Distâncias e Relações entre Sociedade Civil e Poder Público Local: Atuação de duas Associações de Moradores em Lavras, MG

  • Luís Fernando Silva Andrade Universidade Federal de Lavras
  • Maria de Lourdes Souza Oliveira Professora aposentada da Universidade Federal de Lavras
Palavras-chave: Associativismo de Bairro, Sociedade Civil, Repertórios.

Resumo

Este estudo teve por objetivo a compreensão da relação entre associações de moradores e o poder público local. Buscou-se a compreensão da atuação de duas associações em suas respectivas comunidades e como esta influencia sua organização e forma de se relacionar com outras associações, organizações da sociedade civil e o poder executivo local. Desse modo, os arcabouços teóricos foram a sociologia relacional e a Estrutura de Oportunidades Políticas. A pesquisa é descritiva e tem como instrumentos de coleta de dados entrevistas, análise documental e observação, valendo-se da análise temática para sua interpretação. Os resultados indicam uma pluralidade de interesses, bem como a utilização de estratégias que visam manter a continuidade das relações com o poder público local, mesmo que recorrendo a uma suposta neutralidade e excessivo apreço de ofícios, que denotam a manutenção das mesmas relações desde a fundação das associações. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Fernando Silva Andrade, Universidade Federal de Lavras
Doutorando em Administração pela Universidade Federal de Lavras
Maria de Lourdes Souza Oliveira, Professora aposentada da Universidade Federal de Lavras
Professora aposentada do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) do Departamento de Administração e Economia (DAE) da Universidade Federal de Lavras (UFLA).

Referências

Abers, R., Serafim, L., & Tatagiba, L. (2014). Repertórios de interação Estado sociedade em um estado heterogêneo: a experiência da era Lula. Dados, 57(2), 325-357.
Abers, R., & Bülow, M. V. (2011). Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, 13, 52-84.
Alencar, E., Murad, B. T. M., Lisboa, J. M. M., Cimino, P. C. M., Ribeiro, J. C. A. et al. (1996). Associações comunitárias e participação social: um estudo de caso no sul de Minas Gerais. Cadernos de Administração Rural, 8(1), 1-11.
Amâncio, J. M. (2013). Dinâmicas políticas microterritoriais: organizações comunitárias e acesso às políticas públicas na periferia de São Paulo (Tese de doutorado) Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Federal de Campinas, Campinas, SP, Brasil.
Avritzer, L. (2007). Sociedade civil, instituições participativas e representação: da autorização à legitimidade da ação. Dados, 50(3), 443-464.
Avritzer, L. (2012). Sociedade civil e Estado no Brasil: dda autonomia à interdependência política. Opinião Pública, 18(2), 383-398.
Baiocchi, G., Heller, P. & Silva, M. K. (2008). Making space for civil society: institutional reforms and local democracy in Brazil. Social Forces, 86, 911-935.
Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101.
Bardin, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.
CGU. Controladoria Geral Da União. (2014). Acesso à informação: governo federal. Recuperado de http://www.acessoainformacao.gov.br/.
Cortes, S. V., Silva, M. K. (2010). Sociedade civil, instituições e atores estatais: interdependência e condicionantes da atuação de atores sociais em fóruns participativos. Estudos de Sociologia, 15(29), 425-444.
Costa, S. (1994). Esfera pública, redescoberta da sociedade civil e movimentos sociais no Brasil: uma abordagem tentativa. Novos Estudos, 38, 38-52.
Dagnino, E. (2004). Construção democrática, neoliberalismo e participação: os dilemas da confluência perversa. Politica & Sociedade, 1(5), 137-161.
Dias, R. P. (2009). Bob Jessop e a abordagem relacional-estratégica. Cadernos Cemarx, 6, 133-152.
Duarte, A. L. (2008). "Em busca de um lugar no mundo": movimentos sociais e política na cidade de São Paulo nas décadas de 1940 e 50. Estudos Históricos, 21(42), 195-219.
Elias, N. (2001). A sociedade da corte: investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia de corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.
Fontes, P. (2013). Trabalhadores e associativismo urbano no governo Jânio Quadros em São Paulo (1953-1954). Revista Brasileira de História, 33(66), 71-94.
Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. (5a. ed.). São Paulo: Atlas.
Gohn, M. da G. (2010). Morumbi: o contraditório bairro-região de São Paulo. Caderno CRH, 23(59), 267-281
Gurza-Lavalle, A. (1999). Crítica ao modelo da nova sociedade civil. Lua Nova, São Paulo, 47, 121-135.
Gurza-Lavalle, A., Castello, G., & Bichir, R. M. (2007). Protagonistas na sociedade civil: redes e centralidades de organizações civis em São Paulo. Dados, 50(3), 465-498.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2004). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil 2002, 2004. Recuperado de
http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv5428.pdf.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2008). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil 2005. Recuperado de
http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/fasfil/2005/fasfil.pdf.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2012). As fundações privadas e associações sem fins lucrativos no Brasil 2010. Recuperado de
ftp://ftp.ibge.gov.br/Fundacoes_Privadas_e_Associacoes/2010/fasfil.pdf.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2015). IBGE cidades: Lavras. Recuperado de http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?lang=&codmun=313820&search=||infogr%E1ficos:-dados-gerais-do-munic%EDpio.
Jessop, B. (1982). The capitalist State: Marxist theories and methods. Oxford: M. Robertson.
Jessop, B. (1985). Nicos Poulantzas: Marxist theory and political strategy. Oxford: MacMillan.
Maia, R. C. M. (2010). O papel democrático da sociedade civil em questão. Lua Nova, 81, 147-174.
Marques, E. (2007). Os mecanismos relacionais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 22(64), 157-161.
Montaño, C. (2003). Terceiro setor e questão social: crítica ao padrão emergente de intervenção social. 2.ed. São Paulo: Cortez.
Moura, J. T. V., Silva, M. K. (2008). Atores sociais em espaços de ampliação da democracia: as redes sociais em perspectiva. Revista de Sociologia e Política, 16, 43-55.
Ramos, L. C. S. (2005). A sociedade civil em tempos de globalização: uma perspectiva neogramsciana (Dissertação de mestrado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, RJ.
Putnam, R. D. (1995). Bowling alone: America’s declining social capital. Journal of Democracy, 6(1), 65-77.
Tarrow, S. (1997). El poder em movimento: los movimentos sociales, la acción colectiva y la política. Madrid: Alianza.
Tilly, C. (2006). Regimes and repertoires. Chicago: University of Chicago.
Warren, M. (2001). Democracy and Association. Princeton: Princeton University.
Publicado
2019-04-01
Como Citar
Andrade, L. F. S., & Oliveira, M. de L. S. (2019). Distâncias e Relações entre Sociedade Civil e Poder Público Local: Atuação de duas Associações de Moradores em Lavras, MG. Administração Pública E Gestão Social, 11(2), 161-177. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5373
Seção
Artigos