EFEITO DO BIOATIVADOR DE SOLO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO CAFEEIRO

  • Eduardo Martins de Souza CESEP – Centro Universitário
  • Kleso Silva Franco Junior CESEP – Centro Universitário
  • Giselle Prado Brigante CESEP – Centro Universitário
  • Carlos Eduardo Brockelmann CESEP – Centro Universitário
  • Renata Mendes Tavares CESEP – Centro Universitário
  • Márcio de Souza Dias Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais
  • Douglas José Marques Universidade José do Rosário Vellano - UNIFENAS
  • João Paulo Costa Carneiro Vesica
Palavras-chave: bioestimulantes. microrganismos, instalação.

Resumo

A cafeicultura tem grande importância econômica no território nacional, entretanto, enfrenta algumas limitações no seu manejo, principalmente na sua implantação, pelo fato de comprometer todo o processo produtivo. A utilização de bioativadores de microrganismos no solo na instalação de lavouras cafeeiras gera um impacto de reciclagem de nutrientes auxiliando no aproveitamento, desenvolvimento e absorção da lavoura cafeeira. Os bioestimulantes à base de algas marinhas, enzimas e microrganismo solo, vêm sendo utilizados como uma alternativa para nutrição de plantas, pelo fato da intensa demanda de nutrientes no sistema atual de agricultura. Neste estudo, objetivou-se verificar o efeito de diferentes dosagens de bioativador de solo (Vitasoil®) na implantação de lavoura cafeeira (Catuai 144 vermelho). Foram testados uma aplicação via solo em 5 doses de 4, 6, 8,10 e 12 gramas por planta, somada a 3 aplicações de 3 gramas via foliar na mesma, para fazer a utilização da mesma ocorreu a hidratação com 100 ml de água para cada grama de produto. Aos 120 dias foram realizadas avaliações no experimento, medições da parte aérea e radicular, contagem de folhas, espessura do caule, pesagem da fração aérea e radicular verde e seca, área foliar e relação parte aérea /raiz. O delineamento experimental foi em blocos ao acaso. Entre os dados analisados observou que o uso do bioativador se mostrou superior estatisticamente quando comparado à testemunha, não diferindo entre si em dosagens. O ativador de microbiota de solo (Vitasoil®) aplicado via solo e foliar em mudas de café, promoveu um melhor desenvolvimento inicial do cafeeiro sendo observado em diâmetro, peso verde e seco, número de folhas por muda, área foliar, altura de planta, comprimento de raiz e relação parte aérea/raiz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Literatura Citada

ARAÚJO, Jéssica Mayara Hipólito. Algas marinhas como bioestimulantes no crescimento inicial de espécies florestais da Caatinga. Macaíba-RN, 2017.

AZIZ, A. et al. A laminarina desencadeia respostas de defesa na videira e induz proteção contra Botrytis cinerea e Plasmopara viticola. Molecular Plant Microbe Interaction, São Paulo, v. 16, n. 12, p.1118-1128, 2003.

BARROS, R. S.; MAESTRI, M.; VIEIRA, M.; BRAGAFILHO, L. J. Determinação de área de folhas do café (Coffea arabica L. cv. ‘Bourbon Amarelo’). Revista Ceres, Viçosa, v.20, n.107, p.44-52, 1973.

BETTINI, Marcos de Oliveira. Aplicação de extratos de algas marinhas em cafeeiro sob deficiência hídrica e estresse salino. Botucatu-SP, 2015.

BOYD, S.A .; MORTLAND, M.M. Interações enzimáticas com argilas e complexo de argila e matéria orgânica. Em: BOLLAG, J.M .; STOTZKY, G. (Ed.). Bioquímica do solo. Nova York: Marcel Dekker, 1990. v. 6, p. 1-28.

BRANT, L. A. C. Extrato de algas marinhas no crescimento de bananeira cv. Prata-Anã na fase de aclimatação. Lavras-MG, 2016.

CARDOSO, E.J.B.N. et al. Reciclagem de resíduos industriais e urbanos em solos agrícolas tropicais. Em: NIELSEN, C.J. (Ed.). Reciclagem: processos, custos e benefícios. Nova York: Nova Science, 2011.

CASTRO, A. C. C. et al. Influência da aplicação de filtrado de algas em parâmetros fenométricos e na produtividade da soja. Palmeiras de Goiás-GO, 2016

DIAS, L. F. L. Avaliação de algumas propriedades físicas de grãos de café Coffea Arábica orgânico e convencional, 2007.

DICK, R.P. Atividades enzimáticas do solo como indicadores da qualidade do solo. Em: DORAN, J.V. et al. (Ed.) Definindo a qualidade do solo para um ambiente sustentável. Madison: SSSA; Sociedade Americana de Agricultura, 1994. p. 107-124.

DURAND, N; BRIAND, X; MEYER, C. O efeito de substâncias bioativas marinhas (NPRO) e citocininas exógenas sobre a atividade da nitrato redutase em Arabidopsis thaliana. Physiologia Plantarum, Malden, v. 119, n. 4, p. 489-493, 2003.

FARIA, Tatiana Carvalho. Desempenho de bioestimulantes e sua viabilidade econômica na cultura da soja. Goiânia-GO, 2017.

FERREIRA, D. F. Sisvar: um guia dos seus procedimentos de comparações múltiplas Bootstrap. Ciência e Agrotecnologia, v. 38, n. 2. p. 109-112, 2014

GUIMARÃES, P.T.G. et al. Cafeeiro. In: RIBEIRO, A.C.; GUIMARÃES, P.T.G.;

ALVAREZ V., V.H. (Ed.). Recomendação para o uso de corretivos e fertilizantes em Minas Gerais: 5a aproximação. Viçosa, MG: Comissão de Fertilidade do Solo do Estado de Minas Gerais, 1999. p.289-302.

KHAN, W. et al. Extratos de algas marinhas como bioestimulantes do crescimento e desenvolvimento das plantas. Jornal de Plant Growth Regulation, Dordrecht, v. 28, n. 4, p. 386-399, 2009.

LIMBERGER, P. A. et al. Efeito da aplicação foliar de extrato de algas, aminoácidos e nutrientes via foliar na produtividade e qualidade de alface crespa. Revista Brasileira de Energias Renováveis, Cascavel-PR, v. 1, p. 148 - 161, 2012.

MATIELLO, J. B. et al. Cultura do café no Brasil, novo manual de recomendações. Rio de Janeiro; Varginha, MG: .2002. p.160–202.

MATYSIAK, K; KACZMAREK, S .; KRAWCZYK, R. Influência de extratos de algas marinhas e mistura de ácidos húmicos e fúlvicos na germinação e crescimento de Zea mays L. Acta Scientiarum Polonorum, Lublin, v. 10, n. 1, p. 33 a 45 de 2011.

MIELNICZUK, J. Matéria orgânica e a sustentabilidade de sistemas agrícolas. In: SANTOS, G.A.; CAMARGO, F.A.O. (Ed.). Fundamentos da matéria orgânica do solo. Porto Alegre: Genesis, 1999. p. 1-8.

MOREIRA, F.M.S.; SIQUEIRA, J.O. Microbiologia e bioquímica do solo. 2. ed. Lavras: Ed. UFLA, 2006. 626 p.

OLIVEIRA, H. M. Bioestimulantes e condicionadores de solo no cultivo de physalis peruviana. Universidade Federal de Lavras, 2017. 40 p.

RATHORE, S. S. Efeito do extrato de algas marinhas sobre o crescimento, produção e absorção de nutrientes da soja (Glycine max) sob condições de sequeiro. Revista Sul Africana de Botânica, Amsterdã, v. 75, n. 2, p. 351-355, 2009.

SCHNEIDERS, Eduardo Mallmann. Influência do extrato de alga (ascophyllum nodosum) sobre o desempenho da cultura da canola. CERRO LARGO-RS, 2016.

SILVA, I.R.; MENDONÇA, E.S. Matéria orgânica do solo. In: NOVAIS, R.F. et al. (Ed.). Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007. p. 275-374, 2007.

SILVA, R.R. et al. Biomassa e atividade microbiana em solo sob diferentes sistemas de manejo na região fisiográfica Campos das Vertentes - MG. Revista Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, v. 34, p. 1585-1592, 2010. S

STENGEL, D. B. et al. Quimodiversidade e bioatividade de algas: fontes de variabilidade natural e implicações para aplicação comercial. Biotechnology Advances, v. 29, n. 5, p. 483-501, 2011.

STRIK, B. et al. A severidade da poda afeta o rendimento, o peso da baga, e eficiência de colheita manual de blueberry highbush. Hortscience, v.38, n.2, p.196-199, 2003.

TABATABAI, M.A. Enzimas do solo. Em: WEAVER, R.W. (Ed.). Métodos de análise do solo: propriedades microbiológicas e bioquímicas. 5ª ed. Madison: SSSA, 1994. p. 775-833.

TÓTOLA, M.R.; CHAER, G.M. Microrganismos e processos microbiológicos como indicadores da qualidade dos solos. In: V. ALVAREZ, V.H. et al. (Ed.). Tópicos em ciência do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do solo, 2002. v. 1, p. 487-592.

Publicado
2020-03-03
Como Citar
Souza, E. M. de, Junior, K. S. F., Brigante, G. P., Brockelmann, C. E., Tavares, R. M., Dias, M. de S., Marques, D. J., & Carneiro, J. P. C. (2020). EFEITO DO BIOATIVADOR DE SOLO NO DESENVOLVIMENTO INICIAL DO CAFEEIRO. Revista Brasileira De Agropecuária Sustentável, 9(04), 60-65. https://doi.org/10.21206/rbas.v9i04.8420