Indicadores educacionais brasileiros: limites e perspectivas

  • Taísa Grasiela Gomes Liduenha Gonçalves Universidade Federal de Minas Gerais
  • Stela Cezare do Santo Rede Estadual de Ensino de São Paulo
  • Natália Gomes dos Santos Universidade Norte do Paraná
Palavras-chave: Educação especial. Indicadores educacionais. Políticas públicas em educação.

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar os dados quantitativos e apresentar algumas dificuldades e perspectivas a partir da leitura e tratamento dos dados do censo escolar da educação básica, principalmente, no que se refere à área da Educação Especial. Para tal, pautou-se em uma pesquisa documental no endereço eletrônico do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) para verificar as relações dos indicadores educacionais com os organismos internacionais. Além disso, foram analisadas as variáveis referentes ao público-alvo da educação especial baseando-se no caderno de instruções do censo escolar da educação básicano período de 2007 a 2016. Os dados revelam que os interesses internacionais pela educação brasileira são econômicos, com estratégias para a redução da pobreza e para o aumento da produtividade por meio de um ensino aligeirado. Constatou-se uma linha tênue entre a amplitude na definição de público-alvo da educação especial e a complexidade conceitual que interfere nos dados quantitativos do censo escolar. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Taísa Grasiela Gomes Liduenha Gonçalves, Universidade Federal de Minas Gerais
Doutorado em Educação Especial (UFSCar) e professora da Faculdade de Educação (FaE)/ Departamento de Ciências Aplicadas à Educação (DECAE) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
Stela Cezare do Santo, Rede Estadual de Ensino de São Paulo
Graduada em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Docente especialista na Rede Estadual de Ensino de São Paulo, na área de deficiência visual.
Natália Gomes dos Santos, Universidade Norte do Paraná
Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Docente da graduação em Pedagogia na Universidade Norte do Paraná (Unopar).

Referências

AMARAL, Lígia Assumpção. Conhecendo a deficiência: em companhia de Hércules. São Paulo: Robe Editorial, 1995.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2016.
BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 abr. 2016.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação, e outras providências. 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 maio 2016.

BRASIL. Nota Técnica n. 04. MEC/SECADI/DPEE. Orientação quanto a documentos comprobatórios de alunos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação no Censo Escolar, 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Portaria n. 316 de 4 de abril de 2007. Disponível em: . Acesso em: 04 ago. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2007. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2008. Disponível em: . Acesso em: 04 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2009. Disponível em: . Acesso em: 07 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2010. Disponível em: . Acesso em: 10 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2012. Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 jun. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2015. Disponível em: . Acesso em: 11 jun. 2016.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar da Educação Básica – Caderno de Instrução, 2016. Disponível em: . Acesso em: 03 ago. 2016.

BUENO, José Geraldo Silveira. Educação especial brasileira: integração/ segregação do aluno diferente. São Paulo: Educ, 1993.

BUENO, José Geraldo Silveira; MELETTI, Silvia Márcia Ferreira. Educação infantil e educação especial: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros. Contrapontos (Online), v. 11, p. 65-80, 2011.

CASTRO, Maria Helena Guimarães de. Sistemas Nacionais de avaliação e de informações educacionais. 2000. Revista São Paulo em Perspectiva. v. 14, n. 1, São Paulo, jan./mar. 2000. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

CORRÊA, Nesdete Mesquita. A educação especial no Brasil dos anos 1990: um esboço de política pública no contexto da reforma do Estado. In: 27ª Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação - ANPED, 2004, Caxambu. Sociedade, Democracia e Educação: Qual Universidade? v. 1, p. 1-6, 2004.

DIAS, Edmundo Fernandes. Política como construção de hegemonia. In: DIAS, Edmundo Fernandes. Revolução passiva e modo de vida: ensaios sobre as classes subalternas, o capitalismo e a hegemonia. São Paulo. Sundernann, 2012.

DIAS, Patrícia Jovino de Oliveira. O registro de dados sobre alunos com necessidades educacionais especiais no Censo Escolar da Educação Básica na rede municipal de ensino de Londrina/PR. 2014. 134f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2014.

EVANGELISTA, Olinda; SHIROMA, Eneida. O. O combate à pobreza nas políticas educativas do século XXI. III Congresso Luso-afro-brasileiro de Ciências Sociais. Coimbra, 2004.

FERRARO, Alceu Ravanello. Quantidade e qualidade na pesquisa em educação na perspectiva da dialética marxista. Pro-Posições (UNICAMP. Impresso), 2012.
FERRARO, Alceu Ravanello. Analfabetismo e níveis de letramento no Brasil: o que dizem os Censos? Educação e Sociedade, Campinas, v. 23, n. 81, p. 21-47, dez. 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

GARCIA, Rosalba Maria Cardoso. Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação (Impresso), v. 18, p. 101-119, 2013.

GATTI, Bernadete. A. Estudos quantitativos em educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, p. 11-30, 2004.

GOFFMAN, Erving. Estigma: Notas sobre a Manipulação da Identidade deteriorada. Brasil, Zahar Editores, 1980.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Brasília, 2015. Disponível em: . Acesso em: 5 de ago. 2016.

JANNUZZI, Gilberta Martino. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. 2. ed. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2006.

JANNUZZI, Paulo Martino. Indicadores para diagnóstico, monitoramento e avaliação de programas sociais no Brasil. Revista do Serviço Público, Brasília, v. 56, n. 2, p. 137-159, 2005.

JANNUZZI, Paulo Martino. Considerações sobre o uso, mau uso e abuso dos indicadores sociais na formulação e avaliação de políticas públicas municipais. Revista Administração Pública. v. 36, n. 1, p. 51-72, 2002. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2016.

KASSAR, Mônica Carvalho Magalhães. Uma breve história da educação das pessoas com deficiências no Brasil. In: MELETTI, Silvia Márcia Ferreira; KASSAR, Mônica de Carvalho Magalhães (Orgs.). Escolarização de alunos com deficiências: desafios e possibilidades. 1. ed. Campinas: Mercado de Letras, v. 1, p. 33-76, 2013.

LEHER. Roberto. Um novo senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Revista Outubro, p. 19-30, 1999.

MELETTI, Silvia Márcia Ferreira; RIBEIRO, Karen. Indicadores educacionais sobre a educação especial no Brasil. Cadernos CEDES, Campinas, v. 34, n. 93, p. 175-189, 2014.

MELETTI, Silvia Márcia Ferreira; BUENO, José Silveira Bueno. Escolarização de alunos com deficiência: uma análise dos indicadores sociais no Brasil (1997-2006). In: Encontro Interinstitucional de Pesquisa: políticas públicas e escolarização de alunos com deficiência. 2010, Londrina. Anais Encontro Interinstitucional de Pesquisa. Londrina, p. 01-18, 2010.

ROSEMBERG. Fúlvia. Educação formal, mulher e gênero no Brasil contemporâneo. Revista Estudos Feministas, ano 9, p. 15-540, 2001.

SANFELICE, José Luís. Da pedagogia colonial à educação mercantilista. In: AZEVEDO, Maria José de; DIAS, Romualdo (Orgs.). Educação e diálogo - Encontros com educadores de Várzea Paulista. 1. ed. Jaboticabal: Editora da Funep, v. 1, p. 93-111, 2011.

SANTOS, Natália Gomes. Os indicadores educacionais das instituições especiais no Brasil: a manutenção dos serviços segregados na Educação Especial. 134f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina. Londrina, 2016.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 41. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

UNESCO. Educação para todos. Disponível em: . Acesso em: 08. ago. 2016.

WILLIAMS, Raymond. Base e superestrutura na teoria da cultura marxista. In: WILLIAMS, Raymond. Cultura e Materialismo. Trad. André Glaser – São Paulo: Editora UNESP, 2011.
Publicado
2017-12-14
Como Citar
Gonçalves, T. G. G. L., Santo, S. C. do, & Santos, N. G. dos. (2017). Indicadores educacionais brasileiros: limites e perspectivas. Educação Em Perspectiva, 8(3), 444-461. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v8i3.886