O coronelismo de Victor Nunes Leal e a modernização conservadora: colocações iniciais

  • Juliana Leme Faleiros Universidade Presbiteriana Mackenzie
  • Silvio Almeida Universidade Presbiteriana Mackenzie
Palavras-chave: Estado brasileiro, Coronelismo, Modernização conservadora, Pensamento social brasileiro

Resumo

O Estado brasileiro tem, em sua formação, características peculiares que, de alguma maneira, ainda são detectadas. Dentre elas, aponta-se o patrimonialismo, isto é, o desapreço pela separação entre público e privado. Apesar da compreensão corrente de que esta forma de Estado foi suplantada com Getúlio Vargas, no presente trabalho propõe-se a leitura de que persistem sinais de patrimonialismo que podem ser articulados à categoria de modernização conservadora. Uma das obras célebres do pensamento sociopolítico brasileiro que trata do patrimonialismo é Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil, de Victor Nunes Leal. Por esse livro, cabe investigar de que maneira é possível apreender o processo de modernização conservadora. A metodologia foi a revisão bibliográfica, alcançando, ao final, o entendimento de que a obra pode revelar o modo pelo qual o Brasil se modernizou bem como o Estado se consolidou.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Leme Faleiros, Universidade Presbiteriana Mackenzie
Doutoranda e mestra em Direito Político e Econômico pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (UPM). Especialista em Direito Constitucional pela Escola Superior de Direito Constitucional (ESDC) e em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Graduada em Direito pelo Centro Universitário Eurípides de Marília (UNIVEM) e graduanda em Ciência Política pelo Centro Universitário Internacional (UNINTER). Professora universitária. Advogada. julianalfaleiros@gmail.com
Silvio Almeida, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Professor de graduação e pós-graduação da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie, da Escola de Administração de Empresas da Fundação Getúlio Vargas e da Universidade São Judas Tadeu. Presidente do Instituto Luiz Gama. Doutro em Filosofia e Teoria Geral do Direito e bacharel em Filosofia pela USP, mestre em Direito Político e Econômico e bacharel em Direito pelo Mackenzie. silvio.almeida@mackenzie.br

Referências

AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela: crônica de uma cidade do interior. Posfácio de José Paulo Paes. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. Multidões em cena: propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas, SP: Papirus, 1998.

CARVALHO, José Murilo de. Mandonismo, coronelismo, clientelismo: uma discussão conceitual. Dados, Rio de Janeiro, v. 40, n. 2, s/p, 1997. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52581997000200003. Acesso em: 20 mai. 2019.

CARVALHO, José Murilo de. Prefácio In: LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

COUTINHO, Carlos Nelson. Cultura e sociedade no Brasil: ensaios sobre ideias e formas. 2. ed. rev. e amp. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

DOMINGUES, José Maurício. A dialética da modernização conservadora e a Nova História do Brasil. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 45, n. 3, p. 459-482, 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/dados/v45n3/a05v45n3.pdf. Acesso em: 15 nov. 2019.

GEORGES, Rafael. País estagnado: um retrato das desigualdades brasileiras. 2018. Disponível em: https://www.oxfam.org.br/sites/default/files/arquivos/relatorio_desigualdade_2018_pais_estagnado_digital.pdf. Acesso em: 20 maio.2019.

FAORO, Raymundo. A questão nacional: a modernização. Estudos Avançados, São Paulo, p. 07-22, 1992. Quadrimestral. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141992000100002. Acesso em: 25 mai. 2019.

FAUSTO, Boris. A revolução de 1930: historiografia e história. 4. ed. São Paulo: Brasiliense, 1976.

FAUSTO, Boris. História concisa do Brasil. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2001.

FERNANDES, Florestan. Capitalismo dependente e classes sociais na América Latina. 4. ed. rev. São Paulo: Global, 2009.

GIROLDO, Camila Nayara; KEMPFER, Marlene. Autonomia municipal e o federalismo fiscal brasileiro. Revista de Direito Público, Londrina, v. 3, n. 7, p. 3-20, 2012. Disponível em: em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/direitopub/article/view/12846/11714. Acesso em: 10 out. 2019.

IBGE. Carangola. Panorama. 2018. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/carangola/panorama. Acesso em: 20 mai. 2019.

LAMOUNIER, Bolívar. Vitor Nunes Leal: Coronelismo, enxada e voto. In: MOTA, Lourenço Dantas (Org.). Introdução ao Brasil: um banquete no trópico. 2. ed. São Paulo: Senac, 1999. p. 273-292.

LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIMA SOBRINHO, Alexandre José Barbosa. Prefácio. In: LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

LIMOEIRO-CARDOSO, Miriam. Capitalismo dependente, autocracia burguesa e revolução social em Florestan Fernandes. Instituto de Estudos Avançados da USP, São Paulo, p. 1-12, 1996. Quadrimestral. Disponível em: http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/textos#Am%C3%A9rica%20Latina. Acesso em: 15 out. 2018.

MAZZEO, Antonio Carlos. Estado e burguesia no Brasil: origens da autocracia burguesa. 2. ed. rev. ed. São Paulo: Cortez, 1997.

MÉSZÁROS, István. O poder da ideologia. São Paulo: Boitempo Editorial, 2004.

MOORE Jr., Barrington. As origens sociais da ditadura e da democracia: senhores e camponeses na construção do mundo moderno. Lisboa: Edições Cosmos; Santos: Livraria Martins Fontes, 1975.

NEVES, Marcos Fava. Agronegócio sustenta protagonismo na economia brasileira. [Entrevista cedida a] Ferraz Jr. Jornal da USP, São Paulo, jun. 2018. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/agronegocio-sustenta-protagonismo-na-economia-brasileira/. Acesso em: 10 out. 2019.

NOHARA, Irene Patrícia. Reforma administrativa e burocracia: impacto da eficiência na configuração do Direito Administrativo brasileiro. São Paulo: Atlas, 2012.

OXFAM BRASIL. Terrenos da desigualdade: Terra, agricultura e desigualdade no Brasil rural. 2016. Disponível em: https://oxfam.org.br/projetos/terrenos-da-desigualdade-terra-agricultura-e-desigualdade-no-brasil-rural/?_ga=2.25587261.1286877252.1570929266-1486042151.1563149705. Acesso em: 10 out. 2019.

PALMEIRA, Moacir. Modernização, Estado e questão agrária. Estudos Avançados, São Paulo, n. 7. p. 87-107, set./dez. 1989.

PIRES, Murilo José de Souza; RAMOS, Pedro. O termo modernização conservadora: sua origem e utilização no Brasil. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 40, n. 3, p. 411-424, jul. 2009. Trimestral. Disponível em: https://ren.emnuvens.com.br/ren/article/view/367. Acesso em: 15 set. 2018.

PRADO JR., Caio. História econômica do Brasil. 16. ed. São Paulo: Brasiliense, 1973.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O coronelismo numa interpretação sociológica. In: CARDOSO, Fernando Henrique et al (Org.). O Brasil republicano: estrutura de poder e economia. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997. p. 153-190.

SCHWARTZMAN, Simon. Bases do autoritarismo brasileiro. 3. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1988.

SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 35. ed. São Paulo: Malheiros, 2012.

VENÂNCIO FILHO, Alberto. Prefácio. In: LEAL, Victor Nunes. Coronelismo, enxada e voto: o município e o regime representativo no Brasil. 7. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

Publicado
2020-03-26
Como Citar
Faleiros, J. L., & Almeida, S. (2020). O coronelismo de Victor Nunes Leal e a modernização conservadora: colocações iniciais. Revista De Direito, 12(01), 01-26. https://doi.org/10.32361/202012019120
Seção
Artigos de fluxo contínuo