As marcas das relações culturais entre crianças e adultos: um diálogo com a sociologia da infância

Palavras-chave: Crianças. Infâncias. Adultos. Relações culturais. Relações sociais.

Resumo

O presente ensaio teórico objetiva problematizar a compreensão de infância(s) e de criança, bem como das relações culturais, destas, na contemporaneidade, sob um olhar renovado da Sociologia da Infância. Elege como sustentação teórica os Estudos da Infância, com uma aproximação mais potente da Sociologia da Infância, por meio de referencial bibliográfico selecionado. Como resultados apresenta a potência das relações culturais da criança com os adultos como um dos caminhos possíveis, para visibilizar as crianças e as infâncias contemporâneas, o qual necessita ser considerado pelas instituições que a criança participa como a família e a escola.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samantha Dias de Lima, Instituto Federal de Santa Catarina
Professora do Instituto Federal de Santa Catarina, Câmpus Tubarão. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Renata Cristina Lacerda Cintra Batista Nascimento, Universidade do Estado de Mato Grosso

Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Vale do Rio dos Sinos. Professora titular na Universidade do Estado de Mato Grosso. 

Ana Sebastiana Monteiro Ribeiro, Universidade do Estado de Mato Grosso
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Vale do Rio dos Sinos. Professora assistente do Departamento de Pedagogia (Cáceres/MT) da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

ABRAMOWICZ, Anete. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart de; FINCO, Daniela (org.). Sociologia da Infância no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2011. p. 17-36.

AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? E outros ensaios. Tradução Vinícius Nicastro Honesko. Chapecó, SC: Argos, 2009. 92 p.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Congresso Nacional. Brasília, DF, 1990.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 1996.

BRASIL. Lei n° 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Presidência da República. Casa Civil. Brasília: DF, 2013.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília: DF, 2014.

BRASIL. Convenção sobre os direitos da criança. UNICEF Brasil. 1989. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca. Acesso em: 20 jul. 2018.

CARVALHO, Regiane Sbroion de; SILVA, Ana Paula Soares da. A participação infantil em foco: uma entrevista com Natália Fernandes. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 1, p. 187-194, mar. 2016.

DELALANDE, Julie. As crianças na escola: pesquisas antropológicas. In: MARTINS FILHO, Altino José; PRADO, Patrícia Dias (org.). Das pesquisas com crianças à complexidade da infância. Campinas: Autores Associados, 2011.

DORNELLES, Leni Vieira. Infâncias que nos escapam: da criança na rua à criança cyber. Petrópolis: Vozes, 2005. 109 p.

FERNANDES, Natália. Infância, Direitos e Participação. Representação, Práticas e Poderes. Porto: Afrontamento, 2009. 362 p.

FORMOSINHO, João; FORMOSINHO, Júlia. Prefácio. In: VASCONCELOS, Teresa Maria. Aonde pensas tu que vais? Investigação etnográfica e estudos de caso. Porto: Editora Porto, 2016. p. 8-10.

HEYWOOD, Colin. Uma história da infância à época contemporânea no Ocidente. Porto Alegre: Artmed, 2004. 284 p.

LIMA, Samantha Dias. Pedagogias, infâncias e docências: o que narram as acadêmicas sobre suas aprendizagens? Educação em Foco, Belo Horizonte, v. 21, n.33, p. 13-31, jan./abr. 2018.

MARTINS FILHO, Altino José. Criança pede respeito: Ação educativa na creche e na pré-escola. Porto Alegre: Mediação, 2015. 223 p.

NASCIMENTO, Maria Letícia Barros Pedroso. Apresentação Nove teses sobre a ‘infância como um fenômeno social’ Jens Qvortrup. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1, v. 64, p. 199-211, abr. 2011.

PROUT, Alan. Reconsiderando a nova Sociologia da Infância. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 40, n. 141, p. 729-750, dez. 2010.

QUINTEIRO, Jucirema. Sobre a emergência de uma sociologia da Infância: contribuições para o debate. Perspectiva, Florianópolis, v. 20, n. Especial, p. 137-162, dez. 2002.

SARMENTO, Manuel Jacinto. Sociologia da Infância: Correntes e Confluências. In: SARMENTO, Manuel; Maria Cristina Soares de Gouvea (org.). Estudos da Infância: Educação e Práticas Sociais. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 17-39.

SARMENTO, Jacinto Manuel; PINTO, Manuel. As crianças e a infância: definindo conceitos, delimitando o campo. In: SARMENTO, Manuel Jacinto (org.). As crianças: contextos e identidades. Braga: Universidade do Minho, 1997, p. 9-30.

SARMENTO, Jacinto Manuel; CERISARA, Ana Beatriz. Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, 2004.

TOMÁS, Catarina. Há muitos mundos no mundo: cosmopolitismo, participação e direitos da criança. Porto: Afrontamento, 2011. 227 p.

VASCONCELOS, Teresa Maria. Aonde pensas tu que vais? Investigação etnográfica e estudos de caso. Porto: Editora Porto, 2016. 174 p.

VEIGA-NETO, Alfredo. Cultura, culturas e educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 23, p. 5-15, ago. 2003.

Publicado
2019-11-08
Como Citar
Lima, S. D. de, Nascimento, R. C. L. C. B., & Ribeiro, A. S. M. (2019). As marcas das relações culturais entre crianças e adultos: um diálogo com a sociologia da infância. Educação Em Perspectiva, 10, e019012. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i0.7136