A categoria força de trabalho e a Crítica da Economia Política

Marx em duas décadas de estudos econômicos (1847-1865)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33228/scribes.2021.v2.11948

Resumo

A crítica da economia política de Marx se desenvolveu e se modificou com o passar do tempo. Isso se deveu tanto a fatores teóricos quanto políticos. Um aspecto fulcral, onde essas mudanças se processaram, envolve os debates em torno das categorias trabalho e força de trabalho. A economia política anterior tentou tratar desse tema, mas o seu desenvolvimento insuficiente não a permitiu entender a relação do valor, oriundo do trabalho, com processos de acumulação de capital. Marx conseguiu conectar essas duas dimensões pela distinção, progressivamente mais clara, de trabalho e força de trabalho. Destarte, Marx demonstrou que a acumulação de capital pode ocorrer mesmo em um regime de trocas entre equivalentes, porque essa separação possibilita demonstrar sua principal contribuição teórica: a teoria da mais-valia. O presente trabalho pretende retratar as transformações no trato dessas categorias na trajetória do autor entre 1847 e 1865.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elton Rosa, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorando em Economia pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (CEDEPLAR) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É Mestre em Gestão Pública pelo Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL). Possui publicações sobre Economia Política e História Econômica.

Downloads

Publicado

2021-09-23

Como Citar

Wellen, H., & Rosa, E. (2021). A categoria força de trabalho e a Crítica da Economia Política: Marx em duas décadas de estudos econômicos (1847-1865). SCRIBES - Brazilian Journal of Management and Secretarial Studies, 2(1). https://doi.org/10.33228/scribes.2021.v2.11948