Abordagem sobre a participação no Governo Lula

  • JOSÉ ROBERTO PALUDO UFSC Universidade Federal de Santa Catarina
Palavras-chave: Participação, Políticas Públicas, Governo Federal

Resumo

 

O tema da participação em políticas públicas ganhou espaço na agenda institucional nos anos 1980, despertou grande interesse na academia e embora se perceba um declínio da sua ação o Brasil ainda é considerado um “laboratório de experiências” de práticas participativas para o mundo (CORTES e SILVA, 2010).

O presente artigo inicia por uma revisão das principais correntes teóricas que abordam o tema da participação em políticas públicas e em seguida apresenta os resultados da experiência desse tipo de política na esfera federal, durante o governo Lula (2003/10) a partir de um balanço publicado pela Secretaria Geral da Presidência da República (SGPR - BRASIL, 2011) e do Comunicado de número 132 do IPEA (2012).Tais documentos são analisados à luz do referencial teórico e apontados avanços e desafios futuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

JOSÉ ROBERTO PALUDO, UFSC Universidade Federal de Santa Catarina
Graduação em História (UNIJUÍ); Master e Ciências Políticas Aplicadas (FIIAPP - Espanha); Mestre em Sociologia Política (UFSC) e doutorando em Sociologia Política (UFSC)

Referências

ABERS, R.N. e KECK, M.E. Representando a diversidade: Estado, sociedade e “relações fecundas” nos conselhos gestores. CADERNO CRH, Salvador, v. 21, n. 52, p. 99-112, Jan./Abr. 2008;

ALMEIDA, D.C.R e CUNHA, E.S.M. A análise da deliberação democrática: princípios, conceitos e variáveis relevantes (p. 109-124). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

BORBA, J. Participação política como resultado das instituições participativas: oportunidades políticas e o perfil da participação (P.65-76). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

BRASIL (2011). Org. DULCI, L. Democracia Participativa, nova relação do Estado com a sociedade (2003-2010). Brasília: Secretaria Geral da Presidência da República, 2011;

CAMPOS, G.A.G., Participação e representações não avaliativas: a produção de significados nas experiências participativas (p. 53-65). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

CORTES, S.V. e SILVA, M. K. Sociedade civil, instituições e atores estatais: interdependências e condicionantes da atuação de atores sociais em fóruns participativos. Revista Estudos Sociológicos. Araraquara (SP), v.15, n.29, p.425-444, 2010;

CORTES, S.V. Instituições participativas e acesso a serviços públicos nos municípios brasileiros (p. 77-84). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

CUNHA, E.S.M., ALMEIDA, D.C.R., FARIA, C.F. e RIBEIRO, U.C. Uma estratégia multidimensional de avaliação dos conselhos de políticas: dinâmica deliberativa, desenho institucional e fatores exógenos (p.297-321). In PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

DAGNINO, E.; OLIVEIRA, A.J.; PANFICHI, A. Para uma outra leitura da disputa pela construção democrática na América latina. In: DAGNINO, E.; OLIVEIRA, A.J.; PANFICHI, A. (orgs) A disputa pela construção democrática na América Latina. SP: Paz e Terra; Campinas: Unicamp, 2006;

ELSTUB, S. Overcoming complexity: institutionalising deliberative democracy through secondary associations. The Good Society, V. 16, N. 1, 2007, pp. 14-22;

FARIA, C.F e RIBEIRO, U.C. Desenho institucional: variáveis relevantes e seus efeitos sobre o processo participativo (p.125- 136). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

FONSECA, I.F. Relações de poder e especificidades do contexto em fóruns participativos (159-170). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

IPEA (2012). Participação social como método de governo: um mapeamento das “interfaces socioestatais” nos programas federais. Brasília: Comunicado nº 132 do IPEA (29p), 25 de janeiro de 2012;

LAVALLE, A.G., Participação: valor, utilidade, efeitos e causas (p.33-42). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

LUBAMBO, Catia W. ; MIRANDA, A. P. . O que há de novo na análise da participação depois de duas décadas?. In: Sylvana Maria Brandão Aguiar (org.). (Org.). Gestão Pública: práticas e desafios. 1 ed. Recife: Bagaço, 2007, v. 1, p. 15-50;

LUCHMANN, L. A representação no interior das experiências de participação. Revista Lua Nova. nº 70. São Paulo: 2007;

LÜCHMANN, L. H.H. Modelos contemporâneos de democracia e o papel das associações. (mimeo). Florianópolis: UFSC, 2011;

SILVA, F.S. “De cada um conforme suas capacidades”: participação, ambientes institucionais e capacidade de incidência em políticas públicas (p.187-196). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

SOUZA, C.H.L. Conferências e os desafios metodológicos de seu estudo (p. 197-209). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

TATAGIBA, L.F. A questão dos atores, seus repertórios de ação e implicações para o processo participativo (p. 171- 186). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

WAMPLER, B. (a) Instituições participativas como “enxerto” na estrutura do Estado: a importância de contextos, atores e suas estratégias (p. 152-171). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

WAMPLER, B. (b) Que tipos de resultados devemos esperar das instituições participativas? (p.41-51). In: PIRES, R.R.C.(org) Efetividade das instituições participativas no Brasil: estratégias de avaliação. Brasília: Ipea, 2011;

YOUNG, I.M. Activist challenges to deliberative democracy. Political Theory, vol. 29, n. 5, 2001, p. 670-690;
Publicado
2019-07-01
Como Citar
PALUDO, J. R. (2019). Abordagem sobre a participação no Governo Lula. Administração Pública E Gestão Social, 11(3), 1-13. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5365
Seção
Artigos