Actores, Recursos e Intereses en la Formulación de la Política Nacional de Residuos Sólidos

  • Lia de Azevedo Almeida UFT - Universidade Federal do Tocantins
  • Ricardo Corrêa Gomes Unb - Universidade de Brasília
Palavras-chave: Processo político, Formulação de políticas públicas, Análise de políticas públicas

Resumo

O objetivo é analisar os recursos possuídos, interesses e os conflitos estabelecidos entre os atores de forma a compreender o processo de formulação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Foram retomados os aportes teóricos sobre o papel desempenhado pelos atores e seus recursos no processo de políticas públicas. Foram analisadas notas taquigráficas de audiências públicas entre os anos de 2007 a 2010 e entrevistados atores relevantes conforme critério de conveniência. Verificou-se que àqueles atores que possuíam informações técnicas, exerceram pouca influência no desenho da política, por outro lado, destacaram-se atores com recursos mais relevantes, como a Confederação Nacional de Indústria (CNI) e o relator do projeto no grupo de trabalho na Câmara, o Deputado Arnaldo Jardim, que atuaram como policy entrepeneur e policy broker respectivamente, exercendo fundamental influência para a viabilização do conceito de responsabilidade compartilhada e para um maior protagonismo dos catadores na lei. Os resultados apontam para o fato de que os recursos possuídos pelos atores são um importante aspecto explicativo do processo decisório em políticas públicas.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lia de Azevedo Almeida, UFT - Universidade Federal do Tocantins
Doutora em Administração pela UnB (Universidade de Brasília), com habilitação em Administração Pública e Políticas Públicas. Mestre em Desenvolvimento Regional pela UFT (Fundação Universidade Federal do Tocantins) na linha de pesquisa de Políticas Públicas e Desenvolvimento (2012). Graduação em Relações Internacionais pela UNESP - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2007). Atualmente é Professora em Regime de Dedicação Integral à Docência e à Pesquisa, na Universidade Federal do Tocantins (UFT), atuando como docente no Mestrado Profissional em Gestão de Políticas Públicas e no curso de graduação em Administração. Atua em pesquisas na área de Políticas Públicas atuando principalmente nos seguintes temas: análise de políticas públicas (ênfase nos modelos de policy making), teoria da complexidade e suas metodologias aplicadas a área de políticas públicas, avaliação de programas e políticas governamentais.
Ricardo Corrêa Gomes, Unb - Universidade de Brasília
Ricardo Corrêa Gomes é pós-doutor pela Georgia State University (2014). É Bolsista PQ-1D do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq); É Diretor Geral Adjunto responsável pela área educacional da Escola Superior de Administração Fazendária - ESAF do Ministério da Fazenda. É professor Associado II da Universidade de Brasília; Membro do Comitê Científico da Divisão de Administração Pública e Governo da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. É membro do Conselho Editorial dos seguinte periódicos: Public Management Review, International Journal of Public Sector Management, Finance and Accountability Management, Journal of Public and Private Healthcare Management and Economics e Organizações & Sociedade. Atua como orientador de teses de doutorado e mestrado nas áreas de administração pública, teoria de stakeholders, estratégia no setor público e governança do setor público.

Referências

Referências bibliográficas

Bardach, E. (1998). Los ocho pasos para el análisis de políticas públicas. Ed. CIDE, Porrua. México.

Baumgartner, F. R. & Jones, B. D. (2010). Agendas and instability in American politics. University of Chicago Press, 2010.

Brasil. (2007). Poder Executivo. Projeto de lei PL 1991/2007. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências.

Brasil. (2010). Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos altera a Lei n 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3.8.

Capella, A. C. N. (2016). Um estudo sobre o conceito de empreendedor de políticas públicas: Ideias, Interesses e Mudanças. Cadernos EBAPE. BR, 14, 486-505.

Dye, T. R. (1976). Policy analysis: what governments do, why they do it, and what difference it makes. Univ of Alabama Pr.

Dye, T. R. (2009). Mapeamento dos modelos de análise de políticas públicas. Políticas Públicas e Desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2, 99-128.

Fonseca, F. (2013). Dimensões críticas das políticas públicas. Cadernos EBAPE. BR, 11(3), 402-418.

Gómez, R. D (2012). Gestión de políticas públicas: aspectos operativos. Revista Facultad Nacional de Salud Pública, 30 (2), 223-236.

Gordon, I., Lewis, J., & Young, K. (1977). Perspectives on policy analysis. Public.

Ham, C., Hill, M. J., & Pollock, F. (1988). The policy process in the modern capitalist state. Royal Victorian Institute for the Blind. Tertiary Resource Service.

Howlett, M., Ramesh, M., & Perl, A. (2013). Política pública: seus ciclos e subsistemas–uma abordagem integral. Trad. Francisco G. Heidemann. RJ: Elsevier.

Jannuzzi, P. D. M. (2012). Indicadores Sociais na formulação e Avaliação de Políticas Públicas. 9p.

Kingdon, J. W. (2010). Agendas, Alternatives, and Public Policy. 2 ed. Pearson.

Lasswell, H. D. (1999). The policy orientation. The Science of Public Policy: Evolution of policy sciences, pt. 1, 1, 13.

Melo, M. A. (1999). Estado, governo e políticas públicas. O que ler na ciência social brasileira (1970-1995), 3, 59-100.

Ramos, M. P., & Schabbach, L. M. (2012). The state of the art of public policy evaluation: concepts and examples of evaluation in Brazil. Revista de Administração Pública, 46(5), 1271-1294.

Rua, M. G. (2009). Políticas públicas. CAPES; [Florianópolis.

Sabatier, P. A.& Jenkins-Smith, H. C (1999). The advocacy coalition framework: An assessment. Theories of the policy process, v. 118, p. 188.

Sabatier, P. A. (Ed.). Theories of the Policy Process. 2. ed. Boulder: Westview Press.

São Paulo (2006). Lei estadual nº 12.300, de 16 de março de 2006. Institui a Política Estadual de Resíduos Sólidos e define princípios e diretrizes.

Secchi, L. (2014). Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2. Ed. São Paulo: Cengage Learning.

Souza, C. (2006). Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, 8(16), 20-45.
Spink, M. (1999) Análise de documentos de domínio público in Spink MJP (Org.), Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano: São Paulo (SP): Cortez.


Weible, C. M., & Sabatier, P. A. (2005). Comparing policy networks: Marine protected areas in California. Policy Studies Journal, 33(2), 181-201.

Weible, C. M. (2007). An advocacy coalition framework approach to stakeholder analysis: Understanding the political context of California marine protected area policy. Journal of public administration research and theory, 17(1), 95-117.

Yin, R. K. (2011). Applications of case study research. Sage.
Publicado
2018-07-01
Como Citar
de Azevedo Almeida, L., & Corrêa Gomes, R. (2018). Actores, Recursos e Intereses en la Formulación de la Política Nacional de Residuos Sólidos. Administração Pública E Gestão Social, 10(3), 161-169. Recuperado de https://periodicos.ufv.br/apgs/article/view/5316
Seção
Artigos