Hospitais de alta complexidade do estado de São Paulo: uma análise comparativa dos níveis de eficiência obtidos pelos modelos de gestão de Administração Direta e de Organização Social

  • Diego Pugliese Tonelotto Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
  • Jaime Crozatti Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo https://orcid.org/0000-0002-3789-8761
  • Vinicius Macedo de Moraes Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
  • Patricia Righetto Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar comparativamente o nível de eficiência auferido por dois grupos de hospitais de alta complexidade do estado São Paulo, um gerido por Organizações Sociais e outro pela Administração Direta, a título de verificar qual dos grupos faz melhor uso dos recursos públicos. A metodologia utilizada foi pesquisa descritiva com avaliação quantitativa dividida em duas partes, na primeira mensurou-se o porte, o financiamento, os insumos e procedimentos utilizados por estes hospitais, cujos dados foram extraídos do orçamento estadual, do DATASUS e da Fundação SEADE, para comparação entre os componentes da amostra; na segunda houve a aplicação de Análise Envoltória de Dados para a análise de eficiência. Os resultados evidenciaram melhores índices de eficiência para os hospitais geridos por Organizações Sociais além de, comparativamente, terem apresentado maior porte e repasse recebido pelo estado e maior quantidade de atendimentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Pugliese Tonelotto, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo e em Dirección y Gestión Pública pela Universidad de Vigo (Espanha) por convênio de dupla-titulação. Mestre em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.
Jaime Crozatti, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade Estadual de Maringá, mestre e doutor em Controladoria e Contabilidade pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Atualmente é professor doutor da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo nos cursos de graduação e mestrado acadêmico de Gestão de Políticas Públicas.
Vinicius Macedo de Moraes, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
Bacharel em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo. Mestre em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo.
Patricia Righetto, Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo
Bacharel em Ciências Contábeis pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA/USP). Atualmente, mestranda em Gestão de Políticas Públicas pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH/USP) e membro do Centro de Estudos em Contabilidade e Governo (ContGov) que está vinculado ao departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP.

Referências

Alcoforado, F. C. G. (2005). Contratualização e eficiência no setor público: as organizações sociais. Anais do Congresso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de la Administración Pública, Santiago, Chile, 10.

Almeida, R. (2017). Estudo de Caso: foco temático e diversidade metodológica. In. Abdal, A.; Oliveira, M. C. V.; Ghezzi, D. R. & Santos Junior, J. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em Ciências Sociais: bloco qualitativo. Editora - Cebrap e CPF/Sesc-SP, São Paulo.

Andrade, M. M. de. (2002). Como preparar trabalhos para cursos de pós-graduação: noções práticas. 5a. ed. São Paulo: Atlas.

Baggenstoss, S. & Donadone, J. C. (2014). A saúde pública intermediada por Organizações Sociais: arranjos e configurações nas últimas duas décadas no Brasil. Revista de Estudios Latinoamericanos, 59, 69-98.

Barbosa, N. B.; Elias, P. E. M. (2010). As Organizações Sociais de Saúde como forma de gestão público/privado. Ciência & Saúde Coletiva, 15 (5), 2483-2495.

Carneiro Junior, N. & Elias, P. E. (2006). Controle público e equidade no acesso a hospitais sob gestão público não estatal. Revista de Saúde Pública, 40 (5), 914-920.

Carneio Junior, N.; Nascimento, V. B. & Costa, I. M. C. (2011). Relação entre público e privado na atenção primária à saúde: considerações preliminares. Saúde e Sociedade, 20 (4), 971–979.

Charnes, A.; Cooper, W. W. & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational, 2 (6), 429-444.

Coelho, V. S. R. P. (2017). Abordagens qualitativas e quantitativas na avaliação de políticas públicas. In. Abdal, A.; Oliveira, M. C. V.; Ghezzi, D. R. & Santos Junior, J. (Orgs.). Métodos e técnicas de pesquisa em Ciências Sociais: bloco quantitativo. Editora - Cebrap e CPF/Sesc-SP, São Paulo.

Cohen, E. & Franco, R. (2004). Avaliação de projetos sociais. 6a. ed. Petrópolis: Vozes.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. (1988). Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Costa e Silva, V.; Barbosa, P. R. & Hortale, V. A. (2016). Parcerias na saúde: as Organizações Sociais como limites e possibilidades na gerência da Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, 21 (5), 1365-1376.

Costa, F. L. & Castanhar, J. C. (2003). Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, 37 (5), set./out., 969-992

Farrell, M. J. (1957). The measurement of productive efficiency. Journal of Royal Statistical, 120 (3), 253-281.

Feuerwerker, L. C. M. (2014). Modelos tecnoassistenciais, gestão e organização do trabalho em saúde: nada é indiferente no processo de luta para a consolidação do SUS. In: Feuerwerker, L. C. M. Micropolítica e saúde: produção do cuidado, gestão e formação. Porto Alegre: Editora Rede Unida.

Ferreira Junior, W. C. (2003). Gerenciamento de hospitais estaduais paulistas por meio das Organizações Sociais de saúde. Revista de Administração Pública, 37 (2), 243–264.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5a. ed. São Paulo: Atlas.

Ibañez, N.; Bittar, O. J. N. V.; Sá, E. N. C.; Yamamoto, E. K.; Almeida, M. F. & Castro, C. G. J. (2001). Organizações Sociais de Saúde: o modelo do estado de São Paulo. Ciência & Saúde Coletiva, 6 (2), 391–404.

Lei n. 8.080, de 19 de setembro de 1990. (1990). Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF.

Majone, G. (1999). Do Estado positivo ao Estado regulador: causas e consequências de mudanças no modo de governança. Revista do Serviço Público, 50 (16), 5–36.

Maximiano, A. C. A. (2008). Introdução à Administração. São Paulo: Atlas.

Mendes, E. V. (2011). As redes de atenção à saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Mendes, Á. N. (2017). A saúde no capitalismo financeirizado em crise: o financiamento do SUS em disputa. Futuros do Brasil: Textos para debate. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 7, jul., 1-7.

Ministério da Administração e Reforma do Estado (MARE). (1995). Plano Diretor de Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Secretaria da Reforma do Estado.

Moraes, A. de. (1999). Reforma administrativa – Emenda constitucional n.19/98. 2a. ed. São Paulo: Atlas.

Musgrave, R. A. (1973). Teoria das finanças públicas: um estudo da economia governamental. São Paulo: Atlas.

Oliveira, H. C. S. (2016). Desempenho do contrato de gestão e a situação econômico-financeira dos hospitais gerais administrados Organizações Sociais de Saúde: uma análise no estado de São Paulo. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Pacheco, H. F.; Gurgel Júnior, G. D.; Santos, F. de A. da S.; Ferreira, S. C. da C. & Leal, E. M. M. (2016). Organizações sociais como modelo de gestão da assistência à saúde em Pernambuco, Brasil: percepção de gestores. Revista Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 20 (58), 585-595.

Prasetyo, A. D. & Zuhdi, U. (2013). The government expenditure efficiency towards the human development. Procedia Economics and Finance, 5 (1), 615-622.

Ramos, M. C. A.; Cruz, L. P.; Kishima, V. C.; Pollara, W. M.; Lira, A. C. O. & Couttolenc, B. F. (2015). Avaliação de desempenho de hospitais que prestam atendimento pelo sistema público de saúde, Brasil. Revista Saúde Pública, 49 (43), 1-10.

Raupp, F. M. & Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In. Beuren, I. M. (Ed.) Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3a. ed. São Paulo: Atlas.

Rezende, F. A. (2001). Finanças públicas. 2a. ed. São Paulo: Atlas.

Rede Interagencial de Informação para a Saúde (RIPSA). (2008). Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceitos e aplicações. 2a. ed. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Rocha, F. & Giuberti, A. C. (2007). Composição do gasto público e crescimento econômico: uma avaliação macroeconômica da qualidade dos gastos dos estados brasileiros. Economia Aplicada, 11 (4), out./dez., 463–485.

Rodrigues, R. C.; Bittar, O. J. N. V.; Magalhães, A. & Mendes, J. D. V. (2014). Rede hospitalar estadual: resultados da Administração Direta e das Organizações Sociais. Revista Administração em Saúde, 16 (654), 111–122.

Sano, H. & Abrucio, F. L. (2008). Promessas e resultados da nova gestão pública no brasil: o caso das Organizações Sociais de Saúde em São Paulo. Revista de Administração de Empresas, 48 (3), 64–80.

Simões, F. H. dos S.; Paim, C. da R. P. & Zucchi, P. (2013). Análise dos critérios de avaliação de desempenho dos hospitais gerenciados pelas Organizações Sociais de Saúde, em relação aos hospitais tradicionais no estado de São Paulo. Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, 15 (2), 16-21.

Siqueira, L. R.; Souza, W. G.; Farias, R. A. S. & Bermejo, P. H. S. (2017). Análise de variáveis para mensuração da eficiência do gasto público. Anais do Seminários em Administração (SemeAd), São Paulo, SP, Brasil, 20.

Torres, M. D. de F. (2004). Estado, democracia e administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Turino, F. (2014). Hospitais públicos sob gestão de Organizações Sociais de Saúde na Grande Vitória: um estudo comparativo. (Dissertação de mestrado). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Publicado
2019-10-01
Como Citar
Tonelotto, D. P., Crozatti, J., Moraes, V. M. de, & Righetto, P. (2019). Hospitais de alta complexidade do estado de São Paulo: uma análise comparativa dos níveis de eficiência obtidos pelos modelos de gestão de Administração Direta e de Organização Social. Administração Pública E Gestão Social, 4(11), 1-22. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/7175
Seção
Dimensões Intraorganizacionais e Funções Gerenciais no Setor Público