A transição de paradigma na ciência e na educação: uma possível contribuição de Thomas Kuhn para a formação inicial de professores

  • Ailson Pinhão de Oliveira Universidade do Estado da Bahia
Palavras-chave: Paradigma. Formação inicial de professores. Conhecimentos eurocentrados. Descolonização dos currículos

Resumo

Os cientistas e os educadores trabalham com base num referencial, o paradigma, para lidar com os problemas que enfrentam em suas atividades profissionais. Com esse entendimento, objetivamos com esse artigo empregar uma reflexão sobre a transição de paradigma na ciência e na educação com o intuito de oferecer uma possível contribuição para a formação inicial de professores, nos valendo de conceitos utilizados por Thomas Kuhn para descrever o desenvolvimento da ciência como: paradigma, ciência normal, anomalia, crise, revolução científica e incomensurabilidade. Evidenciamos o esgotamento do paradigma da racionalidade técnica devido à supervalorização dos conhecimentos eurocentrados, de base ocidental, em detrimento dos saberes práticos e das culturas populares silenciadas; a insuficiência da racionalidade prática no que se refere a garantir a integração entre teoria e prática na ação formativa dos discentes; e apontamos com base em resultados de estudos realizados por pesquisadores latino-americanos a emergência de novas epistemes historicamente ignoradas como alternativa à descolonização dos currículos nos cursos de formação de professores. Por todas essas demandas, a formação de professores se encontra numa fase de transição de paradigmas onde diferentes racionalidades resistem no processo de construção do conhecimento e na organização do ensino e nas práticas educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ailson Pinhão de Oliveira, Universidade do Estado da Bahia
Profesor do Campus XV da Universidade do Estado da Bahia, Doutorando em Educação (UFMG).

Referências

ALMEIDA, Célia Maria de Castro. A problemática da formação de professores e o Mestrado em Educação da UNIUBE. Revista Profissão Docente, Uberaba, v. 1, n. 1, p. 14-23, jan/abr. 2001.

ALVES, Wanderson Ferreira. A formação de professores e as teorias do saber docente: contextos, dúvidas e desafios. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 263-280, maio/ago. 2007.

BRASIL. Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 jan. 2003.
CANDAU, Vera Maria Ferrão; RUSSO, Kelly. Interculturalidade e educação na América Latina: uma construção plural, original e complexa. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 10, n. 29, p. 151-169, jan./abr. 2010.

DIAS, Rosanne Evangelista; LOPES, Alice Casimiro. Sentido da prática nas políticas de currículo para a formação de professores. Currículo sem Fronteiras, v. 9, n. 2, p.79-99, jul./dez. 2009.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Da racionalidade técnica à racionalidade prática: formação docente e transformação social. Perspectivas em Diálogo: Revista de Educação e Sociedade, Naviraí, v. 1, n. 1, p. 34-42, jan./jun. 2014.

DUARTE, Newton. Conhecimento tácito e conhecimento escolar na formação do professor (por que Donald Schön não entendeu Luria). Educação e Sociedade, v. 24, n. 83, p. 601-625, ago. 2003.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, set. 2005.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 12.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.
GIMENES, C. I; OLIVEIRA, Odisséa Boaventura de. A fundamentação epistemológica e a formação inicial docente: reflexões sobre a pesquisa em ensino de ciências. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas, 2011.

GONÇALVES, Luciane Ribeiro Dias. Políticas curriculares e descolonização dos currículos: a lei 10.639/03 e os desafios para a formação de professores. Entrevista: Kabenguele Munanga. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 2, n. 1, jan./jul. 2013.

HAGEMEYER, Regina Cely de Campos. Formação docente e mudança: o que revelam os processos mediadores docentes como referência ao ensino e formação humana na escola atual? In: HAGEMEYER, Regina Cely de Campos (Org.). Formação docente e contemporaneidade: referenciais e interfaces da pesquisa na relação universidade-escola. Curitiba, PR: UFPR, p. 103-129, 2000.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira. 9.ed. São Paulo: perspectiva, 2006.

LUCKESI, Cipriano Carlos. Filosofia da Educação. São Paulo: Cortez, 1993.

MARTINS, Lúcia Oliver; ROMANOWSKI, Joana Paulin. A didática na formação pedagógica de professores nas novas propostas para os cursos de licenciatura. In: DALBEN, Ângela Imaculada Loureiro de Freitas [et al.] (Org.). Convergências e tensões no campo da formação e do trabalho docente. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2010.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Traduzido por: Ângela Lopes Norte. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê: Literatura, língua e identidade, n. 34, p. 287-324, 2008.

MIRANDA, Claudia. Currículos decoloniais e outras cartografias para a educação das relações étnico-raciais: desafios político-pedagógicos frente à Lei nº 10.639/2003. Revista da ABPN, v. 5, n. 11, p. 100-118, jul./out. 2013.

MIZUKAMI, Maria da Graça Nicoletti. Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-Curriculum, São Paulo, v. 1, n. 1, dez./jul. 2005-2006.

MOREIRA, Antônio Flavio Barbosa; CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultura(s):
construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, n. 23, maio/jun./jul./ago. 2003.

PANSINI, Flávia; NENEVÉ, Miguel. Educação multicultural e formação docente. Currículo sem Fronteiras, v. 8, n. 1, p.31-48, jan./jun. 2008.

PÉREZ-GÓMEZ, A. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, Antônio (Org.). Os professores e sua formação. Publicações Dom Quixote. Lisboa, p. 93-114, 1992.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, Edgardo (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina, set. 2005.

RAMALHO, Betania Leite; NUÑEZ, Isauro Beltrán; GAUTHIER, Clermont. Formar o professor, profissionalizar o ensino: perspectivas e desafios. 2.ed. Porto Alegre: Sulinas, 2004.

RUBIM, Achylle Alexio. Como falar de paradigmas em educação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 74, n. l77, p. 425-436, maio/ago. 1993.

SANTOS, Francisco Kennedy Silva dos. Limites e possibilidades da racionalidade pedagógica no ensino superior. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 3, p. 915-929, jul./set. 2013.

SANTOS, Raquel. Os paradigmas da educação. São Paulo: USP, 2009.

SILVA, Filipe Gervásio Pinto da; SILVA, Janssen Felipe da. A crítica decolonial das epistemologias do sul e o contexto de constituição das coleções didáticas do PLNLS-Campo/2013. REALIS, v. 4, n. 02, p. 149-174, jul./dez. 2014.

SILVA, Janssen Felipe da. Sentidos de avaliação da educação e no ensino e no currículo na educação básica através dos estudos pós-culturais latino-americanos. Espaço do Currículo, v. 8, n. 1, p. 49-64, jan./abr. 2015.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 12.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

TAVARES, José; ALARCÃO, Isabel. Paradigmas de formação e investigação no ensino superior para o terceiro milênio. In: ALARÇÃO, Isabel (Org.). Escola reflexiva e nova racionalidade. Porto Alegre, RS: Artmed, 2001.

VEIGA, Ilma Passos Alencastro. CASTANHO, Maria Eugênia L. M. (Org.). Pedagogia universitária: a aula em foco. Campinas, SP: Papirus, 2000.
Publicado
2017-06-06
Como Citar
Oliveira, A. P. de. (2017). A transição de paradigma na ciência e na educação: uma possível contribuição de Thomas Kuhn para a formação inicial de professores. Educação Em Perspectiva, 8(1), 106-121. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v8i1.682
Seção
Artigos