A trajetória da população universitária brasileira

uma questão de raça e classe

Autores

DOI:

https://doi.org/10.32361/2021130211149

Palavras-chave:

Ensino superior, Cota social, Cota racial

Resumo

O artigo tem por objetivo analisar as políticas afirmativas implementadas nas universidades brasileiras, tendo por objeto a composição da população universitária a partir de recortes de classe e raça. Para tanto, analisa a trajetória de formação da universidade no Brasil e demonstra como se constituiu, a partir de um pensamento conservador, uma mentalidade racista. Investiga a proposta de um pensamento crítico. Analisa as modificações na compreensão do papel da universidade na sociedade de classes. Verifica se e quanto o caráter original seletivo do sistema de ensino sofreu modificações significativas com a execução de ações afirmativas, especialmente a reserva de vagas estabelecida pela Lei nº 12.711/2012, a Lei de Cotas. Trata-se de pesquisa bibliográfica, com revisão de literatura e análise de dados do Censo da Educação Superior/MEC e da V Pesquisa Nacional de Perfil Socioeconômico e Cultural dos(as) graduandos(as) das IFES 2018/ANDIFES, publicada em 2019.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gretha Leite Maia, Universidade Federal do Ceará

Doutora e Mestra em Direito pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professora da Faculdade de Direito na UFC. Pesquisadora líder do Grupo de Pesquisa Democracia e Direito. E-mail: grethaleitemaia@gmail.com.

Ruth Ana Pereira de Araújo, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Direito pela Universidade Federal do Ceará. E-mail: ruth.ana30@gmail.com.

Isabella Dantas Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Graduanda em Direito pela Universidade Federal do Ceará. E-mail: isabelladantas@alu.ufc.br.

Referências

ALENCASTRO, Luiz Felipe de. O trato dos viventes: formação do Brasil no Atlântico Sul. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ALMEIDA, Sílvio Luiz. O que é o racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento, 2018.

BOTO, Carlota. Instrução pública e projeto civilizador: o século XVIII como intérprete da ciência, da infância e da escola. São Paulo: editora UNESP, 2017.

CARRIÈRRE, Jean Claude. A controvérsia. Trad. André Viana, Antônio Carlos Viana. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

CHAUÍ, Marilena. A universidade operacional. Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 4 n. 3 (1999): Suplemento 01. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/avaliacao/article/view/1063/1058. Acesso em: 13 ago. 2020.

CHAUÍ, Marilena. A Universidade Pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, 2003, nº 24. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n24/n24a02.pdf. Acesso em: 13 ago. 2020.

FERNANDES, Florestan. O negro no mundo dos brancos. São Paulo: Difusão europeia do Livro, 1972. [recurso eletrônico]. Disponível em: https://eraju2013.files.wordpress.com/2013/09/fernandes-florestan-o-negro-no-mundo-dos-brancos-1.pdf. Acesso em: 13 ago. 2020.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio Alfredo. Classes, raças e democracia. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

IMPERATORI, Thaís Kristosch. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. São Paulo: Serviço Social & Sociedade, n. 129, p. 285-303, 2017.

MAIA, Gretha Leite; MELO, César. Lei de Cotas no Ensino Público: fundamentos, dispositivos normativos e desafios de implementação. Disponível em: http://https://www.thomsonreuters.com.br/pt/juridico/webrevistas/RDAI-revista-direito-administrativo-infraestrutura.html. Acesso em: 13 ago. 2020.

PIOVESAN, Flávia. Ações Afirmativas sob a perspectiva dos Direitos Humanos. In: BRASIL. Ações Afirmativas e o Combate ao racismo nas Américas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

NASCIMENTO, Abdias. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2016.

ROMANELLI, Otaíza de Oliveira. História da Educação no Brasil (1930-1973). 8. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. Porto: Educação Sociedade & Cultura, n. 23, 2005.

SILVEIRA, Míriam Moreira da. A Assistência Estudantil no Ensino Superior: uma análise sobre as políticas de permanência das universidades federais brasileiras. Pelotas: Universidade Católica de Pelotas; 2012.

SOUSA JÚNIOR, Jose? Geraldo de. Da universidade necessária à universidade emancipatória: a refundação da UNB. Disponível em: https://estatuinte.unifesspa.edu.br/464-divulgada-a-programacao-da-3-e-4-conferencia-livre.html. Acesso em: 13 ago. 2020.

SOUZA, Jessé. A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa manipular pela elite. São Paulo: LeYa, 2015.

SOUZA, Jessé. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças – cientistas, instituições e questão racial no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

VIOTTI DA COSTA, Emília. A abolição. 9. ed. São Paulo: UNESP, 2010.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

MAIA, G. L.; ARAÚJO, R. A. P. de; OLIVEIRA, I. D. A trajetória da população universitária brasileira: uma questão de raça e classe. Revista de Direito, [S. l.], v. 13, n. 02, p. 01-22, 2021. DOI: 10.32361/2021130211149. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/11149. Acesso em: 24 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos do dossiê