APLICAÇÃO FOLIAR DE SILÍCIO EM PLANTAS DE TRIGO ASSOCIADO A QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES

  • Sergio Gonçalves Oliveira Júnior
  • Evander Alves Ferreira
  • Marcela Carlota Nery
  • Ramon Francisco Cordeiro Silva
  • Soryana Gonçalves Ferreira Melo
  • Cíntia Maria Teixeria Fialho Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri
Palavras-chave: Triticum aestivum, qualidade, silício foliar

Resumo

Na busca de sementes e plantas de alto padrão de qualidade, a utilização do silício pode ser interessante na agricultura, pois pode incrementar a produtividade, regular a perda de água, melhorar a taxa fotossintética,
aumentar a rigidez da estrutura dos tecidos entre outros. Dessa forma, objetivou-se com essa pesquisa verificar o efeito da aplicação foliar de silício no crescimento, fisiologia de plantas de trigo e na qualidade de sementes de trigo produzidas. Empregou-se o delineamento experimental em blocos casualizados com fatorial 2x4 com 5 repetições, onde os tratamentos foram compostos por duas cultivares de trigo (BR18 e BRS254) e quatro dosagens da formulação comercial Supa Sílica da marca Agrichem®: 0,0 L ha-1, 0,5 L ha-1, 1 L ha-1 e 2,0 L
ha-1, divididas em três aplicações nos estádios de perfilhamento, emborrachamento e floração. Foram feitas avaliações fisiológicas e filotécnicas como fluorescência da clorofila, taxa de transporte de elétrons, diâmetro, altura, massa seca, número de perfilhos e fitoxidade. A qualidade fisiológica das sementes foi avaliada pelos
seguintes testes: germinação, primeira contagem, índice de velocidade de germinação, emergência, estande inicial. A cultivar BR18 produziu maior quantidade de perfilhos, massa seca, clorofilas A, B e total e de Fv/Fm do que a cultivar BR254 com aplicação foliar de silício. A taxa de transporte de elétrons, fluorescência inicial e a fitotoxicidade forma influenciadas negativamente pelo aumento das doses de silício foliar para ambas as cultivares. A aplicação de silício foliar não interfere na qualidade das sementes de trigo, porém melhorou o desempenho de emergência, estande inicial e IVE da cultivar BR18.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGRIANUAL. Anuário da agricultura brasileira. São Paulo: FNP Consultoria e Comércio, 2008. 502 p.
AUCIQUE-PEREZ, C.E.; RODRIGUES, F.A.; MOREIRA, F.M. et.al. 2014. Leaf gas exchange and chlorophyll a fluorescence in wheat plants supplied with silicon and infected with Pyricularia oryzae. Phytophatology, v.104, p.143-149, 2014.
BAKER, N. R.; ROSENQVIST, E. Applications of chlorophyll fluorescence can improve crop production strategies: an examination of future possibilities. Journal Experimental of Botany, v.55, p.1607-1621. 2004.

BARBOSA FILHO, M. P.; SNYDER, G. H.; ELLIOTT, C. L.et al. Resposta do arroz de sequeiro à aplicação de silício. In: FERTBIO, 1998, Caxambu, MG. Anais. Lavras: UFLA; Sociedade Brasileira de Ciência do Solo; Sociedade Brasileira de Microbiologia, 1998. p. 57.
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa nº 38, de 30 de novembro de 2010. Regulamento técnico do trigo. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, n. 29, p. 2, 1 dez. 2011. Seção 1.
BRASIL, Ministério de Agricultura. Regras para Análise de Sementes. Brasília, 2009 395p.
BRASIL. Ministério da Agricultura e Reforma Agrária. Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária. Departamento Nacional de Produção vegetal. Coordenação de laboratório vegetal. Regras para Análise de Sementes. Brasília, DF, 1992. 365 p.
BOLHÀR-NORDENKAMPH, H. R.; LONG, R. S. P.; BAKER, N. R. et al. Chlorophyll fluorescence as a probe of the photossinthetic competence of leaves in the field: a review of current instrumentation. Functional Ecology, v. 3, p. 497-514, 1989.
CONAB, 2015. Central de Informações Agropecuárias: safra de grãos 2014/2015. Disponível em . Acesso em: 17 de julho de 2015.
DATNOFF, L. E.; RODRIGUES , F. A.; SEEBOLD, K. W. Silicon and plant nutrition. In: DATNOFF, L. E.; ELMER, W. H.; HUBER, D. M. (Ed.). Mineral nutrition and plant disease. 2007. p. 233-246.
DUDA R.; GUTSER, R.; SCHMIDHALTER, U. Characterizing site specific differences in water availability. In: International plant nutrition colloquium, 2001, 14p.
EMBRAPA TRIGO. Cultura do Trigo, Passo Fundo – RS, 22 ago. 2013. Online. Disponível em: . Acessado em 22 ago. 2016.
FAO, 2016. Disponível em: http://www.fao.org/worldfoodsituation/csdb/en/ . Acessado em 15 nov. 2016.
FERREIRA, D. F. Programa de análises estatísticas (statistical analysis sotware) e planejamento de experimentos – SISVAR 5.0 (Build 67). Lavras: DEX/UFLA, 2003.
FERREIRA, E.A.; MATOS, C.C.; BARBOSA, E.A., et al. Respostas fisiológicas da mandioca à aplicação de herbicidas. Semina: Ciências Agrárias, v.36, n.2, p.645-656, 2015.
HARTER, F. S.; BARROS, A. C. S. A. Cálcio e silício na produção e qualidade de sementes de soja. Revista Brasileira de Sementes, v. 33, n. 1, p. 054-060, 2011.

KORNDÖRFER, G.H.; PEREIRA, H. S. O silício e a tolerância ao estresse. Revista Citricultura Atual, v.4, n. 26, p.12-13, 2002

KRAUSE, G. H.; WEIS, E. Chlorophyll fluorescence and photosynthesis: the basics. Annual Review of Plant Physiology and Plant Molecular Biology, v.42, p.313-349, 1991.

KRZYZANOWSKI, C.F.; VIEIRA, R.D.; FRANÇA NETO; J.B. Associação Brasileira de Tecnologia de Sementes, Comitê de Vigor de Sementes. Londrina: ABRATES, 1999.
MAGUIRE, J.D. Speed of germination aid in selection and evaluation for emergence and vigour. Crop Science, v.2, p.176-177, 1962.
OLIVEIRA, L.A. Silício em plantas de feijão e arroz: absorção, transporte, redistribuição e tolerância ao cádmio. 2009. 157 f. Tese (Doutorado) – Centro de energia nuclear na agricultura. Universidade de São Paulo, Piracicaba, 2009.
RODRIGUES, F.A.; DATNOFF, L.E. Silicon and rice disease management. Fitopatologia Brasileira, v.30, p.457-469, 2005.

RAFI, M. M.; EPSTEIN, E.; FALK. R. H. Silicon deprivation causes physical abnormalities in wheat (Triticum aestivum L.). Journal of Plant Physiology, v. 151, p. 497-501, 1997.

SANGSTER, A. G.; HODSON, J.; TUBB, H. J. Silicon deposition in higher plants. In: DATNOFF, L. E.; KORNDÖRFER, G. H.; SNYDER, G. H. (Ed.). Silicon in agriculture. Amsterdam: Elsevier, 2001. p. 85-113.
SAVANT, N. K.; SNYDER, G. H.; DATNOFF, L. E. Silicon management and sustainable rice production. Advances in Agronomy, v. 58, p. 151-199, 1997.
SETTER, T.L.; CARLTON, G. The structure and development of the cereal plant. In: AUSTRALIAN GOVERNMENT. The Wheat Book, Principles and Practice. Camberra. 2000. 45p.
SEGALIN, S.R.; HUTH, C.; ROSA, T.A., et al. Foliar application of silicon and the effect on wheat seed yield and quality. Journal of Seed Science, v. 35, n. 1, p. 86-91, 2013.

SILVA, U.C.; GALLI, M.A.; VAN DEN BROEK, H., et al. Eficiência de fungicidas orgânicos e silício em feijoeiro, para controle de oídio, mancha angular. Antracnose. Revista ecossistema, v. 28, p.79-82, 2003.

SOUZA, M.A.; FRONZA, V. Trigo. In: RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G.; ALVAREZ, V.H. Recomendações para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais – 5ª aproximação. Viçosa: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais, 1999. p.332-339.
SU, R. Z.; LIU, Z. M.; LI, J.; AI, J. Study on silica distribution of wheat straw surface. Scientia Silva e Sinicae, v. 38, p. 99-102, 2002.
SRIPANYAKORN, S.; JUGDAOHSINGH, R.; THOMPSON, R. P. H.; POWELL, J. J. Dietary silicon and bone health. Nutrition Bulletin, v. 30, p. 222-230, 2005.
TAVARES, L. C.; MENCONÇA, A. O.; BRUNES, A. P. et al. Effect of silicon fertilization on the expression of isoenzymes, the germination and seed yield of wheat. Enciclopédia Biosfera, v. 9, p. 1214. 2013.
Publicado
2018-06-13
Como Citar
Oliveira Júnior, S. G., Ferreira, E. A., Nery, M. C., Silva, R. F. C., Melo, S. G. F., & Fialho, C. M. T. (2018). APLICAÇÃO FOLIAR DE SILÍCIO EM PLANTAS DE TRIGO ASSOCIADO A QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 8(1). https://doi.org/10.21206/rbas.v8i1.455
Seção
Artigos