Governança Participativa em Moçambique: Dinâmicas do Envolvimento dos Cidadãos na Gestão Municípal na Cidade de Xai-Xai

Autores

  • Albino Alves Simione Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Pedagógica de Mocambique
  • Ivan Beck Ckagnazaroff Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.21118/apgs.v1i1.5025

Palavras-chave:

Participação, Gestão Municipal, Conselhos Locais, Políticas Públicas.

Resumo

Neste trabalho refletimos sobre as dinâmicas do envolvimento dos cidadãos nos processos decisórios no nível municipal em Moçambique a partir da institucionalização dos conselhos locais e estruturas de interação social comunitárias. Consideramos para isso, o conceito de governança participativa e suas dimensões sociopolíticas que fundamentam o processo da democracia participativa. O estudo é relevante, pois permeia questões fundamentais referentes à democratização da administração pública, sobretudo o processo recente que se observa no contexto moçambicano. Realizamos uma análise às práticas adotadas no Município da cidade de Xai-Xai. O estudo caracteriza-se como qualitativo interpretativo e exploratório desenvolvido através de documentos e entrevistas submetidos à análise de conteúdo. Os resultados apontam a existência de avanços importantes nas práticas de participação adotadas, mas também fragilidades nas estruturas sociopolíticas de representação social nas arenas de decisão das políticas públicas constituídas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Albino Alves Simione, Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Pedagógica de Mocambique

Doutorando em Administracao pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, possui Mestrado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE, Brasil. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Gestão Organizacional e Governança no Setor Público. É Graduado em Administração Pública pelo Instituto Superior de Relações Internacionais – ISRI (2006).

 

Possui Especialização em Direito das Autarquias Locais pela Universidade Eduardo Mondlane - UEM (2009). Atualmente é funcionário público do quadro de pessoal do Governo da Província de Gaza e desempenhou a função de Coordenador do Departamento de Administração Territorial e Autárquica – DATA, na Secretaria Provincial.

 

Trabalha como professor universitário principalmente nas seguintes áreas: Gestão Estratégica, Economia e Finanças Públicas, Administração Sistemas e Funções; Comportamento Organizacional; Empreendedorismo; Gestão Orçamental nas Autarquias. Professor na Universidade São Tomás de Moçambique (USTM), Delegação de Xai-Xai; na Universidade Pedagógica (UP), Delegação de Gaza; e no Instituto de Formação em Administração Pública e Autárquica (IFAPA), na Cidade de Xai-Xai.

É autor de varios Artigos Científicos publicados internacionalmente em revistas como; Public Administration Research – PAR, pela Revista de Administração Pública – RAP. e outras outroa.

 

Ivan Beck Ckagnazaroff, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Economia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1981), mestrado em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (1988) e doutorado em Doctoral Programme Aston Business School - Aston University (1993). Atualmente é professor associado do Departamento de Ciencias Administrativas e do Cepead da Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Organizações Públicas, atuando principalmente nos seguintes temas: Administração Pública (governança, modernização administrativa, descentralização, parceiras) e terceiro setor. Avaliador de periódicos cientificos.

Referências

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. 3. ed. Lisboa: Edições 70. 2004.

BEVIR, M. Governança democrática: uma genealogia. Revista de Sociologia e Política, v. 19, n. 39, p. 103-114, 2011.

CANHANGA, N. Os desafios da descentralização e a dinâmica da planificação participativa na configuração de agendas políticas locais. In: BRITO, L. et al. (Eds.). Cidadania e Governação em Moçambique. Maputo: IESE. p. 90-118, 2009.

CHABAL, P. The quest for good government and development in Africa: is NEPAD the answer?. International Affairs, v. 78, n. 3, p. 447-462, 2002.

CHHOTRAY, V; STOKER, G. Governance theory and practice. A Cross-Disciplinary Approach. Houndsmills: Palgrave Macmillan, 2009.

CIRESP. Estratégia global de reforma do sector público: 2001-2011. Maputo, 2001.

CORNWALL, A.; COELHO, V. Spaces for change?: the politics of citizen participation in new democratic arenas. Zed Books, 2007.

FARAZMAND, A. Sound governance: engaging citizens through collaborative organizations. Public Organization Review, v. 12, n. 3, p. 223-241, 2012.

FORQUILHA, S.; OREE, A. Transformações sem mudanças? Os conselhos locais e o desafio da institucionalização democrática em Moçambique. In: BRITO, L. et al. (Eds.). Desafio para Moçambique 2011. Maputo: IESE, p. 35–53, 2012.

GAVENTA, J; BARRETT, G. Mapping the outcomes of citizen engagement. World Development, v. 40, n. 12, p. 2399-2410, 2012.

GODOY, A. Estudo de caso qualitativo, In: GODOI, C., et al. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, p. 115-145, 2010.

GRINDLE, M. Good enough governance revisited. Development Policy Review, v. 25, n. 5, p. 533-574, 2007.

KEARNS, A. Active citizenship and local governance: political and geographical dimensions. Political Geography, v. 14, n. 2, p. 155-175, 1995.

KOOIMAN, J. Governance. A social-political perspective. In: GROTE, J. R. e GBIKPI B. (Eds.). Participatory governance. Political and scietal implications. Opladen: Leske-Budrich, p. 71-96, 2002.

LÜCHMANN, L. Os sentidos e desafios da participação.Ciências Sociais Unisinos, v. 42, n. 1, p. 19-26, 2006.

MATTOS, P. Análise de entrevistas não estruturadas: da formalização. In: Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. GODOI, C. K.; BANDEIRA-de-MELO, R.; BARBOSA da SILVA, A. (Org.). São Paulo: Saraiva, 2010, p. 347-370.

NGUENHA, E. Governação municipal democrática em Moçambique: alguns aspectos importantes para o desenho e implementação de modelos do orçamento participativo. In: II Conferência do IESE sobre Dinâmicas da pobreza e padrões de acumulação em Moçambique. Maputo. 2009.

OSBORNE, S. The new public governance? Public Management Review, v. 8, n. 3, p. 377-387, 2006.

PETERS, G.; MURILLO, L. Gobernanza y burocracia pública:¿ nuevas formas de democracia o nuevas formas de control?. Foro internacional, v. 45, n. 4, p. 585-598, 2005.

ROBERTS, N. Public deliberation in an age of direct citizen participation. The American Review of Public Administration, v. 34, n. 4, p. 315-353, 2004.

SALVADOR, M; RAMIÓ, C. Institutionalizing participatory democracy and the emergence of an epistemic community in Spanish local government. Journal of Urban Affairs, v. 33, n. 5, p. 491-510, 2011.

SANTISO, C. et al. World Bank and good governance: good governance and aid effectiveness: the World Bank and conditionality. Geo. Public Pol'y Rev., v. 7, p. 1-137, 2001.

SMITH, G. Democratic innovations: designing institutions for citizen participation. Cambridge University Press, 2009.

SPEER, J. Participatory governance reform: A good strategy for increasing government responsiveness and improving public services?. World Development, v. 40, n. 12, p. 2379-2398, 2012.

VIGODA, E. From responsiveness to collaboration: Governance, citizens, and the next generation of public administration. Public Administration Review, v. 62, n. 5, p. 527-540, 2002.

Downloads

Publicado

2017-01-01

Como Citar

Simione, A. A., & Ckagnazaroff, I. B. (2017). Governança Participativa em Moçambique: Dinâmicas do Envolvimento dos Cidadãos na Gestão Municípal na Cidade de Xai-Xai. Administração Pública E Gestão Social, 1(1), 64-74. https://doi.org/10.21118/apgs.v1i1.5025

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.