Diversificação e Elasticidade das Fontes de Recursos dos Estados Brasileiros e suas Relações com os Déficits de Arrecadação

  • Alann Inaldo Silva de Sá Bartoluzzio Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Sabrina Vasconcelos Mota Rodrigues Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
  • Luiz Carlos Marques dos Anjos Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Resumo

Os déficits recorrentes e a dependência de recursos oriundos de transferências intergovernamentais são desafios que demandam uma discussão sobre o atual modelo de planejamento da receita pública, assim como alternativas que possibilitem previsões mais equilibradas. Nesse sentido, a pesquisa buscou verificar os papéis e a influência da diversificação e da elasticidade da receita corrente na ocorrência e magnitude dos déficits de arrecadação. Para tanto, foram utilizados dados da previsão e arrecadação das receitas orçamentárias dos estados brasileiros entre 2008 e 2016, analisados por meio de modelos Logit e Tobit com Dados em Painel. Os resultados evidenciam baixa diversificação da receita própria, indicando a dependência de fontes específicas de recursos. Esse resultado é reforçado com a análise da elasticidade das receitas, que não acompanham o crescimento da renda pessoal do estado, reforçando a sujeição por recursos oriundos das transferências intergovernamentais na manutenção das suas atividades e atendimento das demandas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alann Inaldo Silva de Sá Bartoluzzio, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Mestre em Ciências Contábeis no Programa de Pós-Graduação em Ciência Contábeis da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Sabrina Vasconcelos Mota Rodrigues, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Mestre em Ciências Contábeis no Programa de Pós-Graduação em Ciência Contábeis da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).
Luiz Carlos Marques dos Anjos, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Doutor em Contabilidade pelo Programa Multiinsitucional e Inter-Regional de Ciências Contábeis (UNB / UFPB / UFRN) e Docente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federa de Pernambuco (UFPE)

Referências

Afonso, W. B. (2017). Revenue portfolio and expenditures: an examination of the volatility of tax revenue and expenditure patterns during the great recession. International Journal of Public Administration, 1-10.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em:. Acesso em: 01 out. 2017.

Lei Complementar n. 101, de 04 de maio de 2000. Estabelece normas de finanças públicas voltadas para a responsabilidade na gestão fiscal e dá outras providências.
Disponível em: . Acesso em: 01 out. 2017.

Cameron, A. C., & Trivedi, P. K. (2005). Microeconometrics: methods and applications. Cambridge Universty Press, Cambridge, New York, USA.

Carroll, D. A. (2005). Are state governments prepared for fiscal crises? A look at revenue diversification during the 1990s. Public Finance Review, 33(5), 603-633.

Carroll, D. A. (2009). Diversifying municipal government revenue structures: fiscal illusion or instability? Public Budgeting & Finance, 29(1), 27-48.

Lima, S. C. & Diniz, J. A. (2016). Contabilidade pública - análise financeira governamental. São Paulo: Atlas.

Felix, R. A. (2008). The growth and volatility of state tax revenue sources in the Tenth District. Economic Review-Federal Reserve Bank of Kansas City, 93(3), 63.

Groves, H. M., & Kahn, C. H. (1952). The stability of state and local tax yields. The American Economic Review, 42(1), 87-102.

Groves, S. M., & Valente, G (2003). Evaluating financial condition: a handbook for local government (4a ed). Revisado por Karls Nollenberger. Washington: The International City/Country Management Association.

Hendrick, R. (2002). Revenue diversification: fiscal illusion or flexible financial management. Public Budgeting & Finance, 22(4), 52-72.

Hevesi, A. (2003). Local government management guide. inter-municipal cooperation. State of New York, Office of the State Comptroller, Division of Local Government Services & Economic Development.

Jordan, M. M., & Wagner, G. A. (2008). Revenue diversification in Arkansas cities: the budgetary and tax effort impacts. Public Budgeting & Finance, 28(3), 68-82.

Jordan, M. M., Yan, W., & Hooshmand, S. (2017). The role of State revenue structure in the occurrence and magnitude of negative revenue variance. The American Review of Public Administration, 47(4), 469-478.

Kilby, N. (2014). Does tax revenue diversification help states weather economic downturns? evidence from the great recession. MPA/MPP Capstone Projects. 12.

Shannon, J. (1987). State revenue diversification - the search for balance. In Frederick D. Stocker (Ed), The quest for balance in state-local revenue structures. Lincoln Institute of Land Policy, Tax Polici Roundtable, Property Tax Papers Series TPR-16.

Sobel, R. S., & Holcombe, R. G. (1996). Measuring the growth and variability of tax bases over the business cycle. National Tax Journal, 535-552.

Suyderhoud, J. P. (1994). State-local revenue diversification, balance, and fiscal performance. Public Finance Quarterly, 22(2), 168-194.

Yan, W. (2011). The interactive effect of revenue diversification and economic base on US local government revenue stability. Public Money & Management, 31(6), 419-426.

Yan, W. (2012). The impact of revenue diversification and economic base on state revenue stability. Journal of Public Budgeting, Accounting & Financial Management, 24(1), 58.
Publicado
2020-06-10
Como Citar
Bartoluzzio, A. I. S. de S., Rodrigues, S. V. M., & dos Anjos, L. C. M. (2020). Diversificação e Elasticidade das Fontes de Recursos dos Estados Brasileiros e suas Relações com os Déficits de Arrecadação. Administração Pública E Gestão Social, 12(3). https://doi.org/10.21118/apgs.v12i3.6035
Seção
Artigos