Saúde/2001). Rio de Janeiro, RJ, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.
Porto, S. M. (2002). Justiça social, equidade e necessidade em saúde. In S. F. Piola, S. M. Vianna (Orgs). Economia da Saúde: conceitos e contribuição para a gestão da saúde. (pp.167-190). Brasília: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.
Porto, S. M., Viavaca. F., Landmann, C., Martins, M., Travassos, C., Vianna, S. M., Piola, S., Ugá, M. A., & Vianna, C. M. (2003). Alocação equitativa de recursos financeiros: uma alternativa para o caso brasileiro. Saúde em Debate, 27(65), 376-388.
Porto, S. M., Viavaca. F., Martins, M., Travassos, C., Albuquerque, C. (2005) Alocação Geográfica de recursos em saúde. (Relatório final de projeto). Rio de Janeiro, RJ, Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.
RAWS, J (1971). A Theory of Justice. New York: Oxford University Press.
Rede Interagencial de Informação para a Saúde [RIPSA] (2008). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. /. – 2. ed. – Brasília, DF, Rede Interagencial de Informação para a Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Recuperado em 20 junho, 2015, de http://www.ripsa.org.br/2014/10/30/indicadores-basicos-para-a-saude-no-brasil-conceitos-e-aplicacoes-livro-2a-edicao-2008-2/
Rice, N., & Smith, P. (1999). Approaches to capitation and risk adjustment in health care: an international survey. Toronto, Canadá: Centro de Economia da Saúde da Universidade de York.
Souza, D. O., Silva, S. E. V., & Silva, N. O. (2013). Determinantes Sociais da Saúde: reflexões a partir das raízes da “questão social”. Saúde e Sociedade, 22(1), 44-56.
Starfield, B. (2002). Acessibilidade e primeiro contato: a “porta”. In B. Starfield. (Org.) Atenção primária: equilíbrio entre necessidades em saúde, serviços e tecnologia. (pp. 207-245). Brasília: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura/Ministério da Saúde.
Triola, M. (2008). Introdução à Estatística. 10, Rio de Janeiro: LTC.
Ugá, M. A. D., Piola, S. F., Porto, S.M., & Vianna, S. M. (2003). Descentralização e alocação de recursos no âmbito do Sistema único de Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 8(2), 417-438.
Ugá, M. A. D., & Marques, R. M. (2005). O financiamento do SUS: trajetórias, contexto e constrangimentos. In N. T. Lima, S. Gerschman, F. C. Edler, J. M. Suárez. (Orgs.). Saúde e democracia: história e perspectivas do Sistema Único de Saúde. (pp. 193-234). Rio de Janeiro: Editora Fundação Oswaldo Cruz.
Whitehead, M. (1992). The concepts and principles of equity and health. International journal of health services, 22 (3), 429-445.
Whitehead, M. (2000). The concepts and principles of equity and health. Copenhage, Dinamarca: Organização Mundial de Saúde.
Publicado
2017-04-28
Como Citar
Ferreira Júnior, S., Fahel, M. C. X., Horta, C. J. G., & Diniz, J. S. (2017). Desigualdades nas Necessidades em Saúde entre os Municípios de Minas Gerais: uma Abordagem Empírica no Auxílio às Políticas Públicas. Administração Pública E Gestão Social, 1(2), 105-119. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4992
Seção
Artigos