EXTRATO AQUOSO E FERMENTADOS DE FUMO-BRAVO (Solanum mauritianum Scop) NA PROTEÇÃO DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) AO CRESTAMENTO BACTERIANO COMUM

  • Fábio Junior Telaxka Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Jonas Marcelo Jaski Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Daniele Carla Scheffer Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Jéssica Tais Gebauer Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Gabriela Silva Moura Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
  • Gilmar Franzener Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
Palavras-chave: Controle alternativo. Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli. Fitoalexinas. Polifenoloxidase. Fenialanina amônia-liase.

Resumo

O fumo-bravo (Solanum mauritianum) é uma espécie tipicamente pioneira, abundante na Floresta Estacional Decidual da Mata Atlântica. Embora lhe sejam atribuídas propriedades medicinais, pouco se sabe de seu efeito sobre doenças de plantas. Assim, esse trabalho teve por objetivo avaliar o extrato aquoso (EA) e fermentados de S. mauritianum no controle do crestamento bacteriano comum do feijoeiro, causado pela bactéria Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli. Constituíram tratamentos o EA nas concentrações de 0, 1; 5; 10, 15 e 20%, bem como os fermentados de fumo-bravo com e sem a adição de açúcar mascavo a 3% com 5, 10, 15 e 20 dias de fermentação. Foram realizados ensaios de atividade antimicrobiana in vitro sobre a bactéria, indução da fitoalexina faseolina em hipocótilos de feijoeiro. Em plantas de feijoeiro, sob casa de vegetação, foi avaliada a severidade da doença em trifólios tratados e em não tratados. Também foram coletadas amostras foliares 72 horas após os tratamentos para determinação da atividade de polifenoloxidase (POX) e fenilalanina amônia-liase (FAL). Os ensaios foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado com quatro repetições. O EA induziu a síntese de faseolina. Os fermentados reduziram significativamente o crescimento de X. axonopodis pv. phaseoli. O EA e o fermentado com reduziram a severidade do crestamento bacteriano em folhas tratadas. O EA e o fermentado induziram a atividade das enzimas POX e FAL, sendo que para essa última também de forma sistêmica. Os resultados indicam o potencial de derivados de fumo-bravo na proteção de plantas de feijoeiro ao crestamento bacteriano comum.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gilmar Franzener, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS
Professor Adjunto, Universidade Federal da Fronteira Sul-UFFS

Referências

AHUJA, I.; KISSEN, R.; BONES, A. M. Phytoalexins in defense against pathogens. Trends in plant science, v.17, n.2, p.73–90, 2012.

AZEVEDO, L. A. S. Manual de quantificação de doenças de plantas. São Paulo.1997.

BARROS, F. C.; SAGATA, É.; FERREIRA, L. C. C. et al. Indução de resistência em plantas contra fitopatógenos. Bioscience Journal, v. 26, n. 2, p. 231–239, 2010.

BARROSO, G. M. Família Solanaceae Wettstein. In. Sistemática de angiospermas de Brasil. São Paulo. 1991. p. 62-74.

BIANCHINI, A.; MARINGONI, A. C.; CARNEIRO, S. M. P. G. et al. Doenças do feijoeiro. In KIMATI et al., Manual de Fitopatologia: doenças das plantas cultivadas. 4ª ed. São Paulo: Ceres, p.333-351, 2005.

BRAND, S.C.; BLUME, E.; MUNIZ, M.F.B. et al. Extratos de alho e alecrim na indução de faseolina em feijoeiro e fungitoxicidade sobre Colletotrichum lindemuthianum. Ciência Rural, v.40, n.9, p.1881-1887, 2010.

CAMPOS, Â. D.; FERREIRA, A. G.; HAMPE, M. M. V. et al. Atividade de peroxidase e polifenoloxidase na resistência do feijão à antracnose. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 39, n. 7, p. 637–643, 2004.

DAYAN, F. E.; CANTRELL, C. L.; DUKE, S. O. Natural products in crop protection. Bioorganic & Medicinal Chemistry, v.17, n.12, p.4022–4034, 2009.

DE LEÓN, M.A., SÁENZ, A.; JASSO-CANTU, D. et al. Fermented Flourensia cernua extracts and their in vitro assay against Penicillium expansum and Fusarium oxysporum. Food Technology and Biotechnology, v.51, p.233-239, 2013.

DIAZ, C. G. Avaliação de danos causados por Xanthomonas axonopodis pv. phaseoli em feijoeiro (Phaseolus vulgaris L.) 2000. 79p. (Tese de Doutorado) - Piracicaba. Universidade de São Paulo, ESALQ, 2000.

DIDWANIA, N.; SADANA, D.; TRIVEDI, P. C. Antibacterial activity of a few medicinal plants against Xanthomonas campestris pv . campestris. International Journal Research in Pharmaceutical Sciences, v.4, n.2, p.177–182, 2013.

DIXON, R. A. et al. Phytoalexin indution in french bean: intercellular transmission of elicitation in cell suspension cultures and hypocotyl sections of Phaseolus vulgaris. Plant Physiology, v.71, n.2, p.251-256, 1983.

DUANGMAL, K.; APENTEN, R. K. O. A comparative estudy of poliphenoloxidases from taro (Colocasia esculenta) and potato (Solanum tuberosum var. romano). Food Chemistry, v.64, p.351-359, 1999.

FRANZENER, G.; SCHWAN-ESTRADA, K. R. F.; MOURA, G. S. et al. Induction of defense enzymes and control of anthracnose in cucumber by Corymbia citriodora aqueous extract. Summa Phytopathologica, v.44, n.1, p.10–16, 2018.

HUSSAIN, A.; BOSE, S.; WANG, J.-H. et al. Fermentation, a feasible strategy for enhancing bioactivity of herbal medicines. Food Research Internacional, v.81, p.1–16, 2016.

KOTAN, R.; DADASOĞLU, F.; KARAGOZ, K. et al. Antibacterial activity of the essential oil and extracts of Satureja hortensis against plant pathogenic bacteria and their potential use as seed disinfectants. Scientia Horticulturae, v.153, p.34–41, 2013.

KUHN, O.J.; PORTZ, R.L.; STANGARLIN, J.R. et al. Efeito do extrato aquoso de cúrcuma (Curcuma longa) em Xanthomonas axonopodis pv. manihotis. Semina: Ciências Agrárias, v.27, n.1, p.13-20, 2006.

MDEE, L. K.; MASOKO, P.; ELOFF, J. N. The activity of extracts of seven common invasive plant species on fungal phytopathogens. South African Journal of Botany, v.75, n.2, p.375–379, 2009.

MOURA, G. S.; FRANZENER, G.; STANGARLIN, J. R. et al. Atividade antimicrobiana e indutora de fitoalexinas do hidrolato de carqueja [Baccharis trimera (Less.) DC.]. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 16, n. 2, p. 309–315, 2014.

SILVA, E. G.; MOURA, A. B.; DEUNER, C. C. et al. Estudo de mecanismos de biocontrole do crestamento bacteriano do feijoeiro por bactérias. Revista ceres, v.55, n.5, p.377–383, 2008.

SILVA, F. A. S.; AZEVEDO, C. A. V. Versão do programa computacional Assistat para o sistema operacional Windows. Revista Brasileira de Produtos Agroindustriais, v.4, n.1, p.71-78, 2002.

UMESHA, S. Phenylalanine ammonia-lyase activity in tomato seedlingsand its relations chipto bacterial cankered sease resistence. Phytoparasitica, v.34, n.1, p.68-71, 2006.

VIDHYASEKARAM, P. et al. Induction of systemic resistence by Pseudomonas fluorenscens Pf1 against Xanthomonas oryzae in rice leaves. Phytoparasitica, v.29, p.155-167, 2001.

VIECELLI, C.A.; MOERSCHBÄCHER, T. Controle do crestamento bacteriano comum na cultura do feijoeiro pelo uso de fertilizantes foliares. Scientia Agraria Paranaensis, v.12, n.1, p.66-72, 2013.

VIGO, S.C.; MARINGONI, A.C.; CAMARA, R.C. et al. Ação de tinturas e óleos essenciais de plantas medicinais sobre o crestamento bacteriano comum do feijoeiro e na produção de proteínas de indução de resistência. Summa Phytopathologica, v.35, n.4, p.293-304, 2009.
Publicado
2018-12-11
Como Citar
Telaxka, F. J., Jaski, J. M., Scheffer, D. C., Gebauer, J. T., Moura, G. S., & Franzener, G. (2018). EXTRATO AQUOSO E FERMENTADOS DE FUMO-BRAVO (Solanum mauritianum Scop) NA PROTEÇÃO DO FEIJOEIRO (Phaseolus vulgaris L.) AO CRESTAMENTO BACTERIANO COMUM. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 8(3). https://doi.org/10.21206/rbas.v8i3.3058
Seção
Artigos