Produção de conhecimento e cotidiano

desafios para a pesquisa na afirmação da vida

Palavras-chave: Pesquisa participativa. Direitos Humanos. Populações Vulneráveis.

Resumo

Ao considerar o contexto biopolítico contemporâneo, o artigo procura discutir a produção de conhecimentos no cotidiano junto às vidas “precarizadas”, a partir de uma experiência de pesquisa-intervenção com pessoas em situação de rua e usuários da rede de atenção psicossocial. A pesquisa teve como objetivo conhecer o cotidiano dessas pessoas, sua relação com as redes de saúde e de assistência social, fomentando autonomia e participação política, através da relação arte-cidade. Com base na perspectiva da Análise Institucional, foram propostas ações e espaços coletivos envolvendo pensamento, expressão artística e formação política, através da realização de oficinas, debates e rodas de conversa. Os achados indicam que a intercessão entre política, arte e cidade no encontro com essas vidas colocam em questão as formas instituídas de viver e pesquisar, desafiando a produção de novas formas de conhecimentos efetivamente comprometidos com a afirmação de todas as vidas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Karenina de Melo Arraes Amorim, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Professora Associada do Departamento de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.
Maria Teresa Lisboa Nobre Pereira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Profa. aposentada do Departamento de Psicologia. Atualmente Profa. Voluntária do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ARRAES AMORIM, Ana Karenina et al. O Teatro Documentário como intercessor na produção de vida e saúde. In: NOBRE, Maria Teresa et al. (org.). Vozes, imagens e resistência nas ruas: a vida pode mais! Natal: EDURN, 2019 (no prelo).

BAPTISTA, Luís Antônio. A cidade dos sábios: reflexões sobre a dinâmica social nas grandes cidades. São Paulo: Summus, 1999.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

COIMBRA, Cecília Maria. Tensão e/ou oposição entre ciência e política na pós-graduação? Notas Introdutórias. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte, v. 16, n. 1, p. 86-97, 2004.

DELEUZE, Gilles. Lógica do Sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, 2003.

DELEUZE, Gilles; PARNET, Claire. Diálogos. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.

FOUCAULT, Michel. Direito de morte e poder sobre a vida. In: FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1993. p. 125-149.

FOUCAULT, Michel. Os intelectuais e o poder: conversa entre Michel Foucault e Gilles Deleuze. In: MOTTA, Manoel da (org.). Estratégia, poder-saber: Ditos & Escritos. 2 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1972. p. 37-47.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2006.

JERÓNIMO, Helena Mateus; NEVES, José. Entrevista com Boaventura Sousa Santos. O intelectual de retaguarda. Análise Social. Portugal, v. XLVII, n. 204, p. 685-711, 2012.

LIMA, Elisabeth Maria Freire de Araújo. A análise de atividade e a construção do olhar do terapeuta ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. São Paulo, v. 15, n. 2, p. 42-48, maio/ago. 2004.

LOPES, Graziela; DIEHL, Rafael. Intervir. In: FONSECA, Tania Maria Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci (org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 135-137.

LOURAU, René. Análise institucional e prática de pesquisa. Rio de Janeiro: EDUERJ, 1993.

MERHY, Emerson Elias. Cuidado com o cuidado em saúde: saiba explorar seus paradoxos para defender a vida: o ato de cuidar é um ato paradoxal: pode aprisionar ou liberar. Campinas. 2004. Disponível em: https://www.yumpu.com/pt/document/view/12817362/cuidado-com-o-cuidado-em-saude-saiba-explorar-seus-uff. Acesso em: 02 jun. 2018.

MUYLAERT, Marília Aparecida. AT como dispositivo clínico: uma perspectiva da esquizoanálise. Psychê. São Paulo, v. 10, n. 18, p. 109-114, set. 2006.

PASSOS, Eduardo; BARROS, Regina Benevides de. A construção do plano da clínica e o conceito de transdisciplinaridade. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 16, n. 1, p. 71-79, 2000.

PAULON, Simone Mainieri. A análise de implicação como ferramenta na pesquisa-intervenção. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte, v. 17, n. 3, p. 18-25, 2005.

PELBART, Peter Pál. Manicômio mental: a outra face da clausura. In: GUATTARI, Félix et al. (org.). Saúde Loucura 2. 3 ed. São Paulo: Ed. Hucitec, 1990. p. 131-138.

PELBART, Peter Pál. A nau do tempo rei: sete ensaios sobre o tempo da loucura. Rio de Janeiro: Imago, 1993.

PELBART, Peter Pál. Vida Capital: ensaios de biopolítica. São Paulo: Iluminuras, 2003.

PRADO FILHO, Kleber. Desnaturalizar. In: FONSECA, Tania Maria Galli; NASCIMENTO, Maria Lívia do; MARASCHIN, Cleci (org.). Pesquisar na diferença: um abecedário. Porto Alegre: Sulina, 2012. p. 71.

SOLER, Marcelo. Teatro Documentário: a pedagogia da não ficção. São Paulo: Editora Hucitec, 2010.

VASCONCELOS, Michele de Freitas Faria de; MENDONÇA FILHO, Manoel. Por uma genealogia das políticas de inclusão de saúde mental contemporânea: produção de políticas identitárias e de modos variados de confinamento. In: MENDONÇA FILHO, Manoel; NOBRE, Maria Teresa (org.). Política e afetividade: narrativas e trajetórias de pesquisa. Salvador: EDUFBA, 2009. p. 181-210.

VENTURINI, Ernesto. A cidade dos outros. Fractal: Revista de Psicologia. Niterói, v. 21, n. 2, p. 203-222, maio/ago. 2009.

Publicado
2019-11-23
Como Citar
Amorim, A. K. de M. A., & Pereira, M. T. L. N. (2019). Produção de conhecimento e cotidiano: desafios para a pesquisa na afirmação da vida. Educação Em Perspectiva, 10, e019019. https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v10i0.7140