Aplicação de um modelo para a análise de stakeholders: o caso da Secretaria de Turismo do Paraná

  • Saulo Fabiano Amâncio-Vieira Universidade Estadual de Londrina
  • Benny Kramer Costa Universidade Nove de Julho e Universidade de São Paulo
  • Renato Fabiano Cintra Universidade Nove de Julho
  • Ricardo Lebbos Favoreto Universidade Estadual do Paraná
Palavras-chave: Turismo, Stakeholder Analysis, Organizações Públicas, Modelo Conceitual, Secretaria de Turismo

Resumo

Pela Teoria dos Stakeholders, a organização deve satisfazer não apenas acionistas, mas aqueles a ela vinculados também. Essa ampliação de enfoque induz ao desenvolvimento de trabalhos em setores até então pouco explorados. Objetiva-se, neste artigo, propor um framework para análise dos stakeholders na relação mantida com organizações públicas. A proposta embasa-se no caso da Secretaria de Turismo do Paraná. Modelos conceituais construídos anteriormente são revisados. A pesquisa foi realizada por meio de procedimentos qualitativos. O modelo apresenta uma perspectiva processual, que contempla as etapas: descrição do contexto institucional; identificação dos stakeholders; levantamento das suas características; verificação dos recursos disponíveis; análise da participação dos stakeholders; análise da perspectiva dos stakeholders; elaboração de plano de ação. Em relação aos modelos existentes, a proposta inova ao abranger o contexto institucional e mecanismos legais de legitimação da participação dos stakeholders e, diferentemente do usual, capta tanto a perspectiva da organização quanto a dos stakeholders.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saulo Fabiano Amâncio-Vieira, Universidade Estadual de Londrina
Doutor em Administração pela Universidade Nove de Julho. Professor do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Estadual de Londrina.
Benny Kramer Costa, Universidade Nove de Julho e Universidade de São Paulo
Doutor e Pós-doutor em Administração pela Universidade de São Paulo. Professor do Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade Nove de Julho e Professor Livre-Docente do Departamento de Relações Públicas, Propaganda e Turismo da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo.
Renato Fabiano Cintra, Universidade Nove de Julho
Doutorando em Administração pela Universidade Nove de Julho
Ricardo Lebbos Favoreto, Universidade Estadual do Paraná
Doutor em Administração pela Universidade Nove de Julho. Professor da Universidade Estadual do Paraná.

Referências

Alves, T., & Wada, E. (2014). Os domínios da hospitalidade e a gestão de stakeholders em recrutamento e seleção estudo de casos múltiplos: Estanplaza, Travel Inn e Transamérica. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 13(2), 99-116.
Araújo, L. (2008). Análise de stakeholders para o turismo sustentável. Caderno Virtual de Turismo, 8(1), 91-99.
Azevedo, R., & Rodrigues, C. (2015). Políticas públicas e turismo rural: um estudo acerca das possibilidades e limitações no município de Apodi (RN). Caderno Virtual de Turismo, 15(2), 131-145.
Beierle, T. (2002). The quality of stakeholder-based decisions. Risk Analysis, 22(4), 739-749.
Billgren, C., & Holmen, H. (2008). Approaching reality: comparing stakeholder analysis and cultural theory in the context of natural resource management. Land Use Policy, 25(4), 550-562.
Brito, M., Breda, Z., & Costa, C. (2015). Planejamento do turismo e stakeholders: abordagens, concepções e metodologias. Revista Iberoamericana de Turismo, 5(2), 140-154.
Bryson, J. (1995). Strategic planning for public and non-profit organization. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.
Chase, L., Siemer, W., & Decker, D. (2002). Designing stakeholder involvement strategies to resolve wildlife management controversies. Wildlife Society Bulletin, 30(3), 937-950.
Chung, W., Chen, H., & Reid, E. (2009). Business stakeholder analyzer: an experiment of classifying stakeholders on the web. Journal of the American Society for Information Science and Technology, 60(1), 59-74.
Cintra, R., Amâncio-Vieira, S., Costa, B. (2016). Stakeholder theory e institucionalismo sociológico: complementações para análise do turismo local. Revista Iberoamericana de Turismo, 6(1), 165-186.
Cintra, R., Amâncio-Vieira, S., Gonçalves, L., Costa, B. (2015). Turismo local de Londrina-PR: análise a partir da teoria do stakeholder. Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 13(2), 149-175.
Cintra, R., Ribeiro, I, & Costa, B. (2015, outubro) Stakeholder theory e turismo: uma análise metodológica das publicações científicas no cenário brasileiro, 2000-2012. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Natal, RN, Brasil, 12.
Co, H., & Barro, F. (2009). Stakeholder theory and dynamics in supply chain collaboration. International Journal of Operations & Production Management, 29(6), 591-611.
Coradini, C. (2011). Atuação e interação de stakeholders no planejamento turístico: um estudo de casos comparativos (Dissertação de mestrado). Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.
Coradini, C., Costa, B., & Vieira, S. (2012, agosto). Atuação e interação de stakeholders no planejamento turístico: o caso do município de Santo André/SP. Anais do Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, São Paulo, SP, Brasil, 9.
Costa, A., & Azevedo, A. (2015). Destination branding: o papel dos stakeholders na gestão da marca de destino – o caso da região do Douro (Portugal). Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, 11(1), 182-205.
Costa, B., Vieira, S., & Carmona, V. (2011, outubro). Stakeholders theory: um estudo bibliométrico da produção científica mundial no turismo. In Seminário da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, Balneário Camboriú, SC, Brasil, 8.
Costa, B., Vieira, S., Boaventura, J., Coradini, C., & Añez, M. (2009). A Influência dos stakeholders na estratégia de órgãos públicos: o caso da Diretoria de Turismo de Guarulhos/SP. Anais do Encontro de Estudos em Estratégia, Recife, PE, Brasil, 4.
De Lopez, T. (2001). Deforestation in Cambodia: a stakeholder management approach. International Journal of Sustainable Development and World Ecology, 8(4), 380-394.
Delgado, A. (2011). Mapeamento de stakeholders nas áreas conexas de turismo e meio ambiente: um estudo em João Pessoa/PB (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, RN, Brasil.
DiMaggio, P., & Powell, W. (1983). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review, 48(2), 147-160.
Donaldson, T., & Preston, L. (1995). The Stakeholder Theory of the corporation: concepts, evidences, and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91.
Ferrary, M. (2009). A stakeholder's perspective on human resource management. Journal of Business Ethics, 87(1), 31-43.
Freeman, R. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Massachusetts: Sage.
Friedman, A., & Miles, S. (2002). Developing stakeholder theory. Journal of Management Studies, 39(1), 1-21.
Friedman, M., & Mason, D. (2004). A stakeholder approach to understanding economic development decision making: public subsidies for professional sport facilities. Economic Development Quarterly, 18(3), 236-254.
Gaskell, G. (2002). Entrevistas individuais e grupais. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com textos, imagem e som (pp. 64-89). Petrópolis: Vozes.
Gerring, J. (2007). Case Study Research. New York: Cambridge University Press.
Guizi, A., Wada, E., & Gândara, J. (2016). Stakeholders, eventos corporativos e hospitalidade: estudos de casos múltiplos em Bourbon Hotéis e Resorts. Revista Iberoamericana de Turismo, 6(1), 53-72.
Harrison, J., Freeman, R., & Abreu, M. (2015) Stakeholder theory as an ethical approach to effective management: applying the theory to multiple contexts. Review of Business Management, 17(55), 858-869.
Hsieh, M. (2009). Human centric knowledge seeking strategies: a stakeholder perspective. Journal of Knowledge Management, 13(4), 115-133.
Jepsen, A., & Eskerod, P. (2009). Stakeholder analysis in projects: challenges in using current guidelines in the real world. International Journal of Project Management, 27(4), 335-343.
Joyce, P. (1999). Strategic management for the public services. Philadelphia: University Press.
Junqueira, R., & Wada, E. (2011). Stakeholders: estratégia organizacional e relacionamento: estudo de casos múltiplos do setor hoteleiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 10(3), 94-125.
Koga, E., & Wada, E. (2013). Análise dos stakeholders e gestão dos meios de hospedagem: estudo de casos múltiplos na Vila do Abraão, Ilha Grande, RJ. Turismo em Análise, 24(1), 90-118.
Lamberg, J., Pajunen, K., & Parvinen, P. (2008). Stakeholder management and path dependence in organizational transitions. Management Decision, 46(5-6), 846-863.
Manenti, D. Z. (2008). Identificação dos principais stakeholders e análise dos relacionamentos existentes no contexto do roteiro turístico da localidade de Ana Rech em Caxias do Sul-RS (Dissertação de mestrado). Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, RS, Brasil.
Melo, P., & Régis, H. (2013). Classificação dos laços entre gestores e stakeholders na rede dos pontos de cultura no grande Recife. Organizações & Sociedade, 20(64), 75-96.
Meyer, J., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83(2), 340-363.
Miles, M., & Huberman, A. (1994). Qualitative data analysis: an expanded sourcebook (Cap. 2, pp. 16-39). Thousand Oaks: Sage.
Miles, S. (2015). Stakeholder theory classification: a theoretical and empirical evaluation of definitions. Journal Business Ethics, [Article in Press]: 1-23 [on-line].
Minayo, M. (1996). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.
Mintzberg, H. (1983). Power in and around organizations. New Jersey: Prentice Hall, Inc.
Mitchell, R., Agle, B., & Wood, D. (1997). Toward a theory of stakeholder identification and salience: defining the principle of who and what really counts. Academy of Management Review, 22(4), 853-886.
Mitroff, I. (1983). Stakeholders of the organizational mind: toward a new view of organizations policy making. San Francisco: Jossey-Bass Publishers.
Nascimento, V., Simonian, L., & Farias Filho, M. (2016). Política pública de turismo do Amazonas a partir do Modelo de Fluxos Múltiplos. Caderno Virtual de Turismo, 16(1), 141-157.
Perera, A., & Jiménez, M. (2011). La gestión de las relaciones com los grupos de interés: un análisis exploratorio de casos en el sector hotelero español. Estudios y Perspectivas en Turismo, 20(4), 753-771.
Pfeffer, J., & Salancik, G. (1978). The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper and How.
Pomeroy, R., & Douvere, F. (2008). The engagement of stakeholders in the marine spatial planning process. Marine Policy, 32(5), 816-822.
Prell, C., Hubacek, K., & Reed, M. (2009). Stakeholder analysis and social network analysis in natural resource management. Society & Natural Resources, 22(6), 501-518.
Reed, M. (2008). Stakeholder participation for environmental management: a literature review. Biological Conservation, 141(10), 2417-2431.
Reed, M., Graves, A., Dandy, N., Posthumus, H., Hubacek, K., Morris, J., Prell, C., Quinn, C., & Stringer, L. (2009). Who's in and why? A typology of stakeholder analysis methods for natural resource management. Journal of Environmental Management, 90(5), 1933-1949.
Sabino, B., Procopiak, J., Hoffmann, R., & Hoffmann, V. (2005). A importância dos stakeholders na tomada de decisão das pousadas de Bombinhas. Turismo: Visão e Ação, 7(2), 341-354.
Santos, G., Leal, S., Panosso Netto, A. (2015). O Brasil na literatura internacional de turismo: análise das publicações em idioma inglês. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 9(3), 459-478.
Schwarzkopf, D. (2006). Stakeholder perspectives and business risk perception. Journal of Business Ethics, 64(4), 327-342.
Scott, W. (1987). The adolescence of Institutional Theory. Administrative Science Quarterly, 32(4), 493-511.
Soares, T. (2005). As relações públicas em organizações do setor turístico: uma visão de gestores da cidade de Londrina-PR (Dissertação de mestrado). Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú, SC, Brasil.
Tolbert, P., & Zucker, L. (1998). A institucionalização da teoria institucional. In S. R. Clegg, C. Hardy & W. R. Nord (Orgs.). Handbook de Estudos Organizacionais (Vol. 1, pp. 196-226). São Paulo: Atlas.
Vandekerckhove, W., & Dentchev, N. (2005). A network perspective on stakeholder management: facilitating entrepreneurs in the discovery of opportunities. Journal of Business Ethics, 60(3), 221-232.
Varvasovszky, Z. & Brugha, R. (2000). Stakeholder analysis: a review. Health Policy and Planning, 15(3), 239-246.
Vieira, S. (2010). Dinâmica de atuação dos stakeholders em atividades estratégicas: a experiência da SETU (Tese de doutorado). Universidade Nove de Julho, São Paulo, SP, Brasil.
Vieira, S., Costa, B., & Boaventura, J. (2011). Análise de stakeholders aplicada em órgãos públicos: o caso da Secretaria de Estado do Turismo do Paraná. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 81-110.
Vieira, S., Costa, B., & Cintra, R. (2012). Stakeholders analysis: um novo campo de pesquisa no turismo. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 6(2), 21-33.
Viera, E., & Hoffmann, V. (2009, setembro). Avaliação de competitividade e gerenciamento de destinos: uma aplicação no sul do Brasil. Anais do Seminário da Associação Nacional Pesquisa e Pós-Graduação em Turismo, São Paulo, SP, Brasil, 6.
Virginio, D. & Ferreira, L. (2013). Gestão pública do turismo: uma análise da política de regionalização no período 2004-2011 no Rio Grande do Norte, Brasil. Caderno Virtual de Turismo, 13(2), 162-182.
Webb, T., & Raffaelli, D. (2008). Conversations in conservation: revealing and dealing with language differences in environmental conflicts. Journal of Applied Ecology, 45(4), 1198-1204.
Wong, B. (2005). Understanding stakeholder values as a means of dealing with stakeholder conflicts. Software Quality Journal, 13(4), 429-445.
Yang, J., Shen, G., & Ho, M. (2009). Exploring critical success factors for stakeholder management in construction projects. Journal of Civil Engineering and Management, 15(4), 337-348.
Yau, O., Chow, R., & Sin, L. (2007). Developing a scale for stakeholder orientation. European Journal of Marketing, 41(11-12), 1306-1327.
Yin, R. (2001). Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.
Zago, A., & Wada, E. (2013). Dinâmica de stakeholders e cocriação de valor em museus: um olhar inicial. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(2), 274-298.
Publicado
2019-04-01
Como Citar
Amâncio-Vieira, S. F., Kramer Costa, B., Cintra, R. F., & Lebbos Favoreto, R. (2019). Aplicação de um modelo para a análise de stakeholders: o caso da Secretaria de Turismo do Paraná. Administração Pública E Gestão Social, 11(2), 195-214. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5427
Seção
Artigos