INTERFACE ENTRE ASSOCIAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO

  • Cristiane Natalício de Souza Universidade Federal de Viçosa
  • Flávia Leão Almeida Silva Universidade Federal de Viçosa
Palavras-chave: Associação, Administração Pública, Gênero

Resumo

Com esta pesquisa[1], buscou-se investigar, em uma Associação de Artesãos do município de Viçosa, MG, constituída, principalmente, por “mulheres”, aspectos da economia solidária que orientam a divisão sexual do trabalho, bem como investigar a interface entre associação e administração pública. Os dados apreendidos por meio da observação direta, entrevista semi-estruturada, análise documental e história oral possibilitaram refletir, problematizar e construir uma análise relacional que realça as pluralidades subjetivas que singularizam determinadas formas de experimentar o “ser mulher”. Uma discussão que reforça a condição feminina como historicamente construída e, por isso, possível de ser negociada. Contudo, os resultados enfatizam a importância de pesquisas que possam refletir sobre aspectos simbólicos e valorativos da divisão sexual do trabalho, como construções particulares e contextuais de grupos sociais.


[1] O trabalho é parte de uma pesquisa financiada pela FAPEMIG.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Natalício de Souza, Universidade Federal de Viçosa
Possui Graduação e Mestrado em Economia Doméstica pela Universidade Federal de Viçosa - UFV, MG. Atualmente é professora efetiva do Departamento de Economia Doméstica desta universidade. Tem experiência na área de Vestuário e Têxteis, com ênfase em redes sociais e gênero.
Flávia Leão Almeida Silva, Universidade Federal de Viçosa
Bacharel em Economia Doméstica - UFV

Referências

BOURDIEU, P. Dominação masculina. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 160p.
BRUSCHINI, C. Gênero e trabalho feminino no Brasil: novas conquistas ou persistência
da discriminação? Campinas: UNCAMP, 1998. 37p. (Trabalho apresentado no Seminário
Trabalho e Gênero: mudanças, permanências e desafios realizado no NEPO/UNICAMP).
CAPITANI, D. H. D.; GARAVELLO, M. E. P. E. A atividade artesanal com fibra de
bananeira sob a perspectiva do ecodesenvolvimento. Rev. Bras. Agroecologia, v.2, n.1, fev.
2007.
COSTA, L. Aumento da participação feminina: uma tentativa de explicação. In: ENCONTRO
NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS. V. 2, Anais... ABEP, 1990. p. 231-243.
CRUZ, Maria Helena Santana. Desigualdades de gênero no mercado de trabalho
Informal. Acesso em 25 de março de 2009. Disponível em .
D`ÁVILA, S. M. G. O significado do trabalho feminino para famílias de trabalhadoras
de uma indústria de confecção em Fortaleza, CE. 1999, 130p. Dissertação (Mestrado em
Economia Doméstica) – Universidade Federal de Viçosa.
DURHAM, Eunice. Família e reprodução humana. v.3. Rio de Janeiro: Perspectiva. 1983,
p13-43.
GOIS, Antônio. Mulher tem maior renda em 30% das casas. Folha de São Paulo. Cotidiano.
C3. 08 Mar. de 2009.
HIRATA, Helena. Globalização e divisão sexual do trabalho. Cadernos Pagu, (17/18)
2001/02: pp.139-156 . Acesso em 25 de março de 2009. Disponível em:
.
HOLZMANN, L. Divisão social do trabalho. In: Dicionário crítico sobre trabalho e
tecnologia. Rio de Janeiro: Vozes, 2002, p. 84-87.
LEONE, E. T.; BALTAR, P. E. A. Diferenças de rendimento do trabalho de homens e
mulheres com educação superior nas metrópoles. Revista Brasileira de Estudos da
População, v. 23, p. 355-367, 2006.
LIMA, Jacob Carlos. Trabalho informal, autogestionário e gênero. Acesso em 25 de março
de 2009. Disponível em
.
LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós estruturalista. 4.
ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2001. 179p.
MENDES, Mariuze Dunajsk. A fragmentária história da fabrica de moves Martinho
Schulz: tradição e modernidade na produção artesanal com fibras de Curitiba.
Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Programa de Pós Graduação em Tecnologia.
UTFPR. Curitiba/PR. 2005. 210p.
MINAYO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In. Pesquisa
Social: teoria, método e criatividade / Suely Ferreira Deslandes, Otavio Cruz Neto, Romeu
Gomes, Maria Cecília de Souza Minayo (organizadora). 7.ed. Rio de Janeiro: Vozes, 1994.
342p.
NUNES, Maria Albina Machado. Artifícios sem arte: o trabalho e a formação das
mulheres em uma indústria cerâmica de Santa Catarina. Dissertação (Mestrado em
Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação. UFSC. Florianópolis/SC. 2006. 110p.
POSTHUMA, Anne Caroline. Abertura e ajuste do mercado de trabalho no Brasil:
políticas para conciliar os desafios e emprego e competitividade. 1999 472p. Disponível
em: http://www-ilomirror.cornell.edu/public/english/employment/strat/cerp/download/brasil.pdf#page=179
RAGO, L. Margareth. Epistemologia Feminista, Gênero e Historia. 1 ed. Florianópolis:
editora das Mulheres, 1998.
http://www.projcnpq.mpbnet.com.br/textos/epistemologia_feminista.pdf
WAJNMAN, S. PERPÉTUO, I. H. A redução do emprego formal e a participação
feminina no mercado de trabalho brasileiro. Belo Horizonte: Nova Economia, 1997.
SINGER, Paul. Globalização e Desemprego – Diagnóstico e Alternativas. São Paulo:
Contexto, 1998.
Publicado
2011-07-25
Como Citar
Natalício de Souza, C., & Leão Almeida Silva, F. (2011). INTERFACE ENTRE ASSOCIAÇÃO, ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DIVISÃO SEXUAL DO TRABALHO. Administração Pública E Gestão Social, 2(4), 403-422. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/4034
Seção
Artigos