O afeto como diferencial nas relações familiares: um convite à mediação como meio adequado de resolução de conflitos

Autores

  • Glenda Felix Oliveira Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC

DOI:

https://doi.org/10.32361/201810011969

Palavras-chave:

Direito de Família. Afeto. Resolução de Conflitos. Mediação.

Resumo

A família passou por uma série de transformações ao longo dos anos, deixando para trás o caráter meramente biológico e passando a se apoiar em novas bases. Atualmente, a família deve ser compreendida como um grupo social que se baseia em torno de laços afetivos. Em razão dessa nova moldura, surgiu o desafio de estabelecer formas para a resolução de conflitos decorrentes dessas relações. Diante disso, este artigo teve o objetivo de, por meio da pesquisa bibliográfica, apontar as peculiaridades das relações familiares, contemplando o afeto como seu traço diferencial. Teve ainda a ambição de compreender a mediação como a forma mais adequada para a resolução de tais conflitos. O método escolhido foi o jurídico-sociológico, que nos levou a constatar que a mediação deve ser estimulada nas ações familiares, por conseguir trabalhar de forma técnica com fatores tão subjetivos. O afeto, como base das relações familiares atuais, merece tratamento adequado dentro e fora do judiciário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Glenda Felix Oliveira, Faculdade de Tecnologia e Ciências - FTC

Mestre em Memória, Linguagem e Sociedade pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia – UESB. Pós-graduada em Direito Público pelo Centro Universitário Newton Paiva. Graduada em Direito pela Universidade Vale do Rio Doce – UNIVALE. Advogada. Secretária adjunta da OAB/BA, subseção de Vitória da Conquista. Vice-presidente da Comissão de Mediação e Arbitragem da OAB/BA, subseção de Vitória da Conquista. Mediadora Judicial. Professora de Direito de Família, Direito das Sucessões e Alternativas de Soluções de Conflitos da Faculdade de Tecnologia e Ciências – FTC. E-mail: glendafelixadv@hotmail.com.

Referências

ARAÚJO JÚNIOR, Gediel Claudino de. Prática no direito de família. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

AZEVEDO, André Gomma de (org.). Manual de Mediação Judicial. 2015. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/07/f247f5ce60df2774c59d6e2dddbfec54.pdf>. Acesso em: 03 de agosto de 2017.

BARBOSA, Aguida Arruda. Mediação: uma nova ordem social. 2016. Disponível em: <http://www.ibdfam.org.br/noticias/6006/Media%C3%A7%C3%A3o%3A+uma+nova+ordem+social>. Acesso em 25 de julho de 2016.

BRAGA NETO, Adolfo. Mediação de conflitos em relações familiares. Valor Econômico, 1° de outubro 2004, Caderno E2.

BRASIL. Código Civil. Vade Mecum. Lei 10.406 de 10 de janeiro de 2002. São Paulo: Saraiva, 2017.

BRASIL. Código de Processo Civil. Lei 13.105 de 16 de março de 2015. Vade Mecum. São Paulo: Saraiva, 2017.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Vade Mecum. São Paulo: Saraiva, 2017.

BRASIL. Lei Maria da Penha, Lei 11.340 de 7 de agosto de 2006. Vade Mecum. São Paulo: Saraiva, 2017.

BRASIL. Lei de Mediação. Lei nº. 13.140 de 26 de junho de 2015. Vade Mecum. São Paulo: Saraiva, 2017.

CAPPELLETTI, Mauro. Problemas de Reforma do Processo nas Sociedades Contemporâneas. Revista Forense (318). Rio de Janeiro, Forense, Abril/Maio/Junho, 1992, pp. 120-128.

CAPPELLETTI, Mauro; GARTH, Bryant. Acesso à Justiça. Tradução: Ellen Gracie Northfleet. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris Editor, 1988.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Conciliação e Mediação. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/programas-e-acoes/conciliacao-e-mediacao-portal-da-conciliacao>. Acesso em 29 de julho de 2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Resolução 125 de 29 de novembro de 2010. Disponível em: < http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=2579>. Acesso em 28 de julho de 2017.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. Curso de Mediação de Família. <http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/destaques/arquivo/2015/03/e82c5dcf9bcbefc1328225ce122dc98c.pdf>. Acesso em: 02 de agosto de 2017.

COSTA FILHO, Venceslau Tavares; SILVA, Ana Carolina Alves da; SOUSA, Felipe Barros de. Perspectivas para a conciliação e mediação de conflitos familiares no novo código de processo civil brasileiro. Revista dos Tribunais. vol. 945/2014| p. 247 - 257 | Jul/2014.

CUNHA, Leonardo Carneiro da; LESSA, João. A mediação e a conciliação no projeto do novo CPC: meios integrados de resolução de disputas. In: NUNES, Dierle, DIDIER JÚNIOR, Fredie et al. Novas tendências do processo civil: estudos sobre o projeto de Novo CPC. Salvador: JusPodivm, 2014.

DIAS, Maria Berenice. Manual de Direito das Famílias. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2011.

DIDIER JÚNIOR, Fredie. Curso de Direito Processual Civil. Salvador: JusPodivm, 20016.

FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de direito civil: famílias. Salvador: JusPodivm, 2016.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa. São Paulo: Editora Positivo, 2010.

GERAIGE NETO, Zaiden. O Princípio da Inafastabilidade do controle jurisdicional: art. 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal. Revista dos Tribunais: São Paulo, 2003.

GUSTIN, Miracy B. S.; DIAS, Maria Tereza Fonseca. Pensando a Pesquisa Jurídica. Belo Horizonte: Del Rey Editora, 2010.

MALUF, Adriana Caldas do Rego Freitas Dabus. Direito das Famílias – Amor e Biotética. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

SANTOS, Romualdo Baptista dos. Responsabilidade Civil na Parentalidade. In: HIRONAKA, Giselda M. F. N.; TARTUCE, Flávio; SIMÃO, José Fernando. Direito de Família e das Sucessões. São Paulo: Método, 2009.

SOARES, Lara Rafaelle Pinho. O Pluralismo Familiar: A Valorização Do Direito De Família - Antigos E Novos Paradigmas. Revista Unifacs. Disponível em: <http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:k3X3G-Gt42MJ:www.revistas.unifacs.br/index.php/redu/article/download/2442/1789+&cd=1&hl=pt&ct=clnk&gl=br>. Acesso em 02 de agosto de 2017.

SURLO, Gerlis Prata; DIAS, Maria Tereza Fonseca. Mediação e cidadania nos núcleos de prática jurídica: a experiência da Universidade Federal de Ouro Preto. Disponível em:< http://www.publicadireito.com.br/conpedi/manaus/arquivos/anais/fortaleza/3701.pdf>. Anais do XIX Encontro Nacional do Compendi realizado em Fortaleza-CE, 9, 10, 11 e 12 ju. 2010. P. 141-155. Acesso em 29 de julho de 2016.

TARTUCE, Fernanda. Mediação nos Conflitos Civis. São Paulo: Método, 2008.

THEODORO JÚNIOR, Humberto; NUNES, Dierle; BAHIA, Alexandre Melo Franco; PEDRON, Flávio Quinaud. Nono CPC – Fundamentos e Sistematização. Rio de Janeiro: Forense, 2015.

WARAT, Luiz Alberto. O ofício do mediador. Florianópolis: Habitus Editora, 2001.

Downloads

Publicado

2018-08-17

Como Citar

OLIVEIRA, G. F. O afeto como diferencial nas relações familiares: um convite à mediação como meio adequado de resolução de conflitos. Revista de Direito, [S. l.], v. 10, n. 01, p. 133, 2018. DOI: 10.32361/201810011969. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/revistadir/article/view/1969. Acesso em: 27 nov. 2021.

Edição

Seção

Artigos de fluxo contínuo