“Colocando as miçangas na guia”

o pesquisar em saúde nos terreiros de umbanda

Palavras-chave: Terreiros. Produção do conhecimento. Saúde.

Resumo

O campo da saúde historicamente tem possibilitado pouca participação dos povos de terreiros tanto das suas práticas de planejamento, implementação, avaliação e gestão do cuidado em saúde como também das suas atividades de pesquisa. O presente artigo tem como objetivo discutir as estratégias metodológicas, e também os desafios na execução, de uma pesquisa realizada em três terreiros de Umbanda da cidade do interior do Piauí e nas consequentes Equipes de Saúde da Família que fazem cobertura dos referidos estabelecimentos sagrados. Pretende-se, com esse estudo, que a partir do compartilhamento de uma experiência investigativa contrária às perspectivas que sustentam a ideia do “pesquisador-perito”, sejam estabelecidos diretrizes a futuros acadêmicos e pesquisadores do campo da saúde que se proponham em realizar estudos em terreiros de Umbanda.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Barbosa da Rocha, Universidade Federal do Piauí
Mestre em Psicologia pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Especialista em Saúde Mental pela Faculdade Latino-Americana de Educação (FLATED).
Ana Kalliny de Sousa Severo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Doutora em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas. Docente do curso de graduação em Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Antônio Vladimir Félix da Silva, Universidade Federal do Piauí
Doutor em Ciências Psicológicas pela Universidade de Havana (Cuba). Professor do curso de medicina e do Programa de Pós-graduação da Universidade Federal do Piauí-UFPI/Campus Ministro Reis Velloso/Parnaíba. 

Referências

ADORNO, Sergio. História e Desventura: o 3º Programa Nacional de Direitos Humanos. Novos Estudos – CEBRAP, n. 6, p. 5-20, mar. 2010.

BAREMBLITT, Gregório. Compêndio de análise institucional e outras correntes: Teoria e Prática. 5ª ed. Belo Horizonte, MG: Instituto Félix Guattari, 2002.

BARROS, Marcelo. O candomblé bem explicado (Nações Bantu, Iorubá e Fon). Rio de Janeiro: CIP-BRASIL, 2009.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990a.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 8.142, de 28 de dezembro de 1990. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 1990b.

BRASIL. Sistema Nações Unidas. Subsídios para o debate sobre a política nacional de saúde da população negra: Uma Questão de Equidade. Brasília: Nações Unidas, 2001.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Decreto nº 6.872, de 4 de junho de 2009. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2009.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia de Assuntos Jurídicos. Lei nº 12.228, de 20 de julho de 2010. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2010.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política de Saúde Integral da População Negra: Uma Política para o SUS. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013a.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Brasília: Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 2013b.

CASTRO, Yeda Pessoa. O Tráfico transatlântico e a distribuição da população negra escravizada no Brasil Colônia. Revista Digital Africanias, v. 12, p. 1-12, 2012.

COTTA, Rosângela Minardi Mitre et al. Pobreza, Injustiça e Desigualdade Social: Repensando a formação de profissionais de saúde. Revista Brasileira de Educação Médica. Rio de Janeiro, v. 31, n. 3, p. 278-286, dez. 2007.

FREITAS, Madalena Dias Silva. Refletir sobre a História do Negro no Brasil: Uma Resposta ao Racismo. In: II Congresso de Educação, Evento realizado na Universidade Estadual de Goiás, Iporá, Goiás, GO, 2012.

GOMES, Márcia Constância Pinto Aderne. Projeto: Ylê ayié yaya ilera (Saúde plena na casa desta existência): equidade e integralidade em saúde para a comunidade religiosa afro-brasileira. Interface: Comunicação Saúde Educação. Botucatu, v. 14, n. 34, p. 663-672, set. 2010.

KALCKMANN, Suzana et al. Racismo Institucional: um desafio para a equidade no SUS?. Saúde & Sociedade. São Paulo, v. 16, n. 2, p. 146-155, ago. 2007.

L’ABBATE, Solange. A análise institucional e a saúde coletiva. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 265-274, 2003.

L’ABBATE, Solange. Análise Institucional e Saúde Coletiva: uma articulação em processo. In: L’ABBATE, Solange; MOURÃO, Lúcia Cardoso; PEZZATO, Luciane Maria (org.). Análise Institucional e Saúde Coletiva. São Paulo: HUCITEC Editora, 2013. p. 31-90.

LAGES, Sônia Regina Corrêa. Saúde da população negra: A religiosidade afro-brasileira e a saúde pública. Psicologia Argumento. Curitiba, v. 30, n. 69, p. 401-410, abr./jun. 2012.

LÓPEZ, Laura Cecilia. O conceito de racismo institucional: aplicações no campo da saúde. Interface – Educação, Saúde e Educação. Botucatu, SP, v. 16, n. 40, p. 121-134, jan./mar. 2012.

LOURAU, René. A Análise Institucional. Tradução de Mariano Ferreira. Petrópolis: Vozes, 1975.

LOURAU, René. O instituinte contra o instituído. In: ALTOÉ, Sônia (org.). René Lourau: Analista Institucional em tempo integral. São Paulo: HUCITEC Editora, 2004. p. 47-65.

MELLO, Márcio Luiz; OLIVEIRA, Simone Santos. Saúde, religião e cultura: um diálogo a partir das práticas afro-brasileiras. Saúde & Sociedade. São Paulo, v. 22, n. 4, p. 1024-1035, dez. 2013.

MOTA, Clarice Santos; TRAD, Leny Alves Bomfim. A gente vive pra cuidar da população: estratégias de cuidado e sentidos para saúde, doença e cura em terreiros de Candomblé. Saúde e Sociedade. São Paulo, v. 20, n. 2, p. 325-337, jun. 2011.

RIBEIRO, Josenilda Oliveira. Sincretismo Religioso no Brasil: Uma Análise Histórica das Transformações no Catolicismo, Evangelismo, Candomblé e Espiritismo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) – Universidade Federal de Pernambuco. Recife, Pernambuco, 2012.

RIOS, Luis Felipe et al. Axé, práticas corporais e Aids nas religiões africanistas do Recife, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 18, n. 12, p. 3653-3662, dez. 2013.

SAMPAIO, Juliana et al. Limites e potencialidades das rodas de conversa no cuidado em saúde: uma experiência com jovens no sertão pernambucano. Interface. Botucatu, SP, v. 18, supl. 2, p. 1299-1312, 2014.

SILVA, Rafael Afonso; FERNANDEZ, Juan Carlos Aneiros; SACARDO, Daniele Pompei. Para uma “ecologia de saberes” em saúde: Um convite dos terreiros ao diálogo. Interface. Botucatu, SP, v. 21, n. 63, p. 921-931, out./dez. 2017.

SILVEIRA, Hendrix Alessandro Anzorena. Tradições de matriz africana e saúde: o cuidar nos terreiros. Identidade! São Leopoldo, v. 19, n. 2, p. 75-88, jul./dez. 2014.

SPAGNOL, Carla Aparecida et al. Dispositif socianalytique: instrument d´intervention et de collecte de données en recherche qualitative en soins infirmiers. Recherche en soins infirmiers, n. 124, p. 6-15, feb. 2016.

Publicado
2019-09-06
Como Citar
Rocha, M. B. da, Severo, A. K. de S., & Silva, A. V. F. da. (2019). “Colocando as miçangas na guia”: o pesquisar em saúde nos terreiros de umbanda. Educação Em Perspectiva, 10, e019009. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i0.7139